Home
Estudos
EBD
Discipulado
 Mapas
Figuras1
 Figuras2
Fotos
Igreja
Link's
Corinhos
Download
 Eu
 
 
 
 
Lição 10 - Colossenses - O Relacionamento Do Cristão
Questionário
 
Texto Áureo: “Semelhantemente, vós, mulheres, sede sujeitas ao vosso próprio marido, para que também, se algum não obedece à palavra, pelo procedimento de sua mulher seja ganho sem palavra” (1 Pe 3.1).
MARIDOS... SEJAM GANHOS. Pedro ensina como uma esposa deve agir a fim de ganhar para Cristo o seu marido não salvo. (1) Ela deve ser submissa ao marido e reconhecer a sua liderança na família (ver Ef 5.22). (2) Ela deve conduzir-se de modo santo e respeitoso, com espírito manso e quieto (vv. 2-4; ver 1 Tm 2.13,15). (3) Ela deve esforçar-se para ganhar o marido para Cristo, mais pelo comportamento, do que por suas palavras.
 
Verdade Prática: O relacionamento do cristão, na família e no trabalho, deve subordinar-se aos princípios da ética cristã.

Leitura Diária:
Segunda Tt 2.4 O amor das esposas
Então poderão ensinar as mulheres novas a amarem seus maridos e filhos,
MULHERES... AMAREM SEUS MARIDOS... FILHOS. Deus tem um propósito específico para a mulher em relação à família, ao lar e à maternidade. (1) O desejo e o propósito de Deus para a esposa e mãe, é que a sua atenção e dedicação se focalizem na família. O lar, o marido e os filhos precisam ser o centro dos interesses da mãe cristã; essa é a maneira que Deus lhe determinou para honrar a sua Palavra (cf. Dt 6.7; Pv. 31.27; 1 Tm 5.14), (2) As tarefas específicas que Deus deu à mulher, no que diz respeito à família, incluem: (a) cuidar dos filhos que Deus lhe confiou (v.4; 1 Tm 5.14) como um serviço para o Senhor (Sl 127.3; Mt 18.5; Lc 9.48); (b) ser a auxiliar e fiel companheira do seu marido (vv. 4,5; ver Gn 2.18); (c) ajudar o pai a formar nos filhos um caráter santo, e adestrá-los nas coisas práticas da vida (Dt 6.7; Pv 1.8,9; Cl 3.20); 1 Tm 5.10) (d) ser hospitaleira (Is 58.5-8; Lc 14.12-14; 1 Tm 5.10); (e) usar sua capacidade prática para atender às necessidades do lar (Pv 31.13,15,16,18,19,22,24); e (f) cuidar dos pais idosos no seu lar (1 Tm 5.8; Tg 1.27). (3) As mães que desejam cumprir o plano de Deus para sua vida e para sua família, mas que, devido às necessidades econômicas, são obrigadas a ter um emprego em que trabalham longe dos filhos pequenos, devem confiar suas circunstâncias às mãos do Senhor, enquanto oram a Deus por condições de ocupar o seu lugar e de cumprir as funções e a posição que Deus lhe deu no lar com os seus filhos (Pv 3.5,6; ver também Ef 5.21-23; 1 Tm 5.3)

Terça 1 Co 11.11 A igualdade conjugal em Cristo
Todavia, nem o homem é independente da mulher, nem a mulher independente do homem, no Senhor.
Gálatas 3.28 Nisto não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus.

Quarta Gl 3.28 A igualdade espiritual
Desta forma não há judeu nem grego, não há servo nem livre, não há macho nem fêmea, pois todos vós sois um em Cristo Jesus.
NEM MACHO NEM FÊMEA. Paulo remove todas as distinções étnicas, raciais, nacionais, sociais e sexuais, no que diz respeito ao nosso relacionamento espiritual com Jesus Cristo. Todos os que estão em Cristo são igual-mente herdeiros da graça da vida (1 Pe 3.7), do Espírito prometido (v. 14; 4.6), e da restauração à imagem de Deus (Cl 3.10,11). Por outro lado, dentro do contexto da igualdade espiritual, os homens permanecem homens e as mulheres, mulheres (Gn 1.27). Os papéis que Deus lhes atribuiu no casamento e na sociedade permanecem imutáveis (1 Pe 3.1-4; ver Ef 5.22,23; 1 Tm 2.13,15)

Quinta Ef 6.1 A obediência aos pais
Vós, filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, pois isto é justo.
 FILHOS, SEDE OBEDIENTES. Os filhos de crentes devem permanecer sob a orientação dos pais, até se tornarem membros doutra unidade familiar através do casamento. (1) As crianças pequenas devem ser ensinadas a obedecer e a honrar os pais, mediante a criação na disciplina e doutrina do Senhor (ver 6.4; Pv 13.24; 22.6). (2) Os filhos mais velhos, mesmo depois de casados, devem receber com respeito, o conselho dos pais (v. 2) e honrá-los na velhice, mediante cuidados e ajuda financeira, conforme a necessidade (Mt 15.1-6). (3) Os filhos que honram seus pais serão abençoados por Deus, aqui na terra e na eternidade (v. 3).

Sexta Ef 6.9 O tratamento aos servos
E vós, senhores, fazei o mesmo para com eles, deixando as ameaças, sabendo também que o Senhor deles e vosso está no céu, e que para com ele não há acepção de pessoas.
Colossenses 4.1 Vós, senhores, fazei o que for de justiça e eqüidade a vossos servos, sabendo que também tendes um Senhor nos céus.
Levítico 25.43 Não te assenhorearás dele com rigor, mas do teu Deus terás temor.
DELES COMPRAREIS ESCRAVOS. A escravidão era uma realidade comum nos tempos bíblicos. Deus permitindo a Israel comprar escravos das nações pagãs vizinhas, era uma bênção para esses escravos comprados, porque Deus ordenou que seu povo tratasse os escravos com muito mais dignidade, em relação à sua própria pátria (cf. Êx 20.10).
João 13.13 Vós me chamais Mestre e Senhor e dizeis bem, porque eu o sou.
 
Sábado Cl 3.25 Deus não faz acepção de pessoas
Quem faz injustiça receberá em troco a injustiça feita, e nisto não há acepção de pessoas.
 QUEM FIZER AGRAVO. Com respeito aos relacionamentos no lar, na igreja e no trabalho, Paulo é solícito quanto à demonstração do amor, da justiça e da lealdade entre as pessoas. Se estes versículos fossem levados a sério, boa parte do tratamento desamoroso e injusto para com o próximo, em nossos lares e igrejas seria eliminada. Aprendemos aqui, em termos específicos, que: (1) O maltrato ao próximo por um cristão é algo grave, que afeta a nossa glória futura no céu (cf. 2 Co 5.10). (a) Aqueles que tratam o próximo com amor e bondade, receberão recompensa do Senhor (v. 24; Ef 6.8). (b) Um crente que maltrata a outro, ou lhe faz injustiça, "receberá o agravo que fizer" (v. 25). Quem assim procede levará consigo sua injustiça para o tribunal de Cristo, e sofrerá as conseqüências disso sem parcialidade (Dt 10.17; 2 Cr 19.7; At 10.34; Rm 2.11). (2) O fato de termos que prestar contas de nossa vida a Deus, como acabamos de ver, deve nos motivar a expressar o nosso amor, bondade e misericórdia às pessoas. Que todo crente saiba que Deus o terá como responsável pela maneira como trata os outros (Gl 6.7; ver Mt 22.37,39; Jo 13.34)
 
Leitura Bíblica Em Classe:
COLOSSENSES 3.18-25; 4.1
18 Vós, mulheres, sede submissas a vossos próprios maridos, como convém no Senhor. 19 Vós, maridos, amai a vossas mulheres, e não as trateis asperamente. 20 Vós, filhos, obedecei em tudo a vossos pais, pois isto é agradável ao Senhor. 21 Vós, pais, não irriteis a vossos filhos, para que não percam o ânimo. 22 Vós, servos, obedecei em tudo a vossos senhores segundo a carne, não servindo só na aparência, como
para agradar aos homens, mas em simplicidade de coração, temendo a Deus. 23 E tudo o que fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor, e não aos homens, 24 sabendo que recebereis do Senhor a recompensa da herança. É a Cristo, o Senhor, que servis. 25 Quem faz injustiça receberá em troco a injustiça feita, e nisto não há acepção de pessoas. Cl 4.1 Vós, senhores, dai a vossos servos o que é de justiça e eqüidade, sabendo que também vós tendes um Senhor nos céus.
3.18,19 MULHERES, ESTAI SUJEITAS A VOSSO PRÓPRIO MARIDO. Ver Ef 5.21-23; 1 Tm 2.13,15)
3.20 FILHOS, OBEDECEI... A VOSSOS PAIS. Ver Ef 6.1
3.21 PAIS, NÃO IRRITEIS A VOSSOS FILHOS.
3.22 SERVOS... SENHOR. Paulo ensina os escravos a viverem de modo cristão, na sua situação inditosa. Em lugar nenhum, o apóstolo mostra que o relacionamento escravo-senhor é ordenado por Deus, nem que deve perpetuar-se. Pelo contrário, ele semeia as sementes da abolição da escravidão em Fm 10,12,14,15-17,21 e, nesse ínterim, procura equilibrar a situação, visando o benefício tanto dos senhores quanto dos escravos (Ef 6.5-9; 1 Tm 6.1,2; Tt 2.9,10; cf. 1 Pe 2.18,19).
3.23 FAZEI-O... COMO AO SENHOR. Paulo exorta os cristãos a considerar toda mão-de-obra executada como um serviço prestado ao  Senhor. Devemos trabalhar como se Cristo fosse o nosso patrão, sabendo que todo o trabalho realizado "como ao Senhor" um dia receberá seu galardão (v. 24; cf. Ef 6.6-8)
3.25 QUEM FIZER AGRAVO. Com respeito aos relacionamentos no lar, na igreja e no trabalho, Paulo é solícito quanto à demonstração do amor, da justiça e da lealdade entre as pessoas. Se estes versículos fossem levados a sério, boa parte do tratamento desamoroso e injusto para com o próximo, em nossos lares e igrejas seria eliminada. Aprendemos aqui, em termos específicos, que: (1) O maltrato ao próximo por um cristão é algo grave, que afeta a nossa glória futura no céu (cf. 2 Co 5.10). (a) Aqueles que tratam o próximo com amor e bondade, receberão recompensa do Senhor (v. 24; Ef 6.8). (b) Um crente que maltrata a outro, ou lhe faz injustiça, "receberá o agravo que fizer" (v. 25). Quem assim procede levará consigo sua injustiça para o tribunal de Cristo, e sofrerá as conseqüências disso sem parcialidade (Dt 10.17; 2 Cr 19.7; At 10.34; Rm 2.11). (2) O fato de termos que prestar contas de nossa vida a Deus, como acabamos de ver, deve nos motivar a expressar o nosso amor, bondade e misericórdia às pessoas. Que todo crente saiba que Deus o terá como responsável pela maneira como trata os outros (Gl 6.7; ver Mt 22.37,39; Jo 13.34)
 
Objetivos: Após esta aula, seu aluno deverá estar apto a:
1- Discutir o relacionamento entre cônjuges e, pais e filhos.
2- Recordar os deveres dos senhores e empregados cristãos.
 
Comentários:
INTRODUÇÃO
O texto bíblico em estudo trata do relacionamento do cristão na família; entre marido e esposa, pais e filhos e das relações de trabalho; entre senhores e servos ou, na linguagem atual, patrões e empregados, chefes e subordinados, superiores e subalternos, líderes e liderados etc.


I. O RELACIONAMENTO ENTRE OS CÔNJUGES

1. Deveres das mulheres (3.18).
Versículo 18. ESPOSAS, ESTAI SUJEITAS A VOSSOS PRÓPRIOS MARIDOS. Temos sempre certos versículos "difíceis" aos quais ignoramos. Este é um que as mulheres cristãs geralmente afastam e ao qual seus maridos se apegam. Os homens, contudo, não tem direito de forçar suas esposas a serem obedientes; pois a submissão requerida não é aquela pedida nem da criança nem do escravo (vv. 20,22). Ao contrário, é uma obediência voluntária A esposa deve subordinar-se voluntariamente. Conquanto normal para todas, é mais difícil para aquelas .que tenham sido independentes por um certo número de anos. Contudo esta atitude deve tomar o lugar do primitivo espírito independente. Assim como Cristo é a Cabeça absoluta da Igreja, assim, o homem deve ser a da mulher (Ef. 5:23, 24; I Cor. 11:3-9). Uma jovem deve ser cuidadosa na escolha do homem com quem se casar, para que este possa exigir seu respeito e obediência.
Sabendo que algumas pessoas, ainda mesmo em seus dias, objetariam, Paulo adicionou, COMO CONVÉM NO SENHOR. Deus os tinha feito "um" e não deveria haver dúvida quanto a "qual esse um." Assim como uma pessoa de duas cabeças não pode subsistir, assim é com uma família de duas cabeças. As pressões e esforços são demasiados, e o desquite fácil demais. A frase no Senhor não é uma limitação da sua obediência às coisas de Deus. Ao contrário, sua submissão deve ser digna do Senhor e glorificá-lO (v. 17).
 
Ef 5.21-23
5.21 SUJEITANDO-VOS UNS AOS OUTROS. A submissão de uns aos outros em Cristo é um princípio espiritual geral. Esse princípio deve ser aplicado principalmente à família cristã. A submissão, a humildade, a mansidão, a paciência e a tolerância devem ser características de cada membro da família. A esposa deve submeter-se (i.e., ceder por amor) ante a responsabilidade do marido no exercício da liderança da família (ver Ef 5.22). O marido deve submeter-se às necessidades da mulher, em atitude de amor e abnegação (ver Ef 5.23). Os filhos devem submeter-se em obediência à autoridade dos pais (ver Ef 6.1). E os pais devem ser flexíveis às necessidades dos filhos, e criá-los na santa doutrina do Senhor (ver Ef 6.4).
5.22 MULHERES, SUJEITAI-VOS. A esposa tem a tarefa, dada por Deus, de ajudar o marido e de submeter-se a ele (vv. 22-24). Seu dever para com o marido inclui o amor (Tt 2.4), o respeito (v. 33; 1 Pe 3.1,2), a ajuda (Gn 2.18), a pureza (Tt 2.5; 1 Pe 3.2), a submissão (v. 22; 1 Pe 3.5), um espírito manso e quieto (1 Pe 3.4) e o ser uma boa mãe (Tt 2.4) e dona de casa (1 Tm 2.15; 5.14; Tt 2.5). A submissão da mulher ao marido é vista por Deus como parte integrante da sua obediência a Jesus, "como ao Senhor" (v. 22; ver também Gl 3.28 ; 1 Tm 2.13,15; Tt 2.4).
 
1 Tm 2.13,15
2.13 PRIMEIRO FOI FORMADO ADÃO. O argumento bíblico sobre a responsabilidade do homem como chefe e líder espiritual no lar e na igreja (ver Ef 5.23), tem duas bases. (1) Baseia-se no propósito de Deus na criação. Deus criou primeiro o homem, e assim revelou seu propósito do homem orientar e liderar a mulher e a família. A mulher foi criada depois do homem para ser companheira e adjutora dele, no cumprimento do plano de Deus para a vida do casal (Gn 2.18; 1 Co 11.8,9; 14.34). (2) Baseia-se, também, nas conseqüências desastrosas suscitadas quando o homem e a mulher abandonaram as atribuições que Deus lhes dera no Jardim do Éden. Eva, ao agir como chefe, independente do seu marido, comeu do fruto proibido. Adão, ao negligenciar sua responsabilidade de liderança, sob a orientação de Deus, consentiu na transgressão de Eva. Como resultado, ele também caiu, e trouxe pecado e morte à raça humana (v. 14; Gn 3.6,12; Rm 5.12)
2.15 SALVAR-SE-Á, PORÉM, DANDO À LUZ FILHOS. A mulher é salva pela fé em Deus, aceitando também o que lhe foi atribuído pelo seu Criador. (1) A mais alta posição da mulher, e sua verdadeira dignidade, está no lar como esposa e mãe piedosa. Ela não poderá ter maior alegria, realização interior, bênção ou honra, do que a de tornar-se esposa e mãe cristã, dar à luz a filhos (5.14), amá-los (Tt 2.4) e criá-los para viverem para a glória de Deus (cf. 2 Tm 1.5; 3.14,15), e continuar sempre fiel ao seu Salvador (v. 15b). (2) A honra e a dignidade de ter filhos não deve ser desprezada pelos cristãos. Foi pelo ato de dar à luz a um Filho que Maria trouxe a salvação ao mundo (Gn 3.15; Mt 1.18-25). (3) As sociedades, culturas e igrejas que comprometem ou rejeitam o propósito de Deus para a mulher, rebaixando assim a família, o lar e a maternidade cristãos, sofrerão cada vez mais a desintegração dos seus casamentos, famílias e sociedades (ver 2 Tm 3.3). (4) Essas palavras, dirigidas às mulheres cristãs, não visam rebaixar as solteiras, nem as estéreis. A fé, o amor e a santidade de tais mulheres podem ser tão grandes como entre aquelas que têm filhos (ver 1 Co 7.14)
 

2. Deveres dos maridos (3.19).
O versículo 19 completa o versículo 18. MARIDOS, AMAI A VOSSAS MULHERES, E NÃO AS TRATEIS COM AMARGURA. É da natureza humana que os homens na sua ansiedade pelo versículo 18, negligenciam este mandamento feito para eles! Muitas vezes a natural inclinação da esposa para ser submissa é frustrada pelo fracasso do marido em cumprir com este versículo. Antes de definir o significado do amor aqui, devemos notar duas coisas que ele não significa. Primeiro de tudo, ele não está aconselhando contra relações extra-matrimoniais. Isto teria requerido uma afirmação mais explícita. Nem está ele se referindo ao amor normal que um homen tem por sua esposa. Isto ven naturalmente sem qualquer mandamento. O verbo usado para amor é o mesmo usado para amor divino e indica uma afeição dominante pelo outro. Muitos entram no casamento com paixões inflamadas e o desejo de obter dele tudo que puderem. Cristo nos amou tanto que deu Sua vida por Sua Noiva. Assim, o marido deve amar sua esposa como a si mesmo (Ef. 5:28,29), e ainda mais do que a si próprio.
Aquele que ama sua esposa desta maneira não há de ser áspero ou rude com ela. Isto seria inconsistente com o amor. Em outras palavras, o marido não deve usar o versículo 18 como uma clavs para forçar sua esposa à submissão, mas sim o amor.

5.23 MARIDO... CABEÇA. Deus estabeleceu a família como a unidade básica da sociedade. Toda família necessita de um dirigente. Por isso, Deus atribuiu ao marido a responsabilidade de ser cabeça da esposa e família (vv. 23-33; 6.4). Sua chefia deve ser exercida com amor, mansidão e consideração pela esposa e família (vv. 25-30; 6.4). A responsabilidade do marido, que Deus lhe deu, de ser "cabeça da mulher" (v. 23) inclui: (1) provisão para as necessidades espirituais e domésticas da família (vv. 23,24; Gn 3.16-19; 1 Tm 5.8); (2) o amor, a proteção, a segurança e o interesse pelo bem-estar dela, da mesma maneira que Cristo ama a Igreja (vv. 25-33); (3) honra, compreensão, apreço e consideração pela esposa (Cl 3.19; 1 Pe 3.7); (4) lealdade e fidelidade totais na vivência conjugal (v. 31; Mt 5.27,28).


II. O RELACIONAMENTO ENTRE PAIS E FILHOS

1. Deveres dos filhos (3.20).
Efésios 6.1 Vós, filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto é justo.
FILHOS, SEDE OBEDIENTES. Os filhos de crentes devem permanecer sob a orientação dos pais, até se tornarem membros doutra unidade familiar através do casamento. (1) As crianças pequenas devem ser ensinadas a obedecer e a honrar os pais, mediante a criação na disciplina e doutrina do Senhor (ver 6.4; Pv 13.24; 22.6). (2) Os filhos mais velhos, mesmo depois de casados, devem receber com respeito, o conselho dos pais (v. 2) e honrá-los na velhice, mediante cuidados e ajuda financeira, conforme a necessidade (Mt 15.1-6). (3) Os filhos que honram seus pais serão abençoados por Deus, aqui na terra e na eternidade (v. 3).
Versículo 20. FILHOS. Não os pequenos, mas filhos e filhas que tenham chegado à adolescência (Gál. 4:1). Aqui a palavra indica a relação entre filhos e pais. Traz à mente os sacrifícios dos pais para criar os filhos. OBEDECEI A VOSSOS PAIS. O verbo aqui é completamente diferente daquele do versículo 18. Aqui a ordem é para ouvir, para aceitar submissamente e obedecer (Atos 12:13, 6:7; Mat. 8:27). Nem devemos nós obedecer de má vontade. Ao contrário, Deus deseja que cada um se submeta voluntariamente e com obediência amorosa a seus pais. EM TUDO significa "com respeito a tudo." Mesmo o verso paralelo em Efésios (6:1) não limita a obediência requerida. Como em Col. 3:18, a frase no Senhor em Efésios significa que a obediência é para ser rendida como ao Senhor e por Sua glória. Que este é o significado está visto pelo final deste verso: POR QUE ISTO É AGRADÁVEL AO SENHOR. A frase pode ser aplicada a todos os 6 mandamentos (3:18-4:1), mas é mais apropriada aqui, pois os jovens estão no período de transição, no qual o espírito de independência é muito forte. Destarte, é natural para eles rebelarem-se, serem auto-suficientes e "sabe-tudo". Contudo, são ainda crianças e têm uma dívida tremenda para com seus pais e parte desta dívida pode ser paga por obediência pronta e voluntária. Somente em casos em que os pais requeiram alguma coisa contrária à revelada Palavra de Deus têm os jovens razão para desobedecer.

2. Deveres dos pais (3.21).
Versículo 21. PAIS. Na sociedade antiga o pai era inquestionavelmente a cabeça do lar e, desta forma, o único apto a ser culpado de quebrar este mandamento. Com o crescimento do poder e prestígio da mãe na sociedade moderna, deve também a elas ser aplicado este mandamento.
NÃO IRRITEIS A VOSSOS FILHOS, que é, não os "provoqueis demais", ou não os "exaspereis". Não os "forceis" à ações drásticas. Em vez de importunar, a atitude do pai deve ser semelhante aquela exigida no versículo 19. Tratai-os como seres humanos, respeitai suas idéias e não espereis deles coisas desrazoadas. Por outro lado, Paulo não quer dizer que as crianças são livres de sujeição ou que devem tomar conta da casa. Elas devem estar em sujeição (v. 20; I Tim. 3:4, 12). Há uma hora para a punição, se bem que esta sempre deva ser para o bem das crianças, não apenas para dar alívio a emoções recalcadas da parte dos pais (Heb. 12:5-11).
A razão para a repressão paterna é PARA QUE, as crianças, NÃO PERCAM O ÂNIMO. Isto é, que fiquem desgostosas. Punição é para ensinar e desenvolver o caráter da criança, não para quebrantá-la ou para ser causa de que ela perca a confiança e respeito a seus pais.

III. DEVERES DOS EMPREGADOS CRISTÃOS
Versículo 23. TUDO QUANTO FIZERDES. Esta frase é muito semelhante na forma e significado ao começo do versículo 17. FAZEI-O DA ALMA. Enquanto que no versículo 17 é apenas subentendido o segundo verbo; aqui o verbo é ao mesmo tempo incluído e trocado por um mais forte, trabalhar. Alma é quase sinônimo de "coração" (v. 22) e se refere aos mais íntimos anseios e desejos do nosso ser. Em vez de temos motivos superficiais ou monetários, nossas vidas devem ser dirigidas por princípios profundamente arraigados. Nossos esforços como cristãos devem ser feitos como ao Senhor e não aos homens. Isto é uma confirmação da última parte do versículo 22. Algum homem pode ser nosso patrão ou juiz hoje e amanhã, mas Deus está sempre no trono e é para com Ele que temos responsabilidade (v. 24).

1. Obedecer em tudo (3.22).
SERVOS... SENHOR. Paulo ensina os escravos a viverem de modo cristão, na sua situação inditosa. Em lugar nenhum, o apóstolo mostra que o relacionamento escravo-senhor é ordenado por Deus, nem que deve perpetuar-se. Pelo contrário, ele semeia as sementes da abolição da escravidão em Fm 10,12,14,15-17,21 e, nesse ínterim, procura equilibrar a situação, visando o benefício tanto dos senhores quanto dos escravos (Ef 6.5-9; 1 Tm 6.1,2; Tt 2.9,10; cf. 1 Pe 2.18,19).
 
Versículo 22. ESCRAVOS. Na escala dos direitos pessoais o escravo vem por último. Ele está completamente à mercê do seu senhor. Se o escravo deve esforçar-se por bem servir só seu senhor, quanto mais devemos nós servir aqueles que nos empregam e nos pagam mais do que meramente nossa casa e comida? OBEDECEI EM TUDO. Exatamente o mesmo do versículo 20. Obediência absoluta! A única exceção seria em seguir um mandamento que estivesse definitivamente em oposição à revelada vontade de Deus. Obediência deve ser rendida A VOSSOS SENHORES SEGUNDO A CARNE. Aqui, senhor significa "patrão", 'dono" e, num sentido, "um deus", pois ele controlava a vida e a morte de seu escravo. Mas o controle e influência dos nossos senhores ou empregadores terrenos são limitados a esta vida física. Eles não podem tocar nossas almas, exceto se nós o permitirmos (Lucas 12:4,5).
Aquilo que é requerido NÃO é para ser feito SERVINDO APENAS SOB VIGILÂNCIA, COMO PARA AGRADAR AOS HOMENS. Sob vigilância significa "trabalhando quando vistos." Os que assim procedem não tem interesse no trabalho em si. Seu intuito é ver que seu trabalho seja notado e, ao mesmo tempo, esforçar-se o mínimo possível. Tal atitude não tem lugar entre cristãos. Ao contrário, devemos apresentar um trabalho o mais perfeito possível para agradar tanto ao Senhor como ao nosso patrão. MAS EM SINGELEZA DE CORAÇÃO, TEMENDO A DEUS. Não com motivos dúbios, mas com sinceridade e simplicidade de propósito. Ao servir os homens devemos trabalhar no temor do Senhor, temor no sentido de respeito, mas também com seu significado normal de "terror" (Heb. 12:28, 29; II Cor. 5:11). Em vez de sermos tão "familiares", tão íntimos com Deus, lembremo-nos de que tudo que fizermos deverá glorificá-lO. Em contraste com os muitos senhores, Ele é O Senhor (I Cor. 8:5, 6). Nós temos um Senhor e devemos servi-lO prazerosamente. (Mat. 6:24).

2. Fazer como ao Senhor (3.25).
QUEM FIZER AGRAVO. Com respeito aos relacionamentos no lar, na igreja e no trabalho, Paulo é solícito quanto à demonstração do amor, da justiça e da lealdade entre as pessoas. Se estes versículos fossem levados a sério, boa parte do tratamento desamoroso e injusto para com o próximo, em nossos lares e igrejas seria eliminada. Aprendemos aqui, em termos específicos, que: (1) O maltrato ao próximo por um cristão é algo grave, que afeta a nossa glória futura no céu (cf. 2 Co 5.10). (a) Aqueles que tratam o próximo com amor e bondade, receberão recompensa do Senhor (v. 24; Ef 6.8). (b) Um crente que maltrata a outro, ou lhe faz injustiça, "receberá o agravo que fizer" (v. 25). Quem assim procede levará consigo sua injustiça para o tribunal de Cristo, e sofrerá as conseqüências disso sem parcialidade (Dt 10.17; 2 Cr 19.7; At 10.34; Rm 2.11). (2) O fato de termos que prestar contas de nossa vida a Deus, como acabamos de ver, deve nos motivar a expressar o nosso amor, bondade e misericórdia às pessoas. Que todo crente saiba que Deus o terá como responsável pela maneira como trata os outros (Gl 6.7; ver Mt 22.37,39; Jo 13.34)

3. O galardão do Senhor (3.24).
Versículo 24. SABENDO QUE RECEBEREIS DO SENHOR O GALARDÃO DA HERANÇA. Graças a Deus nossa fé não é baseada em conjectura ou filosofia de homem (2:8). Podemos saber, isto é, ter certeza de que nosso trabalho será julgado por um Deus imparcial. Este verso é uma resposta ao "por que" levantado no versículo 23. Tudo que temos e somos veio dEle como um depósito. Não somente isso, mas nossa recompensa futura ou pagamento vem dEle (I Pedro 1:4). Ao contrário de 1:23 não há dúvida implícita ou afirmada. Como herdeiros de Deus recebemos nossa justa retribuição no dia do trono do julgamento de Cristo (II Cor. 5:10).

4. Não há acepção de pessoas (3.25).
Versículo 25. Porque A CRISTO, O SENHOR, SERVIS. Paulo conclui este parágrafo dirigido aos servos ordenando enfaticamente a eles que sirvam a Jesus Cristo. Conquanto haja "senhores segundo a carne" (v. 22), esta é a quarta vez, a contar daquele versículo, no qual Paulo chama nosso Salvador pelo mesmo termo, Senhor, para contrastar o único com os muitos. Aqui ele acrescenta Cristo para relembrar-nos da Sua missão e sacrifício em nosso benefício. Daí, nenhum serviço é pesado demais para ser exigido de nós por Ele.
MAS QUEM FIZER INJUSTIÇA RECEBERÁ PELAS INJUSTIÇAS QUE FIZER. Paulo está falando aqui sobre crentes, pois aqueles que estão perdidos já estão condenados (João 3:18). Alguns de nós serão rudemente despertados quando, em vez de receberem coroas, forem punidos (João 15:6). A esta afirmação estrondosa Paulo acrescenta o aviso, E NÃO HÁ ACEPÇÃO DE PESSOAS (Rom. 2:11). Deus é imparcial. Pecado é pecado, mesmo quando cometido pelo crente (Heb. 12:28,29).


IV. DEVERES DOS SENHORES CRISTÃOS (4.1)

1. Fazendo o que for de justiça. Este texto bíblico é de grande valor no tocante ao relacionamento entre senhor e servo.
Capítulo IV. Versículo 1. Os donos de escravos (3:22), autoridades temporais, empregadores, todos aqueles a quem Deus confiou riqueza e poder são chamados SENHORES. Deles é o último neste ciclo de seis mandamentos envolvendo relações sociais (3:18-4:1). Em vez de "rude individualismo", eles devem FAZER O QUE FOR DE JUSTIÇA E EQUIDADE A VOSSOS ESCRAVOS. Em lugar de preconceitos da raça, religião ou idade, a cada pessoa que trabalha para nós devem ser dados respeito e tratamento imparciais. Não podemos julgar os outros na base de nossas idéias, nem oprimí-los apenas porque o poder está em nossas mãos. A cada um deve ser dada a oportunidade de desenvolver e usar seus talentos dados por Deus. Como podemos nos cognominar Filhos de Deus e perseguir aqueles que são menos afortunados por sua cor ou credo ou estado social?

2. Fazendo o que for de equidade. Naqueles tempos, não havia leis trabalhistas que delimitassem os direitos e os deveres dos patrões, muito menos os dos servos.
 
SABENDO QUE TAMBÉM TENDES UM SENHOR NOS CÉUS. Que pensamento para humilhar os "grandes e poderosos" das coisas temporais. Notai a diferença entre o que é conhecido da parte do escravo (3:24) e da do seu senhor! Para um uma promessa, para o outro uma admoestação áspera (Cp. Tiago 1:19,10). Como uma base de ação guardemos sempre esta frase na mente, pois somos responsáveis perante Ele, e Ele tem absoluto controle de nossas vidas.


CONCLUSÃO

PAIS E FILHOS
Cl 3.21 “Vós, pais, não irriteis a vossos filhos, para que não percam o ânimo.”
É obrigação solene dos pais (gr. pateres) dar aos filhos a instrução e a disciplina condizente com a formação cristã. Os pais devem ser exemplos de vida e conduta cristãs, e se importar mais com a salvação dos filhos do que com seu emprego, profissão, trabalho na igreja ou posição social (cf. Sl 127.3).
(1) Segundo a palavra de Paulo em Ef 6.4 e Cl 3.21, bem como as instruções de Deus em muitos trechos do AT (ver Gn 18.19; Dt 6.7; Sl 78.5; Pv 4.1-4; 6.20), é responsabilidade dos pais dar aos filhos criação que os prepare para uma vida do agrado do Senhor. É a família, e não a
igreja ou a Escola Dominical, que tem a principal responsabilidade do ensino bíblico e espiritual dos filhos. A igreja e a Escola Dominical apenas ajudam os pais no ensino dos filhos.
(2) A essência da educação cristã dos filhos consiste nisto: o pai voltar-se para o coração dos filhos, a fim de levar o coração dos filhos ao coração do Salvador (ver Lc 1.17).
(3) Na criação dos filhos, os pais não devem ter favoritismo; devem ajudar, como também corrigir e castigar somente faltas intencionais, e dedicar sua vida aos filhos, com amor compassivo, bondade, humildade, mansidão e paciência (3.12-14, 21).
(4) Seguem-se quinze passos que os pais devem dar para levar os filhos a uma vida devotada a Cristo: (a) Dediquem seus filhos a Deus no começo da vida deles (1Sm 1.28; Lc 2.22). (b) Ensinem seus filhos a temer o Senhor e desviar-se do mal, a amar a justiça e a odiar a iniqüidade. Incutam neles a consciência da atitude de Deus para com o pecado e do seu julgamento contra ele (ver Hb 1.9). (c) Ensinem seus filhos a obedecer aos pais, mediante a disciplina bíblica com amor (Dt 8.5; Pv 3.11,12; 13.24; 23.13,14; 29.15, 17; Hb 12.7). (d) Protejam seus filhos da influência pecaminosa, sabendo que Satanás procurará destruí-los espiritualmente mediante a atração ao mundo ou através de companheiros imorais (Pv 13.20; 28.7; 2.15-17). (e) Façam saber a seus filhos que Deus está sempre observando e avaliando aquilo que fazem, pensam e dizem (Sl 139.1-12). (f) Levem seus filhos bem cedo na vida à fé pessoal em Cristo, ao arrependimento e ao batismo em água (Mt 19.14). (g) Habituem seus filhos numa igreja espiritual, onde se fala a Palavra de Deus, se mantém os padrões de retidão e o Espírito Santo se manifesta. Ensinem
seus filhos a observar o princípio: “Companheiro sou de todos os que te temem” (Sl 119.63; ver At 12.5). (h) Motivem seus filhos a permanecerem separados do mundo, a testemunhar e trabalhar para Deus (2Co 6.14—7.1; Tg 4.4). Ensinem-lhes que são forasteiros e peregrinos neste mundo (Hb 11.13-16), que seu verdadeiro lar e cidadania estão no céu com Cristo (Fp 3.20; Cl 3.1-3). (i) Instruam-nos sobre a importância do batismo no Espírito Santo (At 1.4,5, 8; 2.4, 39). (j) Ensinem a seus filhos que Deus os ama e tem um propósito específico para suas vidas (Lc 1.13-17; Rm 8.29,30; 1Pe 1.3-9). (l) Instruam seus filhos diariamente nas Sagradas Escrituras, na conversação e no culto doméstico (Dt 4.9; 6.5, 7; 1Tm 4.6; 2Tm 3.15). (m) Mediante o exemplo e conselhos, encorajem seus filhos a uma vida de oração (At 6.4; Rm 12.12; Ef 6.18; Tg 5.16). (n) Previnam seus filhos sobre suportar perseguições por amor à justiça (Mt 5.10-12). Eles devem saber que “todos os que piamente querem viver em Cristo
Jesus padecerão perseguições” (2Tm 3.12). (o) Levem seus filhos diante de Deus em intercessão constante e fervorosa (Ef 6.18; Tg 5.16-18; ver Jo 17.1). (p) Tenham tanto amor e desvelo pelos filhos, que estejam dispostos a consumir suas vidas como sacrifício ao Senhor, para que se aprofundem na fé e se cumpra nas suas vidas a vontade.
 
 
Questionário da Lição 10 - O Relacionamento Do Cristão
Por Ev.Luiz Henrique - www.henriqueestudos.cjb.net
Texto Áureo
1- Através de que o marido descrente deve ser ganho?
( ) Através da pregação de sua esposa    ( ) Através da insistência de sua esposa    ( ) Através do procedimento de sua mulher
Verdade Prática
2- A que deve se subordinar o relacionamento do cristão, na família e no trabalho?
( ) Aos princípios da ética humana    ( ) Aos princípios trabalhistas    ( ) Aos princípios da ética cristã
Tópico I - O Relacionamento Entre Os Cônjuges
3- Qual a exortação na carta aos Colossenses quanto ao relacionamento entre esposa e marido?
( ) A igualdade entre a autoridade marido-esposa    ( ) A submissão da mulher ao seu marido
4- Qual o dever do esposo cristão com relação à sua esposa?
( ) Dar de comer e de vestir    ( ) Ajudá-la na doença e nos afazeres    ( ) Amar, e se necessário, sofrer e até morrer por ela
Tópico II - O Relacionamento Entre Pais E Filhos
5- Qual o mandamento que os filhos devem guardar em relação a seus pais?
( ) 5º mandamento, honrar pai e mãe    ( ) 7º mandamento, honrar pai e mãe    ( ) 8º mandamento, honrar pai e mãe
6- O que os pais não devem exigir dos filhos?
( ) Que leiam a bíblia    ( ) Que lhe obedeça    ( ) O que não condiz com a bíblia
7- Quais as promessas aos filhos obedientes aos pais?
( ) De vida abençoada e de longevidade    ( ) De vida abençoada e de pouca idade na terra
8- A que os pais são exortados?
( ) A não irem para a igreja com seus filhos    ( ) A não ensinarem seus filhos o caminho de DEUS    ( ) A não irritarem seus filhos
9- Como deve ser o pai cristão, além de genitor?
( ) Amar, cuidar, zelar, instruir, educar, orientar e, acima de tudo, dar razão em tudo aos filhos
( ) Amar, cuidar, zelar, instruir, educar, orientar e, acima de tudo, dar presentes aos filhos
( ) Amar, cuidar, zelar, instruir, educar, orientar e, acima de tudo, dar exemplo aos filhos
10- O que são os filhos, segundo a Palavra de DEUS, em Sl 127.3?
( ) Futuros senhores    ( ) Trabalho, tristezas e dores    ( ) Herança do Senhor, galardão.
Tópico III - Deveres Dos Empregados Cristãos
11- O que JESUS ensinou sobre nossos inimigos, e que é a lei áurea apregoada em Mt 7?
( ) Olho por olho e dente por dente    ( ) Combatê-los como a satanás    ( ) Devemos amá-los
12- Quando fazemos alguma coisa para nossos patrões, devemos ter em mente de que fazemos isto para quem?
( ) Para nossa família    ( ) Para o Senhor    ( ) Para que nossos patrões nos reconheçam como bons
13- O empregado cristão que obedecer ao seu patrão como ao Senhor, pode até não receber prêmio por isto aqui na terra, porém onde certamente o receberão?
( ) No ministério do Trabalho    ( ) Em casa    ( ) No céu
14- Quem sempre está olhando para o crente que está servindo com honestidade ao seu patrão, como ao Senhor?
( ) O supervisor de seu trabalho    ( ) Seu patrão mesmo    ( ) DEUS
Tópico IV - Deveres Dos Senhores Cristãos
15- Como devem os patrões, ou senhores cristãos tratarem seus servos, ou empregados?
( ) Fazendo o que for de justiça, probidade, honestidade e retidão    ( ) premiando-os mesmo que não mereçam
16- Debaixo de que estão os senhores e servos?
( ) Da lei dos homens, não importando nenhuma outra lei    ( ) Da autoridade da lei maior, da Palavra de DEUS
17- A que equivale "equidade"?
( ) Tratamento diferente para cada um    ( ) tratamento vip para os crentes    ( ) Mesmo tratamento a todos os servos
18- Complete segundo o Versículo 9:
 E vós, senhores, fazei o mesmo para com eles, deixando as __________________, sabendo também que o Senhor deles
e vosso está no _____________ e que para com ele não há __________________________de pessoas.
 
Ajuda www.cpad.com.br
http://www.cblibrary.net/portugue/colossenses/col_ch1.htm
 
 
Home
Estudos
EBD
Discipulado
 Mapas
Figuras1
 Figuras2
Fotos
Igreja
Link's
Corinhos
Download
 Eu