Index
Estudos
EBD
Discipulado
Mapas
Igreja
Ervália
Corinhos
Figuras1
Figuras2
Vídeos
Fotos
 
 
LIÇÃO 11 - ORAÇÃO E JEJUM PELA PÁTRIA
2º TRIMESTRE DE 2008 - AS DISCIPLINAS DA VIDA CRISTÃ
Trabalhando em busca da perfeição
Comentarista: Pr. Claudionor de Andrade
Consultor Doutrinário e Teológico:  Pr. Antônio Gilberto
Complementos e Ajuda para professores e alunos: Ev. Luiz Henrique.
QUESTIONÁRIO
 
 
 
 
TEXTO ÁUREO
"Honrai a todos. Amai a fraternidade. Temei a DEUS. Honrai o rei" (1 Pe 2.17).
 
 
VERDADE PRÁTICA
Temos por obrigação, enquanto membros de uma sociedade politicamente organizada, orar pelas autoridades constituídas, 
a fim de que estas promovam o bem comum e ajam com eqüidade e justiça.
 
 
LEITURA DIÁRIA
 
Segunda
Sl 33.12
A verdadeira felicidade de uma nação
Terça
1 Tm 2.1-3
Orar pela pátria - obrigação de todos nós
Quarta
Rm 13.1
Nossa postura como cidadãos da terra
Quinta
At 4.19
O limite de nossa obediência às autoridades
Sexta
Mt 5.13,14
O crente como sal da terra e luz do mundo
Sábado
Jn 3.3-5
Nosso brado profético às nações
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - 1 Timóteo 2.1-8.
1 Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões e ações de graças por todos os homens,
2 pelos reis e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade.
3 Porque isto é bom e agradável diante de DEUS, nosso Salvador,
4 que quer que todos os homens se salvem e venham ao conhecimento da verdade.
5 Porque há um só DEUS e um só mediador entre DEUS e os homens, JESUS CRISTO, homem,
6 o qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos, para servir de testemunho a seu tempo.
7 Para o que (digo a verdade em CRISTO, não minto) fui constituído pregador, e apóstolo, e doutor dos gen?tios, na fé e na verdade.
8 Quero, pois, que os homens orem em todo o lugar, levantando mãos santas, sem ira nem contenda.
2.4 QUER QUE TODOS OS HOMENS SE SALVEM. A Bíblia revela dois aspectos da vontade de DEUS para a humanidade no tocante à 
salvação:
(1) a sua perfeita vontade, pela qual Ele deseja "que todos os homens se salvem"; e
(2) sua vontade permissiva, pela qual Ele 
permite e tolera que muitos o rejeitem e à sua salvação (ver Mt 7.21; Lc 7.30; 13.34; Jo 7.17; At 7.51).
2.5 UM SÓ MEDIADOR... JESUS CRISTO. É somente através de JESUS CRISTO que podemos aproximar-nos de DEUS (Hb 7.25), 
confiando na sua morte expiatória para nos remir dos nossos pecados, e orando com fé, pedindo forças e misericórdia divinas para nos 
ajudar em todas as nossas necessidades (Hb 4.14-16). Não devemos permitir que criatura alguma usurpe o lugar de CRISTO em nossa 
vida, dirigindo-se-lhe orações (ver Hb 8.6; 9.15; 12.24).
2.6 EM PREÇO DE REDENÇÃO POR TODOS. Ver Mt 20.28 - Preço de Sangue, derramado na cruz - Nos comprou, remiu.
2.8 OS HOMENS OREM... LEVANTANDO MÃOS SANTAS. No culto público das igrejas no NT, parece que era costume todos os 
adoradores fazerem suas orações em voz alta (ver At 4.24-31; cf. Ed 3.12,13). Para ser aceitável, a oração devia ser oferecida por 
pessoas que viviam uma vida santa e justa, i.e., com "mãos santas".
Palavra Chave: Intercessão: Oração sincera e misericordiosa dirigida a DEUS a favor de outrem.
 
 
 
 
 
INTERCESSÃO
Interceder é colocar-se no lugar de outro e pleitear a sua causa, como se fora sua própria. É estar entre DEUS e os homens, a favor destes, tomando seu lugar e sentindo sua necessidade de tal maneira que luta, em oração, até a vitória na vida daquele por quem intercede.
Há muitas definições que nós poderíamos dar sobre intercessão. A mais simples está na Bíblia: "Orai uns pelos outros" (Tg. 5:16). Ela está cheia de exemplos: Abraão suplicou por Ló e este foi liberto da destruição de Sodoma e Gomorra; Moisés intercedeu por Israel apóstata e foi ouvido; Samuel orou constantemente pela nação; Daniel orou pela libertação do seu povo do cativeiro; Davi suplicou pelo povo; Cristo rogou por Seus discípulos e fez especial intercessão por Pedro; A Igreja orou por Pedro preso, Paulo é exemplo de constante intercessão (Meus filhinhos, por quem de novo sinto as dores de parto) até que Cristo seja formado em vós). Toda a Igreja é chamada ao fascinante ministério da intercessão.
O intercessor é o que vai a DEUS não por causa de si mesmo, mas por causa dos outros. Ele se coloca numa posição de sacerdote, entre DEUS e o homem, para pleitear a sua causa.
 
Intercessão é dar à luz no reino do espírito às promessas e propósitos de DEUS. É uma oração para que a vontade de DEUS seja feita na vida de outros; é descobrir o que está no coração de DEUS e orar para que isso se manifeste.
DEUS levanta hoje um verdadeiro exército de intercessores. Ele está para trazer à Terra o maior derramamento do ESPÍRITO já testemunhado. Para tanto, Seu ESPÍRITO traz ao Corpo de Cristo um peso de intercessão, pois a oração intercessória é a ferramenta usada por Ele para manifestar na vida dos homens Seus poderosos feitos.
 
Interceder é ver a necessidade da intervenção de DEUS nas mais diversas situações. É captar a mente de Cristo, de modo a ver as circunstâncias como Cristo as vê, e unir-se a Ele em súplica para que DEUS se mova de tal maneira que Sua vontade e propósito Divinos sejam cumpridos nas vidas dos homens e das nações.
 
Interceder é combater
O primeiro aspecto da intercessão, é de combate. Você vai perguntar: Por que combate na intercessão? Saiba que não é DEUS quem retém as bênçãos do Seu povo. Muita gente pensa que Ele é o nosso problema. Absolutamente não! Ele não é o meu problema, é a fonte da minha benção. O ladrão é quem procura segurar a benção no caminho. Suponhamos que eu tenha dado uma Bíblia para o Antônio e o José a tenha segurado, impedindo que ela chegue ao seu verdadeiro destino.
Onde está a Bíblia? Já a despachei para o Antônio. Se ela ainda não está em suas mãos, onde irá procurá-la? Contra quem irá lutar? Contra mim, ou contra quem reteve a Bíblia? É claro que é contra o José.
DEUS já despachou do Céu tudo quanto é necessário para uma vida de vitória. Tudo é meu em Cristo JESUS. Ele já pagou o preço para que eu tenha a vitória, paz, saúde, prosperidade. Tudo o que é de DEUS é meu. Seus tesouros são meus, em Cristo JESUS. Por que, então, vivo na miséria, preso, derrotado, oprimido, amarrado? Alguém segurou a minha benção no caminho e agora nós vamos brigar. É a vez de voltar-me para o inimigo e declarar: "Se Cristo pagou o preço, seu atrevido, tira a mão de cima, porque eu vou entrar agora na batalha, na autoridade de Cristo JESUS". Este é um aspecto da intercessão. A palavra é "Paga", ir contra. Se o inimigo chegar perto, ele vai ver que o justo é ousado como um leão. É a essa atitude que chamamos de combate espiritual e eis aí por que chamamos o intercessor de "guerreiro de oração".
O intercessor se coloca face a face com DEUS e face a face com Satanás. Quanto mais você intercede, mais verá a ira do inimigo sendo derrotado. Haverá guerra! Mas glória a DEUS, porque quanto mais você combate, mais se transforma em um guerreiro firme, que não tem medo da batalha. Quando vem a guerra, você está de prontidão, arregaça as mangas e vai à luta. Por quê? Porque você já sabe que Satanás está derrotado. Essa é uma luta cuja vitória já foi ganha na cruz do Calvário há mais de dois mil anos atrás; "tudo o que eu tenho que aprender é como vencer um inimigo que já está derrotado." Satanás nenhuma autoridade tem sobre você meu irmão, nenhuma. Ele não tem armas legítimas para lutar contra você; porém você as tem. Você tem armas poderosas em DEUS para enfrentá-lo e vencê-lo. Ele tem uma boca grande, fala muito alto e faz a guerra com um pacote de mentiras, procurando trazê-las aos seus ouvidos, a fim de enfraquecer o seu espírito de combate. Todavia, se você conhece as suas maquinações, e não lhe dá ouvidos, não se rebaixa para ouvi-lo, ele será para você um inimigo derrotado.
Não se impressione com o rugir inimigo. Faz muito barulho, ruge como um leão, mas não é um leão. JESUS é quem é o Leão da tribo de Judá, e ele procura imitá-LO, mas só faz barulho, só ruge. É como na história do peregrino: quando ele chega para entrar no castelo, feliz, depois de vencidos tantos obstáculos, encontra um leão na porta de entrada. Logo, porém, descobre que este está amarrado, não faz nada, só mete medo, intimida com sua presença e seu rugir. Não tenha medo do falso leão, pois está sob o controle do Altíssimo, em nome de JESUS.
 
O cristão como intercessor

"Antes de tudo, pois, exorto que se use a prática de, súplicas, orações e intercessões, ações de graça, em favor de todos os homens" (1 Tm. 2:1).
"...e orai [também] uns pelos outros, para serdes curados e restaurados [a um vigor espiritual de mente e coração]. A fervorosa (sincera, continua) oração do justo torna um tremendo poder disponível (dinâmico em sua operação)" (Tg. 5:16 - Bíblia Amplificada).
O intercessor é aquele que se coloca entre DEUS e os homens, a favor destes, para pleitear sua causa, como se fosse própria. É aquele que se coloca entre vivos e mortos para que cesse a praga (Nm, 16:48). É aquele que tem o seu espírito afinado ao ESPÍRITO de DEUS e consegue captar os pesos do Seu coração e se devota a orar por outros, sob Sua liderança, até que o cetro de DEUS se levante, isto é, até que a causa seja ganha.
A intercessão visa alterar circunstâncias contrárias à vontade perfeita de DEUS, levando-as a se harmonizarem com a mesma. O crente é o canal de DEUS na terra, não só da proclamação da Sua Palavra, da Sua vontade e obra da Redenção, mas também de intercessão. Como isso funciona? Sintetizando o que estamos procurando transmitir, diríamos:
1 - DEUS tem um propósito para o homem em Seu coração. Esse propósito tem sido revelado na Bíblia e em Cristo.
2 - JESUS intercede junto ao Pai de acordo com esse propósito. Como representante do homem no Céu, JESUS fala por ele.
3 - O ESPÍRITO SANTO ouve o que JESUS fala e revela Seus desejos ao espírito do crente. É ali que Ele habita e faz o elo de ligação entre DEUS e o cristão. Ele traz o que está no coração de DEUS para o coração do crente.
4 - O intercessor fala e ora em linha com a revelação recebida pelo ESPÍRITO SANTO. Quando ele abre a boca para orar movido pelo ESPÍRITO, uma perfeita harmonia se estabelece entre o Céu e a terra.
5 - É desencadeada a manifestação do poder de DEUS nas circunstâncias a serem alteradas e que foram objeto de oração, provocando uma mudança.
 
O Chamado à Intercessão
 
Todo cristão é chamado a exercer o sacerdócio. Sacerdote é o que se coloca diante de DEUS no lugar do homem, levando suas necessidades à presença dAquele que somente pode intervir miraculosamente na vida da raça humana,
1 Pedro 2:9 declara:
"Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de DEUS, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para Sua maravilhosa luz."
 
Ocupar a função sacerdotal implica necessariamente em ministrar a DEUS a favor dos homens. É verdade que todos têm acesso à DEUS, através de Cristo JESUS, porém é também verdade que a Bíblia nos exorta a orar uns pelos outros e fazer súplicas e intercessões por todos os homens. É um imperativo, um chamado, um dever, um privilégio. Por causa de tudo quanto já estudamos, é premente a necessidade de intercessores.
É na terra que as batalhas se travam. Em Cristo temos uma aliança com DEUS, mas ainda é através dos homens que tudo se realiza na terra. O que acontece com Cristo, como o Intercessor provido pelo Pai, é que Ele tem autoridade de nos representar diante de DEUS e, pelo Seu ESPÍRITO, tanto mudou nossa natureza, nos regenerou, elevando-nos à posição de filhos de DEUS, como vive em nós. Isso nos garante uma presença sobrenatural para nos guiar num viver de acordo com Seus propósitos. Por causa do ESPÍRITO SANTO em nós, que nos revela todas as coisas, podemos agora falar e orar em perfeita linha com a vontade do Pai. Mas coloque isso em seu coração: Você e eu somos a boca através da qual o ESPÍRITO SANTO vai orar na terra o que JESUS ora no Céu. Através de nós, Ele intercederá com "gemidos inexprimíveis."
Convém a esta altura salientar que assim como Satanás só opera na terra, porque encontra o consentimento dos homens, DEUS também opera na terra através do mesmo consentimento e instrumentalidade e de sua majestade e poder. Temos que abrir a boca aqui e dizer o que DEUS diz no Céu, e é quando essa harmonia acontece, que as circunstâncias mudam, vidas são arrancadas do inferno, avivamentos rompem, cadeias são quebradas, DEUS é temido, obedecido e glorificado.
 
A Intercessão é Prioridade

A intercessão deve ser uma das prioridades da vida do cristão. Todo crente é chamado a interceder. Há pessoas que têm um ministério de intercessão, com uma unção especial para tanto, mas cada crente tem uma vocação de DEUS para interceder; É um imperativo. Quem não o faz, não exerce seu sacerdócio. Paulo é enfático ao dizer:
"Antes de tudo, pois, exorto que se use a prática de súplicas, orações e intercessões, ações de graça, em favor de todos os homens " (1 Tm. 2:1).
Fazer intercessões e súplicas por todos, deve ser uma prática em nossa vida.
Insistimos no princípio: DEUS nada faz na terra, a não ser por meio da intercessão. Amado, nós temos que nos arrepender da nossa falta de intercessão. Cada oração nossa realiza alguma coisa no reino do espírito. Um dia que passamos sem interceder, é um dia em que perdemos a oportunidade de criar alguma coisa no mundo espiritual, com conseqüências no mundo natural, sendo que esta oportunidade não mais voltará.
Muitas crises surgem em nossas vidas por falta de oração. Muitas vezes o ESPÍRITO nos traz uma direção, uma luz ou impressão, mas não queremos nos devotar à intercessão e, então, sofremos, desastres acontecem na vida de outros, almas vão para o inferno e angústias que poderiam ter sido evitadas pela oração, dilaceram muitas almas.
Somos chamados a interceder! Não responder a esse chamado do Trono é estar em pecado. O profeta Samuel, diante do pedido do povo para que clamasse a seu favor, para que não morressem por causa dos seus próprios pecados, fez uma tremenda declaração que deveria ser um desafio para nós também:
"E quanto a mim, longe de mim esteja o pecar contra o Senhor, deixando de orar por vós; eu vos ensinarei o caminho bom e direito" (1 Sm. 12:23).
DEUS tem um propósito para o homem em Seu coração, e precisa dos Seus filhos para que esse propósito se estabeleça.
E o que é intercessão senão trazer a vontade de DEUS à vida dos homem, da Igreja e das nações? Se entendermos isso, não esperaremos sobrar um tempinho para orar, mas faremos da intercessão uma das prioridades em nossa vida.
 
Muito temos notado em nossa nação sobre o abismo que há entre as classes sociais, principalmente nas grandes metrópoles, o luxo e a miséria andam lado a lado, e o que podemos esperar para um futuro próximo, entenda-se como futuro próximo o dia de amanhã, hoje é primeiro de junho, amanhã, 2 de junho...
Quando andamos por nossas ruas, principalmente nos grandes centros, podemos notar uma grande soma de miseráveis, notem bem...
 
 
M I S E R Á V E I S!!  (O que fazer?)
Centenas de milhares de pessoas sem agasalho, sem alimento, mendigando, seres humanos na mais elevada situação de penúria...
Em contrapartida, meia dúzia desfilando em seus carrões, suas roupas de grife, desperdiçando alimentos... e, o mais triste desta história, é que esta meia dúzia é composta por grande parte dos que se dizem da igreja, pastores, apóstolos, bispos, membros assíduos, teólogos, acadêmicos intelectualizados, ou os que se acham 'deuses' da igreja protestante brasileira...
Neste cenário de opostos, sentimos o Amor de DEUS falar em nossos corações, e nos advertir que já é passada a hora de, como povo de DEUS, agirmos... 
Eis aí, amados, uma grande batalha que nos é apresentada, com a grande desigualdade social brasileira, como povo de DEUS, precisamos e devemos por amor às almas e ao nosso próximo lembrar e por em prática os ensinamentos de nosso Amado Mestre:
"Amarás ao teu próximo como a ti mesmo..." (Gálatas 5.14)  
"Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me; Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e fostes ver-me." (Mateus 25.35,36) 
Se formos povo de DEUS, é passada à hora deste povo tomar as providências, e quais providências?? - campanhas do kilo, campanhas dos agasalhos, campanhas das cestas básicas... NÃO! Tais campanhas solucionam? E, se solucionam alguma coisa, é momentânea, por isso, devemos chamar a atenção que este momento é mais grave do que se possa imaginar, inverno e fome... 
E muitos estão dentro das igrejas quentinhas de barriga cheia, falando, falando, muitos até babar, outros fazendo críticas aqui e ali, outros gananciosos, outros dizimando esperando de DEUS a prosperidade... mas não foi para isto que JESUS CRISTO padeceu na Cruz do Calvário, JESUS padeceu por Amor às almas, e este Amor tem que estar em nossos corações, e nós, povo de DEUS, devemos tomar as providências nesta batalha...
meditem nisto: esta batalha é espiritual
E se é espiritual, quem peleja por nós é o Senhor dos Exércitos, o Todo-Poderoso, o DEUS Altíssimo... "O SENHOR pelejará por vós..." (Êxodo 14.14).
Vejam bem, amados, aprendemos pela Palavra de DEUS em Romanos 13.1, que, "não há autoridade que não venha de DEUS; e as autoridades que há foram ordenadas por DEUS."...
pois bem! Voltando à desigualdade social, podemos notar sem dúvida alguma sua proliferação através, principalmente, da ganância de políticos e, se, pela Palavra de DEUS sabemos que as autoridades constituídas são por permissão de DEUS, devemos sem sombra de incertezas, alicerçados pela compreensão divina de que, somente o SENHOR é quem poderá e fará com que a situação seja mudada...
pois assim nos ensinou JESUS CRISTO "porque sem mim nada podeis fazer." (João 15.5).
Quando sentimos que há alguma necessidade ou problema em nossas vidas, nós os crentes, corremos aos pés do Senhor, nos prostramos e o adoramos, lemos e buscamos em sua Palavra solução e consolo para nossos problemas, sendo assim, conforme a situação atual de nossa nação, à beira de um caos social (sou bem otimista, "à beira", ainda), podemos confrontar com uma situação não parecida, mas que, sem sombra de dúvidas, é um parâmetro, ao povo estar padecendo, pois qual? A situação da nação dos judeus nos tempos de Ester... 
 
 
Meditemos na Palavra de DEUS... Ester 3.13 "... para que destruíssem, matassem, e fizessem perecer a todos os judeus, desde o jovem até ao velho, crianças e mulheres...". 
Aí está, amados, o sofrimento de um povo, como a nossa nação brasileira, um povo que também sofre, e nós, povo de DEUS, aonde entramos nesta história??? Voltemos à Ester. Sabendo que, somente pela atuação do rei, poderia reverter a situação dos judeus, Ester tomou a seguinte posição... Ester 4.16 "Vai, ajunta a todos os judeus que se acharem em Susã, e jejuai por mim, e não comais nem bebais por três dias, nem de dia nem de noite, e eu e as minhas servas também assim jejuaremos. E assim irei ter com o rei, ainda que não seja segundo a lei; e se perecer, pereci.". 
É isto! povo de DEUS! o que devemos também fazer...  
"Toquem a trombeta em Sião, decretem jejum santo, convoquem uma assembléia sagrada." (Joel 2:15)  
... devemos apregoar um jejum ao povo de DEUS, um momento de oração diário, para nos fortalecer espiritualmente, para que juntos possamos orar ao Bom DEUS e,  fazemos "... deprecações, orações, intercessões, e ações de graças, por todos os homens; Pelos reis, e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade;... Quero, pois, que os homens orem em todo o lugar, levantando mãos santas, sem ira nem contenda." (1Timóteo 2.1,2,8), rogando em nome do Senhor JESUS ao Senhor dos Exércitos que "visite os corações de nossos governantes (presidente da república, ministros, governadores, deputados federais e estaduais, prefeitos, vereadores), e estes, possam sentir a necessidade da criação de uma política voltada para a classe miserável de nossa sociedade".
Como afirmamos, amados, esta batalha é espiritual, pois, o inimigo de nossas almas, muito tem agido nos corações áridos de nossos políticos, levando-os a somente trabalharem por seus interesses escusos, independendo que se faça miseráveis e mais miseráveis... 
Jejuemos e oremos ao Senhor pelos miseráveis de nossa nação, assim como Ester, para honra e glória do Senhor, reverteu a situação de seu povo, assim também o devemos fazer. (Autor: James de Almeida. )
 
 
 
AJUDA PARA QUEM QUER JEJUAR
1 Co 9.27 Antes, subjugo o meu corpo e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado.
Gl 6.17 Desde agora, ninguém me inquiete; porque trago no meu corpo as marcas do Senhor JESUS.
O PROBLEMA DA ÁGUA DURANTE O JEJUM
Caso alguém queira fazer o propósito com DEUS de não beber nem água durante o Jejum, então a água se tornará alimento, mas se o irmão fizer o propósito de apenas não comer, então a água não será alimento. Lembre-se de que existe vários tipos de Jejum na Bíblia, inclusive o de não comer somente comidas desejáveis. Caso o irmão resolver fazer um Jejum prolongado, esse jejum deve, e isso é muito importante, beber água. Nosso corpo é composto de 70% de água e se passarmos mais de três dias sem beber água possivelmente teremos problemas de desidratação e acarretando outros problemas decorrentes disso.
O CASO DO JEJUM COM ORAÇÃO E ESTUDO BÍBLICO
 Lembre-se de que o Jejum deve ser acompanhado de oração e leitura da Bíblia, bem como estudo da mesma para que, quando corpo ficar fraco materialmente o espírito seja fortalecido na fé e o corpo vivificado.
O CASO DO JEJUM PROLONGADO
O Jejum prolongado, por exemplo, de quarenta dias, não deve ser ultrapassado este tempo, pois após quarenta dias o corpo passa a alimentar-se de si próprio, causando lesões gravíssimas e com a redução no tamanho do estômago passando a ser irreversível. Sem Água ou líquidos não deve ser feito este tipo de jejum.
O CASO DOS NOVOS JEJUANTES
Os novos jejuantes devem começar a treinar seu corpo antes de fazer jejum, por exemplo ficando só a manhã sem se alimentar, depois de mais uma semana se alimentando corretamente pode-se ir aumentando aos poucos a dosagem. Também um treinamento de ficar sem comer determinados alimentos de que se está acostumado a comer, é saudável.
O CASO DO MOTIVO
Não se jejua para emagrecer e nem se jejua porque não se tem o que comer. Regime não é jejum, pois quem jejua passa a absorver mais dos alimento quando come e é possível até que engorde mais; o jejum é ter o que comer e deixar de comer (abster-se). DEUS deve saber o motivo de nosso jejum, em oração a ELE. Por exemplo: Jejum intercessório, A favor de alguém, ou de muitas pessoas (2 Co 11.27), Jejum Consagratório (Em favor de nós mesmos, oferecendo-nos a DEUS), Jejum dedicatório (Adoração a DEUS); Buscando a DEUS (2 Cr 20.3), Como sinal de humilhação (Ed 8.21), Pedido de livramento (Et 4.3), Por cura de enfermidade (Sl 35.13), Para deixar a dureza de coração (Is 58.6), Em busca de respostas (Dn 9.3), Por avivamento (Jl 1.14), Por arrependimento e pedido de misericórdia (Jn 3.5), Para se alegrar (Zc 8.19), Para se expulsar certos tipos de demônios (t 17.21), Por esclarecimento para salvação (at 10.30), etc...
O CASO PSÍQUICO
Deve-se tomar muito cuidado com o Jejum, pois durante o período uma guerra espiritual estará sendo deflagrada. O reino espiritual estará mais em evidência e sem a devida cautela (Sempre Bíblia acompanhando o jejum), poderá ocorrer um desvio de personalidade na pessoa, tornando-se fanático (vendo demônios por toda parte e não aceitando correção de mais ninguém) ou também pode ocorrer acesso de loucura.
O RESULTADO DO JEJUM BÍBLICO
O resultado do Jejum feito nos moldes bíblicos são formidáveis e gloriosos:
1- Pode-se adquirir Dons do ESPÍRITO SANTO
2- Pode-se ter um encontro com DEUS
3- Pode-se receber Ministério
4- Pode-se passar a compreender muito de DEUS que não se compreendia antes
5- Pode-se receber revelações espantosas do reino espiritual
ETC...
 
Jejum
Mt 16.9.15 E ENTÃO JEJUARÃO. Fica claro que JESUS esperava que os crentes jejuassem depois da sua partida. Os dias da ausência do Noivo são a presente era, que começou no momento da ascensão de JESUS até à sua volta. A igreja espera essa volta do Noivo (25.6; ver Jo 14.3). O jejum nesta era é, portanto: 
(1) um sinal do anseio do crente pela volta do seu Senhor; 
(2) uma preparação para sua volta; 
(3) um pesar por sua ausência; 
(4) um sinal de tristeza pelo pecado e decadência do mundo (ver 6.16).

9.17 VINHO NOVO EM ODRES VELHOS. Este versículo é interpretado de várias maneiras pelos comentaristas. 
(1) O vinho novo era suco fresco de uva. À medida que ele começava a fermentar, 
os odres novos (feitos de peles) esticavam-se sem se romper, ao passo que se fossem odres velhos se romperiam. O vinho novo representava o evangelho como sendo uma mudança fermentadora que as antigas formas do judaísmo não podiam comportar. Há dúvidas sobre este ponto de vista, pois aqueles que estão familiarizados com o processo da fermentação declaram que até mesmo odres bem novos e fortes se romperiam pela ação violenta da fermentação, uma vez lacrados (ver Jó 32.19). 
(2) Uma segunda interpretação entende que a parábola ressalta a importância de se conservar tanto o vinho novo quanto os odres novos (v. 17). 
(a) O vinho novo era suco fresco de uva , não fermentado, representando a mensagem salvífica original de JESUS Cristo e o poder do ESPÍRITO SANTO, demonstrados no dia de Pentecoste. O empenho máximo de JESUS era que o evangelho original, juntamente com o poder redentor do ESPÍRITO SANTO, não sofressem qualquer mudança, corrupção ou perda. Esta interpretação tem o amparo da solicitude de Cristo, no sentido de que o evangelho (o vinho novo) não seja alterado pelos ensinamentos (o fermento) dos fariseus e do judaísmo (o fermento como elemento fermentador e modificador da massa, cf. 
16.6,12; Êx 12.19; 1 Co 5.7). 
(b) Nos tempos antigos, a fim de conservar a doçura do suco por um período adequado de tempo, o povo coava ou fervia o suco, engarrafava-o e o colocava num lugar fresco.. Eram necessários odre novos, porque estariam livres de toda matéria residual fermentadora, tal como células maduras de levedura. Se colocado em odres velhos, o vinho novo começaria mais facilmente a fermentar por causa dos resíduos fermentadores existentes nos odres. A fermentação resultante passaria, então, a causar a perda, tanto do vinho novo quanto dos odres (que se romperiam por causa da pressão). Columela, o grande especialista romano em agricultura, do século I d.C., escreveu que, para se conservar o vinho novo sempre doce , deve-se colocá-lo num vasilhame novo, lacrado (Da Agricultura, 12.29)
9.17 VINHO NOVO... SE CONSERVAM. A ênfase de Cristo recai aqui sobre a preservação do vinho novo pelo tempo que for possível (ver a nota anterior). Quanto aos vários métodos empregados nos tempos bíblicos para conservar o vinho em estado doce e sem fermentação.
9.37 A SEARA É REALMENTE GRANDE. JESUS admoesta a todos os crentes a estarem sempre conscientes de que os perdidos têm uma alma eterna, de valor incalculável, e que terão que passar a eternidade no céu ou no inferno, e que muitos poderão ser salvos se alguém tão somente lhes anunciar o evangelho (ver 10.28).
Observação minha:
Se colocarmos nosso corpo como sendo o odre e o vinho como sendo o ESPÍRITO SANTO, então teremos que alguém só poderá ser cheio do ESPÍRITO SANTO quando se esvaziar do mundo, das concupiscências da carne e do excesso de alimento, ou seja, quando esvaziamos o corpo e o tornamos fraco pela falta de alimento o ESPÍRITO SANTO terá mais liberdade de agir em nossa vida e de nos encher de sua poderosa unção.
Algumas referências a Jejum:
2 Cr 20.3 JOSAFÁ TEMEU. Diante da maior crise da sua vida (vv. 1,2), Josafá enfrentou de modo exemplar uma circunstância que parecia insuperável. Começou a buscar o Senhor em jejum (v. 3), reuniu outras pessoas para orar (v. 4), confessou sua própria incapacidade (v. 12), obedeceu ao ESPÍRITO SANTO (vv. 14-18), confiou totalmente no Senhor e na sua palavra (v. 20) e rendeu graças ao Senhor (vv. 21,22).
20.3 APREGOOU JEJUM. Pode-se intensificar a busca da face do Senhor (ver 15.2 nota) através do jejum. O jejum deve acompanhar regularmente a oração e o anseio do crente para que a vontade de DEUS seja feita (ver Ed 8.23; Ne 9.1,2; Dn 9.3; ver Mt 4.2; 6.16).
Ed 8.21 APREGOEI ALI UM JEJUM. Jejum requer abstenção de alimento por um período limitado de tempo (ver Mt 6.16 nota). O povo de DEUS no AT jejuava para manifestar humildade, abnegação, submissão a DEUS e para buscar sua graça, ajuda, proteção e favor (vv. 21,31). Os fiéis jejuavam quando (1) sob grande ansiedade (2 Sm 12.16-23; 1 Rs 21.20-27; Sl 35.13; 69.10); (2) cultuando a DEUS no Dia da Expiação (cf. Lv 16.29-31; 23.26-32); (3) queriam demonstrar arrependimento e remorso (1 Rs 21.27-29; Ne 9.1,2; Jl 2.12,13; Jn 3.4-10); (4) enfrentando perigos (2 Cr 20.3; Ed 
8.21-23), enfermidades (2 Sm 12.15,16) e morte (1 Sm 31.13); (5) preparando-se para ministrar (Êx 34.28; Dt 9.9-18); e (6) buscando a DEUS por avivamento e renovação (Dn 9.3-19). Ed 8.21 PARA LHE PEDIRMOS CAMINHO DIREITO PARA NÓS. Devemos sempre orar a DEUS, rogando seu cuidado e proteção, ao iniciarmos uma viagem. Não se deve ter como inquestionável a ajuda de DEUS, uma vez que sua direção e proteção nos são concedidas mediante nossas orações. E, ao chegarmos em segurança ao nosso destino (v. 32), nunca devemos esquecer de lhe dar graças.8.23 NÓS, POIS, JEJUAMOS E PEDIMOS ISSO AO NOSSO DEUS. DEUS olha com benevolência aqueles que com humildade e sinceridade, jejuam e buscam a sua face sobre determinado assunto (cf. Ne 1.4). Assim como DEUS atendeu propiciamente o pedido de Esdras, assim também Ele honrará todos aqueles que, com coração sincero, o buscam em oração e jejum (ver v. 21 nota).
Ne 9.2 A GERAÇÃO DE ISRAEL SE APARTOU... FIZERAM CONFISSÃO DOS SEUS PECADOS. Os atos registrados neste capítulo demonstram que o arrependimento dos judeus era profundo e duradouro. Continuavam buscando a DEUS, jejuando, humilhando-se diante dEle, confessando a sua dependência espiritual e separando-se daquilo que ofendia a Ele (vv. 1-3).
Is 58.3 NO DIA EM QUE JEJUAIS. O povo estava a se queixar que DEUS não queria ajudá-lo. DEUS, porém, sabia que a adoração e o jejum deles era hipocrisia. Ele lhes declara que um ato religioso só tem valor para Ele quando procede dos que buscam humildemente obedecer aos seus mandamentos e que, com compaixão, estendem a mão aos necessitados.
Is 58.6 O JEJUM QUE ESCOLHI. O jejum que DEUS aprova é acompanhado de amor por Ele e por sincero cuidado pelos oprimidos. O crente deve compreender que a entrega de ofertas e dízimos à igreja não o exime da responsabilidade de dar aos pobres. Devemos ajudar os famintos com comida e fornecer roupas aos que estão necessitados (cf. Gl 6.10).
Is 58.8-12 ENTÃO, ROMPERÁ A TUA LUZ COMO A ALVA. Onde há amor verdadeiro a DEUS e um sincero interesse pelo bem-estar do próximo, há também aí um canal para a bênção abundante de DEUS em nossa vida. As recompensas desse amor a DEUS são declaradas aqui: (1) a luz de DEUS e a plena alegria da salvação e da cura; (2) a proteção e presença de DEUS manifestas em nossa vida; (3) o socorro divino na aflição, mediante a resposta das orações; (4) a remoção das trevas e 
da opressão; (5) a orientação, fortaleza e frutescência da parte de DEUS, e (6) a verdadeira restauração, com o retorno dos padrões e caminhos de DEUS.
 
 
 
Dn 9.5 PECAMOS. Daniel não se acomodou para esperar passivamente o cumprimento da restauração prometida. Pelo contrário, começou a interceder, de todo coração, com jejum e súplicas (v. 3) pelo cumprimento da palavra de DEUS. Daniel começou a orar, com intercessão, reconhecendo a grandeza de DEUS, que suscita reverente temor, o seu amor fiel e sua misericórdia para com aqueles que o amam e o obedecem (v. 4). A seguir, fez confissão do pecado, identificando-se com o povo de Israel que pecara contra DEUS e se rebelara contra Ele (vv. 5-16). Pediu a restauração de Jerusalém, não por causa de qualquer mérito seu, ou de Israel, mas "por amor do Senhor" (9.17-19). Quando DEUS respondeu, demonstrou sua grande misericórdia e compaixão amorosa como o DEUS que, realmente, cumpre as suas promessas.
1.14 SANTIFICAI UM JEJUM... CLAMAI AO SENHOR. Em conseqüência da devastação da terra, e da aflição entre o povo, Joel conclama-o a intensificar o luto, a clamar dia e noite a DEUS com jejum e oração, e a arrepender-se de todo pecado. Hoje, talvez, o povo de DEUS não experimente pragas literais de gafanhotos, mas é provável que veja suas congregações devastadas por aflições, pecados e doenças que angustiam famílias inteiras (cf. 1 Co 11.30-32). O conselho bíblico para se resolver tais impasses é que os pastores e leigos reconheçam, igualmente, com a máxima urgência, a necessidade de ajuda, poder e bênção de DEUS. Devem voltar-se a Ele com a sinceridade, intensidade, arrependimento e intercessão descritos por Joel (vv. 13,14; 2.12-17).
 
 
Jn 3.5 OS HOMENS DE NÍNIVE CRERAM EM DEUS.
(1) Os ninivitas aceitaram a mensagem de Jonas, crendo já estarem condenados, a menos que se arrependessem. Como expressão de seu genuíno arrependimento e humildade, jejuaram (cf. 1 Sm 7.6; 2 Sm 1.12) e vestiram-se de panos de saco (um tecido grosseiro, geralmente feito de pêlo de cabra; cf. 2 Sm 3.31; 2 Rs 19.1,2).
(2) JESUS declarou que Nínive se levantará no Dia do Juízo para condenar Israel por causa de sua incredulidade e dureza de coração (Mt 12.41).3.10
DEUS SE ARREPENDEU DO MAL. Por ter o povo se arrependido, DEUS suprimiu o juízo.
(1) O desejo primordial de DEUS é usar de misericórdia, e não executar o castigo que a sua justiça requer. O Senhor é um DEUS que se move de compaixão pelos pecadores que, sinceramente, se arrependem.
(2) Este livro ilustra a verdade bíblica de que DEUS não quer que ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento, recebam o perdão e a vida eterna (ver 2 Pe 3.9).
Mt 17.17 INCRÉDULA E PERVERSA. Este texto evidencia o conceito que JESUS tem dos discípulos e das igrejas que não assistem ao próximo, no autêntico poder do reino de DEUS.
(1) Deixar de libertar os oprimidos por Satanás ou pelos demônios (vv. 15-21) demonstra falta de fé, de compreensão e de autoridade espiritual (vv. 17,20,21; Mc 9.29).
(2) O propósito do ESPÍRITO SANTO, ao registrar as narrativas (14-21), ressalta não somente que JESUS expulsava demônios, como também que Ele deseja que seus discípulos façam a mesma coisa mediante a fé, a oração e o jejum (vv. 20,21). JESUS fica profundamente entristecido quando seu povo deixa de participar do seu ministério contra as forças de Satanás (v. 17; ver 10.1 nota; 10.8; Mc 9.28,29; Lc 9.1; Jo 14.12)

ORAÇÃO E JEJUM. JESUS não está dizendo aqui que, para a expulsão de certo tipo de espírito imundo, era necessário um período de oração e jejum. O princípio aqui é outro: onde há pouca fé, há pouca oração e jejum (Mt 17.19,20). Onde há muita oração e jejum resultante da dedicação genuína a DEUS e à sua Palavra, há abundância de fé. Se os discípulos tivessem uma vida de oração e jejum como JESUS, poderiam ter resolvido esse caso.
2 Co 11.23 OS SOFRIMENTOS DE PAULO. O ESPÍRITO SANTO, através das palavras de Paulo, revela-nos a angústia e o sofrimento de uma pessoa totalmente dedicada a Cristo, à sua Palavra e à causa em prol da qual Ele morreu . Paulo comungava com os sentimentos de DEUS e vivia em sintonia com o coração e os sofrimentos de Cristo. Seguem-se vinte formas da participação de Paulo nos sofrimentos de Cristo. Ele fala em: 
(1) "muitas tribulações" enfrentadas ao servir a DEUS (At 14.22);
(2) sua aflição no "espírito", por causa do pecado dominante na sociedade (At 17.16);
(3) servir ao Senhor com "lágrimas" ( 2.4);
(4) advertir a igreja "noite e dia com lágrimas", durante um período de três anos, por causa da perdição das almas, pela distorção do evangelho por falsos mestres, contrários à fé bíblica apostólica (At 20.31;
(5) sua grande tristeza ao separar-se dos crentes amados (At 20.17-38), e seu pesar diante da tristeza deles (At 21.13); 
(6) a "grande tristeza e contínua dor" no seu coração, por causa da recusa dos seus "patrícios" em aceitarem o evangelho de Cristo (Rm 9.2,3; 10.1);
(7) as muitas provações e aflições que lhe advieram por causa do seu trabalho para Cristo (4.8-12; 11.23-29; 1 Co 4.11-13);
(8) seu pesar e angústia de espírito, por causa do pecado tolerado dentro da igreja (2.1-3; 12.21; 1 Co 5.1,2; 6,8-10);
(9) sua "muita tribulação e angústia do coração", ao escrever àqueles que abandonavam a Cristo e ao evangelho verdadeiro (2.4);
(10) seus gemidos, por causa do desejo de estar com Cristo e livre do pecado e das preocupações deste mundo (5.1-4; cf. Fp 1.23);
(11) suas tribulações "por fora e por dentro", por causa de seu compromisso com a pureza moral e doutrinária da igreja (7.5; 11.3,4);
(12) o "cuidado" que o oprimia cada dia, por causa do seu zelo por "todas as igrejas" (v.28);
(13) o desgosto consumidor que sentia quando um cristão passava a viver em pecado (v.29);
(14) o desgosto de proferir um "anátema" sobre aqueles que pregavam outro evangelho, diferente daquele revelado no NT (Gl 1.6-9);
(15) suas "dores de parto" para restaurar os que caíam da graça (Gl 4.19; 5.4); (16) seu choro por causa dos inimigos da cruz de Cristo (Fp 3.18);
(17) sua "aflição e necessidade", pensando naqueles que podiam decair da fé (1 Ts 3.5-8);
(18) suas perseguições por causa da sua paixão pela justiça e pela piedade (2 Tm 3.12);
(19) sua lastimável condição ao ser abandonado pelos crentes da Ásia (2 Tm 1.15); e
(20) seu apelo angustiado a Timóteo para que este guarde fielmente a fé genuína, ante a apostasia vindoura (1 Tm 4.1; 6.20; 2 Tm 1.14) 
 
 
INTERAÇÃO
Até que ponto deve o cristão envolver-se nas questões políticas e sociais de seu país? Pode ele fazer alguma coisa no sentido de mudar o curso da história de sua nação? O que pode então fazer para que sua pátria seja sacudida por um portentoso avivamento espiritual? Questione seus alunos logo no início da aula. Desafie-os com a responsabilidade de intercederem pelo Brasil diante de uma sociedade cada vez mais descrente.
 
ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
DEUS instituiu os governos para garantir a ordem e a justiça social, por isso deve o crente submeter-se a eles. Todavia, se tais governos deixarem de exercer sua devida função, e passarem a agir no sentido contrário à Palavra de DEUS, o cristão deverá obedecer a DEUS e não mais aos homens.
Com base no ponto II da lição, "A postura do crente como cidadão dos céus", e na afirmativa acima, promova um debate na classe sobre até que ponto devem os cristãos obedecer a seus governantes. Para incrementar a discussão compare os seguintes textos: 1 Pe 2.13-17 e Rm 13.1 com At 4.1-19.
 
 
 
RESUMO DA REVISTA DA CPAD
LIÇÃO 10 - 2ºTRIMESTRE 2008
COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
Orando e jejuando, desencadearemos um avivamento.
I. RAÍZES DE NOSSA HISTÓRIA
Nasceu sob o signo de uma religiosidade supersticiosa.
Brasil na maior nação pentecostal do mundo. 
II. A POSTURA DO CRENTE COMO CIDADÃO DOS CÉUS
Fujamos tanto do ativismo político como do
conformismo escatológico.
1. Ativismo político. Obedeçamos às autoridades.
2. Conformismo escatológico.
Enquanto JESUS não vem, anunciemos a sua Palavra.
3. A missão profética da Igreja
pregar a Palavra de DEUS em toda a sua plenitude na
unção do ESPÍRITO SANTO.
III. MOTIVOS DE INTERCESSÃO PELA PÁTRIA
1. Valorização da vida. Legisladores respeitem a vida.
2. Preservação dos valores cristãos. União civil entre
pessoas do mesmo sexo contrária a Palavra de DEUS.
3. Conservação das liberdades democráticas
Manter as liberdades individuais e civis.
4. Vinda de um grande avivamento
há muitas áreas a serem alcançadas; a tarefa, inacabada.
CONCLUSÃO
Orar e jejuar pela nação. Esta é uma das mais nobres
disciplinas da vida cristã. 
 
 
SINOPSE DO TÓPICO (1): A colonização do Brasil foi sob o signo de uma religiosidade supersticiosa, enquanto a dos Estados Unidos, sob o esplendor da Bíblia Sagrada.
SINOPSE DO TÓPICO (2): O cristão além de assumir uma postura profética neste mundo, deve evitar o ativismo político e o conformismo escatológico.
SINOPSE DO TÓPICO (3): São motivos que reclamam a oração do crente: a valorização da vida, a preservação dos valores cristãos, a conservação das liberdades democráticas e a vinda de um avivamento.
REFLEXÃO: "É mister que nos lembremos ser a nossa missão atuar de forma profética, a fim de conscientizar este mundo não apenas do poder do Evangelho, mas também da justiça de DEUS."
 
 
QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 11 - ORAÇÃO E JEJUM PELA PÁTRIA
RESPONDA CONFORME A REVISTA DA CPAD DO 2º TRIMESTRE DE 2008
 
TEXTO ÁUREO
1- Complete:
"Honrai a __todos__. Amai a fraternidade. Temei a __Deus__. Honrai o __rei__" (1 Pe 2.17).
 
VERDADE PRÁTICA
2- Complete:
Temos por obrigação, enquanto __membros__ de uma sociedade politicamente organizada, __orar__ pelas __autoridades__ constituídas, 
a fim de que estas promovam o bem comum e ajam com eqüidade e justiça.
 
COMENTÁRIO
INTRODUÇÃO
3- O Brasil está enfermo. Como podemos mudar a nossa história? Complete:
Através da __oração__ e do __jejum__. Orando e jejuando, desencadearemos um avivamento que, à semelhança da reforma de __Josias__, leve-nos a firmar-nos como a força regeneradora da nação.
 
I. RAÍZES DE NOSSA HISTÓRIA
4- Qual o paralelo encontrado pelo escritor brasileiro Vianna Moog, entre a civilização brasileira e a norte-americana?
A primeira nasceu sob o signo de uma religiosidade supersticiosa, a segunda veio à luz sob o esplendor da Bíblia Sagrada.
 
5- Quais benefícios nos prestaram a grande e valorosa nação portuguesa?
(    ) A língua.
(    ) A disposição desbravadora.
(    ) O censo de unidade nacional.
 
6- Qual a maior nação pentecostal do mundo?
(    ) Brasil.
 
II. A POSTURA DO CRENTE COMO CIDADÃO DOS CÉUS
7- Como discípulos de Cristo, é-nos exigida uma postura que manifeste o Reino de DEUS em todas as instâncias de nosso viver numa sociedade politicamente organizada. Do que devemos fugir, diante disso?
(    ) Do ativismo político.
(    ) Do conformismo escatológico.
 
8- Ligue a primeira coluna de acordo com a segunda:
 
A missão profética da Igreja
 
 
 
Comportamento é condenado pela Bíblia Sagrada que, energicamente, demanda a que obedeçamos às autoridades. No entanto, desobrigamo-nos desse compromisso se as autoridades, extrapolando suas competências legais, coagem-nos a negar a fé em Cristo.Ex.: Daniel 3.12-18; 6.10-16
Ativismo político
Se Cristo está às portas, por que nos preocuparmos com o que ocorre ao nosso redor?" Sal da terra e luz do mundo, é a nossa missão impedir que a sociedade degenere-se irremediavelmente (Mt 5.13,14). Enquanto o Senhor não vem, anunciemos a sua Palavra.
Conformismo escatológico
Os profetas do Antigo Testamento madrugavam para anunciar o juízo de DEUS (Jr 7.13; 11.7). E o brado de Jonas contra Nínive? (Jn 3.4,5). João Batista condenou a iniqüidade social da nação, buscando conduzi-la nos caminhos de DEUS (Lc 3.10-14). Atuar profeticamente significa pregar a Palavra de DEUS em toda a sua plenitude na unção do ESPÍRITO SANTO.
 
9- O que é Ativismo político?
(    ) É uma postura que apregoa a utilização de medidas extremas, visando mudar a ordem estabelecida.
 
10- O que é Conformismo escatológico?
(    ) É a atitude inerte e alienada que muitos crentes, interpretando erroneamente certas passagens da Bíblia, utilizam-se para alegar: "Nada podemos fazer para melhorar a nação porquanto estamos no final dos tempos.
 
11- Qual a missão profética da Igreja?
(    ) Atuar de forma profética, a fim de conscientizar este mundo não apenas do poder do Evangelho, mas também da justiça de DEUS.
 
III. MOTIVOS DE INTERCESSÃO PELA PÁTRIA
12- Cite pelo menos 4 motivos de intercessão pela nossa pátria:
(    ) Valorização da vida
(    ) Preservação dos valores cristãos.
(    ) Conservação das liberdades democráticas.
(    ) Vinda de um grande avivamento.
 
13- Ligue a primeira coluna de acordo com a segunda, segundo os motivos de intercessão pela pátria:
 
Preservação dos valores cristãos.
 
Se o Brasil vem progredindo, devemo-lo primeiramente a DEUS e aos que Ele colocou em seu comando. Até este momento, têm os nossos governantes preservado nossas conquistas democráticas. Oremos, portanto, a fim de que o nosso presidente tenha a necessária força moral para reprimir a corrupção, promover o bem comum e manter as liberdades individuais e civis.
Vinda de um grande avivamento.
Oremos fervorosamente, para que nossos legisladores respeitem a vida, não aprovando medidas em prol do aborto, da eutanásia e de pesquisas que violem os princípios básicos da existência humana (Êx 20.13; Sl 139.13-16).
Conservação das liberdades democráticas.
Tendo a Bíblia como a nossa única regra de fé e prática, somos contra as tentativas dos legisladores que, desprezando a fé cristã, buscam aprovar leis em favor da união civil entre pessoas do mesmo sexo. Não odiamos aos homossexuais; não podemos, todavia, aprovar a sua prática que é radicalmente contrária a Palavra de DEUS (Lv 18.22; 1 Co 6.10; 1 Tm 1.10).
Valorização da vida.
Damos graças a DEUS pelo Avivamento Pentecostal que, trazido no início do século passado ao Brasil, mudou radicalmente a nossa história. Mas ainda não estamos satisfeitos; há muitas áreas a serem alcançadas; a tarefa, inacabada (Hc 3.2).
 
CONCLUSÃO
14- Complete:
Orar e jejuar pela nação. Esta é uma das mais __nobres__ disciplinas da vida cristã. Ao invés de criticarmos as __autoridades__, intercedamos por estas, a fim de que cumpram o seu __mandato__ na promoção do bem comum. Tem você orado pelo Brasil? Se não intercedermos por nossa gente, como nos haveremos no último dia?
 
 
AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO
Subsídio Devocional
"Combinando oração com jejum
O exercício espiritual de jejuar e orar longamente, em face de uma necessidade urgente, não pode ser encarado como um artifício para se obter a atenção de DEUS ou sua aprovação àquilo que desejamos. Apesar de o jejum ter consigo mesmo uma recompensa toda peculiar, tal recompensa diz respeito mais àquele que jejua do que ao objetivo final da oração. A prática da oração associada ao jejum deve resultar numa percepção espiritual mais aguçada e num aumento de fé. A oração e o jejum podem trazer valiosas contribuições à vida do crente ou de toda a congregação, embora nunca se deva permitir que sua prática degenere numa formalidade vazia ou numa tentativa de manipular DEUS [...]
(BRANDT, R.L.; BICKET, Z.J. Teologia bíblica da oração. 3.ed., Rio de Janeiro: CPAD, 2003, pp.275-6.)
APLICAÇÃO PESSOAL
De que modo deve o crente portar-se diante da sociedade? Deve isolar-se das pessoas a fim de manter-se afastado das más influências do mundo, ou aproximar-se com a intenção de transformar positivamente o mundo com o poder do evangelho de CRISTO? A Bíblia diz que nós somos o "sal da terra". Com a qualidade do sal devemos dar sabor, purificar e conservar este mundo que, sem DEUS, caminha a passos largos para a destruição. Sabemos que o sal só exerce a função de salgar quando está em contato com aquilo que deve salgar. Portanto, não é necessário ao crente enclausurar-se, distanciando-se de sua comunidade e do convívio social.
 
 
Ajuda:
CPAD - www.cpad.com.br - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - Bíblia de Estudos Pentecostal.
www.escoladominical.com.br  -  www.ebdweb.com.br
http://universobiblico.com.br/assembleia/estudosbiblicos/videosebdnatv.htm   (VÍDEOS da EBD na TV)
BÍBLIA ILUMINA EM CD - Bíblia de Estudo NVI EM CD - Bíblia Thompson EM CD.
Nosso novo endereço: http://universobiblico.com.br/assembleia/estudosbiblicos/
http://universobiblico.com.br/assembleia/estudosbiblicos/ajudajejum.htm
http://universobiblico.com.br/assembleia/estudosbiblicos/intercessao.htm
 
 
Index
Estudos
EBD
Discipulado
Mapas
Igreja
Ervália
Corinhos
Figuras1
Figuras2
Vídeos
Fotos