Home
Estudos
EBD
Discipulado
Mapas
Igreja
Ervália
Corinhos
Figuras1
Figuras2
Vídeos
Fotos
  
 
 
 
 
Lição 1, O que é a Mordomia Cristã
3º Trimestre de 2019 - Tempos, Bens e Talentos - Sendo Mordomo Fiel e Prudente com as coisas Que DEUS nos tem dado - Comentarista CPAD - Elinaldo Renovato de Lima
Complementos, Ilustrações e Vídeos: Pr. Luiz Henrique de Almeida Silva - 99-99152-0454. - henriquelhas@hotmail.com - Americana - SP
Para nos ajudar -
Caixa Econômica e Lotéricas - Agência 3151 operação 013 - conta poupança 56421-6 Luiz Henrique de Almeida Silva
Bradesco – Agência 2365-5 Conta Corrente 7074-2 Luiz Henrique de Almeida Silva
Banco do Brasil – Agência 4322-2 Conta Poupança 27333-3 Edna Maria Cruz Silva
 
Escrita  - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao1-tbt-3tr19-O%20que%20%C3%A9%20a%20Mordomia%20Crist%C3%A3.html
Slides https://ebdnatv.blogspot.com/2019/07/slides-licao-1-o-que-e-mordomia-crista.html
Vídeo da Lição 1 - https://www.youtube.com/watch?v=fpQR5XzLfDA
Ajuda para a lição -http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/mordomia%20crista.htm Escrita
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao1mordomia.htm
TEXTO ÁUREO
“E disse o Senhor: Qual é, pois, o mordomo fiel e prudente, a quem o senhor pôs sobre os seus servos, para lhes dar a tempo a ração? Bem-aventurado aquele servo a quem o senhor, quando vier, achar fazendo assim.” (Lc 12.42,43)

VERDADE PRÁTICA
DEUS nos confiou a mordomia dos bens materiais e espirituais; por isso, sejamos vigilantes e zelosos, porque, em breve, Ele nos chamará a prestar contas de tudo quanto recebemos.
LEITURA DIÁRIA
Segunda – Gn 15.2 Um mordomo de confiança
Terça – 1 Co 4.1,2 Despenseiros de CRISTO
Quarta – Lc 10.30-37 A mordomia do amor cristão
Quinta – 2 Tm 4.7,8 A mordomia da fé cristã
Sexta – 1 Cr 29.1 Tudo o que temos vem de DEUS
Sábado – Mt 6.20 Ajuntando tesouros no céu
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Lucas 12.42-48
42 - E disse o Senhor: Qual é, pois, o mordomo fiel e prudente, a quem o senhor pôs sobre os seus servos, para lhes dar a tempo a ração? 43 - Bem-aventurado aquele servo a quem o senhor, quando vier, achar fazendo assim. 44 - Em verdade vos digo que sobre todos os seus bens o porá. 45 - Mas, se aquele servo disser em seu coração: O meu senhor tarda em vir, e começar a espancar os criados e criadas, e a comer, e a beber, e a embriagar-se, 46 - virá o Senhor daquele servo no dia em que o não espera e numa hora que ele não sabe, e separá-lo-á, e lhe dará a sua parte com os infiéis. 47 - E o servo que soube a vontade do seu senhor e não se aprontou, nem fez conforme a sua vontade, será castigado com muitos açoites. 48 - Mas o que a não soube e fez coisas dignas de açoites com poucos açoites será castigado. E a qualquer que muito for dado, muito se lhe pedirá, e ao que muito se lhe confiou, muito mais se lhe pedirá.
 
 
OBJETIVO GERAL - Mostrar que DEUS confiou aos seus filhos a mordomia dos bens espirituais e materiais.
 
 
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Apresentar o conceito de “Mordomo” e de “Mordomia”;
Expor acerca da mordomia espiritual do cristão;
Explicar a mordomia dos bens materiais.
 
 
INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Vamos iniciar mais um trimestre de estudos. Neste período, temos a oportunidade de refletir sobre o nosso ministério de ensino. Precisamos analisar com sinceridade o nosso método de trabalho, o que tem sido feito para garantir o processo de ensino-aprendizagem dos alunos. O exercício dessa análise, por si só, abre uma porta para pensarmos a respeito do tema deste trimestre: a Mordomia.
Como temos administrado o nosso tempo? O nosso ministério? A nossa vida espiritual? O nosso dinheiro? São perguntas que deveríamos fazer com muita sinceridade.
Antes de iniciar a lição em classe, apresente o comentarista deste trimestre: pastor Elinaldo Renovato. Ele é líder da Assembleia de DEUS em Parnamirim, RN; professor universitário; bacharel em ciências econômicas; escritor de diversas obras editadas pela CPAD.
 
 
PONTO CENTRAL - DEUS nos confiou a mordomia dos bens espirituais e materiais.
 
Resumo da Lição 1, O que é a Mordomia Cristã
I – CONCEITOS DE MORDOMIA*
1. Mordomo.
2. Mordomia.
II – A MORDOMIA ESPIRITUAL DO CRISTÃO
1. A mordomia do amor cristão.
2. A mordomia da fé cristã.
3. A fé como patrimônio espiritual.
III – A MORDOMIA DOS BENS MATERIAIS
1. O cristão e as finanças.
2. O cristão e as riquezas.
3. O cristão e a contribuição para a igreja.
 
 
SÍNTESE DO TÓPICO I - A função de mordomo corresponde ao administrador; a mordomia, na Bíblia, refere-se à administração dos bens espirituais e materiais. ]
SÍNTESE DO TÓPICO II - A mordomia espiritual do cristão envolve a prática do amor e o exercício da fé.
SÍNTESE DO TÓPICO III - A mordomia dos bens materiais do cristão envolve as finanças, as riquezas e contribuição para a igreja.
 
 
 
COMENTÁRIOS DO Pr. HENRIQUE
 
INTRODUÇÃO
Neste trimestre, estudaremos a Mordomia Cristã. Assim, veremos que o Pai levantou a Igreja para cuidar dos seus interesses na Terra.
 
Qualquer função para ser bem exercida exige preparação adequada. Com a mordomia não é diferente. O que significa a palavra mordomo? Que qualificações morais, intelectuais e emocionais devem ser exigidas de um bom mordomo? Quais são as tarefas pertinentes ao despenseiro? Quais as suas atribuições? Qual a diferença entre servo e mordomo?
 
Segundo está escrito em 1 Coríntios 4.2, fidelidade é pré-requisito fundamental para o perfeito desempenho das funções de administrador. No Reino de DEUS não é diferente. Tanto é assim que, na parábola dos dez talentos, aquele senhor, ao receber relatório do trabalho prestado, declarou “bem está servo bom e fiel […]”.
Fiel é aquele que inspira confiança, que não falha, que não muda. Que cumpre aquilo a que se obriga. Que é capaz de cumprir com diligência as ordens de seu senhor. Que é capaz de defender com zelo os bens a ele confiados.
Esta mesma parábola revela-nos que aquele proprietário distribuiu àqueles homens tarefas de acordo com a capacidade que possuíam para executar o trabalho, portanto, não há desculpas para a negligência. Segundo nossa capacidade, devemos cumprir nossa missão como bons administradores de DEUS na terra.
 
Segundo está escrito em 1 Coríntios 4.2, fidelidade é pré-requisito fundamental para o perfeito desempenho das funções de administrador. No Reino de DEUS não é diferente. Tanto é assim que, na parábola dos dez talentos, aquele senhor, ao receber relatório do trabalho prestado, declarou “bem está servo bom e fiel […]”.
Fiel é aquele que inspira confiança, que não falha, que não muda. Que cumpre aquilo a que se obriga. Que é capaz de cumprir com diligência as ordens de seu senhor. Que é capaz de defender com zelo os bens a ele confiados.
Esta mesma parábola revela-nos que aquele proprietário distribuiu àqueles homens tarefas de acordo com a capacidade que possuíam para executar o trabalho, portanto, não há desculpas para a negligência. Segundo nossa capacidade, devemos cumprir nossa missão como bons administradores de DEUS na terra.
 
A mordomia é prestada de maneira espiritual e material.
No aspecto espiritual é exercida em amor cristão, segundo a fé cristã, que é patrimônio espiritual.
No aspecto material ao cristão é confiado a fidelidade quanto às finanças, riquezas e contribuição para a igreja.
 
Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a DEUS no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a DEUS. 1 Coríntios 6:20
 
 
1. Mordomo.
A palavra no latim é major domu, e significa “o criado maior da casa”, “administrador dos bens de uma casa”, “ecônomo” (Dicionário Aurélio).
 
O ESPÍRITO SANTO trabalha como mordomo, Organizando o corpo de CRISTO, ensinando-o, capacitando-o, guiando-o, dando-lhe estratégias e armas para a evangelização, conduzindo a noiva (igreja) ao noivo (JESUS).
 
Um belo retrato da obra do ESPÍRITO SANTO acha-se em Gênesis 24. Isaque, como sabemos, é um dos tipos de CRISTO. As promessas a Abraão referentes a sua descendência eram, segundo demonstra Gálatas, referências ao próprio Senhor, embora tenham tido seu primeiro cumprimento em Isaque. Ele era o filho unigênito do pai, seu bem amado. E nós já vimos que a cena do monte Moriá prefigurava o amor daquele “que não poupou a seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós” (Rm 8.31), e por isso se tornou Jeová-Jiré, pois juntamente com CRISTO, nos dá gratuitamente todas as coisas. Nesse capítulo, temos um relato do pai que envia o mordomo (servo) para buscar uma esposa para o filho — o filho que figuradamente já passou pela morte e a ressurreição. Esse mordomo ( servo) tipifica o ESPÍRITO SANTO, que agora chama um povo para o nome de JESUS. Em primeiro lugar, temos as instruções dadas ao mordomo (servo). A noiva de Isaque deve ser trazida diretamente da terra onde ela mora. Não há nenhuma dúvida quanto às instruções. O mordomo (servo) dá a entender que talvez ela prefira permanecer em casa e não queira ir até Isaque. Nesse caso, o mordomo (servo) deveria descer com Isaque até ela? Abraão está muito resoluto — o lugar de Isaque não é ali. Conforme disse Spurgeon a respeito desse versículo 5: “O Senhor JESUS CRISTO chefia o grande grupo de imigrantes que saiu diretamente do mundo”.
No versículo 10 ficamos sabendo que o mordomo (servo) não vai de mãos vazias, mas leva consigo amostras das riquezas de Abraão e Isaque — “do que o seu senhor tinha de melhor”. Quando o ESPÍRITO SANTO desceu, também trouxe consigo o penhor do que receberiam os que escutassem sua mensagem, pois ele mesmo é o penhor, também trouxe os dons do ESPÍITO SANTO.
No belo retrato oriental da cena à beira do poço, temos o mordomo (servo), que foi guiado até aquela que DEUS destinara a Isaque, perguntando se havia lugar para ele na casa do pai dela. Se ela tivesse recusado, ele jamais lhe poderia ter falado de Isaque. Quando o mordomo (servo) é admitido, pensa primeiro no recado: “Não comerei enquanto não disser o que tenho para dizer”. Nunca se esquece disso, e seu objetivo, como o do ESPÍRITO SANTO, prefigurado por ele, é falar daquele que o enviou: “Quando vier o Consolador (ajudador, ensinador, conselheiro), que eu enviarei a vocês da parte do Pai, o ESPÍRITO da verdade que provém do Pai, ele testemunhará a meu respeito” (Jo 15.26). “Não falará de si mesmo” (16.13).
Desse modo, o mordomo de Abraão fala a respeito do seu senhor, do filho do seu senhor e de todas as suas posses e dá a Rebeca alguns objetos preciosos que trouxera. “O Senhor o abençoou muito, e ele se tornou rico”, e o filho “é herdeiro de tudo o que Abraão possui”. Em João lemos: “O Pai ama o Filho, e todas as coisas deu a ele” e ainda: “Todas as coisas que o Pai tem são minhas”. Mas ainda faltava uma coisa a Isaque, ele não queria desfrutar todos os bens sozinho. Assim como DEUS dissera a respeito de Adão: “Não é bom que o homem esteja só; farei para ele alguém que o auxilie e lhe corresponda” (Gn 2.18), a tarefa do mordomo (servo) era buscar Rebeca. Com esse propósito, tomou daquilo que era de Isaque e o mostrou a Rebeca para comprovar a veracidade de suas palavras acerca das riquezas. “Receberá do que é meu e o tomará conhecido a vocês”. Além disso, prometeu-lhe bênçãos em Isaque e lhe mostrou coisas futuras.
Os parentes dela não queriam que ela fosse tão cedo, mas não podia haver demora. “Não me detenham”, o servo lhes disse quando sugeriram que Rebeca ficasse mais uns dez dias com eles. “Diz o ESPÍRITO SANTO: Hoje” (Hb 3.7). “Agora é o tempo aceitável”. A pergunta é feita a Rebeca. Ela acredita no que ouviu? Está convencida de que Isaque realmente quer que ela vá até ele? Está disposta a entregar-se à orientação daquele que foi buscá-la? Perguntam-lhe: “Você quer ir com este homem?” Sua resposta é: “Sim, quero”.
Acredita no relato que o mensageiro mordomo (servo) lhe trouxe e, “esquecendo-se das coisas que ficaram para trás e avançando para as que estão adiante, prossegue para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial” (Fp 3.13,14) — será noiva de Isaque.
Deixa o antigo lar e também se esquece de seu próprio povo e da casa do seu pai (Sl 45.10), e começa a viagem pelo deserto sob a orientação do mordomo (servo). Lemos em Gênesis 24.61 que Rebeca e suas servas “partiram com o homem. E assim o mordomo (servo) partiu levando Rebeca”. Podemos ter certeza de que era estrada certa, pois ele conhecia o melhor caminho para seguir, uma vez que passara por ele antes. E não é provável que Rebeca tenha procurado escolher seu próprio caminho — ficou feliz em ser guiada. Da mesma forma, nós também estamos sendo guiados pelo ESPÍRITO de DEUS.
Podemos imaginar que durante a viagem e nos vários locais de parada ela perguntava sobre Isaque e desejava saber mais a respeito daquele com quem se encontraria. Nada se diz acerca dessas conversas, pois cita-se apenas uma pergunta, e a resposta, que caracteriza o todo. Rebeca pergunta: “Quem é aquele homem?". O mordomo (servo) responde: “E meu senhor”. Do início ao fim, esse é o único tema do mordomo (servo). Não fala se si mesmo, mas somente fala bem de Isaque e, por fim, consegue introduzir Rebeca na presença dele. O tipo é tão claro que ninguém pode deixar de enxergar sua beleza. Também nós, que cremos na mensagem, estamos sendo levados pelo Guia fiel em nossa viagem pelo deserto até contemplá-lo face a face no celeste porvir.
Oh! bendita alegria do encontro — depois de passado o deserto!
Oh! maravilhosas palavras de boas-vindas que ouviremos por certo!
Isaque, entrementes, estava esperando sua noiva. Temos duas informações a respeito dele: uma, ele veio encontrar-se com ela, saindo de Beer-Laai-Roí (Gn 24.62; 25.11), “poço daquele que vive e me vê”; a outra, enquanto ela estava a caminho, ele saía de tarde ao campo para meditar (ou orar arc) .
As palavras da oração de Isaque não são citadas, mas temos o registro de outra oração, proferida por Alguém que sempre habitou na presença de DEUS, e suplica por aqueles que estão viajando até ele através do deserto. “Pai santo, protege-os em teu nome, o nome que me deste.” “Dei-lhes a glória que me deste.” “Pai, quero que os que me deste estejam comigo onde eu estou e vejam a minha glória” (Jo 17.11,22,24).
O capítulo 24 de Gênesis termina com a garantia da satisfação e do amor de Isaque — “e a amou”. A história fica muito aquém do antítipo, posto que Isaque não precisou suportar sofrimento algum a fim da ganhá-la para ser sua noiva, mas Aquele que é prefigurado por Isaque “verá o resultado do sofrimento da sua alma e ficará satisfeito” (Is 53.11). A própria expressão de Apocalipse: “a noiva, a esposa do Cordeiro”, nos fala a respeito do Cordeiro que tinha de ser sacrificado, a fim de tê-la para si.
 
 
MORDOMOS DESTACADOS NA BÍBLIA

ELIÉZER
Gn 15:2 Então, disse Abrão: Senhor JEOVÁ, que me hás de dar? Pois ando sem filhos, e o mordomo da minha casa é o damasceno Eliézer.

JOSÉ
Gn 39:4 José achou graça a seus olhos e servia-o; e ele o pôs sobre a sua casa e entregou na sua mão tudo o que tinha.
Gn 39:5 E aconteceu que, desde que o pusera sobre a sua casa e sobre tudo o que tinha, o
SENHOR abençoou a casa do egípcio por amor de José; e a bênção do SENHOR foi sobre tudo o que tinha, na casa e no campo.

OBADIAS
1Rs 18:3 E Acabe chamou a Obadias, o mordomo. (Obadias temia muito ao SENHOR,

DANIEL
Dn 2:48 Então, o rei engrandeceu a Daniel, e lhe deu muitos e grandes presentes, e o pôs por governador de toda a província de Babilónia, como também por principal governador de todos os sábios de Babilónia.

ETÍOPE
At 8:27 E levantou-se, e foi; e eis que um homem etíope, eunuco, mordomo-mor de Candace, rainha dos etíopes, o qual era superintendente de todos os seus tesouros, e tinha ido a Jerusalém para adoração.
 

Na Bíblia, temos o hebraico e o grego como línguas usadas.
 
 
(Strong Português) - Mordomo – Hebraico – AT - פקד paqad
1) comparecer, convocar, numerar, calcular, visitar, punir, nomear, cuidar de, tomar conta
1a) (Qal)
1a1) prestar atenção a, observar
1a2) comparecer
1a3) buscar, procurar
1a4) buscar em vão, necessitar de, não ter, faltar
1a5) visitar
1a6) castigar, punir
1a7) passar em revista, convocar, numerar
1a8) nomear, designar, incumbir, depositar
1b) (Nifal)
1b1) ser procurado, ser necessário, estar ausente, estar faltando
1b2) ser visitado
1b3) ser castigado
1b4) ser nomeado
1b5) ser vigiado
1c) (Piel) convocar, recrutar
1d) (Pual) ser convocado em revista, ser levado a faltar, ser chamado, ser chamado a acertar contas
1e) (Hifil)
1e1) estabelecer, tornar supervisor, nomear um supervisor
1e2) comissionar, confiar, entregar aos cuidados de, depositar
1f) (Hofal)
1f1) ser visitado
1f2) ser depositado
1f3) ser feito supervisor, ser encarregado
1g) (Hitpael) contado
1h) (Hotpael) contado, passado em revista n. m. pl. abstr.
2) convocações, custos
 
 
(Strong Português) - Mordomo – Grego – NT - οικονομος oikonomos
1) o administrador do lar ou dos afazeres do lar
1a) esp. um administrador, gerente, superintendente (seja nascido livre ou, como era geralmente o caso, um liberto ou um escravo) para quem o chefe da casa ou proprietário tinha confiado a administração dos seus afazeres, o cuidado das receitas e despesas, e o dever de repartir a porção própria para cada servo e até mesmo para as crianças pequenas
1b) o administrador de um fazenda ou propriedade territorial, um supervisor
1c) o superintendente das finanças da cidade, o tesoureiro da cidade ( ou do tesoureiro ou questor de reis)
2) metáf. os apóstolos e outros mestres, bispos e supervisores cristãos
 
 
2. Mordomia.
A mordomia é a aplicação prática do serviço cristão quanto às coisas de DEUS. Como DEUS é dono de tudo e está no controle de tudo, nós só administramos as coisas de tal maneira que agrade a DEUS.
Salmos 24.1-10.
 1 — Do Senhor é a terra e a sua plenitude, o mundo e aqueles que nele habitam. 2 — Porque ele a fundou sobre os mares e a firmou sobre os rios. 3 — Quem subirá ao monte do Senhor ou quem estará no seu lugar santo? 4 — Aquele que é limpo de mãos e puro de coração, que não entrega a sua alma à vaidade, nem jura enganosamente. 5 — Este receberá a bênção do Senhor e a justiça do DEUS da sua salvação. 6 — Esta é a geração daqueles que buscam, daqueles que buscam a tua face, ó DEUS de Jacó. 7 — Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó entradas eternas, e entrará o Rei da Glória. 8 — Quem é este Rei da Glória? O Senhor forte e poderoso, o Senhor poderoso na guerra. 9 — Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó entradas eternas, e entrará o Rei da Glória. 10 — Quem é este Rei da Glória? O Senhor dos Exércitos; ele é o Rei da Glória.
É nossa obrigação sermos fiéis e organizados no trabaho quefazemos para DEUS, pois um dia prestaremos contas a DEUS pela nossa mordomia.
 
Essa palavra oikonomos é melhor traduzida no NT como despenseiro, ou seja, “gerente da casa” (Lc 12.42; 16.1,3,8; Rm 16.23; 1 Co 4.1,2; Gl 4.2; Tt 1.7; 1 Pd 4.10); podendo ser usada a palavra epitropos, que quer dizer: “encarregado”, que aparece por três vezes no NT (Mt 20.8; Lc 8.3; Gl 4.2).
 
 
MORDOMO - Dicionario Champlin - CPAD
Três expressões hebraicas e duas palavras gregas estão envolvidas neste verbete, a saber:
1.    Ha-ish asheral, «homem que está sobre». Expressão hebraica que aparece somente em Gên. 43:19.
2.    Asher al bayith, «quem está sobre a casa». Outra expressão hebraica, que só pode ser encontrada em Gên. 44:4.
3.    Ben mesheq, «filho de aquisição». Essa expressão hebraica ocorre somente uma vez, em Gên. 15:2.
4.    Epítropos, «encarregado». Palavra grega que é usada por três vezes: Mat. 20:8; Luc. 8:3; Gál. 4:2. O verbo aparece em Luc. 3:1; e o substantivo, «encargo», em Atos 26:12.
5.    Oikonómos, «mordomo». Termo grego usado por dez vezes: Luc. 12:42; 16:1,3,8; Rom. 16:23; I Cor. 4:1,2; Gál. 4:2; Tito 1:7; I Ped. 4:10. O verbo só aparece em Luc. 16:2. O substantivo, «mordomia», ocorre por nove vezes: Luc. 16:2-4; I Cor. 9:17; Efé. 1:10; 3:2,9; Col. 1:25; I Tim. 1:4.
Aqueles três expressões hebraicas têm equivalentes semânticos no acádico e no ugarítico, embora sejam especialmente comuns, esses equivalentes, nos idiomas semíticos ocidentais. A terceira dessas expressões não tem explicação, embora os Targuns a interpretem por «mordomo». Nossa versão portuguesa põe a palavra «herdeiro» nos lábios de Abraão, bem como na resposta que lhe deu o Senhor (ver Gên. 15:2 e 4); mas o original hebraico só tem aquela expressão no vs. 2, enquanto no vs. 4 o Senhor usou outra palavra hebraica, yarash, «herdeiro». Isso significa que nossa versão portuguesa não reflete a expressão hebraica ben mesheq.
Em I Crónicas 28:1, algumas versões dizem «mordomos», onde a nossa versão portuguesa, mais acertadamente diz «administradores». Todavia, no original hebraico temos a palavra sar, «príncipe», que aceita a idéia secundária de «supervisor».
No Novo Testamento grego, o equivalente semântico de sar é epítropos, ao passo que oikonómos é, realmente, a palavra que deveria ser traduzida em português por «mordomo».
 
 
 
 
II – A MORDOMIA ESPIRITUAL DO CRISTÃO
Tipos de Mordomias
a) Mordomia da família (Êx 21.15,17; Nm 27.6-7; 30.3-5; 6-15; Dt 21.18-21);
b) Mordomia da terra (Lv 25.2; 26.34,35);
c) Mordomia dos bens (Êx 22.9; Lv 25.23; 28-30; 23.22);
d) Mordomia em relação ao próximo (Lv 19.9,10; Dt 24.19-22; 23.24,25)
e) Mordomia dos dízimos (Lv 27.30-34; Nm 18.21-32; Dt 12.1-14; 14.22-29; Ml 3.10);
f) Mordomia das finanças (Dt 15.1-11; 23.19,20, 24.6,10-13,17,18);
g) Mordomia nas relações interpessoais (Êx 21.20,26,27; Lv 19.33,34; 25.10,47-54; Dt 15.12-18).
 

1. A mordomia do amor cristão.
O amor é o primeiro aspecto do Fruto do ESPÍRITO já demostrando que os outros aspectos do Fruto do ESPÍRITO virão daí.
JESUS resumiu a lei e os profetas em uma Palavra - AMOR.
Primeiro, amor integral a DEUS, segundo, Amor ao próximo como a si mesmo.
Nossa alma deve estar ligada a DEUS por sua Palavra ouvida e meditada em nosso dia a dia.
A adoração a DEUS já é um serviço prestado a ELE.
É a partir do amor ao próximo que desejaremos lhe fazer o bem, lhe prestar ajuda ou algum tipo de serviço, nunca esperando algo em troca.
Nosso próximo é aquele que com quem nos comunicamos. Assim, uma pessoa conectada conosco pela internet é nosso próximo, assim como qualquer pessoa que de nós se aproximar, ou de quem nós nos aproximarmos.
 
Ao criar o primeiro homem DEUS já lhe ordenou a mordomia - Cultivar da terra🌍 (Gn 2.5); Dar nome aos animais🐾 (Gn 2.19,20); Se relacionar sexualmente, homem e mulher, e produzirem filhos (Gn 1.22).
 

2. A mordomia da fé cristã.
 (Strong Português) -  πιστις pistis - FÉ
1) convicção da verdade de algo, fé; no NT, de uma convicção ou crença que diz respeito ao relacionamento do homem com DEUS e com as coisas divinas, geralmente com a idéia inclusa de confiança e fervor santo nascido da fé e unido com ela
1a) relativo a DEUS
1a1) a convicção de que DEUS existe e é o criador e governador de todas as coisas, o provedor e doador da salvação eterna em CRISTO
1b) relativo a CRISTO
1b1) convicção ou fé forte e benvinda de que JESUS é o Messias, através do qual nós obtemos a salvação eterna no reino de DEUS
1c) a fé religiosa dos cristãos
1d) fé com a idéia predominante de confiança (ou confidência) seja em DEUS ou em CRISTO, surgindo da fé no mesmo
2) fidelidade, lealdade
2a) o caráter de alguém em quem se pode confiar
“Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que se não veem” (Hb 11.1).
Ora, sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de DEUS creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam. Hebreus 11:6
Somente quem tem fé em DEUS pode ser um bom mordomo, pois para trabalhar para alguém deve-se crêr que esse alguém irá premiar aquele que trabalhar legitimamente, hosnestamente e produtivamente.
 
 Fé é subir um degrau que ainda não existe, tendo a certeza de que DEUS irá colocá-lo lá no momento certo que se pisará.
Devemos ter a certeza de que crendo naquilo em que não vemos, veremos a glória de DEUS manifesta.
Disse-lhe JESUS: Não te hei dito que, se creres, verás a glória de DEUS? João 11:40
 

3. A fé como patrimônio espiritual.
Somente com a experiência de muitos anos de intimidade com DEUS é que se consegue um depósito de fé espiritual. É depois de muitas desilusões, tribulações, sofrimentos, angústias, aflições, murmurações, tropeções, quedas, socorros de DEUS; que chegamos a confiar em DEUS. Depois olhamos para trás e pensamos: Por que não tive fé antes? Teria evitado tanto sofrimento!!!!
“Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda” (2 Tm 4.7,8).
Há coisas ainda mais perigosas do que encarar a morte, e o pecado é uma delas. Era isso o que Paulo tinha em mente (2 Tm 4:18). Estava certo de que o Senhor o livraria "de toda obra maligna" e de que o levaria para o reino celestial. O que Paulo mais temia não era a morte, mas sim negar ao Senhor ou fazer algo que desonrasse o nome de DEUS. Paulo estava certo de que a hora de sua partida havia chegado (2 Tm 4:6). Desejava terminar bem a corrida de sua vida e estar livre de qualquer desobediência.
 
4.8 COMBATI O BOM COMBATE. Ao passar em revista a sua vida dedicada a DEUS, Paulo reconhece agora que a sua morte é iminente (v. 6), e descreve sua vida cristã nos seguintes termos.
(1) Considera a vida cristã como um "bom combate"; ela é a única luta que vale a pena. Lutou contra Satanás (Ef 6.12); contra os erros religiosos dos judeus e dos pagãos (3.1-5; Rm 1.21-32; Gl 5.19-21); contra o judaísmo (At 14.19; 20.19; Gl 5.1-6); contra o antinomismo e a imoralidade na igreja (2Tm 3.5; 4.3; Rm 6; 1 Co 5.1; 6.9,10; 2 Co 12.20,21); contra os falsos mestres (vv.3-5; At 20.28-31; Rm 16.17,18); contra a deturpação do evangelho (Gl 1.6-12); contra o mundanismo (Rm 12.2); e contra o pecado (Rm 6; 8.13; 1 Co 9.24-27).
(2) Completou a sua carreira em meio a provações, dificuldades e tentações, e permaneceu fiel ao seu Senhor e Salvador durante toda a sua vida (cf. 2.12; Hb 12.1,2; 10.23; 11).
(3) Conservou lealmente a fé, em tempos de severas provações, de grande desalento e de muitas aflições, não somente quando era abandonado pelos amigos, mas também quando teve de enfrentar a oposição dos falsos mestres. Nunca cedeu terreno no tocante à verdade original do evangelho (2Tm 1.13,14; 2.2; 3.14-16; 1 Tm 6.12).
4.8 A COROA DA JUSTIÇA. Por ter Paulo permanecido fiel ao seu Senhor e ao evangelho que lhe foi confiado, o ESPÍRITO lhe testificou que a aprovação amorosa de DEUS e a "coroa da justiça" o aguardavam no céu. DEUS tem reservado no céu galardões para todos que conservam a fé com justiça (cf. Mt 19.27-29; 2 Co 5.10).
4.8 OS QUE AMAREM A SUA VINDA. Os cristãos do NT anelavam grandemente a volta do Senhor para levá-los daqui, para ficarem com Ele para sempre (ver 1 Ts 4.13-18; cf. Fp 3.20,21; Tt 2.13. A marca distintiva dos fiéis de DEUS é que eles se sentem fora do seu lugar, neste mundo, e já daqui eles aguardam o seu lar celestial (cf. Hb 11.13-16)

 
 
 
 
III – A MORDOMIA DOS BENS MATERIAIS
1. O cristão e as finanças.
É o trabalho honesto diante de DEUS e dos homens com o fim de sustentar a família e ter como sobreviver ante as dificuldades da vida financeira.
O trabalho deve ter como resultado um salário digno.
Quanto ao trabalho do obreiro e mestre
Porque diz a Escritura: Não ligarás a boca ao boi que debulha. E: Digno é o obreiro do seu salário. 1 Timóteo 5:18
E ficai na mesma casa, comendo e bebendo do que eles tiverem, pois digno é o obreiro de seu salário. Não andeis de casa em casa. Lucas 10:7.
E o que é instruído na palavra reparta de todos os seus bens com aquele que o instrui. Gálatas 6:6.
DEUS deu ordem para Adão trabalhar lavrando e vigiando o Jardim do Eden (E tomou o Senhor DEUS o homem, e o pôs no jardim do Éden para o lavrar e o guardar. Gênesis 2:15).
A advertência no NT é para que o crente trabalhe.
E procureis viver quietos, e tratar dos vossos próprios negócios, e trabalhar com vossas próprias mãos, como já vo-lo temos mandado; 1 Tessalonicenses 4:11
O apóstolo Paulo ordena que quem não quiser trabalhar também não deve receber o que comer. (Porque, quando ainda estávamos convosco, vos mandamos isto, que, se alguém não quiser trabalhar, não coma também. 2 Tessalonicenses 3:10).
As formigas nos ensinam com seu trabalho preventivo.
Vai ter com a formiga, ó preguiçoso; olha para os seus caminhos, e sê sábio. Pois ela, não tendo chefe, nem guarda, nem dominador, Prepara no verão o seu pão; na sega ajunta o seu mantimento. Ó preguiçoso, até quando ficarás deitado? Quando te levantarás do teu sono? Um pouco a dormir, um pouco a tosquenejar; um pouco a repousar de braços cruzados; Assim sobrevirá a tua pobreza como o meliante, e a tua necessidade como um homem armado. Provérbios 6:6-11

2. O cristão e as riquezas.
AS FINANÇAS 
 A questão financeira tem um tratamento bíblico bastante sério: 
 
a) Os Evangelho contém mais advertências contra o dinheiro e seu mau uso do que contra qualquer outro assunto. 
b) Um em cada seis versículos do N.T. faz alguma referência ao dinheiro. 
c) Quase a metade das parábolas de JESUS tem alguma referência a dinheiro, especialmente advertência contra a cobiça. 
d) Judas vendeu CRISTO por dinheiro, que nunca chegou a usá-lo. 
e) Satanás na cena da glória da igreja primitiva através do dinheiro, quando se vivia um ambiente de doação (At 5:1-10). 
f) O pecado de "Simonia" refere-se a dinheiro e a tentar comprar os dons de DEUS com ele (At 8:14-24). 
g)  Riqueza e tradição (Ap 13:16-18), são palavras ligadas ao poder de comprar e vender. Em si o dinheiro não é mau. É o amor ao dinheiro que é a raiz de todos os males (I Tm 6.7- 10).
 

3. O cristão e a contribuição para a igreja.
A ADMINISTRAÇÃO DO NOSSO DINHEIRO. Os exemplos dos dízimos e ofertas no AT contêm princípios importantes a respeito da mordomia do dinheiro, que são válidos para os crentes do NT. 
(1) Devemos lembrar-nos que tudo quanto possuímos pertence a DEUS, de modo que aquilo que temos não é nosso: é algo que nos confiou aos cuidados. Não temos nenhum domínio sobre as nossas posses.
(2) Devemos decidir, pois, de todo o coração, servir a DEUS, e não ao dinheiro (Mt 6.19-24; 2Co 8.5). A Bíblia deixa claro que a cobiça é uma forma de idolatria (Cl 3.5).
(3) Nossas contribuições devem ser para a promoção do reino de DEUS, especialmente para a obra da igreja local e a disseminação do evangelho pelo mundo (1Co 9.4-14; Fp 4.15-18; 1Tm 5.17,18), para ajudar aos necessitados (Pv 19.17; Gl 2.10; 2Co 8.14; 9.2), para acumular tesouros no céu (Mt 6.20; Lc 6.32-35) e para aprender a temer ao Senhor (Dt 14.22,23).
(4) Nossas contribuições devem ser proporcionais à nossa renda. No AT, o dízimo era calculado em uma décima parte. Dar menos que isto era desobediência a DEUS. Aliás equivalia a roubá-lo (Ml 3.8-10). Semelhantemente, o NT requer que as nossas contribuições sejam proporcionais àquilo que DEUS nos tem dado (1Co 16.2; 2Co 8.3,12; ver 2Co 8.2). 
(5) Nossas contribuições devem ser voluntárias e generosas, pois assim é ensinado tanto no AT (ver Êx 25.1,2; 2Cr 24.8-11) quanto no NT (ver 2Co 8.1-5,11,12). Não devemos hesitar em contribuir de modo sacrificial (2Co 8:3), pois foi com tal espírito que o Senhor JESUS entregou-se por nós (ver 2Co 8.9). Para DEUS, o sacrifício envolvido é muito mais importante do que o valor monetário da dádiva (ver Lc 21.1-4).
(6) Nossas contribuições devem ser dadas com alegria (2Co 9.7). Tanto o exemplo dos israelitas no AT (Êx 35.21-29; 2Cr 24.10) quanto o dos cristãos macedônios do NT (2Co 8.1-5) servem-nos de modelos.
(7) DEUS tem prometido recompensar-nos de conformidade com o que lhe temos dado (ver Dt 15.4; Ml 3.10-12; Mt 19.21; 1Tm 6.19; ver 2Co 9.6).
 
"PORQUE SOU DIZIMISTA"
1. Sou Dizimista porque o Dízimo é SANTO. Lv 27.30 Também todos os dízimos da terra, quer dos cereais, quer do fruto das árvores, pertencem ao senhor; santos são ao Senhor. 31 Se alguém quiser remir uma parte dos seus dízimos, acrescentar-lhe-á a quinta parte. 32 Quanto a todo dízimo do gado e do rebanho, de tudo o que passar debaixo da vara, esse dízimo será santo ao Senhor.
2. Sou Dizimista porque quero ser participante das grandes bênçãos. Ml 3.11 Também por amor de vós reprovarei o devorador, e ele não destruirá os frutos da vossa terra; nem a vossa vide no campo lançará o seu fruto antes do tempo, diz o Senhor dos exércitos. 12 E todas as nações vos chamarão bem-aventurados; porque vós sereis uma terra deleitosa, diz o Senhor dos exércitos.
3. Sou Dizimista porque amo a obra de DEUS na face da Terra. Ml 3.10 Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim, diz o Senhor dos exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós tal bênção, que dela vos advenha a maior abastança.
4. Sou Dizimista porque não quero ser amaldiçoado.  Ml 3.9 Vós sois amaldiçoados com a maldição; porque a mim me roubais, sim, vós, esta nação toda.
5. Sou Dizimista porque DEUS é dono de tudo. Sl 24. 1 Do Senhor é a terra e a sua plenitude; o mundo e aqueles que nele habitam.
6. Sou Dizimista porque eu mesmo vou gozá-lo na casa de DEUS. Dt 14.23 E, perante o Senhor teu DEUS, no lugar que escolher para ali fazer habitar o seu nome, comerás os dízimos do teu grão, do teu mosto e do teu azeite, e os primogênitos das tuas vacas e das tuas ovelhas; para que aprendas a temer ao Senhor teu DEUS por todos os dias.
7. Sou Dizimista porque mais bem-aventurado é dar do que receber. At 20.35 Em tudo vos dei o exemplo de que assim trabalhando, é necessário socorrer os enfermos, recordando as palavras do Senhor JESUS, porquanto ele mesmo disse: Coisa mais bem-aventurada é dar do que receber.
8. Sou Dizimista porque DEUS ama ao que dá com alegria. 2 Co 9.7 Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, nem por constrangimento; porque DEUS ama ao que dá com alegria.
9. Sou Dizimista porque tudo vem das Mãos de DEUS. 1Cr 29.14 Mas quem sou eu, e quem é o meu povo, para que pudéssemos fazer ofertas tão voluntariamente? Porque tudo vem de ti, e do que é teu to damos.
10. Sou Dizimista porque não sou avarento. 1 Tm 6. 10 Porque o amor ao dinheiro é raiz de todos os males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores
11. Sou Dizimista porque meu rico tesouro está no céus. Mt 6.19-21 19 Não ajunteis para vós tesouros na terra; onde a traça e a ferrugem os consomem, e onde os ladrões minam e roubam; 20 Mas ajuntai para vós tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem os consumem, e onde os ladrões não minam nem roubam. 21 Porque onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração.
12. Sou Dizimista porque tudo que peço recebo. Mt 7.7-9. 7 Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei e abrir-se-vos-á. 8 Pois todo o que pede, recebe; e quem busca, acha; e ao que bate, abrir-se-lhe-á. 9 Ou qual dentre vós é o homem que, se seu filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra?
13. Sou Dizimista porque obedeço a DEUS. At 5.29 Respondendo Pedro e os apóstolos, disseram: Importa antes obedecer a DEUS que aos homens. Pv 10. 22 A bênção do Senhor é que enriquece; e ele não a faz seguir de dor alguma.
14. Sou Dizimista porque a benção de DEUS é que enriquece. Pv 10:22 A bênção do Senhor é que enriquece; e ele não a faz seguir de dor alguma.
15. Sou Dizimista porque para cada lei, DEUS promete recompensa. Sl 19. 7 A lei do Senhor é perfeita, e refrigera a alma; o testemunho do Senhor é fiel, e dá sabedoria aos simples
16. Sou Dizimista porque receberei de DEUS com a mesma medida. Lc 6. 33 E se fizerdes bem aos que vos fazem bem, que mérito há nisso? Também os pecadores fazem o mesmo
17. Sou Dizimista porque os pensamentos de DEUS são mais altos que os meus. Is 55. 9 Porque, assim como o céu é mais alto do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos.
18. Sou Dizimista porque DEUS me escolheu e me nomeou. Jo 15. 16 Vós não me escolhestes a mim mas eu vos escolhi a vós, e vos designei, para que vades e deis frutos, e o vosso fruto permaneça, a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda.
19. Sou Dizimista porque DEUS diz: "Fazei prova de Mim" . Ml 3. 10 Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim, diz o Senhor dos exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós tal bênção, que dela vos advenha a maior abastança.
20. Sou Dizimista porque minha descendência não vai mendigar o pão. Sl 37. 25 Fui moço, e agora sou velho; mas nunca vi desamparado o justo, nem a sua descendência a mendigar o pão.
21. Sou Dizimista porque meu salário não será posto em saco furado. Ag 1. 6 Tendes semeado muito, e recolhido pouco; comeis, mas não vos fartais; bebeis, mas não vos saciais; vestis-vos, mas ninguém se aquece; e o que recebe salário, recebe-o para o meter num saco furado.
22. Sou Dizimista porque é minha responsabilidade o sustento da igreja. Ml 3. 10 Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim, diz o Senhor dos exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós tal bênção, que dela vos advenha a maior abastança.
23. Sou Dizimista porque quero ter a consciência tranqüila. 1Tm 1. 19 conservando a fé, e uma boa consciência, a qual alguns havendo rejeitado, naufragando no tocante à fé;
24. Sou Dizimista porque tudo o que o homem plantar, isso ceifará.  Gl 6. 7 Não vos enganeis; DEUS não se deixa escarnecer; pois tudo o que o homem semear, isso também ceifará.
25. Sou Dizimista porque DEUS suprirá todas as minhas necessidades. Fl 4. 19 Meu DEUS suprirá todas as vossas necessidades segundo as suas riquezas na glória em CRISTO JESUS.
Na verdade na nova aliança tudo o que é meu, não é meu, mas de DEUS, eu administro e aplico na obra.                                      
Estudo adquirido a partir de www.estudosbiblicos.com
 
CONCLUSÃO
MORDOMIA CRISTà -
Há uma grande diferença entre POSSE e MORDOMIA: DEUS é o possuidor de todas as coisas (Gn 14.19-22; Sl 24.1; 50.1-12; 68.19; 89.11; Ag 2.8). Enquanto Mordomia implica que não somos donos; somos apenas mordomos responsáveis que devem prestar contas (Mt 25.14-30; 
Lc 19.11-26). Temos diferentes relações entre dono-mordomo: 
a) Vida, o que recebemos (Gn 1.27-28; At 17.25; Tg 1.17). 
b) Tempo, o que nos foi outorgado (Pv 24.30-34); Sl 90:12). 
c) Talentos, o que nos foi dado para usar (Mt 25.14-30). 
d) Possessões, o que nos é confiado (Mt 6.19-21; Co 3.1- 2). 
e) Finanças, o que ganhamos com o nosso trabalho (I Co 16.1-2).
Para sermos um bom mordomo são necessários os requisitos: 
a) Fidelidade (I Co 4.1-2). 
b) Disposição a receber ensino (Sl 27.11). 
c) Desejo de servir as pessoas (Rm 12.10-13). 
d) Um coração de servo (Gl 5.13). 
e) Disposição para dar (Lc 6.38). 
 
Mordomo é administrador dos bens alheios. Em nosso caso, administramnos o que é de DEUS. Mordomia. É o trabalho na obra de DEUS visando o cresciemnto e domíniodo reino de DEUS. A mordomia cristã é movida pelo amor cristão. Amor primeiro a DEUS e depois ao próximo como a si mesmo.  A fé em DEUS é o motor da mordomia que espera galardão. A fé é o maior patrimônio espiritual do cristão. O cristão deve administrar bem suas finanças, mas sem avareza, dominando o desejo pelo enriquecimento que pode levá-lo ao desvio do evangelho. O cristão deve tomar cuidado com Mamom, o amor do dinheiro. O cristão deve contribuir com dízimos e ofertas para a igreja.
 
 
 
AJUDA DE REVISTAS ANTIGAS
Lição 1 - A Doutrina Da Mordomia Cristã
Título: Mordomia Cristã — Servindo a DEUS com excelência - Comentarista: Elienai Cabral
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Salmos 24.1-10.
 1 — Do Senhor é a terra e a sua plenitude, o mundo e aqueles que nele habitam. 2 — Porque ele a fundou sobre os mares e a firmou sobre os rios. 3 — Quem subirá ao monte do Senhor ou quem estará no seu lugar santo? 4 — Aquele que é limpo de mãos e puro de coração, que não entrega a sua alma à vaidade, nem jura enganosamente. 5 — Este receberá a bênção do Senhor e a justiça do DEUS da sua salvação. 6 — Esta é a geração daqueles que buscam, daqueles que buscam a tua face, ó DEUS de Jacó. 7 — Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó entradas eternas, e entrará o Rei da Glória. 8 — Quem é este Rei da Glória? O Senhor forte e poderoso, o Senhor poderoso na guerra. 9 — Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó entradas eternas, e entrará o Rei da Glória. 10 — Quem é este Rei da Glória? O Senhor dos Exércitos; ele é o Rei da Glória.
 
 
Leitura Bíblica Em Classe: Sl 24.1-10
Acima no Texto Áureo
 
COMENTÁRIOS EXTRAS
Introdução: DEUS é glorificado através do cântico de Davi no salmo 24, onde aprendemos que pertencemos a DEUS com tudo o que nos rodeia. DEUS colocou o primeiro homem no mundo já com a função de administrador "Guardar e Cultivar". No Salmo 115.16 = 16 Os céus são os céus do SENHOR; mas a terra, deu-a ele aos filhos dos homens. DEUS disse aqui que a terra foi dada ao homens para que cuidassem dela, mas os céus são os céus do Senhor. Ao pecar o homem perdeu o domínio sobre a terra, mas DEUS restaurou o homem através de CRISTO. Quando assumimos a nossa função de filhos de DEUS, temos que cuidar das coisas que nos foram confiadas por DEUS, pois agora somos seus mordomos. Sl 24.1 Do SENHOR é a terra e a sua plenitude, o mundo e aqueles que nele habitam.
I- O Que é um Mordomo?
Aquele que cuida do lugar do dono, como se fosse o próprio dono. Como pertencemos e somos templo de DEUS, temos que cuidar de nossa vida por completo, corpo, alma e espírito, como o próprio DEUS cuidaria. Tudo é importante, o espírito como parte de ligação direta com DEUS,  alma como parte que conhece e coordena nossa vida com DEUS e nosso corpo que é morada e leva a presença de DEUS a toda a parte.
II- A Base Bíblica Da Doutrina Da Mordomia:
É na Bíblia que encontramos nossa única regra de fé e prática do cristianismo, é a Bíblia que nos direciona para o alvo supremo que é CRISTO, o
perfeito mordomo.
1- O Princípio da Soberania de DEUS:
Somente quando admitimos e reconhecemos que DEUS é dono e Senhor de tudo e que é ELE quem deve dizer como quer as coisas, é ELE quem está no controle de tudo, só aí então é que conseguiremos ser verdadeiros mordomos.
2- DEUS É Criador E Senhor De Todas As Coisas:
Tudo foi criado para o homem viver, e viver bem, o próprio homem é que tem perdido aquilo que DEUS tem preparado para ele, pois não tem sido fiel em sua mordomia. DEUS tem se interessado sempre em ter comunhão com sua criação, tanto é verdade que esteve ELE próprio aqui na terra como homem, para passar pelas mesmas coisas que passamos e ensinarmos a passar por elas também. Quando na criação, DEUS deixou por último o melhor de sua criação: O Homem que foi  feito à sua imagem e semelhança, ou seja, com a mesma qualidade de vida de DEUS, para ter comunhão permanente com ELE.
III- A Relação Entre O Criador E O Homem:
O homem foi feito inteligente e criado para dominar sobre a criação de DEUS, na terra. (Gn 1.28 E DEUS os abençoou e DEUS lhes disse: Frutificai, e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra; Gn 2.19 Havendo, pois, o SENHOR DEUS formado da terra todo animal do campo e toda ave dos céus, os trouxe a Adão, para este ver como lhes chamaria; e tudo o que Adão chamou a toda a alma vivente, isso foi o seu nome).Havia já por aqui um inimigo que desejava tudo o que o que o homem ganhara de DEUS (Gn 2.15 "E tomou o SENHOR DEUS o homem e o pôs no jardim do Éden para o lavrar e o guardar". = Guardar de quem? de Satanás que havia sido expulso do céu = Ap 12.9 E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o diabo e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele.) Tentado, o homem cedeu e traiu seu criador (Rm 5.12Pelo que, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, por isso que todos pecaram.), mas DEUS pela sua infinita misericórdia e amor, pela graça, providenciou um meio para que novamente pudéssemos ter comunhão com ELE e sermos seus mordomos; nos enviou seu filho para nos salvar, JESUS CRISTO. (Gl 3.13 CRISTO nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós, porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro.)
1- O Homem pertence A DEUS Por Direito De Criação.
Criado por DEUS, primeiro é um ser espiritual, depois possui uma alma e mora dentro de um corpo feito do pó da terra (Gn 2.7 E formou o SENHOR DEUS o homem do pó da terra e soprou em seus narizes o fôlego da vida; e o homem foi feito alma vivente.) A Bíblia nos ensina que existem vários tipos de corpos, entre eles os celestiais e os terrenos, os espirituais e os materiais (1 Co 15.40 E há corpos celestes e corpos terrestres, mas uma é a glória dos celestes, e outra, a dos terrestres.) Somente o homem foi criado à imagem e semelhança de DEUS para ser mordomo das coisas de DEUS e dominador sobre os outros seres terrenos; tendo vontade própria e inteligência. (Gn 1.26 E disse DEUS: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra, e sobre todo réptil que se move sobre a terra.) Veja http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/antropologia.htm
TRICOTOMIA
Acreditamos que o homem é formado por três partes, ou seja, Corpo , alma e espírito, com base nas seguintes passagens das escrituras sagradas:
Hebreus 4:12 A palavra de DEUS é viva e eficaz, e mais cortante que qualquer espada de dois gumes, e penetra até ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração. 
Aqui entendemos que a divisão de que trata este versículo, se refere a divisão Espiritual do Homem, isto é , dividindo a alma do espírito, podemos entender melhor , quando ouvimos alguém dizer que esta em atrito interior, deseja algo, mas sabe que não deve fazer, ou então quando o corpo físico esta bem, mas mesmo assim se sente desanimado, triste, amargurado, e ora ou outra quer reagir a esta amargura, isto mostra uma vida espiritual superior ao estado da alma, é o caso do Salmo 43:5 Porque estas abatida, oh minha alma ? , porque te perturbas dentro de mim ? espera em DEUS, pois ainda o louvarei, meu salvador e DEUS meu.
I Tessalonicenses 5:23 O mesmo DEUS de paz vos santifique completamente. E todo o vosso ESPÍRITO, alma e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor JESUS CRISTO.
Quando o texto de Gênesis 2:7 diz que o homem se tornou alma vivente, quer dizer que o homem possui o corpo, o ESPÍRITO é o vento soprado em suas narinas, e isto produziu uma terceira parte, chamada de Alma vivente, demonstrando assim que o homem possui duas natureza, uma física e outra espiritual.
2- O Homem Pertence A DEUS Por Direito De Preservação:
Sendo criação especial de DEUS, o homem é preservado sobre todos os demais seres terrenos, pois DEUS tem um plano especial para este homem, pois um dia este mesmo homem estará para sempre ao Seu lado, na eternidade. (Ap 3.10 Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra). Para ser preservado e livre do mal, o homem deve ser mordomo fiel de DEUS, obedecendo suas leis espirituais.
Mt 5.1 JESUS, vendo a multidão, subiu a um monte, e, assentando-se, aproximaram-se dele os seus discípulos;
2 e, abrindo a boca, os ensinava, dizendo:
3 Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos céus; 4 bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados;
5 bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra; 6 bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos;
7 bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia; 8 bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a DEUS;
9 bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de DEUS; 10 bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o Reino dos céus; 11 bem-aventurados sois vós quando vos injuriarem, e perseguirem, e, mentindo, disserem todo o mal contra vós, por minha causa. 12 Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós.
3- O Homem Pertence A DEUS Por Direito De Redenção:
O homem, ao pecar, errou o alvo que era JESUS CRISTO e a vida eterna com DEUS, mas DEUS enviou seu filho único e amado para comprar esse homem que fora escravizado por Satanás; encontrou porém, este homem num mercado, sendo escravo. O homem que devia ser o mordomo das coisas de DEUS e dominador do mundo, agora é dominado e desleixado com sua tarefa de mordomia, perdendo o direito sobre sua própria casa. Um preço impagável humanamente falando, estava posto sobre o ser humano, mas DEUS mesmo sabendo que o homem não merecia, usou de sua graça e misericórdia, enviando o resgate, a remissão, pelo seu filho, crucificando-o numa cruz, pagando o mais alto preço que existe pela vida do ser humana, sua criatura especial, O SANGUE PRECIOSO DE JESUS CRISTO, derramado no calvário por todos os homens. Para adquirir a salvação e a vida eterna com DEUS o homem só precisa crer nisso e confessar que JESUS CRISTO é Senhor e Salvador crendo que ELE deu sua vida por todos os homens e ressuscitou.(Rm 10.9-11). 
Para nos comprar DEUS se tornou nosso parente, se fazendo homem para nos comprar para ELE mesmo.
Lv 25.25 Quando teu irmão empobrecer e vender alguma porção da sua possessão, então, virá o seu resgatador, seu parente, e resgatará o que vendeu seu irmão. 
1 Co 6.19 Ou não sabeis que o nosso corpo é o templo do ESPÍRITO SANTO, que habita em vós, proveniente de DEUS, e que não sois de vós mesmos?
20 Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a DEUS no vosso corpo e no vosso espírito, os quais pertencem a DEUS.
Ap 1.5 e da parte de JESUS CRISTO, que é a fiel testemunha, o primogênito dos mortos e o príncipe dos reis da terra. Àquele que nos ama, e em seu sangue nos lavou dos nossos pecados,
Conclusão:
Tudo o que somos  e possuímos, na verdade, é de DEUS e para DEUS, somos seus mordomos, para cuidar e preservar o que é Seu.
DEUS nos dá poder e capacitação para cuidar de suas coisas e criaturas:
Cada um deve se esforçar ao máximo para servir de acordo com o que tiver recebido. 
 
 
Mt 24.13 Vigiai, pois, porque não sabeis o Dia nem a hora em que o Filho do Homem há de vir. 14 Porque isto é também como um homem que, partindo para fora da terra, chamou os seus servos, e entregou-lhes os seus bens, 15 e a um deu cinco talentos, e a outro, dois, e a outro, um, a cada um segundo a sua capacidade, e ausentou-se logo para longe. 16 E, tendo ele partido, o que recebera cinco talentos negociou com eles e granjeou outros cinco talentos. 17 Da mesma sorte, o que recebera dois granjeou também outros dois. 18 Mas o que recebera um foi, e cavou na terra, e escondeu o dinheiro do seu senhor. 19 E, muito tempo depois, veio o senhor daqueles servos e ajustou contas com eles. 20 Então, aproximou-se o que recebera cinco talentos e trouxe-lhe outros cinco talentos, dizendo: Senhor, entregaste-me cinco talentos; eis aqui outros cinco talentos que ganhei com eles. 21 E o seu senhor lhe disse: Bem está, servo bom e fiel. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor.  22E, chegando também o que tinha recebido dois talentos, disse: Senhor, entregaste-me dois talentos; eis que com eles ganhei outros dois talentos. 23 Disse-lhe o seu senhor: Bem está, bom e fiel servo. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor. 24 Mas, chegando também o que recebera um talento disse: Senhor, eu conhecia-te, que és um homem duro, que ceifas onde não semeaste e ajuntas onde não espalhaste; 25 e, atemorizado, escondi na terra o teu talento; aqui tens o que é teu. 26 Respondendo, porém, o seu senhor, disse-lhe: Mau e negligente servo; sabes que ceifo onde não semeei e ajunto onde não espalhei; 27 devias, então, ter dado o meu dinheiro aos banqueiros, e, quando eu viesse, receberia o que é meu com os juros. 28 Tirai-lhe, pois, o talento e dai-o ao que tem os dez talentos. 29 Porque a qualquer que tiver será dado, e terá em abundância; mas ao que não tiver, até o que tem ser-lhe-á tirado. 30 Lançai, pois, o servo inútil nas trevas exteriores; ali, haverá pranto e ranger de dentes.]
 
DA REVISTA
I. O QUE É UM MORDOMO
 Mordomo é o administrador de uma casa, ou dos bens de outrem. As palavras família, casa, pai de família, bens, mordomo, servo e administrador estão todas ligadas ao sentido da palavra mordomia. Do ponto de vista bíblico, aplicável e prático, mordomia é a administração da nossa vida individual em toda a sua extensão física, moral, material e espiritual. Todas as atividades pessoais do cristão devem ser administradas sob a exata aferição da Palavra de DEUS.
II. A BASE BÍBLICA DA DOUTRINA DA MORDOMIA
A primeira grande verdade que um cristão deve aprender acerca da mordomia cristã é que a Bíblia é a revelação de toda vontade de DEUS para o homem. É a Palavra de DEUS que ensina o papel do autêntico cristão como mordomo. DEUS confiou ao homem a administração de bens e poderes que pertencem a Ele. Portanto, é da sua competência administrar com eficiência os bens confiados por seu Senhor, para que seja plenamente feliz (Lc 12.42-44; 1Co 4.2).
1. O princípio da soberania de DEUS. Essa soberania revela-se nas palavras inspiradas do salmista: “Do Senhor é a terra e a sua plenitude; o mundo, e aqueles que nele habitam” (Sl 24.1). Por esse princípio divino entendemos que nosso papel como criaturas e filhos de DEUS é o de reconhecermos sua soberania sobre todas as coisas e ser-lhe submissos sem reservas (Lc 14.26,27,33; Mt 28.20). A mordomia bíblica destaca a soberania de DEUS em termos do senhorio. Ele é o Senhor!
2. DEUS é Criador e Senhor de todas as coisas. A doutrina da criação, exposta na Bíblia, tem por objetivo revelar a grandeza, o poder e a sabedoria de DEUS como Criador, bem como a relação entre Ele e o homem. A Bíblia evidencia o fato de que DEUS é a fonte de toda a criação, e de que ela pertence a Ele e se lhe sujeita (Am 4.13; 9.5,6). A criação do Universo é apresentada como um fato consumado e aceito pela fé: “Pela fé entendemos que os mundos, pela Palavra de DEUS, foram criados” (Hb 11.3).
Sem dúvida, há uma intensa relação entre DEUS, o Criador, e a sua criação. Essa relação demonstra que o Eterno cuida e se interessa por tudo quanto criou. Ele é quem sustenta e provê todas as coisas. (Jo 5.17; Hb 1.3; Sl 104.30).
Após estabelecer o mundo natural pelo poder de sua Palavra, a ação criadora de DEUS culminou com a criação do ser humano (Gn 1.26-30). Primeiro o Todo-Poderoso criou todas as outras formas inferiores de vida. No reino pessoal destaca-se o homem, criado à imagem e semelhança de DEUS, em termos relativos à personalidade e espírito. No reino impessoal, os seres irracionais, que a Ele pertencem por direito.
Quanto aos seres humanos, DEUS tem três direitos especiais, que focalizaremos a seguir.
http://www.estudantesdabiblia.com.br/images/cr1.gif
III. A RELAÇÃO ENTRE O CRIADOR E O HOMEM
 DEUS criou o homem, ser racional e espiritual, e capacitou-o para pensar, sentir, raciocinar e decidir. Após criá-lo, Ele o fez seu mordomo sobre tudo quanto estabelecera. Concedeu-lhe poderes para dominar (Gn 1.28) sobre as demais criaturas do mundo animal. O homem, ao cair em pecado no Éden, perdeu todos os seus direitos de domínio. Contudo, o amoroso Criador não desistiu de sua criatura especial, mas providenciou a sua restauração através de JESUS CRISTO, seu Filho Amado. Tal restauração inicia-se imediatamente, sempre que o homem crê em JESUS como seu Salvador e serve-o de todo o seu coração.
1. O homem pertence a DEUS por direito de criação (Gn 1.27; Is 43.1; 45.12; Ez 18.4). Ao criá-lo, o Eterno concedeu-lhe uma estrutura física: seu corpo fora formado do pó da terra. O verbo “formou”, em Gênesis 2.7 referente a DEUS quando da formação de Adão, confere um sentido dinâmico à sua criação, indicando que ele não é só constituído de espírito e alma, mas também de materiais preexistentes. A forma material e a espiritual resultaram de um ato completo do poder criador de DEUS, como está declarado nas Escrituras; e não de um processo gradual evolucionista até chegar ao macaco. Enquanto DEUS o eleva, criando-o perfeito e completo, como declara a Bíblia, ele próprio se degrada, aparentando-se com os animais irracionais.
A distinção da criação especial do homem por DEUS está no fato declarado pela Bíblia em Gênesis 2.7 que diz: “e soprou em suas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente”. Esse fato nos mostra que o homem tem mais que vida física; possui vida espiritual. Ele é também um ser pessoal com consciência de si mesmo e dotado de livre-arbítrio, o que o torna altamente responsável, além de revelar em parte o seu caráter.
2. O homem pertence a DEUS por direito de preservação (At. 14.17; 17.28; Cl 1.17). DEUS não só criou o homem, mas também o sustenta por sua divina providência. Essa providência é inicialmente conhecida pelo oxigênio que respiramos, pelo vestuário e pelo alimento que a terra produz para nós.
Ele é criação especial de DEUS que o preserva por meio de suas leis espirituais e naturais expressas na própria vida física e espiritual do homem. No que se refere à mordomia de sua própria vida, o homem deve obedecer e respeitar essas leis para ter uma vida feliz e abençoada (Dt 33.12-16, Ne 9.6, At 17.28).
3. O homem pertence a DEUS por direito de redenção (1Co 6.20; Tt 2.14; Ef 1.7). Por causa da sua queda no Éden, o homem perdeu seu rumo e, portanto, o alvo para o qual foi criado. Perdeu, de igual modo, a preciosa e imprescindível comunhão com o seu Criador. A palavra hamartia define o pecado como “desvio do alvo”, ilustrado pela flecha do atirador, disparada, mas sem rumo, sem alvo, perdida. Esse é o estado atual do homem sem DEUS por causa do pecado. Entretanto, o Todo-Poderoso não desistiu de sua criatura e, enviou seu Único Filho, o qual se fez carne e, habitou entre nós para redimir a humanidade e restaurá-la à comunhão com o Criador.
O preço da redenção foi pago com o sangue inocente e imaculado de CRISTO. Por meio desta maravilhosa obra redentora, o homem é restaurado à sua condição original de comunhão com DEUS. O agente regenerador, nesta obra salvífica, é o ESPÍRITO SANTO, que nele opera a regeneração e a santificação (Tt 3.5; 2Ts 2.13). É imperioso afirmar que a condição essencial da redenção é a fé em JESUS CRISTO, nosso Senhor (Rm 3.21-26; At 26.18).
CONCLUSÃO
 Nesta lição, aprendemos essencialmente que todas as coisas existentes no universo foram por DEUS criadas e, portanto, tudo lhe pertence. Ele é o Senhor de tudo e de todos. Como guardiões de DEUS na terra, devemos exercitar a nossa mordomia sobre todas as coisas. Em síntese, a palavra mordomia fala da consciência que o crente deve ter de que tudo quanto possui é, acima de tudo, um bem proveniente de DEUS (Tg 1.17).
 
 
Ajuda
LIÇÃO 2 - A IMPORTÂNCIA DA MORDOMIA CRISTÃ - Revista CPAD - Lições do 4º Trimestre de 2003
Título: Mordomia Cristã — Servindo a DEUS com excelência - Comentarista: Elienai Cabral
 
TEXTO ÁUREO
 “E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de DEUS” (Rm 12.2).
 
VERDADE PRÁTICA
 A administração sábia e eficiente dos bens que DEUS nos outorgou implica conhecermos, biblicamente, os propósitos da Sua vontade para conosco.
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Colossenses 3.1-11.
 1 — Portanto, se já ressuscitastes com CRISTO, buscai as coisas que são de cima, onde CRISTO está assentado à destra de DEUS. 2 — Pensai nas coisas que são de cima e não nas que são da terra. 3 — Porque já estais mortos, e a vossa vida está escondida com CRISTO em DEUS. 4 — Quando CRISTO, que é a nossa vida, se manifestar, então, também vós vos manifestareis com ele em glória. 5 — Mortificai, pois, os vossos membros que estão sobre a terra: a prostituição, a impureza, o apetite desordenado, a vil concupiscência e a avareza, que é idolatria; 6 — pelas quais coisas vem a ira de DEUS sobre os filhos da desobediência; 7 — nas quais também, em outro tempo, andastes, quando vivíeis nelas. 8 — Mas, agora, despojai-vos também de tudo: da ira, da cólera, da malícia, da maledicência, das palavras torpes da vossa boca. 9 — Não mintais uns aos outros, pois que já vos despistes do velho homem com os seus feitos; 10 — e vos vestistes do novo, que se renova para o conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou. 11 — onde não há grego nem judeu, circuncisão nem incircuncisão, bárbaro, cita, servo ou livre; mas CRISTO é tudo em todos.
Zelo, fidelidade e diligência estão intrinsecamente ligados ao exercício da mordomia a qual reúne os aspectos material e espiritual na experiência cotidiana da vida cristã.
Onde quer que se encontre, o crente deve levar em conta em primeiro lugar o Reino de DEUS e a sua justiça. DEUS nos criou com propósitos definidos mas esta realização depende de nós.
Executar a vontade de DEUS requer disposição, confiança e obediência. Precisamos buscar a DEUS para conhecermos sua vontade.
Assim como o senhor da parábola dos talentos voltou para pedir contas, nós igualmente, um dia, estaremos perante o Tribunal de CRISTO. Portanto, é dever de cada crente viver e agir segundo o propósito divino e administrá-lo de forma a receber a aprovação “bem está servo bom e fiel […]”. Você está preparado para isto?
 
A única maneira pela qual podemos administrar com eficiência a riqueza que DEUS nos confiou, seja ela no campo emocional, social, material ou espiritual é aplicando nossos recursos segundo a matemática de DEUS. Qual será o rendimento diário para um investimento em perdão? O que aconteceria se utilizássemos nossas economias de conhecimento (intelectual) para adquirirmos cotas de ações de sabedoria? Quanto lucraríamos se colocássemos em depósito um montante de compaixão somada a certa quantidade de misericórdia, com rentabilidade menor que 1% (ao dia, ao mês, ao ano…) já que as circunstâncias de mercado podem nos ser pouco favoráveis? Às vezes somos tentados a pensar, da mesma forma que aquele servo indolente. Usamos nossa lógica para nos convencer de que nossa utilidade está em promover a maravilha da multiplicação, quando, na verdade, DEUS quer apenas a nossa pequena porção de farinha e azeite porque operação de maravilhas é Ele quem realiza. Medite nisto.
 
INTRODUÇÃO
 A doutrina da mordomia cristã tem suas origens no Antigo Testamento. No cristianismo bíblico, a prática da mordomia cristã evidencia o senhorio de CRISTO, uma vez que Ele é Senhor sobre todas as coisas criadas (Fp 2.9-11; Cl 1.16-19; At 2.36). O conhecimento e a prática da doutrina da mordomia pelo cristão desenvolve nele os conceitos bíblicos dessa doutrina e motiva-o a dedicar-se cada vez mais à causa do Senhor e à prática do bem em relação aos seus semelhantes, sua família, seu trabalho e sua igreja local.
I. MORDOMIA DO PONTO DE VISTA CRISTÃO
 Mordomia no sentido comum, secular e popular tem má conotação. Mas, no sentido cristão, é, como já vimos, a administração dos bens de outrem. Ela implica, de igual modo, responsabilidade de administrar os nossos próprios bens espirituais, morais e materiais, segundo o supremo ideal de vida, que é CRISTO (Cl 3.4; Jo 13.15; 1Jo 2.6). De fato, toda a vida de CRISTO e seus ensinos devem ser a base imutável da mordomia cristã. Vejamos alguns ensinos bíblicos para os que desejam administrar sabiamente sua vida sobre a terra.
1. A mordomia cristã reúne o espiritual e o material na experiência cotidiana. Na verdade, toda nossa vida, tanto na esfera física ou material, como na espiritual, tem a ver com DEUS. Cada atividade da nossa vida é preciosa para DEUS, pois pertencemos a Ele. No trabalho, no escritório ou na fábrica, na vida pública, no lar ou viajando, não podemos separar as duas coisas. Cada pensamento, cada olhar, cada movimento nosso, tudo, enfim, que se passa conosco, está patente aos olhos de DEUS. Sua imanência torna-o presente em tudo o que fazemos. Não podemos separar, neste aspecto, atividades religiosas e atividades seculares. Em todo o tempo a mordomia cristã implicará em sabermos colocar o reino de DEUS em primeiro plano (Mt 6.33).
2. A mordomia cristã desenvolve o senso de responsabilidade com a vida. A Bíblia nos exorta: “Não sejais vagarosos no cuidado” (Rm 12.11). O crente deve, pois, com a graça de DEUS e o poder do ESPÍRITO SANTO ser sempre zeloso, fiel e diligente em suas atividades na igreja. O crente precisa também administrar a sua vida, de modo geral, espiritual e material com elevado senso de responsabilidade. Desmazelo e desorganização na vida material e espiritual são próprios de quem não conhece e nem pratica a mordomia cristã. Segundo os ensinos das Sagradas Escrituras, atitudes como pontualidade no cumprimento dos deveres materiais e sociais e honestidade no trabalho e no trato com as pessoas são valores morais basilares na administração da vida.
3. A mordomia cristã inclui prestação de contas. Na parábola denominada O mordomo infiel, JESUS relatou a história de um mordomo fraudulento que usava de astúcia para tirar proveito para si em detrimento dos outros. Porém, o senhor daquele servo infiel exigiu dele “prestação de contas” (Lc 16.2). JESUS incriminou os religiosos fariseus por sua hipocrisia e corrupção no trato das coisas sagradas e seculares que eles administravam. Nós, filhos de DEUS, como seus servos, compareceremos um dia perante o Tribunal de CRISTO para recebermos segundo o que tivermos feito neste mundo (2Co 5.10; Rm 14.12; Mt 16.27; Lc 14.14; Ef 6.8).
II. A MORDOMIA CRISTÃ VALORIZA A VIDA HUMANA
 Desde que o homem pecou, vive a perguntar (isto é, o homem natural): “Por que estou aqui?”; “Qual a razão da minha existência?”; “Qual o sentido da minha vida?”; “Por que existo?”. Independente de cor, etnia, “status social”, estas perguntas estão na mente de cada pessoa. O autêntico cristão não faz tais perguntas, pois, vivendo na luz de CRISTO, ele sabe que tudo isto está relacionado ao seu papel de servo e mordomo do Senhor. Mas, quanto ao incrédulo, sua mente obscurecida pelo pecado, nada vê, nem entende, daí essas perguntas milenares sem razão de ser.
1. Para todas as coisas DEUS tem um propósito. O que aprendemos na Bíblia é que DEUS nos criou com propósitos definidos, mas a realização feliz dos mesmos dependerá de nós. O pecado preteriu o alvo do propósito divino, mas JESUS CRISTO veio para restaurar o homem ao plano divino original; por isso, Ele se constitui no supremo ideal de vida para o homem (Cl 1.28; 2.10). Toda a vida de CRISTO e seus ensinos constituem a base principal para a realização desse propósito.
2. O propósito de DEUS para a nossa vida. DEUS quer que cumpramos nosso papel consoante o seu propósito divino. Temos nisto o exemplo de dois grandes apóstolos: Pedro e Paulo. Ambos foram chamados para pregar o Evangelho de CRISTO e estabelecer a igreja na terra. Porém, cada qual tinha um propósito diferente. Pedro compreendeu que o propósito de DEUS para sua vida era o de ser um líder entre os cristãos judeus, e convencê-los de que DEUS estava agregando à igreja os gentios (At 10). Paulo, por outro lado, estava convicto de que o propósito de DEUS em seu ministério era o de levar o Evangelho às terras gentias (Gl 2.7,8). Cada crente deve viver e agir segundo o propósito divino para a sua vida e procurar administrá-lo de forma a não estar em falta no dia do Tribunal de CRISTO.
III. A MORDOMIA CRISTÃ HUMANA SEGUNDO A VONTADE DIVINA
A Bíblia fala da oração para que o crente seja cheio do conhecimento da vontade do Senhor (Cl 1.9). A mordomia cristã requer do cristão disposição, confiança e obediência na execução da vontade de DEUS para a sua vida.
Há pelo menos três modos de identificar a vontade divina e administrá-la em nossa vida.
1. A vontade absoluta de DEUS (Rm 8.28-30). É a sua soberana e imutável vontade, que não pode ser alterada. É aquela vontade que envolve todos os detalhes do universo e está oculta ao conhecimento humano. É aquela vontade que segue o seu curso estabelecido dentro daquilo que DEUS determinou. Se reconhecermos Sua vontade absoluta, não discutiremos como Ele a realiza, porque Ele é o Oleiro e nós somos o barro. Ele é a Videira, nós somos apenas os ramos. Ele é o Senhor, nós, os seus servos. Se é Ele quem está no comando, nós apenas fazemos o que Ele nos ordena fazer, e mesmo assim fazemos tudo imperfeito, incompleto. Ora, se entendermos a vontade absoluta de DEUS, também, entenderemos que a mesma é santa, justa e boa.
2. A vontade permissiva de DEUS. Refere-se ao poder de DEUS de permitir, como e quando Ele quiser, algum evento, positivo ou negativo. Por exemplo: DEUS permite ao homem a livre escolha, mas não aprova o pecado. O homem pode escolher pecar, mas DEUS o previne e o julga pelo pecado que cometer. DEUS é SANTO, portanto o pecado será sempre abominável perante os seus olhos. Muitas vezes, o crente passa por privações que DEUS permite. Não que Ele tenha prazer no sofrimento do seu servo, mas Ele o permite para que o crente aprenda as lições da vida espiritual que lhe faltam. DEUS tem o poder de fazer prevalecer a sua vontade e impedir qualquer ação contrária seja de quem for. Porém, DEUS em sua onisciência, sabedoria e providência nem sempre interfere. Ele pode, sim, permitir ou não o que Ele quiser, conforme a sua perfeita justiça e retidão, para salvar, corrigir, alertar e assim por diante (2Cr 32.21; Sl 81.12,13; Os 4.17; At 14.16; Rm 1.24,28).
3. A vontade preventiva de DEUS. Diz respeito à ação de DEUS para prevenir o homem de algum mal ou pecado (Gn 20.6; 31.24; Sl 19.13). Quando o crente mantém plena comunhão com Ele, é prevenido muitas vezes dos perigos que podem ameaçar a sua vida em todas as esferas. 
CONCLUSÃO
Zelo, fidelidade e diligência devem caracterizar a mordomia cristã em todos os seus aspectos.
O servo fiel será recompensado na mesma proporção de seu empenho em cumprir as determinações divinas.
O Tribunal de CRISTO será instituído para fins de apuração do cumprimento destas determinações executadas pelo crente na terra.
 
Meus comentários
INTRODUÇÃO
A Mordomia Cristã tem como principal alavanca, a comunhão entre o crente e seu Senhor JESUS CRISTO, através da meiga e suave presença do ESPÍRITO SANTO que dirige e orienta o servo para o serviço adequado às ordens do Mestre.
Comunhão significa ter tudo em comum, assim o que DEUS deseja fazer, é o que o crente deve e se esforça para fazer, esperando do dono da obra o poder e a unção necessários para a execução da mesma, sabendo que DEUS é premiador daqueles que o buscam e Lhe obedecem, não nos esquecendo de que um dia estaremos diante de nosso Senhor para prestar-lhe conta de tudo o que fizemos através do corpo.
 
I. MORDOMIA DO PONTO DE VISTA CRISTÃO
A origem da vida santa e irrepreensível que DEUS deseja para nós os cristãos se encontra na maneira diferente de viver que DEUS exigiu de seu povo, os judeus, no Antigo Testamento, lá está a base da mordomia cristã.
A Mordomia Cristã está intimamente ligada a serviço prestado em lugar de seu senhor. Lembrando sempre que quem orienta e tem poder de decisão é o senhor e não o crente. O alfabeto do crente deve sempre ser "O B D C". A obediência nos conduz ao triunfo, pois DEUS não requer do crente apenas obedecer cegamente, mas obedecer com alegria. JESUS foi tão obediente que foi capaz de suportar até a cruz para satisfazer a vontade do pai em nossa vida. O cristianismo não é apenas mais uma religião, é uma amizade entre JESUS CRISTO e o crente, um relacionamento de amor e esperança. A comunhão com CRISTO através do ESPÍRITO SANTO nos impulsiona a realizar a obra de DEUS de maneira sábia e instantânea, muitas vezes quando percebemos, já estamos fazendo algo para o Senhor que nem havíamos planejado, mas ELE sim. A busca por agradar a DEUS deve reger a vida do crente que não se preocupa em agradar ao mundo, ou receber elogios do mundo, mas agradar a seu Senhor, custe o que custar. Não podemos e não devemos ter "duas caras", ou seja agirmos de uma maneira na vida material e de outra maneira na vida espiritual; não há tal contradição na bíblia, somos filhos de DEUS, seres espirituais que enquanto na terra manifestamos a qualidade, a essência de vida de nosso Pai.De acordo Com a Palavra de DEUS um dia estaremos no tribunal de CRISTO onde seremos julgados pelos nossos atos, pela motivação que nos induzia a esses atos, pela nossa fé e pela nossa união com o corpo de CRISTO na terra.
Rm 14.10 Mas tu, por que julgas teu irmão? Ou tu, também, por que desprezas teu irmão? Pois todos havemos de comparecer ante o tribunal de DEUS.11 Porque está escrito: Por minha vida, diz o Senhor, diante de mim se dobrará todo joelho, e toda língua louvará a DEUS.12 Assim, pois, cada um de nós dará conta de si mesmo a DEUS.
1 Co 4. 3 Todavia, a mim mui pouco se me dá de ser julgado por vós, ou por qualquer tribunal humano; nem eu tampouco a mim mesmo me julgo.4 Porque, embora em nada me sinta culpado, nem por isso sou justificado; pois quem me julga é o Senhor.5 Portanto nada julgueis antes do tempo, até que venha o Senhor, o qual não só trará à luz as coisas ocultas das trevas, mas também manifestará os desígnios dos corações; e então cada um receberá de DEUS o seu louvor.
2 Co 5.10 Porque é necessário que todos nós sejamos manifestos diante do tribunal de CRISTO, para que cada um receba o que fez por meio do corpo, segundo o que praticou, o bem ou o mal.
2 Co 3.13 a obra de cada um se manifestará; pois aquele dia a demonstrará, porque será revelada no fogo, e o fogo provará qual seja a obra de cada um.14 Se permanecer a obra que alguém sobre ele edificou, esse receberá galardão.15 Se a obra de alguém se queimar, sofrerá ele prejuízo; mas o tal será salvo todavia como que pelo fogo.
 
II. A MORDOMIA CRISTÃ VALORIZA A VIDA HUMANA
Desde que o pecado entrou no mundo através do primeiro homem, o primeiro Adão, e desde que DEUS providenciou a salvação de todo ser humano através do último Adão, JESUS CRISTO; existem três tipos de homem na terra, a saber:
 
1- Homem Natural: Aquele que já nasceu em pecado e continua na prática do mesmo, sem se importar com DEUS, vive sem saber porque.
Rm 5.12 Portanto, assim como por um só homem entrou o [pecado] no mundo, e pelo [pecado] a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porquanto todos pecaram.
 
2- Homem Espiritual: Aquele que tendo nascido em pecado, se arrependeu, se converteu e aceitou a CRISTO como único e suficiente salvador, recebendo assim o ESPÍRITO SANTO para viver em novidade de vida e na prática de boas obras. 
Ef 2.10 Porque somos feitura sua, criados em CRISTO JESUS para boas obras, as quais DEUS antes preparou para que andássemos nelas.
Rm 5.8 Mas DEUS dá prova do seu amor para conosco, em que, quando éramos ainda pecadores, CRISTO morreu por nós.
 
3- O homem carnal: Aquele que tendo conhecido a salvação desprezou o seu Senhor e mestre JESUS CRISTO, andando agora na prática do pecado.
Cl 2.18 Ninguém atue como árbitro contra vós, afetando humildade ou culto aos anjos, firmando-se em coisas que tenha visto, inchado vãmente pelo seu entendimento carnal,
 
Veja como a bíblia ensina:
1Co 2.14 Ora, o homem natural não aceita as coisas do ESPÍRITO de DEUS, porque para ele são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.
1Co 2. 15 Mas o que é espiritual discerne bem tudo, enquanto ele por ninguém é discernido.
2Co 1.12 Porque a nossa glória é esta: o testemunho da nossa consciência, de que em santidade e sinceridade de DEUS, não em sabedoria carnal, mas na graça de DEUS, temos vivido no mundo, e mormente em relação a vós.
 
    O homem natural se pergunta sobre a razão de tudo, mas o homem espiritual a tudo discerne e sabe que é filho de DEUS, criado para honra, glória e louvor de seu criador; bem como para trabalhar na seara do Mestre, sabendo que um dia estaremos diante Dele, para recebermos segundo nossas obras, no tribunal de CRISTO.
    DEUS tem um plano definido para cada um de seus servos e cabe a cada um se encaixar no ministério a si proposto, aceitando feliz os desígnios de DEUS para sua vida. 
    Vemos através da vida de CRISTO aqui na terra e pelos seus ensinamentos e maneira de viver que a vontade perfeita de DEUS deve ser realizada a qualquer custo.
At 20.24 mas em nada tenho a minha vida como preciosa para mim, contando que complete a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor JESUS, para dar testemunho do evangelho da graça de DEUS.
    DEUS em sua soberania e propósito chama a cada um e capacita para cumprimento de seu plano salvífico da humanidade; assim a Igreja tem ministérios bem definidos trabalhando unidos para o engrandecimento do reino de DEUS, para tanto uns são chamados para  Apóstolos, outros para Profetas, outros para evangelistas, outros para Pastores e ainda outros para Mestres; além desses ministérios que dirigem a Igreja DEUS chamou também alguns para exortar, outros para repartirem, outros para presidir, outros para exercer misericórdia, outros para milagres, outros para curas, outros para socorros, etc..; cada um exercendo sua mordomia cristã dentro do que foi chamado.. (Ef 4.11; 1 Co 12.28; Rm 12.6-8)
 
III - A MORDOMIA CRISTÃ HUMANA SEGUNDO A VONTADE DIVINA
Devemos orar para que cheguemos ao pleno conhecimento da perfeita vontade de DEUS para nós. A mordomia Cristã exige ânimo, fé e obediência na obra de DEUS.
Como podemos identificar e administrar a vontade divina em nossa vida?
1- Através do conhecimento da Vontade Absoluta de DEUS, que sua vontade perfeita sem nenhum tipo de questionamento humano ou de outro ser qualquer; devemos aceitá-la como santa justa e boa, lembrando-nos de que DEUS conhece o futuro.
 
2- Através da Vontade Permissiva de DEUS, que nos aponta mais de um caminho a seguir, quando não queremos sua vontade perfeita, mas queremos servi-Lo de alguma maneira, desde que convenientemente nos adaptemos a seus propósitos, desde que não nos desviemos do alvo supremo que é um    viver sem pecado, em comunhão com o ESPÍRITO SANTO, nos esforçando ao máximo para alcançarmos os objetivos de DEUS em nossas vidas; este talvez seja o caminho seguido pela maioria dos filhos de DEUS, pela sua comodidade.
    Dentro de sua Vontade Permissiva e de sua Onisciência, DEUS que tudo sabe e tudo conhece, nos deixa passar por provações e tribulações, mas sempre está no comando e controle de tudo, dirigindo os acontecimentos da maneira que acha conveniente para nosso crescimento espiritual.
Rm 8.28 E sabemos que todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a DEUS, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.
 
3- Através da Vontade Preventiva de DEUS, somos alertados quanto aos perigos que poderão ocorrer no caminho a que nos propusemos a seguir, sabendo que nosso inimigo é sagaz e astuto, procurando por todos os meios nos atrapalhar em nossa santa jornada, mas aquele que nos escolheu e chamou , passou pelas mesmas tentações e tribulações e venceu todas as batalhas, também nos dará vitória em nossas lutas.
1Pe 5.8 Sede sóbrios, vigiai. O vosso adversário, o Diabo, anda em derredor, rugindo como leão, e procurando a quem possa tragar;
Tg 4.7 Sujeitai-vos, pois, a DEUS; mas resisti ao Diabo, e ele fugirá de vós.
2 Pe 2.9 também sabe o Senhor livrar da tentação os piedosos, e reservar para o dia do juízo os injustos, que já estão sendo castigados;
Hb 2.18 Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados.
 
O pecado deve ser combatido e vencido a qualquer preço. (1 Co 7.23; Tg 4.7).
 
Conclusão:
Olhemos sempre para o autor e consumador de nossa fé, JESUS CRISTO, o nosso molde na perfeita Mordomia Cristã, sabendo que um dia compareceremos perante ELE, para prestarmos contas de nossa Mordomia.
 
 
Adam Clarke N. T. Lucas 12
Versículo 42
Mordomo fiel e prudente - Veja em Mateus 24:45; onde as várias partes do escritório do comissário de bordo são mencionados e explicados. Aqueles parecem ter sido stewards entre os judeus, cujo negócio era para fornecer todos os membros de uma família, não só com a comida, mas com vestes.
Versículo 45
Comece a bater, etc. - Veja as diferentes partes de conduta este mau-ministro assinalou em Mateus 24:48  Mateus 24:49
Versículo 46
Com os incrédulos - ou melhor, os infiéis; των σπιϚων. Pessoas que tiveram a luz e conhecimento da palavra de DEUS, mas não fez um uso indevido dos privilégios que receberam. As pessoas mencionadas aqui são muito diferentes dos descrentes ou infiéis, viz. aqueles que estavam em um estado de paganismo, porque não tinha a revelação do Altíssimo: o último não sabia que a vontade de DEUS, Lucas 12:48, e, embora eles agiram contra ela, não fazê-lo de obstinação; o ex sabia que a vontade e ousadia se opuseram a ela. Eles foram infiéis, e, portanto, fortemente punidos.
Verso 47
Será castigado com muitos açoites - Criminosos entre os judeus não poderiam ser batidos com mais de quarenta açoites; e como esta foi a soma da gravidade a que uma surra poderia estender, pode ser tudo o que o nosso Senhor, aqui, significa. Mas, em alguns casos, um homem foi julgado para receber oitenta listras! Como pode ser isso, quando a lei havia decretado apenas quarenta? Resposta: Ao dobrar o crime. Ele recebeu quarenta para cada crime; se ele fosse culpado de dois crimes, ele pode receber oitenta. 
Versículo 48
Será castigado com poucos - Para pequenos delitos os judeus em muitos casos infligido tão poucos como quatro, cinco, seis e listras. Veja exemplos em Lightfoot.
A partir deste e do verso anterior, descobrimos que ele é um crime ser ignorante da vontade de DEUS;porque a cada um DEUS deu menos ou mais dos meios de instrução. Aqueles que tiveram muita luz, ou a oportunidade de receber muito, e não tê-la para sua própria salvação, e para o bem dos outros, terá punição proporcional à luz que têm abusado. Por outro lado, aqueles que tiveram pouca luz, e alguns meios de melhoria, deve ter poucos açoites, será punido apenas pelo abuso do conhecimento que possuía. 
 
 
A MORDOMIA CRISTÃ - A Mordomia do Corpo - 2º Trimestre 1987 - Comentarista Pr Elienai Cabral
O termo mordomia é muito atual e conhecido. Ele tem sido meios
popularizado pelos de comunicação, para denunciar o uso abusivo das regalias provenientes do exercício de funções públicas. Neste caso exclusivo, o termo mordomia é usado para designar o mau mordomo, o mau administrador do dinheiro alheio.
-No contexto bíblico, a palavra "mordomia" falã da consciência que o crente deve ter de que tudo quanto possui é, acima de tudo, um bem proveniente de DEUS (Tg 1.17), e que deve ser administrado fielmente, na certeza de que a qualquer momento será chamado a prestarc•ontas a DEUS.
A Bíblia tanto diz que "do Senhor é a terra ea sua plenitude; o mundo e aqueles que nele habitam 'V (SI 24.1); como diz que o homem "como saiu do ventre de sua mãe, assim nu voltará. indo-se como veio; e nada tomará do seu trabalho. que possa levar na sua mão" (Ec 5.15). Deste modo. a vida e os seus valores devem ser vividos e administrados sob o ponto de vista de DEUS.
No decorrer deste trimestre, você estará estudando A MOÊdom ia Cristã sob os seus mais variados aspectos. _Estudará, entre outras coisas, que:
e O nosso corpo não nos pertence, mas é o templo do ESPÍRITO SANTO e morada de DEUS, devendo ser mantido sadio e puro:
A nossa -alma, como o centro vital das emoções e do querer. deverá ser treinada no sentido de assimilar a vontade de DEUS para com a nossa vida em geral; e O nosso espírito, como elo de ligação entre O agora e a eternidade por vir, deverá cultivar a continua comunhão com DEUS:
Dizimar se constitui tanto em prova de fidelidade quanto de reconhecimento da soberania de DEUS sobre o que somos e temos.
Uma vez que DEUS espera que façamos o melhor que pudermos com o melhor que temos, todos os nossos dons e capacidade deverão encontrar inspiração nEIe e estar a Seu serviço:
JESUS não só fundou a Sua Igreja, como também estabeleceu o modelo de conduta para ela, no mundo. Só quando ela assim age é que dá prova de fiel mordomia;
Ninguém é uma ilha, vivendo isolado, prescindindo dos outros. DEUS espera que cooperemos uns com os outros na promoção do bem comum.
INTRODUÇÃO
O estudo da Mordomia Cristã leva-nos à verdadeira filosofia de vida cristã. ()s princípios básicos da vivência cotidiana do crente estão expostos na doutrina da mordomia. Esse estudo, sem dúvida, será capaz de oferecer uma atitude nova e positiva para com a vida em relação com o mundo em que vivemos. O modelo singular da mordomia cristã, é o próprio CRISTO, através do testemunho dos Evangelhos, nos seus atos e ensinos. O conhecimento da mordomia cristã dá ao crente uma perspectiva mais global do significado da vida. Responde claramente à 'indagação: Por que estou no mundo? Como viver sabiamente num mundo corrompido? Creio que este estudo acerca da Mordomia Cristã possa promover uma total revolução social e espiri tual, e restaurar a consciência do dever de cada crente perante DEUS e o mundo. Ao entendermos o signifi cado dessa doutrina, estaremos ap-  tos para fazer a "obra de DEUS" em todas as suas dimensões. A doutrina bíblica da mordomia  centraliza seus princípios na sobe rania de DEUS sobre todas as coisas. Nós somos apenas seus mordomos.
I. DEFINIÇÃO DA PALAVRA "MORDOMIA"
Há pelo menos cinco palavras no grego que dão uma idéla geral do significado da palavra "mordomia". Essas cinco palavras são semelhan tes e podem dar um entendimento mais global da citada palavra. O verbo grego OIKÊO significa habitar. Dela brotam as palavras gregas as quais se referem à casa como lugar de habitação. KEIOI que diz respeito à família, ou à casa como conjunto de pessoas. A terceira palavra é OIKODESPO TES que se refere ao dono da casa, ao pai de família, ou como aparece em algumas versões da Bíblia, "O senhor da casa" (Mc 14.14). A quar ta palavra é OIKETES que se refere ao "Servo do Senhor" cuja função é dentro da casa. A quinta palavra,  que é a mais conhecida para expli car "mordomia", é a palavra OIKONOMOS qué significa mordomo, administrador de uma casa.
II. A BASE DOUTRINÁRIA DA MORDOMIA CRISTÃ
O princípio espiritual da mordo mia está nas palavras inspiradas do salmista: "Do Senhor é a terra e a sua plenitude; o mundo e aqueles que nele habitam" (SI 24.1). Por  essa lei espiritual entendemos que o nosso papel como criaturas e filhos de DEUS é o de reconhecer a soberania do DEUS Criador sobre todas as coisas e zelar por elas. A mordorma bíblica destaca a soberania de DEUS em termos de "senhorio". Ele administra a economia da criacão como Rei e Senhor.
1. DEUS, Senhor da Criação (Hb 11.3). A obra da criação não é a primeira na ordem do tempo dentro da
eternidade, mas é o princípio e a base de toda a revelação divina. A doutrina da criação exposta na Bíblia, tem por objetivo revelar a relação entre DEUS e o homem.
A Bíblia põe em destaque o fato de que DEUS é a fonte de toda a Criação e de que ela pertence ao Criador e a Ele está sujeita. A
Bíblia não apresenta uma solução filosófica acerca da criação do Universo, mas um fato crido e aceito pela fé.
2. DEUS, Senhor do Reino Pessoal e Impessoal. Nesse ponto afirmamos que o reino animado pertence a DEUS. Ele é o Criador, não só do homem, mas também das formas inferiores da vida. É Ele que providencia todas as condições necessárias para a continuidade da vida física, tanto do homem como dos animais (PV 30.25; SI 145.15, 16; Met 5.45). Porém, no mundo animal, destaca-se o homem criado à ima gem e semelhança do Criador, em termos de personalidade e espírito. Portanto, o homem pertence a DEUS.
a- Em primeiro lugar, o homem pertence a Deus por direito de criação (Gn 1.27; IS 4,3.1• IS 45.12; Ez 18.4). Na criação do homem, Deus formou o corpo do pó da terra com as substâncias que o compõem. A palavra "formou" indica o fato de que a criação do homem resultou de materiais preexistentes. Com isso anulamos a teoria da evolução que sustenta a idéia de um desenvolvimento gradual e lento advindo do reino animal inferior, como o macaco.  A realidade dessa criação distinta está na declaração de Gn 2.7 que diz: "e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente". Aqui encontramos algo diferente de toda a criação material, que é a vida física e espiritual. O homem passou a ser pessoa, com consciência de si mesmo e com livre-arbítrio.
b- Em segundo lugar, o homem pertence a Deus por direito de pre (At 14.17; At 17.28; Cl 1.17). Deus não criou o homem e.o abandonou ao léu. Ele o criou e •o sustenta pela sua providência divina. Esta providência é fartamente conhecida pelo oxigênio que respiramos, pelo vestuário e pelo alimento aue a terra produz.
c- Em terceiro lugar, o homem pertence a Deus por direito de redenç•ão (1 co 6.20; Tt 2.14; Ap 5.9). Por causa da queda pelo pecado o homem perdeu o rumo e a comunhão com o seu Criador. A sua co municação foi cortada. Mas Jesus, o Filho amado de Deus, fez-se carne, habitou entre nós e redimiu-nos Dara si mesmo. O preço da redenção Ílii paga com sangue inocente, o sangue expiatório de CRISTO.
III - A IMPORTÂNCIA DA MORDOMIA
A doutrina da mordomia cristã deve desenvolver os conceitos bíblicos sobre as atividades pessoais do crente, isto é, suas relações com os seus semelhantes, com os seus familiares, com o seu trabalho, com a Igreja, com a cultura e, acima de tudo, com Deus.Alguns afirmam que a mordomia significa a administração dos bens de outrem. Porém a mordomia cristã implica a responsabilidade de administrar os bens espirituais, morais e materiais, conforme o supremo ideal da vida, que é Cristo (Cl 3.4). Toda a vida de Cristo e seus ens os tornam-se a base principal da m rdomia cristã. Para destacar a importância da mordomia enfocaremos alguns con ceitos que emergem do coração da Bíblia, para os que desejam viver sabiamente a sua vida sobre a terra.
1. A Vida Tem um Propósito. A Bíblia não aceita a idéia do "acaso" para a razão da nossa existência. As Indagapes, tais como: "por que eu nasci?' ou "por que eu estou na terdo. Deus não criou o homem sem uma razão. Ele o criou como um agente moral, com livre-arbítrio e capaz de comunicar-se com o seu Criador. A relação entre Deus e o homem difere da sua relação com a criação material e a criação do ani mal inferior. Deus respeita a liberdade do homem, mas não o deixa a mercê da própria sorte. Ele é o governador máximo e soberano sobre todas as coisas criadas.
Há pelo menos quatro aspectos relacionados com o governo de Deus:
a- A ação permissiva de Deus. Refere-se à capacidade divina de permitir algum evento, positivo ou negativo. Por exemplo: Deus permi te ao homem a livre escolha, mas não aprova o pecado. O homem pode escolher pecar, mas Deus o previne e o julga pelo pecado que cometer. Deus é Santo, portanto o pecado será sempre abominável para Ele. Muitas vezes, o crente passa por provações que Deus permite. Não que Ele tenha prazer no sofrimento do seu servo, mas Ele permite essas provações para que o crente aprenda alguma lição espiritual que ainda não tenha aprendido (Cf 2 Cr 32.21; SI 81.12,13; os 4.17; At 14.16; 124,28).
b- A ação preventiva de Deus. Diz respeito à ação de Deus para prevenir o homem de algum mal ou pecado (Gn 20.6; 31.24; SI 19.1.3). Quando o crente mantém plena comunhão com Ele, é prevenido muitas vezes dos perigos que podem ameaçar a sua vida em todas as esferas.
c- A ação diretiva de Deus. Isso não significa apenas que Deus nos dirija e nos oriente. A ação do governo diretivo implica a sábia capacidade divina de tirar proveito de certos atos maus do homem e fazer com que haja resultados positivos. A Bíblia destaca a vida de José, fiIhôde Jacó. Seus irmãos, por causa da inveja e intriga, o venderam aos estrangeiros. No plano divino, esse pecado de seus irmãos foi transfordor do Egito. Note o que ele disse ao encontrar-se com seus irmãos: "Vós, na verdade, intentastes o mal contra mim, porém Deus o tornou em bem, para fazer como vede; agora, que se conserve muita gente em vida (Gn 50.20). Outros textos elucidam esse ponto (IS 10.6; SI 76.10; Jo 1.3.27; At 4.27,28; Rm 9.17,18).
d- Como ação controladora de Deus podemos entender, sem sombra de dúvida, a providência de Deus governando e controlando tudo.
Todas as coisas estão nas suas mãos. Ele tem o controle de tudo, até mesmo sobre a expansão do pecado e da maldade. A Satanás Ele deu limite de sua ação contra a vida de Jó. Disse o Senhor a Satanás: "Eis que tudo quanto tem está na tua mão; somente contra ele não estendas a tua mão. E Satanás saiu da presença do Senhor" (Jó 1.12). Mais adiante o Senhor disse outra vez a Satanás: "Eis que ele está na tua mão; poupa, porém, a sua vida" (Jó 2.6).
Portanto, não há dúvidas de que há um propósito divino para cada vida neste mundo. Paulo disse em Romanos: "E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados por seu decreto" (Rm 8.28).
2- A Mordomia Cristã não Separa, na Existência Cotidiana, o Espiritual e o Material. Nos dois primeiros séculos da era cristã, a Igreja enfrentou alguns problemas de ordem moral, os quais eram discutidos fortemente pelos crentes. Alguns cristãos advindos do paganismo e de várias correntes filosóficas, como o gnosticismo, viviam ainda influenciados pelos seus falsos conceitos acerca da verdade material e espiritual. Ensinavam que com a carne se serve à carne e com o espírito se serve a Deus. Com isso admitiam os pecados da carne comc se fôssem coisas normais, que em nada afetavam o espírito. Porém esse ensino é frontalmente refutado pela Bíblia • GEE).
3-  A Mordomia Cristã Faz Aumentar o Senso de Responsabilidade. O apóstolo Paulo diz: "Não sejais vagarosos no cuidado" (Rm 12.11 Devemos ser cuidadosos com as nossas responsabilidades. Os desmazelos e a desorganização na vida material e espiritual são próprios de quem não conhece e nem pratica a mordomia cristã. A pontualidade é um dos requisitos essenciais para o sucesso em qualquer atividade humana.  A pontualidade tem a ver com o cumprimento do dever. Vivemos numa sociedade corrompida em que os valores morais se tornaram obsoletos. Entretanto, a Palavra de Deus continua a mesma.
4- A Mordomia Cristã é Desenvolvida e Praticada Conforme a Vontade de Deus. O maior exemplo para este ponto é o próprio Jesus, que disse: "A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou, e realizar a sua obra" (Jo)
5- A Mordomia Cristã Exige Prestação de Contas. Na parábola do  mordomo infiel, o seu senhor exigiu: "Dá contas da tua mordomia" (LC 16.2). Essa parábola tem um sentido escatológico, pois todos os servos  de Cristo hão de comparecer ante o tribunal de Cristo para prestar contas de seus atos. Será o dia do ajuste de contas. Todos os salvos hão de comparecer para que sejam julgadas as suas obras, como está escrito: "Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corPC)" (2 co 5.10; Cf. Lc 12.48).
 
 
 
SUBSÍDIOS DA REVISTA 3º TRIMESTRE DE 2019
SUBSÍDIO DIDÁTICO - PEDAGÓGICO
A proposta básica desse primeiro tópico é explicar o conceito de “mordomo” e de “mordomia”. Após expor esses conceitos, faça uma reflexão sobre a maturidade, virtude essencial para a “mordomia” em toda a área da vida. Use este texto como base de sua reflexão: “Uma orientação importante para qualquer tipo de sucesso, seja pessoal, espiritual, profissional, financeiro, familiar ou esportivo, é a necessidade de maturação. Não se consegue isso da noite para o dia. É preciso tempo e esforço. Entenda: ser ‘maduro’, aqui, não é sinônimo de ser ‘velho’, mas sim de ter experiências suficientes que lhe confiram sabedoria para agir e errar menos” (Maturidade para a escolha certa, de William Douglas, site CPADNEWS). Assim, mostre à classe a importância da maturidade para desenvolver a ideia de mordomia em toda as esferas da vida, seja espiritual ou material.
"O mandamento revela o objeto da nossa mordomia de amor: fazer o bem ao próximo de forma concreta, com obras que revelam a nossa fé (Tg 2.14-17)"


CONHEÇA MAIS - Mordomo e Mordomia
O mordomo é a função que responde à mordomia pela qual ele foi colocado para executar. No Reino de DEUS, essa relação se dá com o crente e a dimensão de sua vida nas esferas espiritual e social. O crente, em JESUS, tem contas a prestar a DEUS a respeito do que Ele o chamou a fazer.
 
 
SUBSÍDIO DOUTRINÁRIO - [SOBRE A FÉ]
“No Novo Testamento, o verbo pisteuõ (‘creio, confio’) e o substantivo pistis (‘fé’) ocorrem cerca de 480 vezes. Poucas vezes o substantivo reflete a ideia da fidelidade como no Antigo Testamento (por exemplo, Mt 23.23; Rm 3.3; Gl 5.22; Tt 2.10; Ap 13.10). Pelo contrário, normalmente funciona como um termo técnico, usado quase exclusivamente para se referir à confiança ilimitada (com obediência e total dependência) em DEUS (Rm 4.24), em CRISTO (At 16.31), no Evangelho (Mc 1.15) ou no nome de CRISTO (Jo 1.12). Tudo isso deixa claro que, na Bíblia, a fé não é ‘um salto no escuro’.
Somos salvos pela graça mediante a fé (Ef 2.8). Crer no Filho de DEUS leva à vida eterna (Jo 3.16). Sem fé, não poderemos agradar a DEUS (Hb 11.6). A fé, portanto, é a atitude da nossa dependência confiante e obediente em DEUS e na sua fidelidade. Essa fé caracteriza todo filho de DEUS fiel. É o nosso sangue espiritual” (HORTON, M. Horton (Ed.). Teologia Sistemática: Uma Perspectiva Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2018, pp.369-70).
"A Bíblia mostra que a avareza é a idolatria ao dinheiro, ou seja, uma compulsão para enriquecer a qualquer custo"
 
 
SUBSÍDIO VIDA CRISTÃ - [A importância do compromisso]
“Earl e Hazel Lee escreveram: ‘O compromisso é mais que uma decisão sentimental que pode mudar a vida de uma pessoa por alguns poucos dias cheios de emoção. É um ato válido da vontade, e muda todo o modo de vida de uma pessoa’. Eles explicam o significado de compromisso, descrevendo-o como o descreve um dialeto indiano: O compromisso é dar com a palma da mão ‘para baixo’. Quando colocamos algo na mão de alguém, não conseguimos segurar nenhuma parte do que estamos dando. Ao passo que, se pedirmos que uma pessoa retire algo de nossa mão, ainda poderemos segurar alguma parte que essa pessoa não consiga pegar. Em nossa cultura, é mais fácil passar do aproveitar os nossos bens a nos agarrarmos fortemente a eles e tentarmos agarrar mais, o que é chamado materialismo.
A. W. Tozer escreveu: ‘Uma das piores tragédias do mundo é o fato de permitirmos que os nossos corações se encolham, até que haja neles espaço para pouca coisa, além de nós mesmos’. O materialismo é uma atitude perigosa, porque conserva o nosso foco naquilo que temos, e não naquilo que somos e estamos nos tornando. Ele permite que fiquemos falsamente satisfeitos – pensamos que, porque temos muitas coisas, devemos ser boas pessoas. Embora não haja nada de errado em dirigir um carro bonito, em vestir-se bem e aproveitar os benefícios da última tecnologia, quando os nossos bens nos possuem e o que temos de valioso se torna mais importante que os nossos valores, então estamos com problemas” (TOLER, Stan. Qualidade total de vida. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2013, pp.71-72).
 

PARA REFLETIR - A respeito de “O que é a Mordomia Cristã”, responda:
O que diz respeito à mordomia na Bíblia?Na Bíblia, Mordomia diz respeito a todo serviço que o crente realiza para DEUS e o seu comportamento diante do Pai e dos homens.
Na mordomia do amor cristão a quem devemos amar?Amar a DEUS e ao próximo.
Na mordomia da fé cristã, o que significa “fé”? A palavra fé (gr. pisteuõ; lat. fides) traz a ideia de confiança que depositamos em todas as providências de DEUS.
Na mordomia dos bens materiais, como o cristão deve trabalhar? Na mordomia dos bens materiais, o cristão deve trabalhar honestamente para garantir sua sobrevivência financeira.
Como deve ser a contribuição do cristão à igreja local? Essa contribuição deve ser feita através dos dízimos e das ofertas voluntárias (cf. Ml 3.8-12).
 
CONSULTE - Revista Ensinador Cristão - CPAD, nº 79, p. 36.
 
 
SUGESTÃO DE LEITURA - Mordomia Cristã, A Difícil Doutrina do Amor de DEUS e As disciplinas da Vida Cristã.
 
 
Para abrir os links abaixo coloque tudo em letras minúsculas
 
Lições do 4º Trimestre de 2003 - Jovens e Adultos
MORDOMIA: SERVINDO A DEUS COM EXCELÊNCIA.
01 - A DOUTRINA DA MORDOMIA CRISTÃ
02 - A IMPORTÂNCIA DA MORDOMIA CRISTÃ. 
03 - CUIDANDO DA TERRA. 
04 - A TRÍPLICE MORDOMIA CRISTÃ - CORPO , ALMA E ESPÍRITO. 
05 - MORDOMIA DO CORPO. 
06 - MORDOMIA DA ALMA. 
07 - MORDOMIA DO ESPÍRITO HUMANO. 
08 - MORDOMIA CRISTÃ DO TEMPO.
09 - A MORDOMIA CRISTÃ DAS FINANÇAS. 
10 - MORDOMIA DO DÍZIMO. 
11 - MORDOMIA DOS TALENTOS.
12 - A MORDOMIA DA FAMÍLIA.
13 - A MORDOMIA DA ADORAÇÃO. 

Dicionário Strong Português
Adam Clarke N. T. Lucas 12 
Manual Tipologia Bíblica
Bíblia The Word
Bíblia MySword
 Revista Ensinador Cristão - CPAD
TOLER, Stan. Qualidade total de vida. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2013
HORTON, M. Horton (Ed.). Teologia Sistemática: Uma Perspectiva Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2018
 
 

Home
Estudos
EBD
Discipulado
Mapas
Igreja
Ervália
Corinhos
Figuras1
Figuras2
Vídeos
Fotos