Home
Estudos
EBD
Discipulado
Mapas
Igreja
Ervália
Corinhos
Figuras1
Figuras2
Vídeos
Fotos
 
Lição 4, A Função Social dos Sacerdotes
3º Trimestre de 2018 - Adoração, santidade e serviço ao Senhor - Os princípios de DEUS para a Sua Igreja em Levítico
Comentarista: Pr. Claudionor Correia de Andrade, conferencista e Consultor Doutrinário e Teológico da CPAD
Complementos, Ilustrações e Vídeos: Pr. Luiz Henrique de Almeida Silva - 99-99152-0454.
Ajuda - Videos -  Comp71min - https://www.youtube.com/watch?v=-BZ8Bpd7kt4
SLIDES  https://www.slideshare.net/henriqueebdnatv/slides-da-lio-4-a-funo-social-dos-sacerdotes-5-partes-3tr18-pr-henrique-ebd-na-tv
 
licao4-ass-3tr18-resumohenrique
TEXTO ÁUREO
E [JESUS] ordenou-lhe que a ninguém o dissesse. Mas disse-lhe: Vai, mostra-te ao sacerdote e oferece, pela tua purificaçăo, o que Moisés determinou, para que lhes sirva de testemunho.” (Lc 5.14)
 
licao4-ass-3tr18-ta

VERDADE PRÁTICA
As funçőes do sacerdote iam além da liturgia; sua principal obrigaçăo era zelar pela santidade e pureza do povo de DEUS.
 
licao4-ass-3tr18-vp

LEITURA DIÁRIA
Segunda – Lv 13.3 A função clínica do sacerdote
Terça – Lv 13.53 A função sanitarista do sacerdote
Quarta – Lv 14.36 A função urbanista do sacerdote
Quinta – Lv 27.18-23 A função civil do sacerdote
Sexta – Nm 18.21-28 A função administrativa do sacerdote
Sábado – Nm 5.11-22 A função judicial do sacerdote

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Levítico 13.1-6
1 - Falou mais o SENHOR a Moisés e a Arão, dizendo: 2 - O homem, quando na pele da sua carne houver inchaçăo, ou pústula, ou empola branca, que estiver na pele de sua carne como praga de lepra, então, será levado a Arăo, o sacerdote, ou a um de seus filhos, os sacerdotes. 3 - E o sacerdote examinará a praga na pele da carne; se o pelo na praga se tornou branco, e a praga parecer mais profunda do que a pele da sua carne, praga da lepra é; o sacerdote, vendo-o, o declarará imundo. 4 - Mas, se a empola na pele de sua carne for branca, e năo parecer mais profunda do que a pele, e o pelo não se tornou branco, então, o sacerdote encerrará o que tem a praga por sete dias. 5 - E, ao sétimo dia, o sacerdote o examinará; e eis que, se a praga, ao seu parecer, parou, e a praga na pele se năo estendeu, então, o sacerdote o encerrará por outros sete dias. 6 - E o sacerdote, ao sétimo dia, o examinará outra vez; e eis que, se a praga se recolheu, e a praga na pele se não estendeu, então, o sacerdote o declarará limpo: apostema é; e lavará as suas vestes e será limpo

OBJETIVO GERAL - Refletir a respeito das funções sociais do sacerdote.
 
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Apresentar as funções clínicas dos sacerdotes;
Explicar a função sanitarista do sacerdote;
Elencar as funçőes jurídicas do sacerdote.
 
INTERAGINDO COM O PROFESSOR
Prezado professor (a), na lição deste domingo estudaremos as funções dos sacerdotes. Homens escolhidos e separados pelo Senhor para o serviço no Tabernáculo. Ser sacerdote era ser honrado pelo Senhor mediante uma nobre missão, pois servir a DEUS é um grande privilégio. Mas além da honra e do privilégio, havia as responsabilidades e as muitas exigências. O sacerdócio exigia sacrifícios, pois a função mais importante era conduzir o povo segundo a Lei, em santidade e justiça. Essa era uma tarefa das mais difíceis, pois por diversas vezes os hebreus apostataram da fé. Contudo, os sacerdotes também exerciam outras funções, que exigia discernimento e muita sabedoria. Ele tinha que ter consciência do que era puro e impuro, certo ou errado, santo e profano, pois deveriam ser o mais alto referencial da nação no que tange Palavra de DEUS, instrução e administração da justiça (Ml 2.4-7). Na nova aliança, não é diferente, pois o Senhor continua a exigir de nós, sacerdotes seus, que tenhamos um padrão de santidade e justiça. No Sermão do Monte, o código de ética do Reino de DEUS, JESUS nos adverte quanto a sermos “sal” e “luz” desse mundo (Mt 5.13,14).

 
PONTO CENTRAL - As funções do sacerdote iam além da liturgia.

Resumo da Lição 4, A Função Social dos Sacerdotes
I – FUNÇÕES CLÍNICAS

1. A inspeção da lepra.
2. A inspeção clínica.
3. A limitação do sacerdote.
II – FUNÇÕES SANITARISTAS
1. A função sanitarista do sacerdote.
2. A lepra na casa.
3. A lepra nas vestes.
III – FUNÇÕES JURÍDICAS
1. Proteção da família.
2. Proteção da propriedade privada.
3. Proteção da vida.
 
file:///E:/Page/lepra.jpg
Resumo Rápido do Pr. Henrique da Lição 4, A Função Social dos Sacerdotes
INTRODUÇÃO
 
Nenhum descendente de Arão que tenha lepra [...] poderá comer das ofertas sagradas até que esteja purificado [...] Aquele que neles tocar ficará impuro até a tarde. Não poderá comer das ofertas sagradas, a menos que se tenha banhado com água. Depois do pôr-do-sol estará puro, e então poderá comer as ofertas sagradas, pois são o seu alimento. (Lv 22.4,6,7)
 
As obrigações dos sacerdotes - Dicionário Davis
As obrigações dos sacerdotes eram, em geral, de três categorias: Ministrar no santuário diante do Senhor, ensinar o povo a guardar a lei de Deus e tomar conhecimento da vontade divina, consultando o Urim e Turim, Ex 28: 30; Ed 2: 63; Nm 16: 40; 18: 5; 2 Cr 15: 3; Jr 18: 18; Ez 7: 26; Mq 3: 11. O sacerdote estava sujeito a leis especiais, Lv 10: 8 e seg. Em referência ao casamento, só poderia tomar mulher que fosse de sua própria nação, mulher virgem ou viúva, que não fosse divorciada, e cuja genealogia fosse tão regular como a dos próprios sacerdotes, 21: 7; Ed 10: 18, 1:; cont. Apiom. 1: 7. As vestimentas consistiam de calções curtos desde os rins até às coxas; uma camisa estreita, tecida de alto a baixo e sem costura, descendo até aos artelhos e apertada na cinta por um cíngulo bordado, simbolicamente ornamentado; uma tiara em forma cônica, tudo feito de linho fino e branco, Ex 28: 40-42; Antig. 3: 7, 1-3. Os sacerdotes e outros oficiais de serviço religioso costumavam vestir um éfode de linho, sem bordados e sem os adornos custosos como o que usava o sumo sacerdote, 1 Sm 2: 18; 22: 18; 2 Sm 4: 14.
Por ocasião da conquista de Canaã, atendendo às necessidades atuais dos descendentes de Arão, que sem dúvida já estavam na terceira geração, porém mais especialmente em atenção às necessidades futuras, separaram-se treze cidades para sua residência e criação de seus gados, Js 21: 10-19. Davi dividiu os sacerdotes em vinte e quatro classes. Exceto por ocasião das grandes festividades em que todos eles tinham de oficiar, cada uma das classes oficiava uma semana de cada vez, substituída em cada sábado de tarde, antes do sacrifício, 1 Cr 24: 1-19; 2 Rs 11: 5-9; antig. 7: 14, 7. Parece que destas vinte e quatro classes, somente quatro voltaram de Babilônia com Zorobabel, Ed 2: 36-38, porém, o antigo número foi reconstruído, segundo parece, cp. Lc 1: 5-9. Havia distinções no corpo sacerdotal. O supremo pontífice era o sumo sacerdote; seguia-se o segundo sacerdote, 2 Rs 25: 18, que provavelmente era denominado o pontífice da casa de Deus, 2 Cr 31: 13; Ne 11: 11, e o magistrado do templo, At 4: 1; 5: 24. Os pontífices de que fala o Novo Testamento eram os sumos sacerdotes, membros da família dos antigos sacerdotes e funcionavam irregularmente. A lei que regulava o acesso às funções do sumo sacerdócio havia caído em olvido em conseqüência das perturbações políticas e do domínio estrangeiro. Os pontífices eram investidos em seu ofício ou dele despojados à mercê dos governos dominantes.
 
Números 18:1-32
Números 18:1
Então disse o SENHOR a Arão: Tu, e teus filhos, e a casa de teu pai contigo, levareis sobre vós a iniqüidade do santuário; e tu e teus filhos contigo levareis sobre vós a iniqüidade do vosso sacerdócio.
E também farás chegar contigo a teus irmãos, a tribo de Levi, a tribo de teu pai, para que se ajuntem a ti, e te sirvam; mas tu e teus filhos contigo estareis perante a tenda do testemunho.
E eles cumprirão as tuas ordens e terão o encargo de toda a tenda; mas não se chegarão aos utensílios do santuário, nem ao altar, para que não morram, tanto eles como vós.
Mas se ajuntarão a ti, e farão o serviço da tenda da congregação em todo o ministério da tenda; e o estranho não se chegará a vós.
Vós, pois, fareis o serviço do santuário e o serviço do altar; para que não haja outra vez furor sobre os filhos de Israel.
E eu, eis que tenho tomado vossos irmãos, os levitas, do meio dos filhos de Israel; são dados a vós em dádiva pelo Senhor, para que sirvam ao ministério da tenda da congregação.
Mas tu e teus filhos contigo cumprireis o vosso sacerdócio no tocante a tudo o que é do altar, e a tudo o que está dentro do véu, nisso servireis; eu vos tenho dado o vosso sacerdócio em dádiva ministerial e o estranho que se chegar morrerá.
Disse mais o Senhor a Arão: Eis que eu te tenho dado a guarda das minhas ofertas alçadas, com todas as coisas santas dos filhos de Israel; por causa da unção as tenho dado a ti e a teus filhos por estatuto perpétuo.
Isto terás das coisas santíssimas do fogo; todas as suas ofertas com todas as suas ofertas de alimentos, e com todas as suas expiações pelo pecado, e com todas as suas expiações pela culpa, que me apresentarão; serão coisas santíssimas para ti e para teus filhos.
No lugar santíssimo as comerás; todo o homem a comerá; santas serão para ti.
Também isto será teu: a oferta alçada dos seus dons com todas as ofertas movidas dos filhos de Israel; a ti, a teus filhos, e a tuas filhas contigo, as tenho dado por estatuto perpétuo; todo o que estiver limpo na tua casa, delas comerá.
Todo o melhor do azeite, e todo o melhor do mosto e do grão, as suas primícias que derem ao Senhor, as tenho dado a ti.
Os primeiros frutos de tudo que houver na terra, que trouxerem ao Senhor, serão teus; todo o que estiver limpo na tua casa os comerá.
Toda a coisa consagrada em Israel será tua.
Tudo que abrir a madre, e toda a carne que trouxerem ao Senhor, tanto de homens como de animais, será teu; porém os primogênitos dos homens resgatarás; também os primogênitos dos animais imundos resgatarás.
Os que deles se houverem de resgatar resgatarás, da idade de um mês, segundo a tua avaliação, por cinco siclos de dinheiro, segundo o siclo do santuário, que é de vinte geras.
Mas o primogênito de vaca, ou primogênito de ovelha, ou primogênito de cabra, não resgatarás, santos são; o seu sangue espargirás sobre o altar, e a sua gordura queimarás em oferta queimada de cheiro suave ao Senhor.
E a carne deles será tua; assim como o peito da oferta de movimento, e o ombro direito, teus serão.
Todas as ofertas alçadas das coisas santas, que os filhos de Israel oferecerem ao Senhor, tenho dado a ti, e a teus filhos e a tuas filhas contigo, por estatuto perpétuo; aliança perpétua de sal perante o Senhor é, para ti e para a tua descendência contigo.
Disse também o Senhor a Arão: Na sua terra herança nenhuma terás, e no meio deles, nenhuma parte terás; eu sou a tua parte e a tua herança no meio dos filhos de Israel.
E eis que aos filhos de Levi tenho dado todos os dízimos em Israel por herança, pelo ministério que executam, o ministério da tenda da congregação.
E nunca mais os filhos de Israel se chegarão à tenda da congregação, para que não levem sobre si o pecado e morram.
Mas os levitas executarão o ministério da tenda da congregação, e eles levarão sobre si a sua iniqüidade; pelas vossas gerações estatuto perpétuo será; e no meio dos filhos de Israel nenhuma herança terão,
Porque os dízimos dos filhos de Israel, que oferecerem ao Senhor em oferta alçada, tenho dado por herança aos levitas; porquanto eu lhes disse: No meio dos filhos de Israel nenhuma herança terão.
E falou o Senhor a Moisés, dizendo:
Também falarás aos levitas, e dir-lhes-ás: Quando receberdes os dízimos dos filhos de Israel, que eu deles vos tenho dado por vossa herança, deles oferecereis uma oferta alçada ao Senhor, os dízimos dos dízimos.
E contar-se-vos-á a vossa oferta alçada, como grão da eira, e como plenitude do lagar.
Assim também oferecereis ao Senhor uma oferta alçada de todos os vossos dízimos, que receberdes dos filhos de Israel, e deles dareis a oferta alçada do Senhor a Arão, o sacerdote.
De todas as vossas dádivas oferecereis toda a oferta alçada do Senhor; de tudo o melhor deles, a sua santa parte.
Dir-lhes-ás pois: Quando oferecerdes o melhor deles, como novidade da eira, e como novidade do lagar, se contará aos levitas.
E o comereis em todo o lugar, vós e as vossas famílias, porque vosso galardão é pelo vosso ministério na tenda da congregação.
A
ssim, não levareis sobre vós o pecado, quando deles oferecerdes o melhor; e não profanareis as coisas santas dos filhos de Israel, para que não morrais.

Os sacerdotes responsáveis pela liturgia diária deveriam pertencer exclusivamente à descendência de Arão, seu irmão, que seria o primeiro sumo sacerdote da história de Israel (Êx 28.1-3).
No ministério do Tabernáculo, havia três classes de obreiros: o sumo sacerdote, os sacerdotes e os levitas (Nm 3.6-10).
O sumo sacerdote era a mais alta função da religião judaica. O sumo sacerdote era também o presidente do Sinédrio, o principal tribunal de Israel.
Os sacerdotes, por sua vez, faziam os sacrifícios diários, ofereciam incenso ao Senhor, cuidavam da mesa dos pães da proposição, abençoavam o povo, ensinavam a Lei de DEUS (Lv 10.10,11) e julgavam as causas civis entre a população (Nm 5.5-31).
Era responsabilidade do sacerdote também ensinar a Lei de DEUS para a população (Êx 28.1-29.45; Lv 21.1-23; 1 Cr 24.1-31). Em síntese, o sacerdote deveria ministrar no Santuário perante DEUS e ensinar ao povo a guardar a Lei de DEUS. E, eventualmente, ele também tomava conhecimento da vontade divina em situações muito difíceis por meio da consulta ao Urim e Tumim.
Os sacerdotes também eram os guardiões e mestres dos documentos e das tradições sagradas. Finalmente essa função foi transferida para os rabinos, com o desaparecimento do sacerdócio em Israel. Como é óbvio, os profetas compartilhavam essas atividades; e, de fato, atuavam quase como se fossem sacerdotes, embora sem fazer parte do sacerdócio, de maneira formal.
Administravam o juramento que uma mulher deveria fazer quando acusada de adultério (Núm. 5:15); eram os mestres da lei e agiam como juízes quanto às queixas do povo, tomando decisões válidas quanto aos casos apresentados (Dt. 17:8 ss.; 19:17; 21:5).
Observai, pois, e praticai tudo o que vos disserem; mas não procedais em conformidade com as suas obras, porque dizem e não praticam.Mateus 23:3
Porque ensinavam as coisas espirituais, morais e éticas para os filhos de Israel (Ml 2.1-10), os sacerdotes tinham que praticá-las para servirem de exemplo.
Nem os filhos de Eli, nem os de Samuel (mesmo Samuel tendo sido um exemplo, imagine se não fosse!), nem os de Davi foram dignos de representá-los e nem de representar DEUS.
 
Sumo-sacerdote. (Strong Português) αρχιερευς archiereus
Sumo-sacerdote. Ele era honrado acima de todos com título de sacerdote, chefe dos sacerdotes. Era lícito para ele realizar os deveres comuns do sacerdócio; mas seu principal dever era, uma vez por ano no dia da expiação, entrar no SANTO dos Santos (dever do qual os outros sacerdotes estavam excluídos) e oferecer sacrifícios por seus próprios pecados e pelos pecados do povo, e presidir sobre o Sinédrio, ou Concílio Supremo, quando convocado para deliberações. De acordo com a lei mosaica, ninguém podia aspirar ao sumo sacerdócio a menos que fosse da tribo de Arão e descendente de uma família de sumos sacerdotes; e aquele a quem o ofício era conferido, ocupava este cargo até a morte.
Os sumo-sacerdotes. Inclui-se nesta categoria, além daquele que detinham o ofício sumo-sacerdotal, tanto aqueles que foram previamente depostos, e mesmo depostos, continuavam exercendo um grande poder no estado, quanto os membros das famílias das quais procediam os sumo-sacerdotes, dado que tinham grande influência am assuntos públicos.
Sumo-sacerdote - Usado em referência a CRISTO. Ao sofrer uma morte sangrenta, ele ofereceu a si mesmo como sacrifício expiatório para DEUS, e entrou no santuário celeste onde continuamente intercede em nosso favor
 
 
SACERDOTES, LEVITAS (Enciclopédia Ilumina)
No AT, descendente de ARÃO separado para servir como oficiante no culto realizado primeiro no TABERNÁCULO e depois no TEMPLO. O sacerdote era MEDIADOR entre DEUS e o povo, oferecendo SACRIFÍCIOS e orando em seu favor (Êx 28; 29; Lv 21; 1Cr 24). Antes de Arão já havia sacerdotes (Hb 7.1-3). No NT, todos os cristãos são sacerdotes (Ap 1.6; 5.10; v. SACERDÓCIO).
Em tempos atuais, a palavra "sacerdote" é usada para uma pessoa que lidera uma igreja. A palavra "sacerdote" é usada também quando falamos de todos os cristãos, Por exemplo, Pedro escreveu que a igreja era um "sacerdócio real" (1 Pedro 2:9). Mas quando que os sacerdotes começaram a fazer a obra de DEUS? O que significa ser um sacerdote? Para encontrar as respostas para essas perguntas, precisamos dar uma olhada na bíblia e nos eventos históricos que ajudaram moldar os sacerdotes de hoje. No Velho Testamento, havia três classes de obreiros religiosos: os profetas, os mestres e os sacerdotes e levitas.
 
 
Os sacerdotes e os levitas preenchiam várias tarefas religiosas e tinham muito em comum com os sacerdotes de hoje. Os sacerdotes e os levitas eram homens profissionais que eram pagos pelo seu trabalho religioso em tempo integral. Eles lideravam serviços religiosos e ajudavam os israelitas a tentarem ter um bom relacionamento com DEUS. Era um trabalho muito digno e poucas pessoas eram qualificadas para fazê-lo.
As pessoas não decidiam se tornar sacerdotes. Elas se tornavam sacerdotes pela virtude da descendência sacerdotal. Em razão disso, os primeiros sacerdotes foram os quatro filhos de Arão: Nadabe, Abiú, Eleazar e Itamar. Esses quatro foram ordenados ao mesmo tempo em que Arão foi ordenado sumo sacerdote (Êxodo 28:1). Assim como Arão, os sacerdotes tinham roupas especiais que eram basicamente parecidas, apesar de faltar peças de roupa distintas do sumo sacerdote (o ephod especial, chestpiece e a coroa). Depois que os sacerdotes morriam, seu trabalho era passado para seus filhos e netos.
 
DEUS queria que todos os sacerdotes fossem santos, então ele deu aos israelitas leis específicas para os sacerdotes. O homem teria que ser descendente de Arão para ser sacerdote, mas ele também tinha que ter várias outras qualificações. Ele não poderia ser casado a uma mulher divorciada ou uma ex-prostituta (Levíticos 21:7). Se ele tivesse algum tipo de doença ou defeito de nascença, ele não poderia se tornar um sacerdote. Isso incluía cegueira, deficiência física, mutilação, ou ser corcunda ou anão (Levítico 21:16-23). Os princípios para escolher um sacerdote eram parecidos com os princípios para escolher um animal que seria sacrificado. Somente animais (e sacerdotes) que estivessem livres de defeitos ou falhas serviam para o serviço divino.
A bíblia nos dá alguma informação sobre as tarefas específicas dos sacerdotes antigamente em Israel. Por exemplo, Eleazar era responsável pelo tabernáculo e suas ofertas (Números 4:16). Ele também assistia Moisés em várias tarefas, tais como um censo dos israelitas e dividir e terra (Números 26:1-2; 32:2). Mais adiante, Eleazar também serviu como conselheiro a Jiosué. Itamar era responsável pela construção do tabernáculo (Êxodo 38:21) e supervisionava as famílias dos gersonitas e dos meraritas (Números 4:28-33). A bíblia não nos fala muito sobre Nadabe e Abiú, porque eles morreram logo após sua ordenação por causa de um ato pecaminoso, que pode ter sido embriagueis (Levítico 10:1-9).
 
As tarefas sacerdotais, em geral, tinham três áreas (Deuteronômio 33:8-10). Primeiro, os sacerdotes eram responsáveis, juntamente com o sumo sacerdote, por declarar a vontade de DEUS ao povo. Segundo, eles tinham que ensinar as ordenanças e as leis de DEUS ao povo de Israel (Deuteronômio 33:10). E por último, eles tinham que ser servos do tabernáculo e participar nos sacrifícios e adorações de Israel. Havia várias outras tarefas que os sacerdotes executavam desde conselheiros, como juizes, médicos, Mestres de obras, fiscais santarios, etc...
 
Os sacerdotes, juntamente com os outros levitas, não possuíam nenhuma terra como as outras tribos tinham. O seu trabalho era pra ser completamente dedicado a servir a DEUS. No entanto, por que eles não possuíam nenhuma terra, eles não podiam plantar comida para comer. Por causa disso, a lei de DEUS decretava que todos os israelitas tinham que sustentar os levitas pelos seus serviços. Quando o povo adorava no tabernáculo, eles traziam porções de animais, milho, vinho, óleo e lã para os sacerdotes.
 
Listagem de Sumo sacerdotes
 (1 Cr 6: 1-15; 49-53): Arão → Eleazar → Finéias → Abisua → Buqui → Uzi → Zeraías → Meraiote → Amarias → Aitube → Zadoque (na época de Davi) → Aimaás → Azarias → Joanã → Azarias (na época de Salomão) → Amarias → Aitube → Zadoque → Salum → Hilquias → Azarias (2 Cr 31: 10 – sumo sacerdote no tempo de Ezequias) → Seraías (Jr 52: 24 – levado cativo para a Babilônia juntamente com Sofonias, o segundo sacerdote) → Jeozadaque (levado cativo para a Babilônia) → Período Pós-exílico: Jesua ou Josué (520 AC, durante o período dos profetas Zacarias (520 AC) e Ageu (520-480 AC): Ed 2: 2; Ed 3: 2; Ed 10: 18; Ne 12: 1; 10-11; Ag 2: 2; Zc 3: 1) → Joiaquim (Ne 12: 10 – 480 AC) → Eliasibe (Ne 3: 1; Ne 12: 10; 22; Ne 13: 4; 7; Ne 13: 28 – 458-443 AC) → Joiada (Ne 12: 10; 22; Ne 13: 28 – 420 ou 415 AC). Provavelmente Eliasibe e Joiada foram contemporâneos do profeta Malaquias (440-430 AC), o período que, segundo alguns estudiosos, coincide com o retorno de Neemias à Pérsia após seus 12 anos como governador em Jerusalém (Ne 5: 14; Ne 13: 6), voltando novamente à cidade (Ne 13: 6); por isso, Malaquias reprovou os sacerdotes, que estavam negligenciando seu ofício → Jônatas (ou Joanã, Ne 12: 10; 22 – 408-336 AC) → Jadua (Ne 12: 10; 22 – 340 ou 336 AC, um pouco antes de Alexandre o Grande (333-323 AC) subir ao poder e derrotar o império persa, cujo último governante foi Dario III; Jadua se encontrou com Alexandre em 332 AC) → Período Intertestamentário (com início em 397 AC, sob a ótica espiritual, i.e., profética, após o período de Malaquias) → listagem histórica, não bíblica (fonte: Wikipedia.org) → Período Ptolomaico sobre a Palestina (323-198 AC): Onias I → Simão I → Simeão, o Justo → Eleazar → Manassés → Onias II (por volta de 234 AC) → Período dos Selêucidas sobre a Palestina (198-167 AC; sacerdotes escolhidos pelos Selêucidas): Simão II → Onias III (185-175 AC) → Jason (175-172 AC) → Menelau (172-162 AC) → Alcimus (162-153 AC) → Revolta dos Macabeus, sob o comando de Matatias Hasmon no vilarejo chamado Modiín. Matatias era sacerdote, mas não há prova alguma sobre pertencer à linhagem de Arão. Ele era pai de cinco filhos: Simão, Judas (o macabeu), Eleazar, João e Jônatas. Matatias faleceu na revolta, e seu filho Judas Macabeu (160-153 AC) foi nomeado general. Finalmente, os Macabeus expulsaram as tropas de Antíoco IV (Rei Selêucida) de Jerusalém. A Revolta dos Macabeus durou de 167-160 AC. Judas Macabeu faleceu e foi sucedido por seu irmão Jônatas, que se tornou sumo sacerdote em Jerusalém por indicação do rei Selêucida Antíoco VI Dionísio (144-142 AC) → Dinastia Hasmoneana sobre Israel (167-63 AC): Jônatas Macabeu (153-143 AC) → Simão Macabeu (143-135 AC) → João Hircano I (o filho mais novo de Simão Macabeu – 135-104 AC) → Aristóbulo I (nascido com nome Judas, o filho mais velho de João Hircano I – 104-103 AC) → Alexandre Janeu (103-76 AC. Alexandre, filho de João Hircano I, herdou o trono de seu irmão Aristóbulo I, casando-se com a viúva deste, Salomé Alexandra, de acordo com a lei do levirato) → Rainha Salomé Alexandra e João Hircano II (76-67 AC), filho mais velho dela com Alexandre Janeu → Aristóbulo II (67-63 AC – outro filho de Salomé e Alexandre Janeu) → João Hircano II (restaurado – 63-40 AC. A neta de João Hircano, II Mariamne I, foi a 2ª esposa de Herodes o Grande) → Antígono (40-37 AC), o filho de Aristóbulo II → Em 65–64 AC, o Império Selêucida foi anexado à República Romana. Assim, terminou também o Período Hasmoneano, e teve início o Período Romano, quando Pompeu invadiu Jerusalém (63 AC) e Herodes, o Grande, subiu ao poder como rei → Dinastia Herodiana: Herodes era filho de Antípatro, um Idumeu (ou Edomita), colocado pelo general romano Pompeu como procurador da Palestina em 67 AC. Antípatro prosperou na corte dos últimos soberanos Hasmoneus e passou a governar a Judéia após a ocupação romana → Herodes, o Grande, nomeou como sumo sacerdote a Ananelus (37-36 AC), sucedido por Aristóbulo III da Judéia (36 AC). Aristóbulo III era cunhado de Herodes, o Grande e irmão de Mariamne I; foi assassinado por Herodes, que já havia assassinado João Hircano II da Judéia 36 AC. → Ananelus (restaurado – 36-30 AC), Joshua ben Fabus (30-23 AC) → Simon ben Boethus (pai de Mariamne II, que se casou com Herodes, o Grande) → Joazar ben Boethus (4 AC) → Eleazar ben Boethus (4-3 AC) → Anás (6-15 DC – Ananus ben Seth ou Anás ben Sete, o pai, o Anás dos Evangelhos) → Caifás (18-36 DC – genro de Anás: Lc 3: 2; João 18: 13).
Os cinco filhos de Anás também serviram como sumo sacerdotes:
• Eleazar ben Anás (16-17 DC)
• Jônatas ben Anás (36-37 DC, depois da morte de Caifás)
• Teófilo ben Anás (37-41 DC)
• Matias ben Anás (43 DC)
• Anás ben Anás (63 DC)
As cidades dos Levitas estão descritas em Josué 21: 1-45, e são ao todo 48 cidades (Josué 21: 4-7): Quiriate-Arba (ou Hebrom, e também cidade de refúgio para o homicida), Libna, Jatir, Estemoa, Holom, Debir, Aim, Jutá, Bete-Semes, Gibeão, Gaba, Ananote, Almom, Siquém (na tribo de Efraim e também cidade de refúgio para o homicida), Gezer, Quibzaim, Bete-Horom, Elteque, Gibetom, Aijalom, Gate-Rimom (na tribo de Dã), Taanaque, Gate-Rimom (na tribo de Manassés), Golã (na tribo de Manassés e também cidade de refúgio para o homicida), Beesterá, Quisião, Daberate, Jarmute, En-Ganim, Misal, Abdom, Helcate, Reobe, Quedes (em Naftali e também cidade de refúgio para o homicida), Hamote-Dor, Cartã, Jocneão, Cartá, Dimna, Naalal, Bezer (na tribo de Rúben e também cidade de refúgio para o homicida), Jaza, Quedemote, Mefaate, Ramote (em Gileade e também cidade de refúgio para o homicida), Maanaim, Hesbom e Jazer. A bíblia diz no v. 41: “As cidades, pois, dos levitas, no meio da herança dos filhos de Israel, foram, ao todo, quarenta e oito cidades com seus arredores”.
 
 
I – FUNÇÕES CLÍNICAS
Lepra

. Há, pelo menos, duas lições espirituais das ordens sobre a lepra:

1. A importância da obediência. Entre as últimas orientações dadas por Moisés ao povo de Israel são estas palavras: “Guarda-te da praga da lepra e tem diligente cuidado de fazer segundo tudo o que te ensinarem os sacerdotes levitas; como lhes tenho ordenado, terás cuidado de o fazer” (Deuteronômio 24:8).

2. A necessidade de distinguir entre o limpo e o imundo. A chave ao entendimento deste significado da lepra aparece em Levítico 14:54-57 – “Esta é a lei de toda sorte de praga de lepra, e de tinha, e da lepra das vestes, e das casas, e da inchação, e da pústula, e das manchas lustrosas, para ensinar quando qualquer coisa é limpa ou imunda. Esta é a lei da lepra.”

HANSENÍASE (LEPRA)
Hanseníase ou lepra, nome pelo qual a enfermidade era conhecida no passado, é uma doença infectocontagiosa causada pela bactéria Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen, em homenagem a seu descobridor. É provável que a transmissão se dê pelas secreções das vias aéreas superiores e por gotículas de saliva. Embora seja uma doença basicamente cutânea, pode afetar os nervos periféricos, os olhos e, eventualmente, alguns outros órgãos. O período de incubação pode durar de seis meses a seis anos.
A doença pode apresentar principalmente quatro formas clínicas: indeterminada, borderline ou dimorfa, tuberculoide e virchowiana. Em termos terapêuticos, somente dois tipos são considerados: paucibacilar (com poucos bacilos) e multibacilar (com muitos bacilos).

Sintomas
* Manchas na pele de cor parda, esbranquiçadas ou eritematosas, às vezes pouco visíveis e com limites imprecisos;
* Alteração da temperatura no local afetado pelas manchas;
* Comprometimento dos nervos periféricos;
* Dormência em algumas regiões do corpo causada pelo comprometimento da enervação. A perda da sensibilidade local pode levar a feridas e à perda dos dedos ou de outras partes do organismo;
* Aparecimento de caroços ou inchaço nas partes mais frias do corpo, como orelhas, mãos e cotovelos;
* Alteração da musculatura esquelética principalmente a das mãos, que resulta nas chamadas “mãos de garra”;
* Infiltrações na face que caracterizam a face leonina característica da forma virchowiana da doença.
Crentes que tiveram Lepra.

Moisés (rápida para revelar o poder de Deus, Êx 4:7, 6);
Miriã - sete dias, para punir rebeldia, Nm 12:10-15);
Naamã (Para que DEUS fosse glorificado 2 Rs 5:1-18);
Geazi (para punir Ambição; 2 Reis 5:20 27) e
Uzias (para punir soberba, 2 Reis 16:19; Pv 16:18).

Mais exemplos de leprosos na bíblia:

4 leprosos a porta da cidade (aproveitados para revelar a vitória de Deus sobre os inimigos de Israel, 2 Rs 7:3-8; 15).
10 leprosos curados, só um voltou para agradecer (importância do testemunho, Lc 17:11-19);
Leproso de Mc 1:40, diz: se quiseres podes curar-me (Deus não inventou a doença é nem quer que alguém fique doente, JESUS já levou nossas doenças e enfermidades - Isaías 53:4).

1. A inspeção da lepra.
O sacerdote deveria examinar com cuidado todos os casos que lhe chegavam de todo o povo.
2. A inspeção clínica.
O sacerdote também deveria examinar com cuidado todos os casos que lhe não chegavam de todo o povo. Para isso tinha que ir até a casa dos hebreus.
3. A limitação do sacerdote.
O sacerdote, além de examinar com cuidado todos os casos que lhe chegavam ou que ele descobria de todo o povo, deveria testar se era realmente Lepra e encerrar o donte por sete dias e depois por mais sete. Só DEUS podia curar a Lepra.
II – FUNÇÕES SANITARISTAS
1. A função sanitarista do sacerdote.
O sacerdote deveria examinar com cuidado todos os casos de Lepra que lhe chegavam de todo o povo e além disso, checar os problemas de resguardo, de separação durante a menstruação, Alimentação dos Hebreus e Limpesa do acampamento.
2. A lepra na casa.
A Lepra poderia dar nas paredes ou nas pedras e a casa teria que ser examinada e muitas vezes até demolida e até queimada.
3. A lepra nas vestes.
As roupas deveriam ser examinadas e queimadas se houvesse Lepra nelas.
III – FUNÇÕES JURÍDICAS
1. Proteção da família.
Proibido Adultério, Prostituição, Homossualismo, Lesbianismo.
2. Proteção da propriedade privada.
O Hebreu era dono de sua terra e ainda que a vendesse a teria de volta no ano do Jubileu.
3. Proteção da vida.
Brigas com perda de crianças no ventre da mãe poderiam acarretar na morte do ofensor. Aborto Proibido e qualquer método anticoncepcional.
 
SÍNTESE DO TÓPICO I - DEUS encarregou os sacerdotes de inspecionar a saúde pública de Israel.
SÍNTESE DO TÓPICO II - Os sacerdotes exerciam funçőes sanitaristas, examinando casas e pessoas a fim de evitar que doenças, como a lepra, se propagassem.
SÍNTESE DO TÓPICO III - Os sacerdotes atuavam também como juízes.
SUBSÍDIO BÍBLICO-TEOLÓGICO TOP1
“Levítico 9 — 10 identifica vários ministérios sacerdotais. Os sacerdotes deviam oficiar em sacrifícios e ofertas, e assim conduzir em adoração. Eles deviam ‘distinguir entre o santo e o profano’ (Lv 10.10). Deviam também ensinar aos israelitas os decretos de DEUS. E tem mais: Os sacerdotes deviam diagnosticar males que tornavam adoradores cerimonialmente impuros (Lv 13 — 14). Ofereciam ritual de purificação para aqueles que fossem recuperados. Examinavam todos os animais sacrificiais para verificar se eram saudáveis e sem defeitos (Lv 22.17-21). Os sacerdotes estabeleciam o valor de todas as mercadorias que eram dedicadas a DEUS (Lv 27). Eles supervisionavam o cuidado do Tabernáculo e, mais tarde, do Templo (Nm 3;4). Os sacerdotes anunciavam o início de todas as festas religiosas (Lv 25.9). Atuavam como um tipo de suprema corte, reunida para ouvir os casos difíceis (Dt 17.11). Usavam o Urim e Tumim para transmitir a resposta de DEUS a questões expostas pelos líderes da nação (Nm 27.21). E, ainda, acompanhavam o exército, para exortar a confiança em DEUS (Dt 20.1-4). Em resumo, eles serviam como guardiões da fé de Israel. Suas obrigações não eram somente rituais, mas chamados para o envolvimento com israelitas comuns em todos os aspectos das suas vidas e relacionamento com o Senhor. Nós que estamos em CRISTO somos chamados para o seu real sacerdócio e podemos encontrar direção para o moderno ministério ao meditar na chamada dos sacerdotes do Antigo Testamento” (RICHARDS, Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Gęnesis a Apocalipse capítulo por capítulo. 9.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2010, p. 81).

SUBSÍDIO
BÍBLICO-TEOLÓGICO TOP2
“Isolamento (Lv 13.45,46)
O isolamento das pessoas com males infecciosos na pele tinha benefícios públicos saudáveis. Pela quarentena de tais pessoas ‘fora do acampamento’, a comunidade estava protegida de males como sarampo, escarlatina, varíola, os quais provavelmente causariam epidemias. Outras regras têm benefícios semelhantes, como aquelas que exigiam lavar qualquer coisa tocada por uma pessoa acometida de mal que cause fluxo da carne (Lv 15.1-12). Enquanto que o primeiro propósito das regras relativas à impureza é espiritual, não nos surpreende que elas tivessem benefícios adicionais. DEUS está profundamente interessado em nosso total bem-estar. Qualquer um que seguir as normas bíblicas para o bem-estar espiritual também gozará melhor saúde física” (RICHARDS, Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Gęnesis a Apocalipse capítulo por capítulo. 9.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2010, p. 83)
 
CONHEÇA MAIS
*Doenças no tempo do Levítico
“O isolamento das pessoas com males infecciosos na pele tinha benefícios públicos saudáveis. Pela querentena de tais pessoas ‘fora do acampamento’, a comunidade estava protegida de males como sarampo, escarlina, varíola, os quais provavelmente causariam epidemias.” Leia mais em “Guia do Leitor da Bíblia”, CPAD, p.83.
SUBSÍDIO BÍBLICO-TEOLÓGICO TOP3
“Os sacerdotes também tinham de atuar como mestres da lei (Lv 10.10,11), uma tarefa que nem sempre desempenhavam corretamente (Ml 3.11). Como pedagogos, eles representavam um limitado meio de revelação em certas áreas da saúde da jurisprudência, incluindo o diagnóstico e a limpeza de certos tipos de lepra (Lv 13,14), a purificação de homens e mulheres e de artigos de mobiliário tocados por quaisquer fluxos dos corpos de homens e mulheres (Lv 15), a prova do ciúme (Nm 5.11-21), as controvérsias e os castigos por um assassinato duvidoso (Dt 21.5) e outros assuntos de natureza civil (2 Cr 19.8-11; Ez 44.24).
O sacerdócio hebreu incluía três classes básicas: o sumo sacerdote, os sacerdotes, e os levitas. Os levitas, como uma classe subsidiária que servia aos sacerdotes, não podem ser facilmente distinguidos porque Arão e seus filhos não constavam entre as tribos de Israel como uma tribo, mas foram nomeados para o serviço do Tabernáculo no deserto, especialmente no tocante à sua movimentação. Havia originalmente uma cuidadosa distinção entre os levitas e os sacerdotes, e isso está claramente ilustrado na rebelião de Corá, Datã e Abirão, cujas vidas e as de suas famílias foram perdidas porque como levitas procuraram usurpar o ofício do sacerdote (Nm 16.1-33)” (Dicionário Bíblico Wycliffe. 7.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2010, p. 1717).

PARA REFLETIR - A respeito de “A Função Social dos Sacerdotes”, responda:
Quais as atribuições dos sacerdotes quanto ao relacionamento social dos israelitas? R- Conduzir o povo na Lei de DEUS, a fim de torná-lo propício ao Senhor que exige, de cada um de seus filhos, santidade, pureza e distinção.
Qual a função clínica dos sacerdotes? R- Cabia aos sacerdotes inspecionar e diagnosticar os leprosos. Era uma função mais preventiva que curativa.
Descreva a função sanitarista dos sacerdotes.
Sua função é basicamente preventiva. Manter a cidade livre dos focos de doenças e infecções é o seu trabalho prioritário. Nesse sentido, cabia aos sacerdotes inspecionar as casas e roupas em Israel.
Como os israelitas deveriam tratar a propriedade privada? R- A propriedade privada, em Israel, era sagrada; uma dádiva de DEUS ao seu povo (Êx 3.7,8; 1 Rs 21.3). Por esse motivo, os israelitas deveriam tratar suas casas e campos de maneira amorosa e responsável (Lv 19.9). As colheitas deveriam ser feitas de maneira a atender à carência dos mais pobres (Lv 23.22). Sendo, pois, a terra propriedade do Senhor, não poderia ser explorada de maneira irresponsável e contrária à natureza (Lv 25.3,4). Do texto sagrado, depreendemos que o sacerdote tinha por obrigação supervisionar o uso sustentável da terra.
Que qualidades deveriam ter os sacerdotes de acordo com o profeta Malaquias? R - Os seus descendentes deveriam ser o mais alto referencial da nação no que tange à Palavra de DEUS, à instrução e à administração da justiça (Ml 2.4-7).

 
CONSULTE - Revista Ensinador Cristão - CPAD, nº 75, p38.
 
 
AJUDA BIBLIOGRÁFICA
Teologia Sistemática de Charles Finney
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.
Bíblia de estudo - Aplicação Pessoal.
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - Bíblia de Estudos Pentecostal.
CHAMPLIN, R.N. O Novo e o Antigo Testamento Interpretado versículo por Versículo. 
Conhecendo as Doutrinas da Bíblia - Myer Pearman - Editora Vida
Comentário Bíblico Beacon, v.5 - CPAD.
Comentário Bíblico TT W. W. Wiersbe
Comentário Bíblico Expositivo - Novo Testamento - Volume I - Warren W. Wiersbe
CRISTOLOGIA - A doutrina de JESUS CRISTO - Esequias Soares - CPAD
Dicionário Bíblico Wycliffe - CPAD
GARNER, Paul. Quem é quem na Bíblia Sagrada. VIDA
http://www.gospelbook.net, www.ebdweb.com.br, http://www.escoladominical.net, http://www.portalebd.org.br/, Bíblia The Word.
O Novo Dicionário da Bíblia - J.D.DOUGLAS.
Peq.Enc.Bíb. - Orlando Boyer - CPAD
Revista Ensinador Cristão - CPAD.
STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD.
Teologia Sistemática Pentecostal - A Doutrina da Salvação - Antonio Gilberto - CPAD
Teologia Sistemática - Conhecendo as Doutrinas da Bíblia - A Salvação - Myer Pearman - Editora Vida
Teologia Sistemática de Charles Finney
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
HOUAISS, Antônio. Dicionário da Língua Portuguesa. OBJETIVA.
Levítico - introdução e comentário - R.K.Harrinson - Série Cultura Bíblica - Sociedade Religiosa Edições Vida Nova - São Paulo - SP
 
Home
Estudos
EBD
Discipulado
Mapas
Igreja
Ervália
Corinhos
Figuras1
Figuras2
Vídeos
Fotos