Index
Estudos
EBD
Discipulado
Mapas
Igreja
Ervália
Corinhos
Figuras1
Figuras2
Vídeos
Fotos
 
 
LIÇÃO 11, A ORAÇÃO QUE CONDUZ AO PERDÃO - Dia da Bíblia
Lições Bíblicas Aluno - Jovens e Adultos - 4º Trimestre de 2010
O PODER E O MINISTÉRIO DA ORAÇÃO
O relacionamento do cristão com DEUS
Comentários da revista da CPAD: Pr. Eliezer de L. e Silva
Consultor Doutrinário e Teológico da CPAD: Pr. Antonio Gilberto
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
QUESTIONÁRIO
 
 
TEXTO ÁUREO
“Cria em mim, ó DEUS, um coração puro e renova em mim um espírito reto” (Sl 51.10).
 
 
VERDADE PRÁTICA
Um espírito quebrantado em oração é um poderoso instrumento para restaurar a comunhão com DEUS.
 
 
LEITURA DIÁRIA
Segunda - Sl 34.18 A oração com quebrantamento nos aproxima de DEUS
Terça - Is 57.15 A oração contrita reanima o coração
Quarta - Dn 9.19-22 A oração confessional é respondida
Quinta - Mc 11.25; Mt 6.15 A oração abre o caminho para o perdão
Sexta - Lc 6.28 Ore pelos caluniadores
Sábado - Lc 23.34 Ore pelos que o maltratam
 
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Salmo 51.1-13
1 Tem misericórdia de mim, ó DEUS, segundo a tua benignidade; apaga as minhas transgressões, segundo a multidão das tuas misericórdias. 2 Lava-me completamente da minha iniqüidade e purifica-me do meu pecado. 3 Porque eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim. 4 Contra ti, contra ti somente pequei, e fiz o que a teus olhos é mal, para que sejas justificado quando falares e puro quando julgares. 5 Eis que em iniqüidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe. 6 Eis que amas a verdade no íntimo, e no oculto me fazes conhecer a sabedoria. 7 Purifica-me com hissopo, e ficarei puro; lava-me, e ficarei mais alvo do que a neve. 8 Faze-me ouvir júbilo e alegria, para que gozem os ossos que tu quebraste. 9 Esconde a tua face dos meus pecados e apaga todas as minhas iniqüidades. 10 Cria em mim, ó DEUS, um coração puro e renova em mim um espírito reto. 11 Não me lances fora da tua presença e não retires de mim o teu ESPÍRITO SANTO. 12 Torna a dar-me a alegria da tua salvação e sustém-me com um espírito voluntário. 13 Então, ensinarei aos transgressores os teus caminhos, e os pecadores a ti se converterão.
 
LIÇÃO 09 - A RESTAURAÇÃO ESPIRITUAL DE DAVI
Lições Bíblicas Aluno - Jovens e Adultos - 4º TRIMESTRE DE 2009
Davi - As vitórias e as derrotas de um homem de DEUS
Comentários do Pr. José Gonçalves
Consultor Doutrinário e Teológico: Pr. Antonio Gilberto
Complementos, questionários e videos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
 
 
 
 
TEXTO ÁUREO
"Então, disse Davi a Natã: Pequei contra o SENHOR. E disse Natã a Davi: Também o SENHOR te traspassou o teu pecado; não morrerás"  (2 Sm 12.13).
 
 
 
 
VERDADE PRÁTICA
O caminho da restauração passa pelo arrependimento e confissão do erro cometido e abandono da prática.
 
 
 
 
LEITURA DIÁRIA
Segunda
Jó 22.23
DEUS restaura o que se arrepende
Terça
Sl 19.7
A Palavra de DEUS restaura a alma
Quarta
Is 57.18
DEUS restaura os caminhos do pecador
Quinta
Mq 7.18,19
DEUS perdoa e "esquece"
Sexta
Hb 8.12
A misericórdia divina
Sábado
Sl 32.1,2
O perdão traz a verdadeira alegria
 
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Salmos 51.1-4,7-12,17
1 Tem misericórdia de mim, ó DEUS, segundo a tua benignidade; apaga as minhas transgressões, segundo a multidão das tuas misericórdias. 2 Lava-me completamente da minha iniqüidade e purifica-me do meu pecado. 3 Porque eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim. 4 Contra ti, contra ti somente pequei, e fiz o que a teus olhos é mal, para que sejas justificado quando falares e puro quando julgares.

7 Purifica-me com hissopo, e ficarei puro; lava-me, e ficarei mais alvo do que a neve. 8 Faze-me ouvir júbilo e alegria, para que gozem os ossos que tu quebraste. 9 Esconde a tua face dos meus pecados e apaga todas as minhas iniqüidades. 10 Cria em mim, ó DEUS, um coração puro e renova em mim um espírito reto.
11 Não me lances fora da tua presença e não retires de mim o teu ESPÍRITO SANTO. 12 Torna a dar-me a alegria da tua salvação e sustém-me com um espírito voluntário.

17 Os sacrifícios para DEUS são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó DEUS.
 
 (BEP - CPAD) - (Título) SALMO DE DAVI. Conforme se lê no título, este salmo de confissão é atribuído a Davi, alusivo ao momento em que o profeta Natã revelou seus pecados de adultério e de homicídio (cf. 2 Sm 12.1-13).
(1) Note-se que este salmo foi escrito por um crente que voluntariamente pecou contra DEUS e de modo tão grave que foi privado da comunhão e da presença de DEUS (cf. v. 11).
(2) Provavelmente, Davi escreveu este salmo já arrependido, após Natã declarar-lhe o perdão divino (2 Sm 12.13). Davi roga contritamente a plena restauração da sua salvação, a pureza, a presença de DEUS, a vitalidade espiritual e a alegria (vv. 7-13).
 
51.1-19 TEM MISERICÓRDIA DE MIM. Todos que pecaram gravemente e que estão opressos por sentimento de culpa podem obter o perdão, a purificação do pecado e a restauração diante de DEUS, se o buscarem conforme a natureza e a mensagem deste salmo. A súplica de Davi, por perdão e restauração, baseia-se na graça, misericórdia, benignidade e compaixão de DEUS (v. 1), num coração verdadeiramente quebrantado e arrependido (v. 17) e, em sentido pleno, na morte vicária de CRISTO pelos nossos pecados ( 1 Jo 2.1,2).
 
51.3 O MEU PECADO ESTÁ SEMPRE DIANTE DE MIM. Às vezes, a certeza do perdão e restauração da bênção divina não ocorrem facilmente. A pessoa que antes desfrutava a alegria da salvação e desce às profundezas da imoralidade poderá passar por um período prolongado de arrependimento e de conflitos interiores antes de receber a certeza do perdão e a plena restauração ao favor de DEUS. A experiência de Davi revela quão terrível é ofender a um DEUS santo depois de alguém ter sido tão ricamente abençoado por Ele.
 
51.4 CONTRA TI... PEQUEI. Davi não diz que seu pecado foi cometido contra outras pessoas mas, sim, que antes de tudo ele foi cometido contra DEUS e a sua Palavra (2 Sm 12.9,10).

51.5 EIS QUE EM INIQÜIDADE FUI FORMADO.
Davi reconhece que desde a sua infância possui uma propensão natural para o pecado. Noutras palavras, ele reconhece que sua própria natureza é pecaminosa. Toda pessoa, desde o nascimento, tem uma propensão egoísta para satisfazer seus próprios desejos, fazendo o que lhe apraz, mesmo que isso prejudique e cause sofrimento ao próximo (ver Rm 5.12). Tal inclinação só pode ser expurgada da nossa vida através da redenção em CRISTO e habitação do ESPÍRITO SANTO em nós (Novo Nascimento - morrer para o pecado e nascer para DEUS).

51.10 CRIA EM MIM, Ó DEUS, UM CORAÇÃO PURO. Todos os crentes precisam que o ESPÍRITO SANTO crie neles um coração puro que aborreça a iniqüidade, e um espírito renovado e disposto a fazer a vontade de DEUS. Somente DEUS pode nos fazer novas criaturas e nos restaurar à verdadeira santidade (Jo 3.3; 2 Co 5.17)

51.11 NÃO RETIRES DE MIM O TEU ESPÍRITO SANTO. Davi sabe que se DEUS abolir da sua vida a obra do ESPÍRITO SANTO, que convence e repreende o pecador face aos seus pecados, não haverá qualquer esperança de salvação (ver Jo 16.8).

51.12 TORNA A DAR-ME A ALEGRIA DA TUA SALVAÇÃO.
O Senhor restaurou a Davi a alegria da salvação, mas observe-se o seguinte a respeito da sua vida: (1) As Escrituras ensinam claramente que ceifaremos aquilo que semearmos: se semearmos no ESPÍRITO, do ESPÍRITO ceifaremos a vida eterna; se semearmos na carne, da carne ceifaremos a corrupção (Gl 6.7,8). Davi, em virtude do seu pecado, sofreu conseqüências até o fim, na sua própria vida, na sua família e no seu reino (2 Sm 12.1-14).
(2) As terríveis conseqüências do pecado de Davi, mesmo depois da sua sincera confissão e arrependimento, devem suscitar em todos os filhos de DEUS um santo temor de pecar deliberadamente em aberta rebelião contra a redenção provida para eles em JESUS CRISTO (ver 2 Sm 12).

51.17 UM CORAÇÃO QUEBRANTADO E CONTRITO.
DEUS não rejeitará um coração quebrantado e contrito, cheio de tristeza por causa da sua iniqüidade. Quando nosso egoísmo e orgulho são vencidos e humilhados, chamamos a DEUS, e por sua graça e perdão, com certeza seremos aceitos por Ele (cf. Is 57.15; Lc 18.10-14).
 
A REGENERAÇÃO (BEP - CPAD)
Jo 3.3: “JESUS respondeu e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo não pode ver o Reino de DEUS.”

Em 3.1-8, JESUS trata de uma das doutrinas fundamentais da fé cristã: a regeneração (Tt 3.5), ou o nascimento espiritual. Sem o novo nascimento, ninguém
poderá ver o reino de DEUS, i.e., receber a vida eterna e a salvação mediante JESUS CRISTO. Apresentamos a seguir, importantes fatos a respeito do novo
nascimento.
(1) A regeneração é a nova criação e transformação da pessoa (Rm 12.2; Ef 4.23,24), efetuadas por DEUS e o ESPÍRITO SANTO (3.6; Tt 3.5).
(2) A regeneração é necessária porque, à parte de CRISTO, todo ser humano, pela sua natureza inerente e pecadora, é incapaz de obedecer a DEUS e de
agradar-lhe (Sl 51.5; 58.3; Rm 8.7,8; 5.12; 1Co 2.14).
(3) A regeneração tem lugar naquele que se arrepende dos seus pecados, volta-se para DEUS (Mt 3.2) e coloca a sua fé pessoal em JESUS CRISTO como seu
Senhor e Salvador (ver 1.12).
(4) A regeneração envolve a mudança da velha vida de pecado em uma nova vida de obediência a JESUS CRISTO (2Co 5.17; Ef 4.23,24; Cl 3.10).
(5) Quem é nascido de DEUS não pode fazer do pecado uma prática habitual na sua vida (ver 1Jo 3.9).
(6) Aqueles que continuam vivendo na imoralidade e nos caminhos pecaminosos do mundo, seja qual for a religião que professam, demonstram que ainda não nasceram de novo (1Jo 3.6,7).
(7) Assim como uma pessoa nasce do ESPÍRITO ao receber a vida de DEUS, também pode extinguir essa vida ao enveredar pelo mal e viver em iniquidade.
(8) O novo nascimento não pode ser equiparado ao nascimento físico, pois o relacionamento entre DEUS e o salvo é questão do espírito e não da carne (3.6).
 
 
A PRÁTICA DA RESTAURAÇÃO (Editora Ultimato)
A prática da restauração é a arte de nos colocarmos contritamente nas mãos do divino Oleiro para que ele refaça o vaso quebrado e lhe dê a forma e a beleza anteriores, depois de qualquer escorregão e queda, depois de qualquer período de frieza espiritual e crise existencial, depois de qualquer escândalo e desastre de natureza religiosa, depois de qualquer aborrecimento com a igreja militante e ressentimento ou revolta contra DEUS.

O estado quebrado em que se encontra o crente pouco ou muito tempo depois de um fracasso, grande ou pequeno, não é necessariamente seu estado final. DEUS deixou essa certeza impressa nos olhos e na memória do profeta Jeremias ao levá-lo à casa de certo oleiro, em cujas mãos havia um vaso que se estragou. Em vez de jogar fora o vaso estragado, o oleiro o refez, moldando outra peça com o mesmo barro. Em seguida, o Senhor perguntou ao profeta: “Não podereis eu fazer de vós como fez este oleiro, ó casa de Israel? Eis que, como o barro na mão do oleiro, assim sois vós na minha mão, ó casa de Israel” (Jr 18.6).

Vasos quebrados
São os vasos quebrados que precisam parar nas mãos do divino Oleiro para serem outra vez modelados. Embora igualmente desintegrados e esvaziados do resplendor antigo, nem todos os vasos têm a mesma história. Certamente eles se enquadrarão em um ou mais de um dos seguintes danos ou ocorrências:

1. Perda do primeiro amor

Você está no fundo do poço porque perdeu gradativamente o entusiasmo, perdeu o gosto pela leitura da Bíblia, perdeu a vontade de orar, perdeu o gozo da comunhão com DEUS, perdeu a força da esperança cristã, perdeu a capacidade de crer, perdeu o poder da fé. Tornou-se frio, insensível, incrédulo e apático. Você trocou a Casa do Senhor (Sl 122.1) pela sua casa.

2. Perda das obrigações morais
Você está no fundo do poço porque se desobrigou gradativamente dos mandamentos de DEUS. Você se soltou. Fez concessões à carne, ao mundo e ao diabo. Em vez de não se conformar com este mundo (Rm 12.2), você passou a não se conformar com a obrigação imposta por JESUS de negar-se a si mesmo (Lc 9.23). Você trocou o fruto do ESPÍRITO pelas obras da carne (Gl 5.16-24).

3. Perda da pureza doutrinária
Você está no fundo do poço porque foi se distanciando gradativamente do compromisso doutrinário. Tudo começou quando você perdeu a noção da autoridade da Palavra de DEUS. A partir daí você passou a crer no JESUS histórico, e não no Verbo que se fez carne (Jo 1.14). Você passou a crer na reencarnação dos vivos, e não na ressurreição dos mortos. Você passou a sobrecarregar cada vez mais os homens e a dispensar cada vez mais o concurso de DEUS. Você trocou a glória de DEUS pela glória dos homens, trocou a fé pelas obras.

4. Perda do senso de dependência

Você está no fundo do poço porque se envaideceu gradativamente até ao ponto de acreditar que não precisa mais da sabedoria de DEUS, da sua graça, do seu poder, da sua presença. Você pode tudo, você dá conta de tudo, você está sempre certo, a última palavra é sua. Você não é a vara, mas a própria videira (Jo 15.5). Você trocou a plenitude de DEUS pela plenitude do seu próprio eu.

A capacidade do Restaurador
Basta passar os olhos na história da redenção para você descobrir ou redescobrir a capacidade sem medida do Restaurador. Não importa o tamanho dos estragos. Nem as diferentes áreas em que se deram os estragos.

1. Restauração física
DEUS restaura a saúde ao doente (Is 38.16), a vista ao cego (Lc 18.42), a fala ao mudo (Mc 7.35) e o juízo ao endemoninhado (Mc 5.15.) Devolve à posição ereta a mulher por dezoito anos encurvada (Lc 13.13). Restaura a mão até então ressequida (Lc 6.10.).

2. Restauração espiritual

DEUS restaura o homem da queda e do pecado, justificando-o, santificando-o e glorificando-o. Ressuscita-o de entre os mortos. Dá-lhe corpo novo, revestido de incorruptibilidade e de imortalidade (1 Co 15.53). Torna-o semelhante a JESUS CRISTO (Rm 8.29-30; 2 Co 3.18; Fp 3.20-21; 1 Jo 3.2).

3. Restauração do culto
DEUS restaura o altar, o tabernáculo, o templo, os muros e a cidade de Jerusalém, as tribos de Israel e a glória de Jacó (Ne 2.2). Restaura a sorte de Judá e de Israel, edificando-os como no princípio (Jr 33.7).

4. Restauração ecológica
DEUS restaura o planeta que o homem poluiu e estragou. Estende outra vez a camada de ozônio. Despolui rios, lagos, mares, praias e oceanos. Replanta a flora e recria a fauna. Cria novos céus e nova terra (2 Pe 3.13). Redime a criação do cativeiro da corrupção “para a liberdade da glória dos filhos de DEUS” (Rm 8.21).
 
5. Restauração final
DEUS em CRISTO tira o pecado do mundo, refaz o que o homem fez de errado. A história não termina com a notícia de que “por um só homem entrou o pecado no mundo” (Rm 5.12), mas com a notícia de que JESUS é “o Cordeiro de DEUS, que tira o pecado do mundo” (Jo 1.29).

A restauração de Davi
É quase inacreditável que um homem como Davi, a quem se atribui a autoria de 73 dos 150 salmos e que possuía certos traços de caráter muito especiais (1 Sm 24.6; 26.8-11; 2 Sm 23.13-17; 1 Cr 21.18-27), tenha descido tanto e cometido pecados tão grosseiros depois de uma carreira acentuadamente bem-sucedida e depois de conquistar a admiração de todo o povo. Os pecados desse “mavioso salmista de Israel” (2 Sm 23.1) não foram banais. Davi cometeu adultério com Bate-Seba, cujo esposo não era judeu, mas teria abraçado o judaísmo. Nessa ocasião, Urias, o heteu, mencionado como um dos trinta e sete valentes de Davi (2 Sm 23.39), achava-se ausente do lar por estar a serviço do exército de Israel no assédio à Rabá (2 Sm 11.1). O segundo grande pecado de Davi foi o assassinato de Urias, “com a espada dos filhos de Amom” (2 Sm 12.9). Ele matou um homem virtuoso, que não aceitava privilégios se outros estivessem privados deles (2 Sm 11.6-13). Curiosamente, neste sentido, Urias era muito parecido com o rei — Davi também não quis beber a água do poço de Belém porque ela quase custou a vida de seus amigos (2 Sm 23.13-17). O terceiro grande pecado de Davi foi a conexão dos dois primeiros pecados com a hipocrisia. Ele não estava interessado no bem-estar de Urias quando mandou buscá-lo na frente da batalha e trazê-lo para Jerusalém. O rei queria apenas que ele se deitasse com a mulher para que a gravidez dela fosse atribuída ao esposo. O presente que Davi lhe deu era um instrumento para beneficiar o rei, e não o valente oficial do exército. Mais grave ainda foi a encenação de Joabe e de Davi para justificar a morte de Urias perante a opinião pública. Foi um caso de extrema corrupção, da qual Bate-Seba não parece estar isenta (2 Sm 11.6-27).

Ora, depois de tanta miséria, o autor do salmo que descreve a onisciência e a onipotência de DEUS (Sl 139) ficou em pandarecos (Sl 6.2-3), sob o peso esmagador da mão de DEUS (Sl 32.4) e dentro de um tremedal de lama (Sl 40.2). Ele gastou pelo menos nove meses para reconhecer e confessar tudo de errado que havia feito (2 Sm 12.13, 14; Sl 32.5). Suplicou a misericórdia de DEUS na forma de perdão para o pecado (Sl 6.1-7) e na forma de purificação para a injustiça (Sl 51.1-12). Aceitou a morte da criança, o incesto de Amnom, as trapalhadas de Absalão, a provocação de Simei, a maldade de Aitofel, a morte de Absalão e a sedição de Seba — como conseqüências diretas ou indiretas de seu mau exemplo (2 Sm 12.10-12).

O processo de restauração tinha de incluir todos esses acontecimentos e demorou mais de dez anos. Ao cabo de tudo, Davi recuperou o prestígio, a autoridade, o trono, a comunhão com DEUS, a delicadeza de seu caráter, as bênçãos de DEUS e a experiência de que “onde abundou o pecado, superabundou a graça” (Rm 5.20). É ele mesmo quem conta: “De todos os meus filhos, porque muitos filhos me deu o Senhor, escolheu ele a Salomão para se assentar no trono do reino do Senhor, sobre Israel” (1 Cr 28.5). Ora, esse Salomão era filho “da que fora mulher de Urias” (Mt 1.6). Criado pelo profeta Natã (2 Sm 12.25), o mesmo que acusou Davi de adultério, Salomão foi também escolhido por DEUS para edificar o Templo do Senhor em Jerusalém (1 Cr 28.6). O ponto mais alto da graça de DEUS, porém, está na presença de Davi e Bate-Seba na árvore genealógica de JESUS CRISTO, ao lado da virtuosa Maria e de algumas mulheres (Tamar, Raabe e Rute), que jamais estariam ali se não fosse a maravilhosa e soberana graça de DEUS (Mt 1.1-17). A Bíblia registra também que Davi “morreu em ditosa velhice, cheio de dias, riquezas e glória” (1 Cr 29.28). Talvez este seja o mais extraordinário exemplo de restauração de toda a Escritura!

O caminho da restauração
Para sair do fundo do poço, é preciso fazer alguma coisa. Não o impossível. Apenas o possível. O impossível corre por conta de DEUS. São coisas simples, mas fundamentais:

1. Entre com o desejo
Esse é o início de todo o processo. O “eu não quero” (Sl 81.11; Ap 2.21) atrapalha tudo. Lembre-se do lamento de JESUS sobre Jerusalém: “Quantas vezes quis Eu reunir os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo das asas, e vós não o quisestes!” (Mt 23.37.) Mas até para querer é possível contar com o auxílio do Senhor: “DEUS está operando em vocês, ajudando-os a desejar obedecer-lhe, e depois ajudando-os a fazer aquilo que Ele quer” (Fp 2.13, BV).

2. Entre com o pedido

Comece a orar perseverantemente para DEUS o tirar “de um poço de perdição, dum tremedal de lama” (Sl 40.2). Veja o tríplice pedido de restauração de Israel no Salmo 80: “Restaura-nos, ó DEUS” (v. 3); “Restaura-nos, ó DEUS dos Exércitos” (v. 7); “Restaura-nos, ó Senhor, DEUS dos Exércitos” (v. 19).

3. Lembre-se de onde, quando e como começou a crise que o deixou no fundo do poço.

Você precisa pegar o fio da meada outra vez. Foi este o conselho de JESUS àquele que havia abandonado o seu primeiro amor: “Lembra-te, pois, de onde caíste” (Ap 2.5). Em outras palavras, ele está dizendo: “assuma o que você fez de errado”. Note bem, é preciso lembrar para confessar.

4. Confesse o iceberg todo
Não é para confessar apenas o pecado mais grosseiro ou apenas os pecados mais leves. É preciso confessar tudo: a segurança demasiada, as brincadeiras “inocentes”, as pequenas e grandes concessões, a falta de vigilância, a negligência devocional e o pecado de rebelião. Note bem, é preciso confessar para não mais lembrar.

5. Renove a aliança
Você precisa voltar “à prática das primeiras obras” (Ap 2.5), aquelas que você observava com zelo e com alegria no passado. Comprometa-se outra vez. Faça uma nova profissão de fé. Enfie de novo o pescoço debaixo do jugo libertador de CRISTO: “Tomai sobre vós o meu jugo” (Mt 11.29).

6. Deixe o resto com DEUS
Este resto é o mais difícil, mas DEUS o fará. Ele vai curar as feridas, cuidar das cicatrizes, consertar os traumas, recuperar o tempo perdido, acabar com os complexos, comissionar outra vez, devolver a alegria perdida e acalmar o seu coração. Fique certo disso: “Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nele, e o mais ele fará” (Sl 37.5).
 
Exercícios de reflexão
1. DEUS pode tirá-lo do fundo de um poço de perdição? De um tremedal de lama? De um alçapão fechado por fora?
2. Em que sentido é preciso lembrar de tudo que você faz de errado para confessar e confessar tudo que você faz de errado para não mais lembrar de nada?
3. Depois de cada declaração de amor de Pedro, JESUS lhe deu a seguinte ordem: “Apascenta os meus cordeiros” (Jo 21.15). O que isso significa para você?
4. Você tem feito sempre que necessário a humilde súplica: “Restaura-me, Senhor”?

 
DEUS permitiu a poligamia?  (Autor: Pr. Airton Evangelista da Costa)
 
1) Abrão deita-se com a egípcia Agar, sob o consentimento de sua mulher. Dessa união ilícita nasceu Ismael (Gn 16.1-16).

Conseqüências maléficas: 1) Inimizade entre Ismael, filho da egípcia, e Isaque, filho de Abraão e Sara (Gn 21.9-14).2) conflitos entre Sarai e Agar (v.6).

2) Salomão amou muitas mulheres estranhas. Tinha 700 mulheres e trezentas concubinas (1 Rs 11.1-3).

Conseqüências maléficas: a) Suas mulheres lhe perverteram o coração (v.3, 4). b) “Seu coração não era perfeito para com o SENHOR; fez o que era mau aos olhos do SENHOR” (vv.4-6). c) Foi castigado por DEUS (11.1-13). O mandamento divino para os reis não permitia a poligamia: “Tampouco para si multiplicará mulheres, para que o seu coração se não desvie” (Dt 17.17).

3) Jacó e suas duas mulheres: as irmãs Léia e Raquel (Gn 29.21-28). Conseqüências: Raquel teve inveja de sua irmã e houve conflito conjugal (30.1,2,8,14,15).

“DEUS pode ter tolerado a poligamia no Antigo Testamento, porque o povo não tinha plena compreensão da vontade de DEUS, no tocante ao casamento, e porque esse povo era duro de coração (Mt 19.8-a)” (Nota da Bíblia de Estudo Pentecostal).

Com relação ao adultério do rei Davi (2 Sm 11):

“O cargo de rei da Israel do AT, e o cargo de ministro espiritual da igreja de JESUS CRISTO, segundo o NT, são duas coisas inteiramente diferentes. DEUS não somente permitiu a Davi, mas também a muitos outros reis que foram extremamente ímpios e perversos, permanecerem como reis da nação de Israel. A liderança espiritual da igreja do NT, sendo esta comprada com o sangue de JESUS CRISTO, requer padrões espirituais muito mais altos. Segundo a revelação divina no NT e os padrões do ministério ali exigidos, Davi não teria as qualificações para o cargo de pastor de uma igreja no NT. Ele teve diversas esposas, praticou infidelidade conjugal, falhou grandemente no governo do seu próprio lar, tornou-se homicida e derramou muito sangue (1 Cr 22.8; 28.3). Observe-se também que por ter Davi, devido ao seu pecado, dado lugar a que os inimigos de DEUS blasfemassem, ele sofreu castigo divino pelo resto da vida (2 Sm 12.9-14). As igrejas atuais não devem, pois, desprezar as qualificações justas exigidas por DEUS para seus pastores e demais obreiros, conforme está escrito na revelação divina. É dever de toda igreja orar por seus pastores, assisti-los e sustentá-los na sua missão de servirem como “exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, na caridade, no espírito, na fé, na pureza (1 Tm 4.12)” (Bíblia de Estudo Pentecostal).

O rei Davi tomou muitas mulheres e concubinas para si (2 Sm 5.13). “Este versículo revela o defeito mais grave do caráter de Davi – sua forte propensão por mulher. Por Davi omitir-se a resistir e controlar seus apetites sensuais, isso o levou a violar o mandamento de DEUS, em Dt 17.15-17 (que veda aos reis de Israel o multiplicar esposas para si mesmos), a agir cruelmente contra Mical e o seu marido (3.14-16), a adulterar com Bate-Seba (11.1-5) e a mandar matar Urias, marido desta (11.6-27). A paixão carnal de Davi pelas mulheres deu origem a muito pecado, tristeza e sofrimento na sua família (12.9-14; 13-18). Depois do pecado de Davi com Bate-Seba, DEUS enviou castigos e calamidades sobre ele pelo resto da sua vida (12.10)” (BEP).

Entendendo II Samuel 12.8

“E te dei a casa de teu senhor e as mulheres te teu senhor em teu seio e também te dei a casa de Israel...”

Essa palavra é um consentimento para que pratiquemos a poligamia? Não. Podemos traduzir como uma tolerância de DEUS: “Te dei a casa de teu senhor e, em conseqüência disso, tomaste posse das mulheres do teu senhor...”

Vejamos as proibições relacionadas à poligamia:

“Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne” (Gn 2.24).

A prescrição divina para o casamento é um só homem e uma só mulher que, unidos em corpo e alma, formam uma só carne. Esse mandamento exclui a poligamia (”sua mulher, e não “suas mulheres”), o adultério (os dois serão uma só carne; não são os três ou os quatro, cinco, seis), a homossexualidade (união heterossexual), a fornicação e o divórcio quando antibíblico.

Confirmação no Novo Testamento:

“Deixará o homem pai e mãe e se unirá à sua mulher, e serão DOIS numa só carne. Assim não são mais DOIS, mas uma só carne” (Mt 19.5-6; v. Ef 5.31). A essência do casamento, como confirmado por JESUS, é de um homem e uma mulher. A monogamia é a única forma lícita de casamento.

“Vós, maridos, amai vossa mulher...cada um em particular ame a sua própria mulher...” (Ef 5.25,33).

“Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher...” (1 Tm 3.2). Se tiver mais de uma mulher, será REPREENSÍVEL.

“Mas, por causa da prostituição, cada um tenha a sua própria mulher e cada uma tenha o seu próprio marido” (1 Co 7.2). Isto é, cada homem tenha a sua mulher; cada mulher o seu marido. O artigo definido “o” e “a” estabelece a forma monogâmica do casamento. Casamento significa “união solene entre DUAS pessoas de sexos diferentes” (Dic. Aurélio).

Vejam como a poligamia no Antigo Testamento gerou confusão, desconforto, ciúmes, conflitos conjugais e castigo. Nos termos da Nova Aliança, como vimos, a poligamia é intolerável.
 
 
 
INTERAÇÃO
Davi foi um homem que certamente amava a Palavra de DEUS e a oração, porém ele não era imune à tentação e ao pecado. No auge do seu reinado transgrediu a Lei do Senhor cometendo um adultério e um assassinato. Todavia, depois de ser advertido pelo profeta Natã reconheceu a sua iniqüidade e transgressão: “Pequei contra o Senhor” (2 Sm 2.13). Davi trilhou o caminho que todo pecador deve percorrer para ser restaurado: arrependimento, confissão do pecado e abandono da prática.
 
OBJETIVOS
Conscientizar-se de que o pecado afasta o homem de DEUS.
Compreender que para obter o perdão divino é necessário reconhecer e confessar o pecado.
Saber que o perdão de DEUS está à disposição de todos os que arrependidos confessam o seu pecado e o deixam.
 
 
 
COMENTÁRIO - INTRODUÇÃO
Quando se peca, é através da oração que se chega a DEUS
para confessar as culpas e pedir-lhe o seu perdão.
I. O PECADO NOS AFASTA DE DEUS
1. O pecado afronta a DEUS.
2. As conseqüências do pecado.
3. Consciência do pecado.
II. CONFISSÃO E PERDÃO
1. Reconhecer e confessar o pecado.
2. Conhecendo o caráter de DEUS (vv.6,16).
3. O afastamento de DEUS.
III. A RESTAURAÇÃO DO PECADOR
1. Arrependimento e contrição.
2. Mudança de atitude.
3. Renovação interior.
CONCLUSÃO
A oração é um instrumento de comunhão com DEUS,
inclusive para aquele que a perdeu por causa do pecado.
 
SINÓPSE DO TÓPICO (1)
O pecado afronta a DEUS, entristece o ESPÍRITO SANTO e causa separação entre DEUS e o homem.
SINÓPSE DO TÓPICO (2)
Para receber o perdão divino, o pecador deve reconhecer, confessar e abandonar o pecado.
SINÓPSE DO TÓPICO (3)
DEUS restaura o pecador que verdadeiramente se arrepende e muda de atitude.
 
AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO I
Subsídio
O Pecado e seu Domínio
“Infelizmente, para o questionamento do porquê de Davi ter pecado, a resposta é simples e, ao mesmo tempo, complexa: Ele pecou exatamente porque é um ser humano.
[...] Mesmo sendo o ‘homem segundo o coração de DEUS’, ele não possuía uma natureza divina assim como JESUS CRISTO que, apesar de ser chamado de ‘Filho de Davi’ — por sua ascendência ou natureza humana —, era DEUS e, portanto, não sujeito a pecar (Hb 4.15; 1 Pe 2.21,22). Ser um ‘homem de DEUS’ (2 Cr 8.14), como Davi o era, infelizmente não significa invulnerabilidade ou imunidade em relação ao pecado. Talvez nisso reside o problema de muitas pessoas que se espelham em outras. Quando seus referenciais fracassam, elas igualmente perdem a fé, pois caíram na ilusão de acreditar que existe alguém perfeito.
A doutrina do pecado ou hamartiologia é um dos grandes ensinos que precisa ser resgatado nos dias atuais. Saber que todos nós fomos afetados pela realidade do pecado, que por meio de um ato único entrou no mundo e, conseqüentemente, no seio da humanidade (Gn 3), é muito importante, pois mostra que a sua universalidade é algo que só pode ser resolvido com um único ato universal (Rm 5.18,19). O pecado é, por definição, um desvirtuamento do propósito original de DEUS para o homem, pois o ‘sentido básico da palavra é o de errar um alvo ou um caminho’’’ (CARVALHO, César Moisés. Davi. As vitórias e as derrotas de um homem de DEUS. 1. ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2009, pp. 147-8).
 
AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II
O Perdão Pela Confissão
“Qual é a garantia de que a confissão é importante para DEUS? A própria Palavra de DEUS. Ela garante que a confissão é premiada com a misericórdia. ‘O que encobre as suas transgressões nunca prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia’ (Pv 28.13).
DEUS sabe que estamos sujeitos às leis deste mundo, mais exige que pautemos uma vida dentro dos padrões estabelecidos por Ele. E quando nos afastamos desse padrão, Ele espera que admitamos nossa falha e retornemos para Ele por meio da confissão. Todos nós conhecemos o texto áureo da confissão: ‘Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça’ (1 Jo 1.9).
Não podemos ter por hábito apenas dizer para DEUS o que fizemos como se lêssemos para DEUS uma lista de nossas infelizes decisões e atos. Mais que enumerar pecados, DEUS espera que concordemos com Ele que erramos e que precisamos do seu perdão.
E Davi reconheceu o seu erro. Ele sabia que em DEUS acharia a graça para a recuperação de seu pecado. DEUS, por meio da confissão de Davi, não permitiu que ele permanecesse naquela situação: ‘Os passos de um homem bom são confirmados pelo Senhor, e ele deleita-se no seu caminho. Ainda que caia, não ficará prostrado, pois o Senhor o sustém com a sua mão’ (Sl 37.23,24). Como diz Richard D. Philips, ‘enquanto a verdade condena, a verdade e a graça juntas restauram o pecador’.
Não estamos imunes ao pecado em um mundo decaído. Não podemos dizer que jamais pecaremos, ou que ficaremos o tempo todo em vigilância. Mas podemos ter certeza de que DEUS, em sua grande misericórdia, aceitará o pecador arrependido e o restaurará à comunhão perdida” (COELHO, Alexandre. Davi. As vitórias e as derrotas de um homem de DEUS. 1.ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2009, pp. 168-72).
 
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
GEORGE, Jim. Orações Notáveis da Bíblia. 1. ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2007.
GONÇALVES, José et al. Davi: As vitórias e as derrotas de um homem de DEUS. 1. ed. Rio de Janeiro, CPAD, 2009.
SAIBA MAIS PELA Revista Ensinador Cristão CPAD, nº 44, p.41.
 
QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 11, A ORAÇÃO QUE CONDUZ AO PERDÃO
RESPONDA CONFORME A REVISTA DA CPAD DO 4º TRIMESTRE DE 2010
Complete os espaços vazios e marque com "V" as respostas corretas e com "F" as falsas.
 
 
TEXTO ÁUREO
1- Complete:
“Cria em mim, ó DEUS, um __coração__ puro e __renova__ em mim um __espírito__ reto” (Sl 51.10).
 
VERDADE PRÁTICA
2- Complete:
Um __espírito__ quebrantado em __oração__ é um poderoso instrumento para __restaurar__ a comunhão com DEUS.
 
INTRODUÇÃO
3- O que é a oração?
(    ) A oração é o modo pelo qual o homem fala com DEUS e coloca diante dEle suas alegrias, tristezas, necessidades, anseios, enfim, tudo o que aflige sua alma.
(    ) Quando se peca, é através da oração que se chega a DEUS para confessar as culpas e pedir-lhe o seu perdão.
 
4- A oração que Davi fez, logo após ser confrontado pelo profeta Natã a respeito de seu adultério (com Bate-Seba) seguido de assassinato (de Urias), é um exemplo de que?
(    ) É um exemplo do que se deve fazer ao pecar, a fim de alcançar misericórdia diante de DEUS.
 
I. O PECADO NOS AFASTA DE DEUS
5- Por que o pecado afronta a DEUS?
(    ) Pecado é a transgressão deliberada e consciente das leis estabelecidas por DEUS.
(    ) O pecado afronta o caráter de DEUS e a sua santidade.
(    ) A falta de conformidade com a lei moral de DEUS é rebelião; quem usa dessa prática se distancia da comunhão com DEUS, que, por hipótese alguma, comunga com o pecado ou com alguém que permanece nesse estado.
 
6- Davi pecou gravemente e permaneceu em pecado até quando?
(    ) Até que, advertido pelo profeta Natã, se arrependeu e suplicou ao Senhor o perdão.
 
7- De acordo com as conseqüências do pecado, complete:
Os relatos do rei Davi evidenciam que o pecado __entristece__ o ESPÍRITO SANTO e causa __separação__ entre DEUS e o homem (Is 59.2).
Foi esse afastamento de DEUS que __Davi__ viveu. A única maneira de o crente manter comunhão com DEUS, por meio do seu ESPÍRITO SANTO, é andar segundo a sua __vontade__ (Rm 8.1,2,8,9,13,14).
 
8- O que traz a consciência do pecado, ao pecador?
(    ) A expressão que Davi usou para rogar a DEUS a sua purificação, revela o reconhecimento do seu estado de impureza moral, pois havia cometido delitos contra a santidade de DEUS e à sua Lei.
(    ) Ao pedir a DEUS que o limpasse com hissopo (v.7), ele revela que se havia contaminado tal qual um leproso ou alguém que havia tocado em um morto; símbolos de impureza máxima em sua época (Lv 14; Nm 19. 16-19).
(    ) O pecado destrói a paz com DEUS, e a falta dessa paz, como decorrência do pecado, é como um sinal vermelho, a fim de que o crente pare imediatamente e volte-se para DEUS em oração.
(    ) É preciso que se arrependa, confesse o seu pecado e abandone-o, e pela fé em CRISTO, e por Ele, receba o perdão de DEUS (1 Jo 1.7-9).
 
II. CONFISSÃO E PERDÃO
9- Por que reconhecer e confessar o pecado?
(    ) Ao pecar, Davi não considerou as conseqüências de seus atos.
(    ) Assim que caiu em si como pecador, reconheceu a gravidade dos seus pecados cometidos e a necessidade de confessá-los, para, em seguida, pedir perdão.
(    ) Todo ser humano deve saber que aquele que “encobre as suas transgressões nunca prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia” (Pv 28.13).
O rei sabia que seu pecado era, em primeiro lugar, contra o próprio DEUS (v.4).
(    ) No Salmo 32, Davi mostra o dever e a necessidade de reconhecer e de confessar o pecado a DEUS (Sl 32.1-5) e expressa a certeza do perdão do Senhor (v.5).
 
10- Como podemos deduzir que Davi conhecia o caráter de DEUS (vv.6,16)? Complete:
Davi conhecia a DEUS e sabia que só homens __limpos__ de mãos e __puros__ de coração entram no __santuário__ (Sl 24.3,4). Seus salmos revelam que ele conhecia a DEUS pessoalmente e tinha um relacionamento __íntimo__ com o Senhor.
 
11- O que afastamento de DEUS causa no crente? Complete:
Como todo o crente que __desobedece__ às ordenanças divinas, Davi estava sentindo a angústia resultante da falta de __comunhão__ com DEUS. O pecado era como um __muro__, que o impedia de ver e sentir a presença de DEUS. Para um homem acostumado à comunhão com o Criador, o __vazio__ provocado pela falta desta doía como um corpo com os ossos quebrados (v.8); a tristeza havia tomado conta de seu ser.
 
III. A RESTAURAÇÃO DO PECADOR
12- Como é o rrependimento e a contrição na vida do crente? Complete:
Davi tinha __consciência__ do seu pecado, mas sabia que DEUS está sempre disposto a __perdoar__ todo homem que, com o coração arrependido, volta-se para Ele, confessando as suas culpas e rejeitando-as, por meio da __oração__ espontânea e sincera (Pv 28.13). O perdão divino está à __disposição__ de todos os pecadores que, arrependidos, confessam a DEUS os seus pecados e aceitam a __purificação__ provida pelo Senhor mediante o sangue de JESUS CRISTO (Lc 24.46,47; 1 Jo 1.9). É necessário que se rejeite totalmente a prática do pecado, pois o que alcança misericórdia é aquele que confessa e __deixa__ (Pv 28.13).
 
13- Como deve ser a mudança de atitude do pecador arrependido? Complete:
O verdadeiro arrependimento resulta em mudança de vida. Pode-se tomar como exemplo o Filho Pródigo. Ele, distante do pai, sem dinheiro ou condições dignas de, inclusive, se alimentar __reconheceu__ seu pecado e resolveu voltar. __Confessou__ suas transgressões ao pai e pediu-lhe perdão. O importante, porém, foi que a oração o levou à ação. Ele foi, fez tudo o que havia proposto e alcançou __misericórdia__ (Lc 15.11-24). Davi também demonstrou com atos sinceros e profundos o arrependimento, vindo da alma.
 
14- Na oração de Davi, pode-se ver que o Senhor já estava trabalhando em seu interior. Quais os desejos de Davi depois de confessar seus pecados e buscar o perdão de DEUS? Ligue a primeira coluna de acordo com a segunda:
 
Louvar a DEUS.
 
Assim que se sente perdoado Davi se propõe a falar sobre o quanto DEUS fora compassivo e misericordioso com ele, para que mais pecadores (como ele) se convertam de seus caminhos (v. 13). Davi não se contenta em apenas desfrutar o seu perdão; ele também quer que o mundo conheça o DEUS perdoador.(Ensinar os caminhos do Senhor)
Um espírito voluntário.
 
Uma das características mais marcantes de um homem perdoado por DEUS é o desejo profundo de agradá-Lo. O próprio JESUS fez alusão a este fato, quando estava em casa de Simão (Lc 7.36-50). A motivação maior do serviço do crente no Reino é o fato de ter sido perdoado, isto o constrange a fazer tudo e qualquer coisa para agradar ao DEUS que o perdoou e o livrou da morte e do inferno. Por isso, um dos desejos expressos por Davi em sua oração foi o de ser um prestador de serviço para DEUS com espírito voluntário.
Prontidão para agradar a DEUS.
 
O que demonstra seu desejo e sua disposição de servir a DEUS (v.12).(Um espírito voluntário)
 
Ensinar os caminhos do Senhor.
 
Conhecendo o seu Senhor, Davi sabia que, na situação de pecado em que se encontrava, seus louvores não seriam aceitos. Era necessário que, antes de oferecer sacrifícios, ele se quebrantasse diante de DEUS. Só então, estaria livre para louvá-Lo (vv. 16,17). DEUS recebe o louvor dos filhos obedientes, que procuram viver de acordo com a Palavra; a estes Ele denomina verdadeiros adoradores (Jo 4.23). O verdadeiro louvor ao Senhor não está em palavras ou canções, mas primeiramente na vida santa e consagrada e no testemunho do adorador. (Louvar a DEUS)
 
CONCLUSÃO
15- Complete:
A oração é um instrumento de comunhão com DEUS, inclusive para aquele que a perdeu por causa do pecado. Depois que o homem reconhece que pecou, através da oração sincera, como a do publicano em Lucas 18.10-14, pode confessar seus pecados ao Senhor e pedir-lhe o seu perdão.
 
16- O verdadeiro arrependimento, no entanto, implica na mudança de atitude e conduta daquele que pecou. Qual é a orientação amorosa do Senhor JESUS, nesse caso?
(    ) “vai-te e não peques mais” (Jo 8.11).
 
 
RESPOSTAS DO QUESTIONÁRIO EM http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm   
 
DIA DA BÍBLIA
Por milênios DEUS se revelou ao homem através de suas obras, isto é, a Criação (Rm 1.20; SI 19.1-6). Porém, segundo seu propósito, chegou o tempo em que Ele desejou alcançar o homem com uma revelação maior, o que fez em forma dupla:
a) através da Bíblia - A Palavra Escrita, e
b) através de JESUS CRISTO - A Palavra Viva (Jo 1.1).
Esta dupla revelação é mui especial e tornou-se necessária devido à queda do homem Desse modo o estudo das Escrituras se impõe como o principal meio do homem natural vir a conhecer a DEUS e a Sua vontade para com a sua vida, bem como do crente conhecer o propósito santificador de DEUS para si e para com todos os salvos.
 
ALCANCE DO ESTUDO DA BÍBLIA
O estudo da Bíblia é uma necessidade que se impõe ao crente por causa do grande alcance que o livro divino tem. O seu estudo:
1. Prepara o crente para responder àqueles que lhe pedem a razão da fé que nele há (l Pé 3.15).
2. Faz o obreiro aprovado quanto ao correto manejo da palavra da verdade (2 Tm 2.15).
3. Acresce a fé do crente quanto ao fato de que as Escrituras são a infalível Palavra de DEUS (Is 34.16).
4. Dó luz e entendimento aos simples (SI 119.130).
Ninguém é tão sábio como pensa quando ignora o valor da Palavra de DEUS, nem tão indouto como possa imaginar quando ama o livro da lei do Senhor.
 
POR QUE ESTUDAR A BÍBLIA
Dentre outras razões por que o crente deve ler e estudar a Bíblia, poderíamos destacar as seguintes:
1. A Bíblia é o manual do crente.
2. A Bíblia alimenta nossas almas (Mt 4.4; Jr 15.16; l Pé 2.2).
3. A Bíblia é o instrumento do ESPÍRITO (Ef 6.17).
4. A Bíblia enriquece a vida do cristão (SI 119.72).
 
COMO ESTUDAR A BÍBLIA
Como a divina e inspirada Palavra de DEUS, a Bíblia é um livro singular, do qual maior proveito tirará aquele que melhor souber estudá-lo. E é exatamente com o propósito de ajudá-lo a tirar o máximo de provei- to do estudo da Bíblia que lhe da- mos os cinco passos seguintes a serem seguidos:
l1. Leia a Bíblia conhecendo o seu Autor.
2. Leia a Bíblia diariamente (Dt 17.19).
3. Leia a Bíblia com a melhor atitude.
4. Leia a Bíblia meditando.
5. Leia a Bíblia toda.
 
A APLICAÇÃO DA BÍBLIA
A diferença básica entre a Bíblia e os outros livros que lemos ao longo da vida, é que não temos nenhuma obrigação moral de obedecer ao que estes ensinam, enquanto que a Bíblia é um livro escrito não apenas para ser lido, mas também, e principalmente, para ser obedecido e aplicado.
1. Aplique a Bíblia à sua vida.
2. Aplique a Bíblia às necessidades do mundo.
Se a Bíblia é o que dizemos ser para a nossa vida, guardemo-nos da atitude farisaica de lê-la e, inclusive, proferi-la sem que ela seja parte inseparável do nosso caráter. No princípio da Obra Pentecostal no Brasil, era mui comum ouvir- se pessoas não-crentes se referirem aos pentecostais como "os Bíblias", decorrente do apego ao livro e à prática da Bíblia. Deveríamos nos penitenciar diante de DEUS pelo nosso gradual afastamento das verdades e virtudes do Evangelho propugnadas na Bíblia.
 
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/arvoredoconhecimento-biblia.htm
 
 
AJUDA
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - BÍBLIA de Estudos Pentecostal.
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm  
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.  
Nosso novo endereço: http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/
Veja vídeos em http://ebdnatv.blogspot.com, http://www.ebdweb.com.br/ - Ou nos sites seguintes: 4Shared, BauCristao, Dadanet, Dailymotion, GodTube, Google, Magnify, MSN, Multiply, Netlog, Space, Videolog, Weshow, Yahoo, Youtube.
veja também - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao10-ldc-osdonsespirituais.htm 
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao1-4t10-pmo-4tr10-oqueeoracao.htm
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/orarnoespiritosanto.htm
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/bibliaconstituicaodivina.htm
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao9-davi-arestauracaoespiritualdedavi.htm
 
 
Index
Estudos
EBD
Discipulado
Mapas
Igreja
Ervália
Corinhos
Figuras1
Figuras2
Vídeos
Fotos