LIÇÃO 11 - A MORTE VICÁRIA DE JESUS
1º TRIMESTRE DE 2008
TEMA: JESUS CRISTO, Verdadeiro Homem, Verdadeiro DEUS.
Lições Bíblicas CPAD, Jovens e Adultos - 2008
Comentários: Pr. Esequias Soares.
Consultor Doutrinário e Teológico: Pr. Antônio Gilberto.
Complementos - ajuda aos estudantes e professores:  Ev. Henrique.
NÃO DEIXE DE ASSISTIR AOS VÍDEOS DA LIÇÃO ONDE TEMOS MAPAS, FIGURAS, IMAGENS E EXPLICAÇÕES DETALHADAS DA LIÇÃO
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
 
QUESTIONÁRIO
 
 
 
TEXTO ÁUREO
"Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que CRISTO morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras" (1 Co 15.3).
 
 
 
VERDADE PRÁTICA
JESUS  morreu por nossas culpas, libertando-nos do castigo do pecado, que é a morte.
 
 
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Lucas 23.33, 44-53.
Lucas 23.33 E, quando chegaram ao lugar chamado a Caveira, ali o crucificaram e aos malfeitores, um, à direita, e outro, à esquerda.

Lucas 23.44 E era já quase a hora sexta, e houve trevas em toda a terra até à hora nona,
45 escurecendo-se o sol; e rasgou-se ao meio o véu do templo.
46 E, clamando JESUS  com grande voz, disse: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. E, havendo dito isso, expirou.
47 E o centurião, vendo o que tinha acontecido, deu glória a DEUS, dizendo: Na verdade, este homem era justo.
48 E toda a multidão que se ajuntara a este espetáculo, vendo o que havia acontecido, voltava batendo nos peitos.
49 E todos os seus conhecidos e as mulheres que juntamente o haviam seguido desde a Galiléia estavam de longe vendo essas coisas.
50 E eis que um homem por nome José, senador, homem de bem e justo
51 (que não tinha consentido no conselho e nos atos dos outros), natural de Arimatéia, cidade dos judeus, e que também esperava o Reino de DEUS,
52 este, chegando a Pilatos, pediu o corpo de JESUS .
53 E, havendo-o tirado, envolveu-o num lençol e pô-lo num sepulcro escavado numa penha, onde ninguém ainda havia sido posto.

 
I- PROFECIAS A RESPEITO DA CRUCIFICAÇÃO E SOFRIMENTO DE JESUS:
 
 
 
Ao fiel cumprimento dessas profecias acrescentam-se às declarações de JESUS  a respeito de sua morte (Mt 26.18, 24, 31,32; Jo 3.14). Portanto, a morte de JESUS  não foi uma fatalidade, mas uma entrega ou doação voluntária de si mesmo a favor da humanidade (Jo 10.18; At 2.23).
 
"Meu Pai, senão é possível passar de mim este cálice, sem que eu o beba, faça-se a tua vontade" (Mt 26.42)
Em resposta a esta oração. diz o evangelista Lucas: "Então lhe apareceu um anjo do céu e o confortava (Lc 22.43).
O cálice, entretanto, não passou de JESUS  sem que Ele o bebesse. Ele significava nosso do Calvário. Se JESUS  não o nós sofreríamos para sempre impossível a nossa salvação o sacrifício expiatório de CRISTO.

II- PERGUNTAS E REVELAÇÕES DO JULGAMENTO DE PILATOS:
Durante o julgamento de CRISTO perante Pilatos, estabeleceu-se entre o governador romano e os judeus um diálogo profundamente significativo.
As perguntas e respostas apontavam para os propósitos de DEUS, como revelação do seu plano salvador.

1. Que mal fez Ele? (Mt 27.23).
Sem caráter de pergunta, significaria afirmar que JESUS  não praticou mal algum. Isto nos ensina duas grandes verdades que permeiam a doutrina da salvação:

a. A impecabilidade de JESUS .
Impecabilidade é a característica encontrada exclusivamente no Senhor JESUS . A todos os demais homens, que vieram ao mundo, desde Adão até os nossos dias, aplicam-se estas palavras: "Não há justo, nem sequer um... todos se extraviaram, à uma se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem" (Rm 3.10-12). "Todos pecaram e destituídos estão da glória de DEUS" (Rm 3.23). A lei preceituava: " A alma que pecar, essa morrerá" (Ez 18.20). Assim DEUS não usaria nenhum outro homem como propiciação pelos nossos pecados. Só JESUS, o cordeiro imaculado, podia nos substituir, ao sofrer e morrer por nós. E Ele, o justo, tomou o lugar do injusto, do pecador, para que fôssemos feitos justos, aleluia! Em referência a JESUS, está escrito: "Com efeito nos convinha um sumo sacerdote, assim como este, santo, inculpável, sem mácula" (Hb 7.26); "Ele não cometeu pecado, nem na sua boca se achou engano" (1 Pe 2.21,22).

b. Se JESUS  houvesse praticado o mal, não poderia realizar a obra propiciatória em nosso favor.
Se CRISTO tivesse sido submetido a julgamento pelas autoridades, por algum crime ou pecado que tivesse cometido, teríamos de admitir que Ele morreu pelos seus pecados. Mas, ao contrário, Pilatos disse que JESUS  era justo (Mt 27 .24) e declarou: Não vejo neste homem crime algum (Lc 23.4). Dele está escrito: CRISTO morreu, uma única vez, pelos pecados, o justo pelos injustos, para conduzir-vos a DEUS" (1 Pe3.18), pois "Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de DEUS" (2 Co 5.21).
 
2. Qual dos dois quereis que vos solte?
A resposta foi: "Solta-nos Barrabás e crucifica a JESUS". Os judeus erraram, escolhendo a Barrabás, mas foi satisfeito o desígnio de DEUS de entregar o seu Filho santo, inocente à morte, e que um malfeitor fosse liberto. Se Barrabás tivesse sido crucificado, nenhum benefício nos sobreviria da sua morte. Seria apenas um malfeitor a mais morrendo pelos seus crimes. Ao contrário, em JESUS  se cumpriu a predição divinamente inspirada: "Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões, e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados" (Is 53.5).

3. Que farei, então, de JESUS  chamado o CRISTO?
Responderam: "Seja crucificado".Esta pergunta teria sido respondida corretamente de duas maneiras:
a. Seja crucificado por nós.
O apóstolo João diz que Caifás foi constrangido a confessar: "Convém que morra um só homem pelo povo,e que não venha a perecer toda a nação" (11.50). Foi isto que DEUS ensinou a Abraão, quando proveu o cordeiro para morrer em lugar de Isaque (Gn 22.7-14).
 
b. Se a resposta tivesse vindo através de Pedro e João, ou outra pessoa que conhecesse o plano salvador de DEUS por JESUS  CRISTO, certamente teria sido: "Aceita-o como teu salvador pessoal, como o único que pode perdoar os teus pecados. Aceita-o como enviado de DEUS para a salvação da tua alma e tua felicidade eterna" (Mt 16.13-16).
 
III- DESFECHO DOS SOFRIMENTOS DE CRISTO
As dores, decorrentes da agonia que levou JESUS  CRISTO a suar sangue, continuaram através das atrocidades infligidas ao nosso Salvador no período da prisão à morte na cruz, e foram:

1. O sofrimento físico.
Para nos salvar,o Verbo de DEUS encarnou-se em um corpo humano semelhante ao nosso, sujeito a sofrimentos e dores. Em Jerusalém, diante de Caifás, JESUS  foi julgado e submetido a severos castigos. Sua cabeça foi coroada de espinhos e duramente espancada com uma cana. Todo este sofrimento culminou com a sua morte na cruz. Na posição em que ficava a pessoa crucificada, não havia como aliviar-lhe o sofrimento, pois em qualquer tentativa de mudança de posição, mais aumentavam as dores do crucificado. Porém, tudo isto estava predito a respeito de JESUS  (Lm 1.12).

2. O sofrimento moral e psicológico.
O Filho de DEUS, a respeito de quem os anjos receberam ordem de adorar, era objeto de escárnio, de zombaria, por parte dos soldados romanos que o haviam prendido e agora o espancavam, ao invés de prestar-lhe adoração.
Lucas escreve: "Os que detinham JESUS , zombavam dele, davam-lhe pancadas e, vendando-lhe os olhos, diziam: Profetiza-nos quem é o que te bateu" (Lc 22.63,64). Veja Salmo 22.7; Isaías 53). A reação do nosso Senhor, diante de tais sofrimentos, revela a sua inteira obediência à vontade do Pai. Ele realizava a obra salvífica que o Pai lhe confiara. Deste modo, mesmo injuriado, o escarnecido suplica: "Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem" (Lc 23.34). Assim, o Senhor cumpria o papel de mediador, intercedendo pelos pecadores, conforme havia predito Isaías (53.12).

3. O sofrimento espiritual.
JESUS  não foi um mártir, mas a vítima propiciatória preparada por DEUS, para substituir-nos, na condenação que mereciam os nossos pecados. Os seus sofrimentos chegaram ao auge, no momento em que na cruz tomou sobre si os nossos pecados e foi desamparado pelo Pai.
Ele clamou: "DEUS meu, DEUS meu, por que me desamparaste?" (Mt 27.46). Este foi o seu maior sofrimento: ser desamparado e exposto a toda a severidade da lei de DEUS, ultrajada pelos milhares de pecadores de todas as gerações. Assim, o autor da nossa redenção sofreu a dor física, moral e espiritual, desamparado pelo Pai, ao tomar sobre si os nossos pecados,para reconciliar-nos com DEUS (2 Co 5.19).

IV. A FINALIDADE DO SOFRIMENTO E DA MORTE DE JESUS
O sofrimento de quem colhe os frutos de um viver alheio aos propósitos de DEUS não tem formalidade animadora e nem gratificante. JESUS  sofreu, ao executar o plano divino que previa resultados eternos. Consideremos a sua finalidade:
1. JESUS  sofreu e morreu por nós, "para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo" (Hb 9.26).
Ele é o "Cordeiro de DEUS que tira o pecado do mundo" (Jo 1.29).
2. "Para que o corpo do pecado seja destruído, e não sirvamos mais ao pecado como escravos" (Rm6.6).
O sofrimento de JESUS  teve por função libertar-nos da escravidão do pecado (Jo 8.32-36).
3."Para que nos consideremos mortos para o pecado e vivos para DEUS" (Rm 6.11).
Os que vivem no pecado, mesmo vivos estão mortos (1 Tm 5.6).
4. Para que o pecado não reine mais em nosso corpo mortal, dominando-nos através das paixões (Rm 6.12).
5. JESUS  tomou os nossos pecados em seu corpo, para que o nosso corpo não seja instrumento de iniqüidade, mas de justiça (Rm 6.13,19).
6. Para que a vida de JESUS  se manifeste em nosso corpo, proporcionando-nos a felicidade nesta vida.
O apóstolo Pedro declara que CRISTO foi enviado para nos abençoar, no sentido de que cada um se aparte de suas perversidades (At 3.26).
Se cremos que CRISTO sofreu por nós, forçoso nos é admitir que Ele padeceu por estas sublimes finalidades, que são a expressão máxima do
seu amor e a segurança da nossa eterna salvação.
(Revista CPAD 2►1º trimestre de 1994 - Estevam Ângelo de Souza.)
 
 
Reportagem da Revista Isto É - Fevereiro de 2008
 
 
A paixão de CRISTO, a partir de um ponto de vista médico.
C. Trunan Davis
De repente, eu percebi que eu tinha tornado a crucificação de JESUS  mais ou menos sem valor, durante estes anos, que havia crescido calos em meu coração sobre este horror, por tratar seus detalhes de forma tão familiar – e pela amizade distante que eu tinha com Ele. Isto finalmente aconteceu comigo quando, como médico, eu não sabia o que verdadeiramente ocasionou a morte imediata. Os escritores do evangelho não nos ajudam muito com este ponto, porque a crucificação era tão comum naquele tempo que, sem dúvida, acharam que qualquer detalhe seria desnecessário.
Eu estudei a prática da crucificação, que é a tortura e execução de alguém fixando-o na cruz.
A coluna vertical era geralmente fixada ao solo, onde seria a execução, e o réu era forçado a carregar o poste horizontal, pesando aproximadamente 55 quilos, da prisão até o lugar da execução.
 
EXPLICAÇÃO:
A paixão física de JESUS  começou no Getsêmani. Em Lucas diz: “E estando em agonia, Ele orou. E Seu suor tornou-se gotas de sangue, escorrendo pelo chão.”
Todos os estudos têm sido usados por escolas modernas para explicarem esta fase, aparentemente debaixo da impressão que isto não pode acontecer.
No entanto, pode-se conseguir muito consultando a literatura médica. Apesar de muito raro, o fenômeno de suor de sangue é bem documentado. Debaixo de um stress emocional, fino capilares nas glândulas sudorípara podem se romper, misturando assim o sangue com o suor. Este processo causa fraqueza e choque. Atenção médica é necessária para prevenir hipotermia.
Após a prisão no meio da noite, JESUS  foi trazido ao Sumo sacerdote, onde sofreu o primeiro trauma físico. JESUS  foi esbofeteado na face por um soldado, por manter-se em silêncio ao ser interrogado por Caifás. Os soldados do palácio tamparam seus olhos e caçoaram d’Ele, pedindo para que identificasse quem O estava batendo, e esbofeteavam a Sua face.
De manhã cedo, JESUS , surrado e com hematomas, desidratado, e exausto por não dormir, foi levado a Jerusalém para ser chicoteado e então crucificado.
Os preparativos para as chicotadas são feitos: o prisioneiro é despido de Suas roupas, e Suas mãos amarradas a um poste, a cima de Sua cabeça. É duvidoso se os Romanos seguiram as leis judaicas quanto as chibatadas. Os judeus tinham lei antiga que proibia mais de 40 (quarenta) chibatadas. Os fariseus, para terem certeza que esta lei não seria desobedecida, ordenava apenas 39 chibatadas para que não houvesse erro na contagem.
 
CHICOTE DUPLO:
O soldado romano dá um passo a frente com um chicote com várias pesadas tiras de couro com 2 (duas) pequenas bolas de chumbo amarradas nas pontas de cada tira.
O pesado chicote é batido com toda força contra os ombros, costas e pernas de JESUS . Primeiramente as pesadas tiras de couro cortam apenas a pele. Então, conforme as chibatadas continuam, elas cortam os tecido debaixo da pele, rompendo os capilares e veias da pele, causando marcas de sangue, e finalmente, hemorragia arterial de vasos da musculatura. As pequenas bolas de chumbo primeiramente produzem grandes, profundos hematomas, que se rompem com as subsequentes chibatadas. Finalmente, a pele das costas está pendurada em tiras e toda a área está uma irreconhecível massa de tecido ensangüentado. Quando é determinado, pelo centurião responsável, que o prisioneiro está a beira da morte, então o espancamento é encerrado.
Então, JESUS  é desamarrado, e Lhe é permitido deitar-se no pavimento de pedra, molhado com Seu próprio sangue. Os soldados romanos vêm uma grande piada neste Judeu, que clamava ser o Rei. Eles atiram um manto sobre os Seus ombros e colocam um pau em Suas mãos, como um cetro. Eles ainda precisam de uma coroa para completar a cena. Um pequeno galho flexível, recoberto de longos espinhos é enrolado em forma de uma coroa e pressionado sobre Sua cabeça. Novamente, há uma intensa hemorragia (o escalpo é uma das regiões mais irrigadas do nosso corpo). Após caçoarem d’Ele, e baterem em Sua face, tiram o pau de Suas mãos e batem em Sua cabeça, fazendo com que os espinhos se aprofundem em Seu escalpo. Finalmente, cansado de seu sádico esporte, o manto é retirado de Suas costas. O manto, por sua vez, já havia se aderido ao sangue e grudado, nas feridas, justo como em uma descuidada remoção de uma bandagem cirúrgica, causa dor cruciante...quase como se estivesse apanhando outra vez – e as feridas, começam a sangrar outra vez.
A pesada barra horizontal da cruz á amarrada sobre Seus ombros, e a procissão do CRISTO condenado, dois ladrões e os detalhes da execução dos soldados romanos, encabeçada por um centurião, começa a vagarosa jornada até o Gólgota. Apesar do esforço de andar ereto, o peso da madeira somado ao choque produzido pela grande perda de sangue, é muito para Ele. Ele tropeça e cai. Lascas da madeira entram na pele dilacerada e nos músculos de Seus ombros. Ele tenta se levantar, mas os músculos humanos já não suportam mais. O centurião, ansioso para a crucificação, escolhe um norte-africano, Simão, para carregar a cruz. JESUS  segue ainda sangrando, suando frio e com choques. A jornada é então completada. O prisioneiro é despido – exceto por um pedaço de pano que era permitido aos judeus. A crucificação começa: a JESUS  é oferecido vinho com mirra, uma mistura para aliviar a dor. JESUS  se recusa a beber. Simão é ordenado a colocar a barra no chão e JESUS  é rapidamente jogado de costas, com Seus ombros contra a madeira. Os soldados procuram a depressão entre os ossos de Sua mão. Ele dirige um pesado, quadrado prego de ferro, através de Sua mão para dentro da madeira. Rapidamente ele se move para outro lado e repete a mesma ação, tomando o cuidado de não pregar muito apertado, para possibilitar alguma flexão e movimento. A barra da cruz é então levantada, e sobre o topo, a inscrição onde se lê em grego, latim e hebraico: “JESUS  de Nazaré, Rei dos Judeus”, é pregada.
O pé direito é pressionado contra o pé esquerdo, e com os pés esticados, os dedos para baixo, um prego é martelado atravessando os pés, deixando os joelhos levemente flexionados. A Vítima está agora crucificada. À medida que Ele se abaixa, com o peso maior sobre os pregos nas mãos, cruciante e terrível dor passa pêlos dedos e braços, explodindo no cérebro – os pregos nas mãos comprimem os nervos médicos. Conforme Ele se empurra para cima, a fim de aliviar o peso e a dor, Ele descarrega todo o Seu peso sobre o prego em Seus pés. Outra vez, desencadeia a agonia do prego colocado entre os metatarsos se Seus pés.
 
       EXPLICAÇÃO:
Neste ponto, outro fenômeno ocorre. Enquanto os braços se cansam, grande ondas de cãibras percorrem Seus músculos, causando intensa dor. Com estas cãibras, vem a inabilidade de empurrar – Se para cima, Pendurado por Seus braços, os músculos peitorais ficam paralisados, e o músculos intercostais incapazes de agir. O ar pode ser aspirado para os pulmões, mas não pode ser expirado. JESUS  luta para se levantar a fim de tomar fôlego. Finalmente, dióxido de carbono é retido nos pulmões e no sangue, e as cãibras diminuem. Esporadicamente, Ele é capaz de se levantar e expirar e inspirar o oxigênio vital. Sem dúvida, foi durante este período que JESUS  consegui falar as sentenças registradas:  
JESUS  olhando para os soldados romanos, lançando sorte sobre Suas vestes, “Pai, perdoa-os, pois eles não sabem o que fazem.”            
Em Lucas 23:34 a forma do verbo no presente continuo indica que Ele continuou dizendo isto. Ao lado do ladrão, JESUS  disse: “Hoje você estará comigo no Paraíso.”            
JESUS  disse, olhando para baixo ao atemorizado e quebrantado adolescente João, “ eis a Sua mãe” e olhando para Maria, Sua mãe disse: “eis aí o seu filho”. O próximo clamor veio do início do Salmo 22, “Meu DEUS, meu DEUS, por que me desamparaste?
Horas desta dor limitante, ciclos de contorção, cãibras nas juntas, asfixia parcial intermitente, intensa dor por causa da lascas enfiadas nos tecidos de Suas costas dilaceradas, conforme Ele se levanta contra o poste de crus. Então outra dor de agonia começa. Uma profunda dor no peito, enquanto seu pericárdio se enche de um líquido que comprime o coração.  
Agora está quase acabado – a perda de líquidos dos tecidos atinge um nível crítico – o coração comprimido se esforça para bombear o sangue grosso e pesado aos tecidos – os pulmões torturados tentam tomar pequenos golpes de ar. Os tecidos, marcados pela desidratação, mandam estímulos para o cérebro.  
JESUS  suspira de sede. Uma esponja embebida em vinagre, vinho azedo, o qual era o resto da bebida dos soldados romanos, é levantada aos Seus lábios. Ele, aparentemente, não toma este líquido. O corpo de JESUS  chega ao extremo, e Ele pode sentir o calafrio da morte passando sobre Seu corpo. Este acontecimento traz as Suas próximas palavras – provavelmente, um pouco mais que um suspiro de tortura.
 
ESTÁ CONSUMADO :
Sua missão de sacrifício está completa. Finalmente, Ele permite o Seu corpo morrer.
Com uma última força, Ele mais uma vez pressiona o Seu peso sobre os pés contra o prego, estica as Suas pernas e toma profundo fôlego e grita Seu último clamor: “PAI, EM TUAS MÃOS ENTREGO O MEU ESPÍRITO”.           
Por causa da Páscoa, a tradição dizia que o réis ainda vivos, deveriam ser retirados da cruz e quebradas as suas pernas. No caso de JESUS  isto era desnecessário.
 
CONCLUSÃO: 
Aparentemente, para ter certeza da morte, um soldado traspassou sua lança entre o quinto espaço entre as costelas, enfiado para cima em direção ao pericárdio, até o coração. O verso 34 do capítulo 19 do evangelho de João diz: “ E imediatamente verteu sangue e água.” Isto era escape de fluido do saco que recobre o coração, e o sangue do interior do coração. Nós, portanto, concluímos que nosso Senhor morreu, não de asfixia, mas de um enfarte de coração, causado por choque e constrição do coração por fluidos no pericárdio.
 
A seguir A SENTENÇA DE CRISTO :  Cópia autêntica da Peça do Processo de CRISTO, existente no Museu da Espanha.
 
No ano dezenove de TIBÉRIO CÉSAR, Imperador Romano de todo o mundo, Monarca Invencível, na Olimpíada cento e vinte e um, e na Elíada vinte e quatro, da criação do mundo, segundo o número e cômputo dos Hebreus, quatro vezes mil cento e oitenta e sete, do progênio, do Romano Império, no ano setenta e três, e na libertação do cativeiro de Babilônia, no ano mil duzentos e sete, sendo governador da Judéia; QUINTO SÉRGIO, sob o regimento e governador da cidade de Jerusalém, Presidente Gratíssimo, PÔNCIO PILATOS; regente, na baixa Galiléia, HERODES ANTIPRAS; pontífice do sumo sacerdote, CAIFÁS; magnos do templo, ALIS ALMAEL, ROBAS ACASEL, FRANCHINO CEUTAURO; cônsules romanos da cidade de Jerusalém; QUINTO CORNÉLIO SUBLIME e SIXTO RUSTO, no mês de março e dia XXV do ano presente – EU, PÔNCIO PILATOS, aqui Presidente do Império Romano, dentro do Palácio e arqui-residência, julgo, condeno e sentencio à morte, JESUS , chamado pela plebe – CRISTO NAZARENO – e Galileu de nação, homem, sedicioso, contra a Lei Mosaica – contrário ao grande Imperador TIBÉRIO CÉSAR. Determino e ordeno por esta, que se lhe dê morte na cruz, sendo pregado com cravos como todos os réus, porque congregando e ajustando homens, ricos e pobres, não tem cessado de promover tumultos por toda a Judéia, dizendo-se filho de DEUS e REI DE ISRAEL, ameaçando com a ruína de Jerusalém e do sacro Templo, negando o tributo a César, tendo ainda o atrevimento de entrar com ramos e em triunfo, com grande parte da plebe, dentro da cidade de Jerusalém. Que seja ligado e açoitado, e que seja vestido de púrpura e coroado de alguns espinhos, com a própria cruz aos ombros para que sirva de exemplo a todos os malfeitores, e que, juntamente com ele, sejam conduzidos dois ladrões homicidas; saindo logo pela porta sagrada, hoje ANTONIANA, e que se conduza JESUS ao monte público da Justiça, chamado CALVÁRIO, onde, crucificado e morto ficará seu corpo na cruz, como espetáculo para todos os malfeitores, e que sobre a cruz se ponha, em diversas línguas, este título: JESUS NAZARENUS, REX JUDEORUM. Mando, também, que nenhuma pessoa de qualquer estado ou condição se atreva, temerariamente, a impedir a Justiça por mim mandada, administrada e executada com todo o rigor, segundo os Decretos e Leis Romanas, sob as penas de rebelião contra o Imperador Romano. Testemunhas da nossa sentença: Pelas doze tribos de Israel: RABAM DANIEL, RABAM JOAQUIM BANICAR, BANBASU, LARÉ PETUCULANI, Pêlos fariseus: BULLIENIEL, SIMEÃO, RANOL, BABBINE, MANDOANI, BANCURFOSSI. Pêlos hebreus: MATUMBERTO. Pelo Império Romano e pelo Presidente de Roma: LÚCIO SEXTILO e AMACIO CHILICIO.
 
Observação:
Como a bíblia não narra esses pormenores, consideremos como mais um apêndice para ilustração de nossa lição os fatos relatados acima.
Ev.Luiz Henrique de Almeida silva
 
********************************************************************************************************************************
OBS.: Na verdade DEUS escolheu o dia, a hora, o tempo, a estação, o ano, a era, o local, os protagonistas e até o cordeiro. Tudo estava preparado para aquele dia e hora, JESUS veio para isso mesmo.
Gl 3.13 CRISTO nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós, porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro;
 
V- POR QUE A CRUZ?
A Cruz
Jo 18.31- Disse-lhes, pois Pilatos: “Levai-o vós e julgai-o segundo a vossa lei. Disseram-lhe então os judeus: a nós não é licito matar pessoa alguma”.
Pela lei judaica JESUS deveria morrer apedrejado (?). As leis romanas, por decreto de César o imperador, havia proibido aos judeus o direito de matarem qualquer pessoa, mesmo que em suas leis fosse permitido;
A morte de JESUS CRISTO na cruz já estava vaticinada a cerca de 700 anos antes, através do profeta Isaías como lemos no capítulo 53 de seu livro; também lemos em Deuteronômio (Dt 21.23) que é maldito todo aquele que morre em um madeiro (no caso uma cruz).
Como JESUS precisava levar sobre si os nossos pecados e nossas iniqüidades e também nossas maldições (Dt 28) a condenação estava dentro dos planos de DEUS, pois fomos comprados através desse sacrifício vicário de CRISTO, na cruz do calvário (Gl 3.13).
Também a morte de cruz era tanto a maneira gentílica como a maneira judia de um maldito morrer, significando para nós que JESUS não morreu só por Judeus, mas também por nós.
 
O Poder
Jo 19.11- “Respondeu JESUS:Nenhum poder terias contra mim, se de cima te não fosse dado; mas aquele que me entregou a ti maior pecado tem.
 
 
 
 
“SATANEIRA” = definição = para os ratos se armam ratoeiras mas para satanás DEUS armou uma sataneira.
 Algumas seitas demoníacas têm feito significativos esforços no sentido de denegrir a obra expiatória de CRISTO na cruz do calvário e uma das artimanhas utilizadas pelas mesmas tem sido a de incutir, nas mentes cauterizadas de seus adeptos fanáticos, a doutrina que diz ter o filho de DEUS cometido pecados e portanto sua condenação teria sido justa, pois era digno de morte. A palavra de DEUS já nós diz em 1Co 1.19 que: A palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de DEUS.
Ao lemos 1 Co 1.21 descobrimos que só através da sabedoria se pode conhecer o plano de redenção que DEUS preparou para o homem, senão vejamos:
A palavra de DEUS nos afirma na carta de Paulo aos romanos em 6.23, que o salário do pecado é a morte, mas JESUS tendo sido concebido do ESPÍRITO SANTO e através de uma virgem, não nasceu da semente corruptível do homem mas da semente incorruptível de DEUS, portanto sem pecado (Hb 9.14 e 9.27,28).
 
Prestemos atenção à palavra de DEUS em Jo 10.17,18, onde lemos: ”Por isto o PAI me ama, porque dou a minha vida para tornar a tomá-la. Ninguém me tira de mim, mas eu de mim mesmo a dou; tenho poder para dar, e poder para tornar a tomá-la. Este mandamento recebi de meu PAI”. Deduzimos, é lógico, que JESUS escolheu a hora, o lugar, o dia e a maneira que fosse sua morte; não foi obra de satanás e nem de homens, mas a sataneira de DEUS para o diabo que pensou ter matado o filho de DEUS e até comemorou, mas o que ele recebeu foi um pisão na cabeça, para que se cumprisse Gn 3.15 e ainda JESUS lhe tomou a coroa da vida e as chaves do inferno e da morte, vencendo assim o inimigo de nossas almas (Leia: Ap 2.10; 3.11,12; e principalmente 1.17,18). O que você está esperando para concretizar essa obra?
 
 
 A CRUZ ERA NECESSÁRIA PORQUE JESUS CRISTO NOS
SUBSTITUIU ALI, QUE ERA NOSSO LUGAR.
 
ELE MORREU POR NOSSOS PECADOS, ELE MORREU A NOSSA MORTE, EM NOSSO LUGAR.
 
ELE LEVOU SOBRE SI NOSSOS PECADOS, DOENÇAS
E INIQÜIDADES
 
(Is 53; Gl 3.13; 1 Pe 2:24)
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
A CRUZ ERA LUGAR DE CONDENADO: Gl 3:13 "CRISTO nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro"; Dt 21:22 Se um homem tiver cometido um pecado digno de morte, e for morto, e o tiveres pendurado num madeiro, 23 o seu cadáver não permanecerá toda a noite no madeiro, mas certamente o enterrarás no mesmo dia; porquanto aquele que é pendurado é maldito de DEUS. Assim não contaminarás a tua terra, que o Senhor teu DEUS te dá em herança.
 
SE "TODOS PECARAM E DESTITUÍDOS ESTÃO DA GLÓRIA DE DEUS" (Rm 3.23), ENTÃO TODOS NÓS MERECÍAMOS MORRER E MORTE DE CRUZ. O PECADO MERECE CASTIGO OU SEJA MALDIÇÃO. JESUS VEIO NOS SUBSTITUIR NAQUELA CRUZ; O SACRIFÍCIO DE UM EM LUGAR DE MUITOS. 
Rm 5.16 Também não é assim o dom como a ofensa, que veio por um só que pecou; porque o juízo veio, na verdade, de uma só ofensa para condenação, mas o dom gratuito veio de muitas ofensas para justificação. 17 Porque, se pela ofensa de um só, a morte veio a reinar por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só, JESUS  CRISTO. 18 Portanto, assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação e vida. 19 Porque, assim como pela desobediência de um só homem muitos foram constituídos pecadores, assim também pela obediência de um muitos serão constituídos justos.
 
VI- A MORTE DE JESUS CRISTO FOI UMA:
 
1-    EXPIAÇÃO: Lv 23:2828 Nesse dia não fareis trabalho algum; porque é o dia da expiação, para nele fazer-se expiação por vós perante o Senhor vosso DEUS. 29 Pois toda alma que não se afligir nesse dia, será extirpada do seu povo. = PURGAR, LANÇAR FORA, COBRIR. REMOVER NOSSO PECADO COBRINDO-O C/ SANGUE. 1 Pe 2:24; 2Co 5:21; 1 Jo 1:7 mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de JESUS  seu Filho nos purifica de todo pecado.
 
2-    PROPICIAÇÃO: 1 Jo 2:2; Rm 3:25 ao qual DEUS propôs como propiciação, pela fé, no seu sangue, para demonstração da sua justiça por ter ele na sua paciência, deixado de lado os delitos outrora cometidos; Hb 2:17; 1 Jo 4:10 = APLACAR, ACALMOU A IRA DE DEUS; ASSIM PODEMOS CHEGAR À PRESENÇA DELE.
 
3-    SUBSTITUIÇÃO: Is 53:64 Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e carregou com as nossas dores; e nós o reputávamos por aflito, ferido de DEUS, e oprimido. 5 Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e esmagado por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. ; Rm 5:6 = SUBSTITUTO NOSSO NA CRUZ, O CORDEIRO NA PÁSCOA SUBSTITUÍA O PRIMOGÊNITO. CRISTO NOSSA PÁSCOA MORREU POR NÓS.
 
4-    REDENÇÃO: Mt 20:28; Ap 5:9; 14:3,4; Gl 3:13; Tt 2:14; 1 Pe 1:18; Hb 9:12 e não pelo sangue de bodes e novilhos, mas por seu próprio sangue, entrou uma vez por todas no santo lugar, havendo obtido uma eterna redenção. Sl 49:8; Ef 1:7,14; Ef 4:30; Cl 1:14 = COMPRAR POR PREÇO ALGO VENDIDO ( 1 Co 6:20 = Porque fostes comprados por preço; glorificai pois a DEUS no vosso corpo.); RESGATAR DA MÃO D’OUTREM. Lv 25:47-49 (TODO O CAPÍTULO, ANO DO JUBILEU). 47 Se um estrangeiro ou peregrino que estiver contigo se tornar rico, e teu irmão, que está com ele, empobrecer e vender-se ao estrangeiro ou peregrino que está contigo, ou à linhagem da família do estrangeiro, 48 depois que se houver vendido, poderá ser remido; um de seus irmãos o poderá remir;49 ou seu tio, ou o filho de seu tio, ou qualquer parente chegado da sua família poderá remi-lo; ou, se ele se tiver tornado rico, poderá remir-se a si mesmo.
 
5-    RECONCILIAÇÃO: 2 Co 5:18 Mas todas as coisas provêm de DEUS, que nos reconciliou consigo mesmo por CRISTO, e nos confiou o ministério da reconciliação; Cl 1:21; Rm 5:11; Rm 11:1520 e que, havendo por ele feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na terra como as que estão nos céus. Éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras más,22 agora contudo vos reconciliou no corpo da sua carne, pela morte, a fim de perante ele vos apresentar santos, sem defeito e irrepreensíveis, 23 se é que permaneceis na fé, fundados e firmes, não vos deixando apartar da esperança do evangelho que ouvistes, e que foi pregado a toda criatura que há debaixo do céu = DEUS NÃO FICA PARA SEMPRE INTRIGADO COM O PECADOR, É ELE PRÓPRIO QUE NOS PROCURA PARA RECONCILIAÇÃO.
 
*** PROVA DE TUDO ISTO. JESUS SALVA, CURA, LIBERTA, BATIZA  COM O ESPÍRITO SANTO E LEVA-NOS PARA O CÉU.
 
 
 
 
RESUMO DA LIÇÃO DA CPAD
1º TRIMESTRE DE 2008
Vicário: Aquele que se coloca no lugar do outro; substituto.
O termo descreve a morte substituta de JESUS .
I. A MORTE DE JESUS FOI PREDITA
NO ANTIGO TESTAMENTO
1. A promessa do sacrifício de JESUS .
2. "Segundo as Escrituras".
II. O DIA DA CRUCIFICAÇÃO
1. O dia se tornou em trevas (v. 44).
2. O véu rasgado (v. 45).
3. O brado de JESUS  (v. 46).
4. A reação do centurião e da multidão (vv. 47, 48).
5. Evidências externas.
III. O SACRIFÍCIO VICÁRIO
1. A morte vicária.
2. A reconciliação pelo sangue.
3. A provisão de DEUS para a salvação.
4. Os opositores da cruz de CRISTO.
CONCLUSÃO
JESUS  morreu por toda a humanidade, a fim de expiar,
diante de DEUS, todos os nossos pecados.
 
SINOPSE DO TÓPICO (1): A morte vicária de JESUS  foi amplamente profetizada no Antigo Testamento. O AT descreve minúcias do sofrimento e morte de JESUS .
SINOPSE DO TÓPICO (2): Imediatamente após a morte de JESUS , vários eventos atestaram a inocência, a filiação divina e o sacerdócio perfeito de nosso Senhor JESUS  CRISTO.
SINOPSE DO TÓPICO (3): A morte vicária de JESUS  proporciona ao crente reconciliação com DEUS. JESUS  é a única provisão de DEUS para a salvação do homem.
 
***********************************************************************************************************************************************
 
QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 11 - A MORTE VICÁRIA DE JESUS
RESPONDA CONFORME A REVISTA DA CPAD - 1º TRIMESTRE DE 2008
 
TEXTO ÁUREO
1- Complete:
"Porque primeiramente vos entreguei o que também _____________________: que Cristo __________________ por nossos pecados, segundo as _________________________________" (1 Co 15.3).
 
VERDADE PRÁTICA
2- Complete:
Jesus _________________ por nossas ___________________, libertando-nos do ______________________ do pecado, que é a morte.
 
INTRODUÇÃO:
3- O que quer dizer "Vicário"? Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso:
(    ) Aquele que se coloca no lugar do outro; substituto.
(    ) O sacerdote arônico.
(    ) O termo descreve a morte substituta de Jesus.
 
I. A MORTE DE JESUS FOI PREDITA NO ANTIGO TESTAMENTO
4- Onde encontramos a primeira referência ao anúncio da vinda do Messias que já estava vinculada à sua morte e à promessa do sacrifício de Jesus? Coloque "X" na resposta correta:
(    ) Gn 1.15. "esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar" 
(    ) Gn 2.15. "esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar" 
(    ) Gn 3.15. "esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar" 
 
5- Com o passar dos tempos, a quem Deus escolheu e prometeu-lhe suscitar, dentre os seus descendentes, o Redentor (Gn 12.1-7; Gl 3.16)? Coloque "X" na resposta correta:
(    ) O patriarca Adão.
(    ) O patriarca Abraão.
(    ) O patriarca Salomão.
 
6- Dentre os filhos de Jacó, a quem Deus escolheu para ser um dos progenitores legais do Messias (Gn 49.10)? Coloque "X" na resposta correta:
(    ) Judá.
(    ) Levi.
(    ) Simeão.
 
7- Onde são descritos os pormenores, "Segundo as Escrituras", da morte física de Jesus? Coloque "X" na resposta correta:
(    ) Salmos 21 e Isaías 54.
(    ) Salmos 22 e Isaías 53.
(    ) Salmos 27 e Isaías 55.
 
8- Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso:
(    ) Jesus afirmou que a Lei de Moisés e os Profetas se convergem nEle, sendo sua paixão e morte o cumprimento das Escrituras Sagradas.
(    ) Os quatro Evangelhos apontam essa morte como cumprimento dos profetas.
(    ) O sacrifício de Jesus é a conclusão dos ensinamentos do Antigo Testamento.
(    ) Os quatro Evangelhos contam a história da morte de JESUS, sem levarem em conta os profetas do Antigo testamento.
 
II. O DIA DA CRUCIFICAÇÃO
9- Até a natureza foi afetada com a morte do Filho de Deus, como? Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso:
(    ) O Sol negou a sua luz em pleno dia.
(    ) A terra permaneceu estável e estagnada.
(    ) Houve trevas em toda a Terra desde o meio-dia até às três horas da tarde.
(    ) Não foi um eclipse solar; tratava-se de uma escuridão sobrenatural.
(    ) Começaram às 09:00 horas da manhã, o terremoto, as trevas e a chuva, e só pararam às 18:00horas.
 
10- Complete:
Quando Jesus morreu, o __________________ do templo se rasgou em duas partes, de alto a baixo. O "véu do templo" era a cortina que separava o lugar Santo do lugar ________________________ , onde somente o sumo sacerdote entrava uma vez por ano, no dia da expiação (Êx 26.33; 30.10; Lv 16.15). O __________ rasgado revela que a morte de Jesus abriu a todos os seres humanos o caminho para Deus (Hb 6.19, 20; 10.19, 20). O significado espiritual desse acontecimento se afirma claramente em Hebreus 9.1-14; 10.19-22.
 
11- Complete:
Ele deu sua vida pelos pecadores, como havia prometido. A minha vida, disse, "ninguém ma tira de mim, mas eu de ___________ mesmo a dou" (Jo 10.18). Jesus entregou o espírito com "grande brado" (Mc 15.37) ou com "grande _______________ " (Lc 23.46; Mt 27.50). O termo "está _____________________" (Jo 19.30), tanto em grego como em aramaico, é uma só palavra. O brado de Jesus na cruz, declarando haver concluído a obra da redenção e entregando ao Pai o espírito, indica triunfo. Ele foi crucificado, mas vitorioso, cumpriu a sua missão gloriosamente.
 
12-Quais foram as reações do centurião e da multidão diante da morte de Jesus, que foi um acontecimento ímpar? Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso:
(    ) O centurião reconheceu haver crucificado um homem justo.
(    ) A multidão "voltava batendo nos peitos" (v. 48) como gesto de aturdimento.
(    ) O povo se converteram e se revoltaram contra os sacerdotes judeus..
 
13- Quais evidências externas atestam o sacrifício de Jesus? Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso:
(    ) Historiadores judeus e romanos atestaram o sacrifício de Jesus.
(    ) A conversão dos sacerdotes e dos fariseus ao cristianismo.
(    ) O fato foi registrado por Flávio Josefo, historiador judeu do primeiro século da Era Cristã.
(    ) A literatura judaica antiga também menciona a morte de Jesus.
 
III. O SACRIFÍCIO VICÁRIO
14- Complete:
A morte _________________________. O termo "vicário" significa "o que faz as ____________________ de outro; substituto". A morte vicária significa morte substitutiva, pois Jesus morreu, derramando o seu ____________________, em nosso lugar.
 
15- Qual era o ensino teológico dos apóstolos sobre a morte de Jesus? Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso:
(    ) Ensinavam que Cristo morreu em nosso lugar.
(    ) Ensinavam que CRISTO começou nossa salvação e que depois voltaria para terminá-la.
(    ) Ensinavam que Deus propôs o sangue de seu Filho como propiciação pelos nossos pecados.
(    ) Ensinavam que JESUS fez o primeiro sacrifício para nossa salvação, agora precisamos completar esse sacrifício para sermos salvos.
 
16- O Antigo Testamento anunciava a vinda de Jesus, sua paixão e morte, apresentando também a importância do sangue, no sacrifício do Calvário, o que foi confirmado no Novo Testamento. Diante disso Coloque "V" para Verdadeiro e "F" para Falso:
(     ) É o sangue que fará expiação pela alma.
(     ) Sem derramamento de sangue não há remissão.
(     ) O sangue é um ingrediente a mais na remissão dos pecados.
 
17- O que significa Expiação? Coloque "X" na resposta correta:
(    ) Reunir forças para olhar a salvação.
(    ) Significa "remir a culpa", e, por extensão, "reconciliação".
(    ) É a restauração de uma relação quebrada.
 
18- Complete segundo a provisão de Deus para a salvação:
A Bíblia ensina que "______________________ pecaram e destituídos estão da glória de Deus" (Rm 3.23) e que o homem é incapaz de ______________-se (Is 64.6; Ef 2.8,9) e de ir para o céu pela sua própria força, justiça e bondade. Deus proveu a salvação de maneira que a paz e a justiça se encontrassem (Sl 85.10). O sacrifício de _________________________satisfez toda a justiça da Lei e dos profetas.
 
19- Quem são os opositores da cruz de Cristo que negam terminantemente a morte de Jesus e onde está registrado isso? Coloque "X" na resposta correta:
(    ) Os muçulmanos, registrado no Corão ou Alcorão.
(    ) Os católicos romanos, registrado na sua bíblia apócrifa.
(    ) Os hindus, registrado em seus livros espíritas.
 
CONCLUSÃO
20- Complete:
Jesus morreu por toda a ____________________________, a fim de expiar, diante de Deus, todos os nossos ____________________. O nascimento, a morte e a ressurreição de Jesus foram os acontecimentos mais importantes da história da humanidade. Então, curvemo-nos diante da "cruz" para recebermos o perdão de Cristo e adoremos aquEle que morreu e ressuscitou para dar-nos a __________________eterna.
 
 
Assista aos vídeos da lição e veja as respostas das perguntas.
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
 
*********************************************************************************************************************************************
AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO
Subsídio Teológico
"O Sacrifício Expiatório
O sacrifício expiatório do Messias foi ensinado nas profecias e símbolos do Antigo Testamento, e JESUS  compreendia perfeitamente as Escrituras judaicas. Todo o sistema sacrificial mosaico e o sacerdócio que o mantinha eram símbolos e sombras das Boas Novas vindouras. JESUS  tinha conhecimento de que os demais judeus sabiam que o núcleo desse sistema era Levítico 17.11: 'Porque a vida da carne está no sangue. Eu vo-lo tenho dado sobre o altar, para fazer expiação pela vossa alma, porquanto é o sangue que fará expiação em virtude da vida'.
Ao 'anunciar o seu nascimento', JESUS  declarou que a sua encarnação lhe deu um corpo que Ele ofereceria como sacrifício pelos pecados do mundo. Portanto, quando veio ao mundo, Ele disse: 'Por isso, ao entrar no mundo, diz: Sacrifício e oferta não quiseste; antes, corpo me formaste; não te deleitaste com holocaustos e ofertas pelo pecado. Então, eu disse: Eis aqui estou (no rolo do livro está escrito a meu respeito), para fazer, ó DEUS, a tua vontade' (Hb 10.5-7).
JESUS  se entregaria como oferta queimada, em submissão total a DEUS, assim como oferta pelo pecado para pagar o preço das nossas ofensas contra DEUS."
(WIERSBE, W. W. O que as palavras da cruz significam para nós. Rio de Janeiro: CPAD, 2001, pp.12-3.)
 
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
LUCADO, M. Graça para o momento. RJ: CPAD, 2004.
WIERSBE, W. W. O que as palavras da cruz significam para nós. RJ: CPAD, 2001.
 
APLICAÇÃO PESSOAL
"Você é Especial (Rm 8.39)
Desejamos saber até onde o amor de DEUS resistirá... Não apenas no domingo de Santa Ceia, quando estamos com os sapatos brilhando e os cabelos arrumados... Não quando estou animado e confiante, e pronto para resolver o problema da fome no mundo. Não. Sei como Ele se sente a meu respeito nestes momentos. Até eu gosto de mim nestas horas.
Quero saber o que Ele sente por mim quando disparo contra qualquer coisa que se move, quando os meus pensamentos estão ao nível da sarjeta, quando minha língua está afiada o suficiente para fatiar uma rocha. Como Ele se sente a meu respeito então?...
Pode alguma coisa separar-nos do amor que CRISTO tem por nós?
DEUS respondeu nossa pergunta antes que a formulássemos. Para que enxergássemos a sua resposta, Ele iluminou o céu com uma estrela. Para que a ouvíssemos, Ele encheu a noite com um coral; e para que crêssemos nela, Ele fez que o homem algum jamais sonhara. Ele se fez carne e habitou entre nós, morreu e ressuscitou ao terceiro dia." (LUCADO, M. Graça para o momento. RJ: CPAD, 2004, p.27.).
 
Ajuda:
CPAD - www.cpad.com.br - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas.
www.escoladominical.com.br  -  www.ebdweb.com.br
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm (VÍDEOS da EBD na TV)
BÍBLIA ILUMINA EM CD 
Nosso novo endereço:
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
Bíblia Thompson
(Revista CPAD ►2º trimestre de 1994 - Estevam Ângelo de Souza)