Index
Estudos
EBD
Discipulado
Mapas
Igreja
Ervália
Corinhos
Figuras1
Figuras2
Vídeos
Fotos
 
 
LIÇÃO 03 - PARTIDARISMO NA IGREJA
Lições Bíblicas Aluno - Jovens e Adultos - 2º TRIMESTRE DE 2009
1Coríntios - Os Problemas da Igreja e Suas Soluções
Comentários do Pr. Antônio Gilberto
Complementos e questionários: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
QUESTIONÁRIO
 
 
 
 
TEXTO ÁUREO
"Oh! Quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união!"  (Sl 133.1).
 
 
VERDADE PRÁTICA
A Igreja de Jesus é um corpo espiritual no qual a unidade do Espírito só pode ser conservada pelo vínculo da paz.
 
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE  1 Coríntios 1.10-13; 3.1-6.
1 Coríntios 1.10-13
10 Rogo-vos, porém, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que digais todos uma mesma coisa e que não haja entre vós dissensões; antes, sejais unidos, em um mesmo sentido e em um mesmo parecer. 11 Porque a respeito de vós, irmãos meus, me foi comunicado pelos da família de Cloe que há contendas entre vós. 12 Quero dizer, com isso, que cada um de vós diz: Eu sou de Paulo, e eu, de Apolo, e eu, de Cefas, e eu, de Cristo. 13 Está Cristo dividido? Foi Paulo crucificado por vós? Ou fostes vós batizados em nome de Paulo?
 
1 Coríntios 3.1-6.
1 E eu, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, mas como a carnais, como a meninos em Cristo. 2 Com leite vos criei e não com manjar, porque ainda não podíeis, nem tampouco ainda agora podeis; 3 porque ainda sois carnais, pois, havendo entre vós inveja, contendas e dissensões, não sois, porventura, carnais e não andais segundo os homens? 4 Porque, dizendo um: Eu sou de Paulo; e outro: Eu, de Apolo; porventura, não sois carnais? 5 Pois quem é Paulo e quem é Apolo, senão ministros pelos quais crestes, e conforme o que o Senhor deu a cada um? 6 Eu plantei, Apolo regou; mas Deus deu o crescimento
 
INTRODUÇÃO
Paulo identifica os principais problemas da igreja: as dissensões provocadas pelos vários grupos partidários. No original, a palavra "dissensão" (ARC) e "divisão" (ARA), procedem de uma raiz que significa "fragmentar", "dividir", "rasgar".
Paulo os chama de carnais devido a esses problemas em seu meio e lhes diz da dificuldade de poder-lhes falar coisas altíssimas, pois a pouca experiência com DEUS por parte deles, o impedia de revelar-lhes grandes coisas da intimidade de DEUS.
Paulo corrige os Coríntios sobre sua divisão e explica sobre os ministérios de CRISTO na igreja e a função de cada um deles, e acima de tudo, que tudo o que tinham ou ensinavam ou pregavam, vinha de DEUS, que dá o crescimento.
 
Palavra Chave: Partidarismo - O ato de tomar partido de algo ou alguém.
 
Tabela com quatro termos e suas respectivas referências bíblicas sobre a divisão na igreja:
 
 
 
I PARTE
Grupos na igreja de Corinto
Começaram a surgir facções entre os dirigentes da igreja de Corinto. Alguns membros da igreja passaram a considerar mais a certos ministros do evangelho do que o próprio evangelho. Paulo condena essa atitude, e os faz lembrar que nem ele, nem qualquer outro homem foi crucificado por amor a eles. Esse mesmo erro ainda existe hoje. Alguns crentes se apegam mais a um certo pastor ou evangelista do que a CRISTO e à sua Palavra. Essa atitude pode torná-los infiéis aos princípios cristãos e até mesmo levá-los a dividir a igreja. Sempre devemos tomar o cuidado de concentrar nosso amor, devoção e lealdade em DEUS e na sua Palavra; não em qualquer pastor ou outra pessoa.
Apolo - Os gregos que admiravam um excelente orador ou pregador.
Paulo - Os romanos e os escravos que viam na simplicidade e no ensino de Paulo sua liberdade em CRISTO.
Pedro - O grupo judaico, com sua rígida disciplina e doutrina severa, baseada na lei.
CRISTO - Os religiosos em extremo, que priorizavam a operação dos dons em detrimento da doutrina. Se julgavam mais santos do que os outros, que achavam dispensáveis as lideranças da igreja.
O "partido de CRISTO" provavelmente consistia dos falsos mestres que eram inimigos do apóstolo Paulo (4.18,19) e que alegavam ter espiritualidade e "sabedoria" superiores. Acreditavam que seus conhecimentos ("ciência", 8.1) os isentavam das restrições da lei (6.12; 10.23) e das exigências da moralidade (5.2). Estavam procurando induzir a igreja para o seu evangelho distorcido (2 Co 11.4,20,21). É contra eles e contra os seus discípulos em Corinto, que Paulo sustenta um conflito.
 
Qual o interesse do Diabo em causar divisão na igreja (já que ele é o mais interessado nisso)?
Sabemos que um exército dividido não vence batalhas. Também sabemos que onde existem vários líderes ausentes, não se consegue crescer espiritualmente.
 
Eu sou de""... indica a exaltação de uma pessoa como um ídolo e causa sempre divisão e distúrbios à igreja.
Tudo isso indica que a igreja era imatura, era carnal.
 
Embora haja momentos em que uma divisão seja necessária (quando, por exemplo, uma denominação abandona as Escrituras como regra de fé e prática), percebemos que as causas do intenso divisionismo evangélico no Brasil são intrinsecamente corintianas: imaturidade, carnalidade, culto à personalidade, orgulho espiritual, mundanismo. Nem sempre os líderes são culpados do culto à personalidade que crentes imaturos lhes prestam. Paulo, Apolo e Pedro certamente teriam rejeitado a formação de fã-clubes em torno de seus nomes. De qualquer forma, os líderes evangélicos sempre deveriam procurar evitar dar qualquer ocasião para que isto ocorra, como o próprio Paulo havia feito (1 Coríntios 1.13-17). Infelizmente, o conceito de ministério que prevalece em muitos quartéis evangélicos de hoje é exatamente aquele que Paulo combate em 1 Coríntios.
 
II PARTE
CARNAIS. Um dos problemas principais da igreja de Corinto era sua tentativa de desfrutar das bênçãos de DEUS e ao mesmo tempo recusar separar-se dos maus caminhos do mundo.
(1) Os dirigentes da igreja de Corinto deixavam os novos crentes permanecer nas congregações sem abandonarem muitas de suas práticas pecaminosas. Os coríntios estavam tolerando na igreja: divisões egoístas (11.18), filosofia mundana (1.18-25; 3.19), inveja e contenda (3.3), orgulho (3.21; 4.7), imoralidade (5.1), ações banais na justiça (6.1-8), freqüência a festas idólatras (caps. 8; 10), e a rejeição dos ensinos apostólicos (14.36,37). Os coríntios deixaram de perceber a necessidade absoluta da verdade apostólica, do amor e dos padrões da piedade (6.9,10; 13); passaram a exercitar erroneamente os dons do ESPÍRITO (caps. 12; 14); profanar a Ceia do Senhor (11.20-34), e distorcer a mensagem do evangelho (1.18-31).
(2) O próprio JESUS adverte que qualquer igreja que tolera dentro da sua comunhão as práticas iníquas deste mundo ou a distorção da verdade bíblica (ver Ap 2.20), será rejeitada por Ele e perderá seu lugar no reino de DEUS (ver Ap 2.5,16; 3.15,16). À tal igreja, o ESPÍRITO chama ao arrependimento sincero (5.2), à separação do mundo (2 Co 6.16-18) e a "aperfeiçoar a santificação no temor de DEUS" (2 Co 7.1)
AINDA SOIS CARNAIS. Crentes carnais são os que eram fiéis e se tornaram infiéis e os espirituais são os que permanecem fiéis.
SOIS O TEMPLO DE DEUS. A ênfase, aqui, recai na congregação inteira, i.e., os crentes como o templo de DEUS e como a habitação do ESPÍRITO SANTO (cf. v. 9; 2 Co 6.16; Ef 2.21). Como o templo de DEUS em meio a uma sociedade perversa, o povo de DEUS em Corinto não devia participar dos pecados prevalecentes naquela sociedade. Devia rejeitar todas as formas de imoralidade. O templo de DEUS deve ser santo (v. 17), porque DEUS é santo (cf. 1 Pe 1.14-16).
 
Dons de Cristo (Ministérios):  
    E ele deu uns como apóstolos, e outros como profetas, e outros como evangelistas, e outros como pastores e mestres.(Ef 4:11)
São pessoas dadas à Igreja, para orientá-la e guiá-la, fazendo-a crescer.
Para edificar e fortalecer a noiva de CRISTO, que é a Igreja. Assim como no corpo humano temos cinco sentidos (olfato, visão, tato, paladar e audição), assim também no corpo de CRISTO, na terra, a igreja tem cinco ministérios, cada um com sua função, todos com o mesmo objetivo: Salvação e Edificação do corpo de CRISTO na Terra, a Igreja. São eles: Apóstolos (missionários), Profetas (Falam de coisas futuras), Evangelistas (pregadores), Pastores (administram) e Doutores ou mestres (instruem).
 
Os ministros na igreja – 3.5 a 4.21.
Quem são? 3.5
Como agricultores – 3.6-8.
Colaboradores – 3.10.
Edificadores – 3.10.
Despenseiros – 4.1.
Ministros (servos) – 4.1.
Sofredores! – 4.9-13 (Paulo se refere aos ministros como: últimos, condenados, espetáculo, loucos, fracos, desprezíveis. Esta seria a visão do mundo a respeito deles).
Exemplo para a igreja – 4.16.
 
A liderança, hoje, está centralizada nas mãos de um homem - o pastor.
A Bíblia nos apresenta diversos ministérios eclesiásticos. Se Deus os estabeleceu, é porque eles são necessários e indispensávis. O que se vê, entretanto, é que apenas o ministério pastoral é valorizado atualmente. Creio que os outros ministérios existem, mas não são reconhecidos. Quando são, parecem estar em um nível bem abaixo do pastorado, e talvez até abaixo do diaconato. As igrejas , em geral, não investem na formação nem na remuneração de outros ministros.
Por exemplo: os evangelistas, exceto os grandes vultos internacionais, não são vistos como ministros, a não ser que sejam também pastores.
A igreja torna-se então um retrato desse líder. Se limita aos seus limites e se especializa em suas especialidades e dons. Daí o fato de existirem igrejas "especializadas" em cura, ou expulsão de demônios, ou profecias, ou libertação de viciados, etc. Isto não é ruim. O mal está do outro lado da moeda. Uma igreja "especializada" em curas normalmente é deficiente no ensino da Palavra de Deus. Aí começam os problemas e surgem as heresias. Para evitar esse tipo de situação Deus estabeleceu ministérios vários e distintos na igreja. Precisamos valorizar cada um deles. É necessário descobrir aqueles que os possuem, investir na formação e na remuneração desses ministros. A liderança deve ser praticada pela equipe ministerial. A igreja que assim fizer, será equilibrada, crescerá naturalmente e terá saúde espiritual.
Por isso havia aquela divisão na igreja em Corinto, cada grupo tinha seu líder e sua preferência, pois não compreendiam os diversos ministérios dados por CRISTO à Igreja. Também não havia quem lhes ensinasse a verdade e nem quem os chamassem a atenção.
Cada um tinha seu ministério, e portanto, sua função no reino de DEUS:
Paulo, plantava a mensagem, era um desbravador, um autêntico missionário ou apóstolo.
Apolo era um excelente pregador, um autêntico evangelista.
Cefas ou Pedro era um excelente doutrinador e testemunha ocular do feitos de JESUS, um autêntico pastor.
Não era da vontade de DEUS que algum deles se destacassem em detrimento do outro, mas todos deveriam ser obedecidos e usados pela igreja como bênçãos de DEUS para a mesma.
 
Descobrimos que existem 3 padrões de construção no santuário de Deus (3.10-15):
1) Na construção cristã, qualidade vale tudo (10)
2) Na construção cristã, Cristo é o único fundamento (11)
3) Na construção cristã, seremos premiados conforme nossas obras (12-15)
 
A IGREJA E A DIVERSIDADE DE SEUS MINISTÉRIOS (1 CO 3.1-10)
1. Obreiro plantador de semente da Palavra (vv.6-8).
O que planta, ou que chega primeiro para pregar em determinado local. o missionário, o apóstolo. A semente que deve ser plantada é a mensagem da cruz. A crus atrai o pecador assim como a serpente atrai suas vítimas, por isso JESUS disse que atrairia a todos na cruz assim como a serpente de bronze levantada no deserto.
 
2. Obreiro regador da planta (vv.6-8).
Aquele que discipula, ajuda no crescimento. O regador deve ter muitos orifícios para aguar a planta por inteiro, assim o discipulador deve ajudar o novo convertido em todas as áreas de sua nova vida, agora em CRISTO. É o trabalho do evangelista.
 
3. O obreiro cooperador com os demais (v.9).
O novo convertido precisa se engajara na obra de DEUS, precisa entender que DEUS o chamou para fazer algo muito importante para o reino de DEUS, a salvação das almas. Assim esse obreiro é aquele que treina e leva o novo convertido ao campo de batalha. esse novo convertido deve receber poder e intimidade com o ESPÍRITO SANTO para essa tarefa. esse é o trabalho do profeta.
 
4. Obreiro edificador (v.10).
Esse obreiro é aquele que traz ânimo ao novo convertido, visita-o e aconselha-o, ensina-o sobre as doutrinas básicas da igreja, bem como, seus costumes e modos de comportamento diante da sociedade em que vive. Esse deve ser um obreiro experimentado na vida cristã. Esse obreiro deve ter uma visão de águia, ou seja, uma visão geral da obra de DEUS e de como utilizar cada crente nessa obra, de acordo com a aptidão espiritual de cada um. Esse é o trabalho do pastor.
 
5. Obreiro destruidor (v.17).
É aquele que não considera seu corpo como templo de DEUS, aquele que pensa que DEUS só quer a alma e o espírito, vive de diversão em diversão, não sofre, não intercede. A vida cristã para esse é uma festa, é um falso obreiro, um péssimo exemplo.
 
6. Um alerta profético (vv.12-15).
Existe o obreiro que adverte a igreja, aquele que ensina de maneira o mais compreensível possível, aquele que sistematiza o ensino da Palavra de DEUS e a expõe aos ouvidos dos que desejam ouvir a voz do ESPÍRITO SANTO. Esse obreiro chama a atenção da igreja para o futuro encontro com JESUS, no tribunal de CRISTO. É um desenvolvedor de qualidades do fruto do ESPÍRITO no crente. Esse é o trabalho do mestre, ou professor.
 
 
 
 
RESUMO DA LIÇÃO 03 - PARTIDARISMO NA IGREJA DA CPAD - 2º TRIMESTRE DE 2009
INTRODUÇÃO - Salvos e santos em guerra uns contra os outros.
I. UMA IGREJA, QUATRO PARTIDOS (1 CO 1.10-12)
1. O partido de Paulo: "Eu sou de Paulo" (v.12).
2. O partido de Apolo: "Eu sou de Apolo" (v.12).
3. O partido de Cefas: "Eu sou de Cefas" (v.12).
4. O partido de Cristo: "E eu de Cristo" (v.12).
II. A IGREJA E A DIVERSIDADE DE SEUS MINISTÉRIOS (1 CO 3.1-10)
1. Obreiro plantador de semente da Palavra (vv.6-8).
2. Obreiro regador da planta (vv.6-8).
3. O obreiro cooperador com os demais (v.9).
4. Obreiro edificador (v.10).
5. Obreiro destruidor (v.17).
6. Um alerta profético (vv.12-15).
CONCLUSÃO - Cada crente tem a sua parte na preservação da comunhão e da unidade cristãs.
 
SINOPSE DO TÓPICO (1) - A igreja de Corinto estava dividida em quatro partidos: os de Paulo, os de Apolo, os de Pedro e os de Cristo. Por conseguinte, os liberais, os intelectuais, os legalistas e os exclusivistas.
REFLEXÃO - "As igrejas novas que de um dia para outro se agigantam, geralmente são simples construções, temporárias e aparentes."
SINOPSE DO TÓPICO (2) - Os tipos de obreiros observados no texto são: o plantador, o regador, o cooperador, o edificador e o destruidor.
REFLEXÃO - "Esses mesmos pecados ainda hoje continuam a estragar e corromper os crentes e suas respectivas congregações: libertinagem, legalismo, exclusivismo, dependência da sabedoria e capacidade humanas."
 
A igreja é um povo chamado à comunhão fraternal (9.10-25) - Coleção Comentários Expositivos Hagnos - Hernandes Dias Lopes
Depois que Paulo elogiou a igreja e falou da sua posi­ção em Cristo, começou a tratar dos problemas de divisão que a afligiam. A igreja lidou desde o início com as tensões provocadas pelas divisões. Estamos vivendo uma época fa­tídica neste sentido, onde tantas igrejas se dividem. As pes­soas não têm mais compromisso com a verdade nem com a aliança de amor. Elas firmam um compromisso hoje e amanhã já estão desfazendo esse pacto. David Prior lamen­ta que o triste é que os membros insatisfeitos muitas vezes têm o pensamento ingênuo de que outra igreja na região seria uma opção um pouco melhor. Dessa inquietação sur­ge o hábito comum do “troca-troca” de igrejas.18 William MacDonald assevera que Paulo reprova firmemente o sec­tarismo em Corinto (1.13) mostrando para a igreja que ele não estava procurando ganhar convertidos para ele ou para exaltar seu nome. Seu único propósito era levar homens e mulheres a Cristo.19
Paulo faz três perguntas retóricas no capítulo 1.13. Warren Wiersbe diz que essas perguntas são palavras-chave, para tratar o assunto da divisão dentro da igreja.20
Em primeiro lugar, está Cristo dividido? (1.10-13a). Paulo não prega um Cristo, Apoio outro e Pedro outro ainda. Existe apenas um Salvador e um evangelho (G1 1.6-9).21 “Acaso está Cristo dividido?” Paulo diz que as divisões na igreja são absurdas, porque elas estão levando os crentes a pensar que Paulo está pregando um Cristo, Apoio está pregando outro Cristo e Cefas está pregando ainda outro Cristo. Há somente um Salvador. Há somente um Evangelho. A igreja de Corinto começou a se dividir internamente. Por quê? Porque em vez de a igreja influenciar o mundo, o mundo é que estava influenciando a igreja.
O que estava acontecendo? A sociedade de Corinto estava multifacetada com as suas idéias, líderes, filósofos e pensadores. Quando as pessoas iam às praças e ouviam um pensador ou filósofo, elas diziam: eu sou partidário de fulano de tal; outro afirmava: eu sou seguidor do filóso­fo tal e outro ainda: eu sou seguidor do pensador tal. E essa influência mundana entrou na igreja. É muito triste quando o mundo invade a igreja. A igreja estava seguindo um modelo mundano. E que modelo era esse? O culto à personalidade! A igreja evangélica brasileira vive o peca­do da tietagem. Pregadores e cantores são vistos e tratados como astros, como atores que sobem num palco para dar um show. Essa atitude é um sinal evidente de imaturidade e decadência espiritual.
A primeira carta de Paulo aos coríntios nunca foi tão atual quanto hoje. Muitas igrejas atualmente deixam de olhar
para a mensagem para enaltecer o mensageiro. Precisamos ressaltar que o mais importante não é o mensageiro, mas a mensagem. Paulo precisa perguntar à igreja de Corinto: quem é Paulo? Quem foi Apoio? Simplesmente servos por meio de quem vocês creram! Um plantou, o outro regou, mas o crescimento veio de Deus. Paulo diz à igreja: Não coloquem a atenção em vocês, em líderes humanos. Não ponham o pastor de vocês num pedestal. Não coloquem um homem numa posição em que ele não possa estar! Só Jesus Cristo deve ser exaltado na Igreja de Deus. E todas as vezes que a igreja começa a dar mais importância ao pregador, ao pastor, ao mensageiro que à própria mensagem, ela está prestando culto à personalidade, e isto é pecado.
A natureza humana gosta de seguir líderes carismáticos. Os coríntios enfatizaram mais o mensageiro que amensagem. Por conseguinte, provocaram divisão dentro da igreja. Eles tiraram os olhos do Senhor e os colocaram nos servos do Senhor e isso os levou à competição. Paulo precisou dizer a essa igreja que o culto à personalidade é reflexo de dois pecados: infantilidade espiritual e carnalidade (3.1 -3). Paulo enfatiza que eles eram crianças e também carnais, pelo fato de estarem seguindo a homens. O culto à personalidade é um sinal de carnalidade e imaturidade (3.1-3).
Paulo cuida do assunto de forma transparente (1.11). Muitas vezes quando queremos tratar dos problemas da igreja, não tratamos de maneira semelhante. Paulo ficou sabendo das contendas na igreja (1.10; 7.1; 16.10,11,12,17). Ele informou a igreja sobre o problema e deu o nome de quem lhe trouxe o problema.
Hoje, é comum ouvir comentários assim: “Tem alguém dizendo isso ou aquilo ha igreja”. Outros dizem: “O pesso­al anda comentando isso e aquilo”. Há ainda aqueles que comentam: “Algumas pessoas estão descontentes”. Algumas pessoas, alguém, o pessoal são termos genéricos e indefini­dos que não devem ser usados. Paulo agiu diferente. Ele diz que os irmãos da casa de Cloe o informaram que esta­va acontecendo divisão dentro da igreja. Paulo é específico quanto à informante e quanto à informação. Essa transpa­rência neutraliza a maledicência dentro da igreja. Quando as coisas são trabalhadas em um ambiente de abertura e de transparência, o mal é tratado e resolvido sem deixar feri­das, mágoas e ranços.
Depois de apontar o problema, Paulo roga aos irmãos que em nome de Jesus falem a mesma coisa. Que não haja entre eles divisões. A palavra “divisão” é a palavra grega cisma, cujo significado é rasgar um tecido. O que Paulo está dizendo é que havia na igreja algo como um tecido rasgado. E isso que eles estavam fazendo: rasgando a igreja! O apóstolo ordena à igreja: “[...] antes, sejais inteiramente unidos, na mesma disposição mental e no mesmo parecer” (1.10b).
Paulo menciona quatro partidos dentro da igreja de Corinto: “Eu sou de Paulo, e eu, de Apoio, e eu, de Cefas, e eu, de Cristo” (1.12). Por que quatro partidos dentro da igreja? Quais eram esses partidos?
Existia o partido liberal de Paulo, o PLP. O partido liberal de Paulo era certamente o partido dos fundadores da igreja. Embora os crentes de Corinto tivessem tido muitos preceptores, foi Paulo quem os levou a Cristo (4.15). Paulo foi o evangelista e o fundador da igreja. Ele ganhou cada um deles para Cristo. Então, certamente aqueles primeiros membros da igreja começaram a dizer: Não! Paulo foi quem começou tudo por aqui. Ele foi o fundador da igreja. Nós fomos os pioneiros desta igreja e nós estamos ligados ele. Nós somos do partido de Paulo. Talvez os que engrossavam esse partido fossem também aqueles indivíduos que seguiam a linha da pregação de Paulo, por exemplo, da liberdade cristã, não ficando atrelados ao legalismo que os judeus queriam impor. E bem provável ainda que os membros desse partido fossem pessoas que controlavam a estrutura da igreja e, possivelmente, não deixavam os novatos participar dela.22 William Barclay esclarece que esse grupo era um partido formado principalmente por gentios. E muito provável que esse partido quisesse converter a liberdade em libertinagem e utilizasse seu cristianismo como uma desculpa para fazer o que bem queria.23 Não importa que matiz tenha esse grupo, ele não obedecia ao ensino de Paulo. E interessante que o partido seguidor de Paulo contraria e desobedece aos próprios ensinamentos de Paulo. O apóstolo não havia autorizado aqueles irmãos a colocá-lo numa posição de destaque que ele jamais pedira ou jamais poderia ocupar.
Existia o partido filosófico de Apoio, o PFA. Nós poderi­amos chamá-lo de partido filosófico de Apoio. E por que era o partido filosófico de Apoio? Porque Apoio era da ci­dade de Alexandria, a segunda maior cidade do mundo. Alexandria era o centro da atividade intelectual do mundo. Os alexandrinos eram entusiasmados com as elegâncias li­terárias. Foram eles que intelectualizaram o cristianismo. Os que diziam pertencer a Apoio eram, sem dúvida, os in­telectuais que estavam lutando para que o cristianismo se convertesse rapidamente numa filosofia em lugar de uma religião.24 Em Alexandria floresceu a grande escola da inter­pretação alegórica. Ali estava uma das maiores bibliotecas do mundo. Influenciado pelo clima de sua cidade, Apoio tornou-se um grande orador, um homem de fluência na palavra (At 18.24). Mais tarde, Apoio foi discipulado por Áqüila e Priscila, os companheiros de Paulo (At 18.26). É muito provável, portanto, que o grupo de Apoio tenha sido o grupo dos intelectuais, daqueles que gostavam de um dis­curso bem elaborado, eloqüente, e cheio de beleza retórica. Aquele grupo formou uma elite cultural dentro da igreja.
Existia o partido conservador de Pedro, o PCP O partido conservador de Pedro era composto, possivelmente, pelos judeus e pelos prosélitos que se tornaram judeus por meio da circuncisão. Muitos gentios aderiam à fé judia e eram chamados de pessoas tementes a Deus. Essas pessoas iam à sinagoga, estudavam a lei e observavam os ritos judeus. Paulo sempre visitou as sinagogas para ali anunciar o evangelho, pois entendia que essas pessoas já tinham começado um processo de busca espiritual. Os membros da sinagoga, normalmente, eram conservadores e gostavam de observar os ritos e as cerimônias judias. Como o apostolado de Pedro foi direcionado especialmente aos da circuncisão, havia dentro da igreja de Corinto um grupo que seguia sua liderança. David Prior afirma que, de modo geral, todos concordam que “de alguma forma, o grupo de Cefas representava o cristianismo judeu”.25 William Barclay esclarece que os membros do partido de Pedro eram aqueles que ensinavam que o homem devia observar a lei para a salvação. Eram os legalistas que exaltavam a lei, e que ao fazê-lo, apequenavam a graça.26
Existia o partido cristão de Jesus, o PCJ. E bem provável que esse partido, com o nome mais bonito, fosse o mais problemático. Talvez esse fosse o partido exclusivista. Os membros desse grupo evidenciavam um orgulho espiritual sutil, dando a entender que eles eram os únicos cristãos verdadeiros.27 Talvez esse partido dissesse o seguinte: Quem não estiver do nosso lado, está fora. Quem não estiver no nosso grupo não tem salvação. Quem não jogar no nosso
time nem defender a nossa bandeira, não pertence à igreja verdadeira. Talvez fosse esse o grupo dos que se considera­vam os iluminados, os espirituais, com quem Deus falava diretamente. Esse grupo não se submetia a qualquer lí­der humano. Nessa mesma linha de pensamento, William Barclay escreve:
Deve ter existido uma pequena seita rígida e farisaica cujos membros pretendiam ser os únicos cristãos verdadeiros de Corinto. Sua verdadeira falta não estava em dizer que pertenciam a Cristo, mas em agir como se Ele pertencesse somente a eles. Talvez seja esta a descrição de um pequeno grupo intolerante e santarrão.28
Você conhece pessoas assim hoje? Pessoas que não se submetem à liderança e que pensam ter um canal de co­municação direto com Deus? Pessoas que julgam não mais precisar da Bíblia, porque agora Deus revela tudo a elas? Paulo mostra, porém, que essa atitude é carnal. Pergunta o apóstolo: “Acaso Cristo está dividido?” Não! Cristo não está dividido. Ele não pode ser dividido.
Em segundo lugar, vocês foram batizados em nome de Paulo? (1.13b-17). Paulo trata o problema da divisão na segunda pergunta retórica do versículo 13: Vocês foram batizados em nome de Paulo? Paulo não está diminuindo o valor do batismo, mas colocando-o no seu devido lugar. Os coríntios estavam dando ênfase exagerada ao batismo. O que estava acontecendo na igreja de Corinto é que os irmãos que haviam sido batizados por Paulo se enchiam de vaidade, desprezavam e humilhavam os outros cristãos, se julgando melhor do que eles. No entanto, batizar não foi o principal ministério de Jesus nem de Paulo. Ninguém se torna mais espiritual pelo fato de ter recebido o rito do batismo, por este ou aquele pastor. Essa mentalidade é infantil.
Outros estavam se orgulhando de terem sido batizados em nome de Apoio. Você conhece pessoas que acham que têm mais privilégios espirituais, por terem sido batizadas pelo pastor fulano ou nas águas do rio Jordão? Paulo está dizendo que isso não é importante. E errado você identificar qualquer nome de homem no seu batismo além do nome de Jesus. Assim, em vez de honrar a Jesus e promover a uni­dade da igreja, essas pessoas exaltavam os homens e criavam a desunião dentro da igreja. Paulo não tinha uma lista de quantos batismos havia feito. O importante é ser batizado em nome de Jesus. O seu batismo não vincula você com a pessoa que o batizou, mas vincula você com Cristo.
Em terceiro lugar, foi Paulo crucificado por vocês? (1.13­25). Paulo faz a terceira pergunta: “Foi Paulo crucificado por vós?” Paulo, agora, levanta um dos grandes temas desse capítulo, a cruz de Cristo. A cruz ocupa um lugar central na proclamação do evangelho. E tanto o ponto climático de uma vida de auto-renúncia quanto o instrumento designado de salvação.29 Paulo introduz um contraste entre o poder do evangelho e a fraqueza da sabedoria humana. Ele mostra que os grupos que existiam dentro da igreja olharam para a cruz em três perspectivas diferentes. Paulo diz: “[...] mas nós pregamos a Cristo crucificado, escândalo para os judeus, loucura para os gentios; mas para os que foram chamados, tanto judeus como gregos, pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus” (1.23,24).
Paulo está dizendo que alguns tropeçaram na cruz. Quem é que tropeçou na cruz?
Os judeus (1.23a). Mas por que os judeus tropeçaram na cruz? Porque eles aguardavam um milagre. Nos evan­gelhos, os judeus estão sempre chegando perto de Jesus pedindo milagres. E Jesus nunca fez milagre para agradar a ninguém. Eles estavam acostumados a uma história de grandes milagres, e eles aguardavam um Messias vencedor que iria quebrar o jugo dos seus inimigos. Na plenitude dos tempos veio o Messias sofredor, aquele que se fez carne e morreu numa cruz. Não era isso que os judeus esperavam. Por isso, eles tropeçaram na cruz. Não viram nela o poder nem a sabedoria de Deus. Os judeus não viram na cruz um instrumento de salvação para eles. A ênfase deles era em milagres poderosos e a cruz era um sinal de fraqueza. Eles aguardavam um Messias vencedor e Jesus veio como o Messias sofredor. Porque os judeus esperavam sinais, eles tropeçaram na cruz. Contudo, a fraqueza de Deus, a cruz, é mais forte do que os homens (1.25).
Os gregos (1.23b). O maior problema dos gentios era em relação à cruz. Para os gregos, a cruz era uma tolice, porque eles enfatizavam a sabedoria. Eles escarneceram da cruz. Mas Paulo pergunta: “Onde está o sábio? Onde, o escri- ba? Onde, o inquiridor deste século?” (v. 20). Paulo está dizendo que a sabedoria do homem não conseguiu atingir o conhecimento pessoal de Deus, e não levou o homem ao conhecimento da salvação. O tempo áureo dos gregos e dos romanos, e a filosofia de Sócrates, Platão e Aristóteles não lhes trouxeram iluminação espiritual. O apogeu da filosofia grega, na idade de ouro, o século de Péricles, foi conside­rado por Paulo como tempo de ignorância e cegueira (veja At 17.30). A sabedoria deles não os habilitou a conhecer a Deus nem a receber a salvação. Paulo diz que Deus deu um grande zero para a sabedoria humana, pois ela não conse­guiu conduzir o homem à salvação.
Charles Hodge menciona quatro razões por que Paulo considerou nula a sabedoria humana como instrumento de salvação: 1) Deus deu o Seu veredicto de que a sabedoria humana não passa de tolice (1.19,20); 2) A experiência provou a insuficiência da sabedoria humana para conduzir as pessoas ao conhecimento de Deus (1.21); 3) Deus estabeleceu o evangelho para ser o grande instrumento da salvação (1.21-25); 4) A experiência dos coríntios revelou que a sabedoria humana não pôde conduzi-los à salvação nem lhes dar certeza dela. Eles estavam em Cristo não porque eram mais sábios do que outros, mas simplesmente porque Deus os havia escolhido e chamado (1.26-30). O plano de Deus em todas essas coisas era humilhar o homem “[...] para que, como está escrito: Aquele que se gloria, glorie-se no Senhor” (1.31).30
Alguns, porém, creram e eles experimentaram o poder e a sabedoria da cruz (1.24,25). Quando alguém olha para Jesus, vê nele o poder de Deus. Paulo fala para os judeus e para que aqueles que estão querendo milagres, que Jesus é o maior milagre. Ele é o poder de Deus. Paulo olha para os gregos que estão buscando sabedoria e diz: Jesus é a sabedoria de Deus. Jesus é quem revelou Deus. Jesus é a síntese da sabedoria. Nele estão escondidos todos os tesouros da sabedoria (Cl 2.3). A sabedoria de Deus está no evangelho. Os gregos não olharam para a cruz do ponto de vista de Deus. Paulo pergunta ao sábio, ao escriba e ao filósofo se eles conheceram a Deus por intermédio de seus estudos (1.20,21)? Não! Eles conheceram a Deus por meio do evangelho.
Paulo só tem uma mensagem (1.21,24): Cristo crucifi­cado é o poder de Deus para os judeus e a sabedoria de Deus para os gregos. Nós somos chamados à comunhão por causa da nossa união com Cristo: Ele morreu por nós. Nós fomos batizados em Seu nome. Nós estamos identificados com Sua cruz. Que maravilhosa base para a unidade espiritual!
 
RESPONSABILIDADE: LÍDERES ASSUMEM A RESPONSABILIDADE DE EDIFICAR A COMUNIDADE - BILBIA DA LIDERANÇA CRSTÃ - JOHN MAXUEL - (I Co 1.10)
Boas coisas acontecem quando líderes assumem a responsabilidade de criar e organizar a atmosfera e a cultura de uma organização. Eles criam:
1. O senso de destino: Nós estamos aqui por designação divina para realizar a sua Obra;
2. O senso de família: Nós estamos neste negócio juntos;
3. Espírito de militância: Nós devemos concluir a tarefa de qualquer jeito.
 
A LEI DO PROCESSO: TRÊS ILUSTRAÇÕES DE CRESCIMENTO (I Co 3.1-23)
Paulo, o pioneiro e líder da igreja de Corinto, teve medo de esconder seu desapontamento. Os membros dessa igreja estavam agindo como crianças e não como adultos (I Co 3.1 -3). Sem dúvida alguma, ele teve de lembrar-se a si mesmo que o desenvolvimento de liderança é um processo e não um acontecimento.
Paulo queria, desesperadamente, líderes competentes, surgidos no meio da igreja; líderes que fossem saudáveis, fortes e capazes de tomar decisões sem seu auxílio. Paulo deu, então, três ilustrações de como Deus espera que os líderes cresçam:
1. A igreja é uma família; a meta é alcançar a maturidade (vs. 1-4).
É muito natural que crianças cresçam fisicamente enquanto ficam mais velhas. Esta também deve ser a realidade espiritual. As marcas da maturidade estão no que você come (vs. 1-2), no que você faz (v. 3) e nas que coisas você diz (v. 4).
2. A igreja é um campo; a meta é fertilidade (vs. 5-9).
Não há diferença em quem planta e em quem colhe. A questão é: as plantas estão crescendo? Frutos incluem o resultado de seu trabalho, a resposta das pessoas e a recompensa de seu desempenho.
3. A igreja é uma construção; a meta é a qualidade (vs. 9-23).
Nós nos assemelhamos a uma construção. A medida de uma boa estrutura é a qualidade. Isso inclui uma boa fundação (vs. 9-11), um bom material (vs. 12-17) e os motivos corretos (vs. 18-23).
 
QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 03 - PARTIDARISMO NA IGREJA
RESPONDA CONFORME A REVISTA DA CPAD - 2º TRIMESTRE DE 2009
 
TEXTO ÁUREO
1- Complete:
"Oh! Quão _____________________ e quão suave é que os ___________________ vivam em _______________________!"  (Sl 133.1).
 
VERDADE PRÁTICA
2- Complete:
A Igreja de Jesus é um __________________________ espiritual no qual a _________________________ do Espírito só pode ser conservada pelo ____________________da paz.
 
INTRODUÇÃO
3- A Igreja do Senhor Jesus Cristo é descrita no Novo Testamento por meio de figuras instrutivas que acentuam a natureza e a unidade do povo de Deus, cite algumas:
(    ) "corpo", "edifício", "templo", e "família".
(    ) "corpo", "membro", "templo", e "nações".
(    ) "cabeça", "edifício", "templo", e "família".
 
I. UMA IGREJA, QUATRO PARTIDOS (1 CO 1.10-12)
4- Antes de exortar pastoralmente a igreja de Corinto, Paulo, com sabedoria, reconheceu e destacou as bênçãos divinas sobre aqueles irmãos e o que havia de bom entre eles, o que era?
(    ) Eram "santificados em Cristo".
(    ) Chamados "santos".
(    ) Alvos "da graça de Deus".
(    ) Eram unidos.
(    ) Enriquecidos espiritualmente na palavra e no conhecimento.
(    ) Tinham todos os dons espirituais concedidos pela graça de Deus.
(    ) Tinham a certeza da volta de Cristo.
(    ) tinham os líderes como obreiros iguais em honra, cada um em seu ministério.
 
5- Quem era Paulo para os Coríntios?
(    ) Eloqüente pregador da igreja em Corinto.
(    ) Fundador da igreja em Corinto.
(    ) Embaixador da igreja em Corinto.
 
6- Por quais crentes carnais era composto o grupo de Paulo, na igreja em Corinto?
(    ) Eram os que admiravam as belíssimas pregações de Paulo.
(    ) Esse partido, composto principalmente por gentios, era o grupo dos "fundadores".
(    ) Este grupo era formado pelos que se converteram através da pregação de Paulo, o "apóstolo dos gentios" (Rm 11.13).
 
7- Quem era Apolo para os Coríntios?
(    ) Era um excelente ensinador da Palavra de DEUS e provinha de Jerusalém.
(    ) Apolo era um servo de Deus, "eloqüente e poderoso nas Escrituras".
(    ) Apolo ministrou na cidade de Corinto depois da partida de Paulo para a Síria.
(    ) Apolo era natural de Alexandria, Egito, um eficaz expositor das Sagradas Escrituras, e um fluente orador.
 
8- Por quais crentes carnais era composto o grupo de Apolo, na igreja em Corinto?
(    ) Era formado pelos crentes elitistas, cultuais, filósofos e pobres de Corinto.
(    ) Era formado pelos crentes helenistas, sensuais, filósofos e sábios de Corinto.
(    ) Era formado pelos crentes elitistas, intelectuais, filósofos e sábios de Corinto.
 
9- Quem era Cefas (Pedro) para os Coríntios?
(    ) O menor dos apóstolos.
(    ) Um dos três discípulos mais chegados a Cristo.
(    ) Apóstolo dos judeus.
(    ) Conhecido por todos os cristãos.
 
10- Por quais crentes carnais era composto o grupo de Cefas (Pedro), na igreja em Corinto?
(    ) Era composto por judeus que criam na graça de DEUS acima de tudo.
(    ) Era composto por gregos legalistas.
(    ) Era composto por judeus legalistas.
 
11- Como era o partido denominado "de Cristo"?
(    ) Eram os cristãos legítimos de Corinto.
(    ) Este grupo da igreja era exclusivista.
(    ) Ele se considerava o único partido legítimo.
(    ) Não se submetia a nenhum pastor humano.
(    ) Só Cristo servia. Era, sem dúvida, o mais nocivo dos divididos.
(    ) Estavam cometendo um grave pecado contra a unidade do Corpo de Cristo, a Igreja.
 
12- Ligue a primeira coluna de acordo com a segunda, segundo os grupos da igreja em Corinto:
 
 
Os de
Paulo
 
Legalistas, erravam ao unir a lei com a graça (Jo 1.17; Rm 10.4; Cl 2.14) - seu pecado era unir duas alianças distintas.
Os de
"Cristo"
Intelectuais, com seu racionalismo filosófico, acreditavam que a lógica e a razão humanas eram tudo o que precisavam para entender as coisas do Espírito - seu pecado era aceitar as escolas de pensamento humano em vez do Espírito.
Os de
Apolo
Exclusivistas, por causa do seu orgulho, carnalidade e imaturidade crônica, não se submetiam a nenhuma liderança pastoral - seu pecado era a insubordinação.
Os de
Cefas
Liberais na doutrina e nos costumes cristãos, achavam que podiam exercer a liberdade em Cristo acima da lei do amor
(1 Co 13) - seu pecado era a libertinagem.
 
 
13- Em resumo esses mesmos pecados ainda hoje continuam a estragar e corromper os crentes e suas respectivas congregações, dê um resumos dos mesmos:
(    ) Adultério, legalismo, exclusivismo, dependência da sabedoria e capacidade humanas e mentiras.
(    ) Libertinagem, legalismo, sensualismo, dependência da liderança e capacidade humanas.
(    ) Libertinagem, legalismo, exclusivismo, dependência da sabedoria e capacidade humanas.
 
II. A IGREJA E A DIVERSIDADE DE SEUS MINISTÉRIOS (1 CO 3.1-10)
14- Como é o obreiro plantador de semente da Palavra (vv.6-8)?
(    ) Ele lida com a semente da Palavra de Deus (Lc 8.11),
(    ) Só existem sementes boas, o problema são os terrenos.
(    ) Ao mesmo tempo com os diferentes tipos de terrenos, que são os corações humanos (Mt 13.1-8).
(    ) Há sementes parecidas, mas não são do celeiro do Senhor.
 
15- Como é o obreiro regador da planta (vv.6-8)?
(    ) Este cuida da plantinha com desvelo.
(    ) É dispensável na obra, pois a planta pode desenvolver-se sem ele.
(    ) Provê: água, adubo, limpeza, poda, higidez.
(    ) Muitas plantas não vingam, nem crescem porque não houve um regador.
 
16- Como é o obreiro cooperador com os demais (v.9)?
(    ) Ele é apenas mais um auxiliar interessado.
(    ) Não se trata aqui de um mero ajudante ou auxiliar;
(    ) É alguém devidamente capacitado e experiente.
(    ) É aquele que trabalha com seus pares unindo forças para maior rendimento do trabalho comum.
 
17- O que é edificar (v.10)?
(    ) Edificar não é exatamente o mesmo que construir.
(    ) Edificar é esmerar-se nos mínimos detalhes da obra.
(    ) É colocar pedra sobre pedra, é construir com zelo.
(    ) Edificação tem a ver com acabamento, que é caro e demorado. A Palavra adverte: "Veja cada um como edifica" (v.10).
(    ) Sempre que a Bíblia fala da Igreja do Senhor e de seus membros, o termo empregado é edificar e não simplesmente construir.
 
18- Como é o obreiro edificador nos materiais?
(    ) Tem deferência, qualidade, prudência, durabilidade, insistência.
(    ) Tem referência, qualidade, procedência, durabilidade, resistência.
(    ) Tem referência, habilidade, decência, durabilidade, resistência.
 
19- Como é o obreiro edificador na mão de obra?
(    ) Tem perícia, especialização, prática.
(    ) Tem dureza, atenção, prática.
(    ) Tem sustância, sensação, ética.
 
20- Como é o obreiro edificador na planta:
(    ) Tem planejamento, diversão, comprovação.
(    ) Tem maturidade, reflexão, pressa.
(    ) Tem exame, precisão, aprovação.
 
21- Como é o obreiro destruidor (v.17).
(    ) Especificamente aquele que destrói o templo do seu corpo, com fumo, bebida, drogas, glutonaria, trabalho sem descanso, sexo ilícito, etc.
(    ) O texto refere-se especificamente àquele que destrói a igreja e as amizades entre todos.
(    ) O texto refere-se especificamente àquele que destrói a obediência aos líderes.
 
22- Complete:
Outras passagens que também tratam deste assunto são: Mt 9.37,38 (obreiro __________________), e Jo 15.2 (o obreiro _______________________).
 
23- "Como sábio arquiteto", Paulo pôs o "fundamento", mas outro "edifica sobre ele" (v.10). De que forma pôs o fundamento?
(    ) Pela sua inteligência e sabedoria ele continuamente pregava e ensinava a Cristo, crucificado e ressurreto, perfeito e suficiente Salvador da humanidade.
(    ) Pela inspiração divina ele continuamente pregava e ensinava a Cristo, crucificado e ressurreto, como o perfeito e suficiente Salvador da humanidade.
(    ) Pela inspiração divina ele continuamente pregava e ensinava a Cristo, crucificado e ressurreto, como um dos Salvadores da humanidade.
 
24- Sobre a edificação da Igreja e seu fundamento inabalável que é Cristo, o apóstolo do Senhor alerta: "Veja cada um como edifica sobre ele" (v.10). Esta admoestação é de caráter profético: "o Dia a declarará" (v.13). A que Paulo se refere?
(    ) Paulo refere-se à reunião dos santos na Jerusalém celestial, que galardoará cada um "segundo o seu trabalho" (vv.8,14).
(    ) Paulo refere-se à reunião dos santos no Milênio de Cristo, que galardoará cada um "segundo o seu trabalho" (vv.8,14).
(    ) Paulo refere-se à reunião dos santos no Tribunal de Cristo, que galardoará cada um "segundo o seu trabalho" (vv.8,14).
 
25- Complete:
As obras ________________________ pelo justo Juiz não resistirão ao __________________________ divino representado pelo fogo: madeira, feno, palha; enquanto as aprovadas resistirão ao juízo celestial: ouro, prata e pedras preciosas (v.12). "Se a obra de alguém se _______________________, sofrerá detrimento; mas o tal será salvo, todavia como pelo fogo" (v.15).
 
CONCLUSÃO
26- Complete:
O partidarismo divisionista na igreja enfraquece e combate a ________________________ do Espírito pelo vínculo da paz (Ef 4.3). Cada crente tem a sua parte na ________________________ da comunhão e da unidade cristãs. A vontade do Senhor Jesus é que, todos, sem exceção, cheguem à ________________________ desta dádiva celeste.
 
 
RESPOSTAS DOS QUESTIONÁRIOS NOS VÍDEOS http://universobiblico.com.br/assembleia/estudosbiblicos/videosebdnatv.htm
 
 
AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO
Subsídio Doutrinário - "Apenas Cristo (1 Co 3. 5-11)
Nestes versículos, a Bíblia apresenta o ministério conjunto de Paulo e Apolo sobre o 'edifício e lavoura de Deus': um plantou, o outro regou, mas Deus deu o crescimento (vv.6, 9,10; 1 Co 4.15). O crédito não é do pregador, muito menos do mestre, mas do Senhor (v.7). Em 1 Co 4.6-13, o apóstolo retoma mais uma vez a discussão iniciada em 3.5, afirmando que ele e Apolo servem de 'figura' à unidade cristã, pois, embora a igreja esteja dividida, os dois ministros desfrutam de comunhão e serviço sacrifical em favor do evangelho. Uma vez que o fundamento inamovível sob o qual a Igreja está edificada é a pessoa de Cristo (v.11), eles são apenas 'cooperadores de Deus' (v.9). Nem Paulo, nem Apolo têm a proeminência, mas Cristo. 'Portanto, ninguém se glorie nos homens; porque tudo é vosso' (v.21).
O templo de Deus e a verdadeira sabedoria (1 Co 3.16-23). Anteriormente, Paulo ilustrou a igreja por intermédio das imagens do edifício e da lavoura (v.9), agora, emprega a figura do templo (vv.16,17). O Novo Testamento utiliza-se de dois termos para templo: hieros, usado para descrever todas as áreas do templo; e naos, especificamente, o santuário, a morada da divindade. Nesta passagem Paulo usa naos para designar que a Igreja é o lugar vivo da presença divina. O 'templo de Deus' é a comunidade dos redimidos habitada pelo Espírito Santo (vv.16,17)."
 
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
HOOVER, T. R. Comentário Bíblico: 1 e 2 Coríntios. RJ: CPAD, 1999. PEARLMAN, M. Epístolas Paulinas. RJ: CPAD, 1998. SAIBA MAIS Revista Ensinador Cristão, CPAD, no 38, p. 37.
 
APLICAÇÃO PESSOAL
Paulo atribui os problemas da igreja de Corinto à carnalidade e imaturidade dos crentes (1 Co 3.1-5). Essas duas qualidades negativas contrastam com a espiritualidade e maturidade cristãs. Eles eram carnais, meninos, invejosos, contenciosos, facciosos, soberbos, transgressores e andavam "segundo os homens" (v.3; 1 Co 4.6). Portanto, jamais compreenderiam "as coisas do Espírito", que se discernem espiritualmente (1 Co 2.14,15; 3.3). Eles se apresentavam como "espirituais" e "maduros", mas na realidade eram "infantis" e "mundanos". Ainda hoje, alguns "grupinhos" costumam dividir e causar tumultos nas igrejas locais. Não apresentam estes a mesmíssima natureza carnal e imaturidade dos crentes coríntios?
 
 
Ajuda:
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - BÍBLIA de Estudos Pentecostal.
http://universobiblico.com.br/assembleia/estudosbiblicos/videosebdnatv.htm   (VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE)
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.  
Nosso novo endereço:http://universobiblico.com.br/assembleia/estudosbiblicos/
Veja vídeos em http://ebdnatv.blogspot.com , http://www.ebdweb.com.br/, em http://www.idbpa.net/joomla/index.php?option=com_content&task=category&sectionid=10&id=44&Itemid=133&limit=50&limitstart=0,http://www.sovitoria.com.br/ - Ou nos sites seguintes:
4Shared, BauCristao, Dadanet, Dailymotion, GodTube, Google, Magnify, MSN, Multiply, Netlog, Space, Videolog, Weshow, Yahoo, Youtube. 
 
 
 
Index
Estudos
EBD
Discipulado
Mapas
Igreja
Ervália
Corinhos
Figuras1
Figuras2
Vídeos
Fotos