Home
Estudos
EBD
Discipulado
Mapas
Igreja
Ervália
Corinhos
Figuras1
Figuras2
Vídeos
Fotos
 
 
LIÇÃO 4 - JESUS, O MODELO IDEAL DE HUMILDADE
LIÇÕES BÍBLICAS - 3º Trimestre de 2013 - CPAD - Para jovens e adultos
Tema: Filipenses - A Humildade de CRISTO como exemplos para a Igreja.
Comentário: Pr. Elienai Cabral
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
QUESTIONÁRIO
NÃO DEIXE DE ASSISTIR AOS VÍDEOS DA LIÇÃO ONDE TEMOS MAPAS, FIGURAS, IMAGENS E EXPLICAÇÕES DETALHADAS DA LIÇÃO
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm  
 
 
TEXTO ÁUREO
De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em CRISTO JESUS" (Fp 2.5).
 

VERDADE PRÁTICA
JESUS CRISTO é o nosso modelo ideal de submissão, humildade e serviço.
 

LEITURA DIÁRIA
Segunda - Fp 2.5-8 CRISTO: o maior exemplo de humildade
Terça - Jo 12.20-28 Glorifique a DEUS na tribulação
Quarta - Jo 13.3-7 Quem ama serve
Quinta - Lc 6.27-36 Amando como JESUS
Sexta - Rm 12.9-15 A verdadeira fraternidade
Sábado - Fp 2.3 Considerando o outro superior
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Filipenses 2.5-11
5 De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em CRISTO JESUS, 6 que, sendo em forma de DEUS, não teve por usurpação ser igual a DEUS. 7 Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; 8 e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz. 9 Pelo que também DEUS o exaltou soberanamente e lhe deu um nome que é sobre todo o nome, 10 para que ao nome de JESUS se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, 11 e toda língua confesse que JESUS CRISTO é o Senhor, para glória de DEUS Pai.
 
2.5 HAJA EM VÓS O MESMO SENTIMENTO. Paulo enfatiza como o Senhor JESUS deixou a glória incomparável do céu e humilhou-se como um servo, sendo obediente até à morte para o benefício dos outros (vv. 5-8). A humildade integral de CRISTO deve existir nos seus seguidores, os quais foram chamados para viver com sacrifício e renúncia, cuidando dos outros e fazendo-lhes o bem.
2.6 SENDO EM FORMA DE DEUS. JESUS sempre foi DEUS pela sua própria natureza e igual ao Pai antes, durante e depois da sua permanência na terra (ver Jo 1.1; 8.58; 17.24; Cl 1.15,17; ver Mc 1.11; Jo 20.28). CRISTO, no entanto, não se apegou aos seus direitos divinos, mas abriu mão dos seus privilégios e glória no céu, a fim de que nós, na terra, fôssemos salvos.
2.7 ANIQUILOU-SE A SI MESMO. O texto grego do qual foi traduzida esta frase, diz literalmente, que ele "se esvaziou", i.e., deixou de lado sua glória celestial (Jo 17.4), posição (Jo 5.30; Hb 5.8), riquezas (2 Co 8.9), direitos (Lc 22.27; Mt 20.28) e o uso de prerrogativas divinas (Jo 5.19; 8.28; 14.10). Esse "esvaziar-se" importava não somente em restrição voluntária dos seus atributos e privilégios divinos, mas também na aceitação do sofrimento, da incompreensão, dos maus tratos, do ódio e, finalmente, da morte de maldição na cruz (vv. 7,8).
2.7 A FORMA DE SERVO... SEMELHANTE AOS HOMENS. Para trechos na Bíblia que tratam de CRISTO assumindo a forma de servo, ver Mc 13.32; Lc 2.40-52; Rm 8.3; 2 Co 8.9; Hb 2.7,14. Embora permanecesse em tudo divino, CRISTO tomou sobre si uma natureza humana com suas tentações, humilhações e fraquezas, porém sem pecado (vv. 7,8; Hb 4.15).
 
O Exemplo Inspirador de CRISTO (Fp 2.5-11) - John Macarthur - Comentário Filipenses - http://www.editoraculturacrista.com.br
“De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em CRISTO JESUS”. Isso quer dizer que não somente devem seguir o exemplo de CRISTO no que diz respeito à sua conduta exterior, mas também no que diz respeito à sua vida interior. Devem prestar atenção àquilo que prendia a atenção dEle, amar as coisas que Ele amava, odiar as coisas que Ele odiava. Devem ver as coisas do ponto de vista dEle, a atitude dEle deve ser a deles. Mais especialmente, devem seguir o exemplo do humilde servo que revelou ao entregar a si mesmo para a salvação do mundo.
Notemos que estes versos declaram as doutrinas fundamentais do Cristianismo:
(1) A encarnação, mediante a qual o Filho de DEUS se tornou homem, a fim de que o homem seja feito um filho de DEUS.
(2) A expiação, que significa que o Filho de DEUS morreu em prol do homem, a fim de que o homem vivesse para DEUS.
a. Sua preexistência. AquEle que nasceu em Nazaré existia previamente num estado mais glorioso. Na eternidade, existia “em forma de DEUS” (Fp 2.6): tinha a mesma natureza de DEUS; “verdadeiro DEUS de verdadeiro DEUS”, conforme diz um antigo credo. Sua existência não começou na ocasião do seu nascimento, nem terminou com a sua morte.
b. Sua encarnação. Embora subsistisse em forma de DEUS, “não teve por usurpação ser igual a DEUS. Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens”. Quando foi comissionado para salvar a raça humana, não considerava a sua natureza divina um motivo para isenção do dever. Livremente deixando de lado por um tempo a sua glória e atributos divinos, trocou a forma celestial de existência por uma forma terrestre, e como Filho de DEUS, tornou-se o Filho do homem. Assim como em certa ocasião deixou de lado as suas vestes externas a fim de lavar os pés dos seus discípulos (Jo 13.3-5), também, por alguns anos, deixou de lado a sua glória externa a fim de purificar do pecado a raça humana. Quando o Filho de DEUS se tornou homem, recebeu o nome para descrever sua missão terrestre: JESUS (Mt 1.21). AquEle que era Mestre de tudo (Cl 1.16) ficou sendo o Servo de todos (Mc 10.45; Lc 22.27).
c. Sua humilhação. “E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz”. Na vinda do Filho de DEUS, havia uma dupla descida: para assumir a natureza humana e para morrer a morte humana. Viveu e morreu humanamente. Não era uma morte comum, era a forma mais vergonhosa e dolorosa da morte — a morte na cruz. Quando o seu corpo foi deitado no túmulo, a descida do Filho do Homem ficou completa.
3. Sua exaltação. “Pelo que também DEUS o exaltou soberanamente e lhe deu um nome que é sobre todo o nome, para que ao nome de JESUS se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra”. Assim foram cumpridas as próprias palavras de CRISTO: “Aquele que se humilha será exaltado”. E sendo que, no plano final de DEUS, a exaltação está em proporção à humilhação, a exaltação de CRISTO é a maior que existe no Universo, porque a sua própria humilhação foi a mais profunda. Sua recompensa foi a soberania universal, recebendo a adoração de toda criatura (cf. Ap 5.6-14). Humilhou-se sob a poderosa mão de DEUS e, em tempo oportuno, foi exaltado (1 Pe 5.6).

Um modelo de Unidade Espiritual (Filipenses 2:5-8)
De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em CRISTO JESUS, que, sendo em forma de DEUS, não teve por usurpação ser igual a DEUS. Mas aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz.! (2:5–8)
Em seu livro Milagres, CS Lewis oferece alguns insights úteis para a compreensão da realidade insondável da encarnação de CRISTO:
Na história cristã, DEUS desce para reascender. Ele desce, desce das alturas de ser absoluto no tempo e no espaço, para baixo na humanidade .... Mas Ele desce para poder apresentar a todo o mundo a possibilidade de subir ao céu.
Um dos  insights tem a imagem de um homem forte inclinando-se mais e mais para colocar-se debaixo dalgum grande fardo pesado. Ele deve se inclinar, a fim de levantar esse peso, ele deve quase desaparecer sob a carga que antes incrivelmente Ele colocou nas costas e caminhar com todo o peso sobre seus ombros. Outro  insights é o de um mergulhador que primeiro tira suas roupas, depois veste-se com roupa de mergulho e desce através da água negra e fria, para baixo através de uma pressão crescente para a região da morte de lodo e limo e velhice e, depois, de novo, volta para a cor e a luz, os seus pulmões quase estourando, até que de repente ele aparece novamente na superfície, segurando em sua mão um objeto precioso gotejando, o qual ele havia descido para o recuperar. Ele e o objeto são parecidos, percebe-se agora que eles vieram para a luz: lá em baixo da água, tanto ele como o objeto estavam incolores no escuro, eles haviam perdido a cor devido à escuridão.
A vida começa com um espermatozóide que fecunda um óvulo no útero escuro de uma mãe, depois nasce uma linda criança que veio para a luz. Assim é também em nossa vida moral e emocional. Os primeiros desejos inocentes e espontâneas têm de apresentar para o processo mortal de controle ou negação total: mas de que há uma re-ascensão ao caráter totalmente formado na qual a força do material original tudo funciona, mas de uma maneira nova. Morte e Renascimento, descer para ir para cima é um princípio fundamental. Através deste gargalo, este rebaixamento, o perfeito quase sempre se encontra.
A Encarnação é o milagre central do cristianismo, a mais grandiosa e maravilhosa de todas as coisas que DEUS já fez. Esse milagre dos milagres é o tema de Filipenses 2:5-8. Alguns estudiosos acreditam que essa passagem era originalmente um hino, cantado pelos primeiros cristãos para comemorar e celebrar a encarnação do Filho de DEUS. Tem sido chamado de uma jóia cristológica, um diamante teológico que talvez seja mais brilhante do que qualquer outro nas Escrituras. Em uma forma simples, breve, mas extraordinariamente profunda, descreve a condescendência da segunda Pessoa da Santíssima Trindade para nascer, viver e morrer na forma humana para proporcionar a redenção para a humanidade caída.
Tão profunda e insondável como essa passagem teologica, é também ética. Como as palavras introdutórias (Tende em vós o que houve também em CRISTO JESUS) deixa claro, elas são projetadas principalmente para motivar os cristãos a viverem como seu Senhor e Salvador. Paulo não estava apenas descrevendo a Encarnação para revelar suas verdades teológicas, magníficas como essas são. Ele apresenta o exemplo, supremo incomparável de humildade para servir como o motivo mais forte para a humildade dos crentes. A Encarnação convida os crentes a seguirem o exemplo incomparável de amor de JESUS, a abnegação, doação, sacrifício humilde como Ele viveu a Encarnação em submissão obediente à vontade do Pai (cf. Lucas 2:49; João 3:16-17; 5:30; 12:49, 15:10).
O versículo 5 é uma transição de exortação e ilustração que olha para trás e para frente. Ele olha para trás com o princípio correto de dar, "
Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo.
Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros."(vv. 3-4). Ele aguarda com expectativa a ilustração desse princípio, em cumprimento perfeito de JESUS, como descrito nos versículos 6-8.
O objetivo dos crentes com esta atitude é a unidade espiritual na igreja, por serem "da mesma mente, mantendo o mesmo amor, unidos em espírito, com a intenção de um propósito" (v. 2). Unidade na Igreja só pode vir de uma atitude de humildade genuína, dos crentes verdadeiramente sobre os outros como mais importante do que se a atitude que foi extremamente manifestada em CRISTO JESUS durante a Sua encarnação. O apóstolo João deixa claro que "aquele que diz que permanece nele, [CRISTO] devia-se a andar da mesma maneira como Ele andou" (1 João 2:6). JESUS ordenou: "Tomai meu jugo sobre vós e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para as vossas almas" (Mt 11:29).
Dirigindo-se ao impacto ético dessa passagem, Paulo reescreve:
"Não esqueça", grita Paulo ", que em todo esse universo amplo e em todos os confins obscuros da história, nunca houve tal demonstração de auto-diminuição, de humildade, como quando o Filho de DEUS na pura graça desceu a este errante planeta! Lembre-se que de que nunca, nem mesmo em um milhão de anos Ele teria feito isso se ele fosse o tipo de divindade que parece "apenas para satisfazer seus próprios interesses e fecha os olhos para os interesses de outros! Você deve se lembrar, meus irmãos, que através de sua união com Ele, na experiência de vida, redenção, este princípio e paixão pelo que Ele foi movido deve tornar-se o princípio e paixão pelo que você está abalado. Em si mesmos não é dirigido a virtude pessoal do crente individual, mas tem como alvo toda a igreja, que é tão suscetível à divisão e conflito produzido pelo orgulho e pela auto-exaltação. A Igreja deve manifestar toda a humildade do Senhor, o cabeça da igreja. Um dos exemplos mais reveladores de sua humildade foi lavar os pés dos discípulos durante a Última Ceia. A tarefa servil de lavar os pés sujos era reservado para os menores servos. JESUS tinha acabado de ser reconhecido como o Libertador e profetizado como o Messias, o "Rei de Israel", na Sua entrada triunfal em Jerusalém, poucos dias antes (João 12:12-15). Ele estava bem consciente de "que o Pai lhe entregaria tudo nas Suas mãos, e que Ele tinha vindo de DEUS e estava voltando para DEUS" (13:3). No entanto, na humildade gentil Ele "levantou-se da ceia, e pôs de lado Suas vestes e, tomando uma toalha, cingiu a si mesmo. Em seguida, deitou água na bacia, e começou a lavar os pés aos discípulos e a enxugá-los com a toalha com que estava cingido "(vv. 4-5). Este ato foi especialmente pungente porque os discípulos, insensíveis ao sofrimento que vem de JESUS, estavam envolvidos em disputas uns com os outros sobre qual deles seria "maior" no reino do Messias (cf. Lc 22:24).
Depois o Senhor perguntou: "Você sabe o que eu fiz a vocês" Sabendo muito bem que eles não entenderam o significado do que Ele tinha acabado de fazer, Ele não esperou por uma resposta, mas continuou a explicar:
Depois que lhes lavou os pés, e tomou as suas vestes, e se assentou outra vez à mesa, disse-lhes: "Entendeis o que vos tenho feito? Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou.
Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros. Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também. Na verdade, na verdade vos digo que não é o servo maior do que o seu senhor, nem o enviado maior do que aquele que o enviou. Se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as fizerdes". (João 13:12-17).
Essa demonstração de humildade tão claramente exemplifica a atitude ... "o que houve também em CRISTO JESUS" que pode muito bem ser o que o apóstolo tinha em mente quando escreveu esta passagem. Também exemplifica sua advertência à igreja de Roma que "nós, que somos fortes, devemos suportar as fraquezas dos que, sem força não agradam a nós mesmos. Cada um de nós é para agradar ao seu próximo no que é bom para edificação. Porque também CRISTO não agradou a si mesmo "(Rm 15:1-3).
Acentuando novamente a relação inseparável entre a humildade e a união espiritual, ele acrescentou: "
De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus,Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens;"(vv. 5-7).
Paulo consistentemente seguindo esse princípio, ele poderia lembrar aos Coríntios: "
Como também eu em tudo agrado a todos, não buscando o meu próprio proveito, mas o de muitos, para que assim se possam salvar. depois
Sede meus imitadores, como também eu de Cristo
1 Coríntios 11:1
"Sede meus imitadores, como também eu de Cristo" (1Coríntios 10:33-11:1;... cf 2 Cor 8:7-9). Da mesma forma, ele lembrou aos tessalonicenses que "Porque o nosso evangelho não foi a vós somente em palavras, mas também em poder, e no Espírito Santo, e em muita certeza, como bem sabeis quais fomos entre vós, por amor de vós. E vós fostes feitos nossos imitadores, e do Senhor, recebendo a palavra em muita tribulação, com gozo do Espírito Santo. De maneira que fostes exemplo para todos os fiéis na macedônia e Acaia."(1 Ts.1:5-7).
O caminho da humildade não é o caminho do mundo. Alguns líderes gostam dos mais altos lugares de honra e respeito, e esperam serem servidos, ao invés de servir. JESUS descreveu os escribas e fariseus como os homens que amarram fardos pesados e os põem aos ombros dos homens, mas eles mesmos não estão dispostos a movê-los nem mesmo com um dedo. Mas eles fazem todas as suas obras para serem notadas por homens, alargam os seus filactérios e alongam as franjas das suas vestes. Eles adoram o lugar de honra nos banquetes e dos assentos nas sinagogas, e respeitosas saudações nas praças, e de serem chamados Rabi pelos homens. (Mateus 23:4-7).
A maioria dos judeus da época de JESUS, incluindo os Doze a maior parte de seu ministério, esperavam a vinda do Messias como um conquistador, rei, e libertador altamente honrado. Como os judeus, os cristãos também imaginavam um plano para a encarnação do Filho de DEUS, que sem dúvida seria a de esperar que ele viesse a nascer em uma família proeminente e que estudaria nas melhores escolas de sua época. Ele seria dotado por uma mente brilhante e viveria em esplendor real, com inúmeros assistentes para lhe servir e satisfazer todas as suas necessidades que desejasse. Ele teria proteção constante de perigo físico e da crítica destrutiva. Ele merece tudo. Mas isso não era o caminho de DEUS. Seu Filho Unigênito nasceu na mais humilde das famílias, no mais humilde dos lugares. Aos olhos daqueles que o cercavam, inclusive sua própria família e amigos, viveu uma vida corriqueira.
Os doze homens que Ele escolheu para serem seus apóstolos, com a possível exceção de Mateus, eram homens comuns com pouca educação, habilidades, ou posição. Ele se submeteu a cada humilhação e indignidade de seus inimigos e se recusou a se defender. O maior de todos tornou-se o menor de todos.
Obviamente, os crentes não podem seguir o exemplo da divindade de CRISTO, a encarnação, a perfeição moral e espiritual, milagres, ou obra redentora. Mas eles são ordenados a seguir o seu exemplo de humildade expressa em sua encarnação. Em contraste com os escribas e fariseus que queriam receber a glória e a honra, JESUS ordenou a seus seguidores a não serem chamados Rabi, pois "
Vós, porém, não queirais ser chamados Rabi, porque um só é o vosso Mestre, a saber, o Cristo, e todos vós sois irmãos.E a ninguém na terra chameis vosso pai, porque um só é o vosso Pai, o qual está nos céus.Nem vos chameis mestres, porque um só é o vosso Mestre, que é o Cristo. O maior dentre vós será vosso servo.E o que a si mesmo se exaltar será humilhado; e o que a si mesmo se humilhar será exaltado. " (Mateus 23:8-12).

A POSIÇÃO EXALTADA QUE JESUS DEIXOU
que, embora sendo DEUS (2:6a)

O primeiro Passo para baixo na humilhação de JESUS foi a partir da posição exaltada visto na verdade que ele, subsistindo em forma de DEUS. Tanto antes, durante e depois da Sua encarnação, Ele foi, por sua própria natureza, plena e eternamente DEUS. Existia, traduz um particípio presente ativo do verbo composto huparcho, que é formado a partir hupo ("em") e arché ("princípio") e denota a continuidade de um estado anterior ou existência. Ele salienta a essência da natureza de uma pessoa, o que é absolutamente imutável, inalienável e imutável. O verbo se refere "que parte de uma [pessoa] que, em quaisquer circunstâncias, permanece a mesma".
JESUS CRISTO existiu eterna e imutavelmente, e irá continuar a existir para sempre sob a forma de DEUS. Morphe (forma) refere-se a manifestação exterior de uma realidade interior. A idéia é que, antes da Encarnação, de toda a eternidade passada, JESUS preexistia sob a forma divina de DEUS, igual com DEUS Pai em todos os sentidos. Por sua própria natureza divina, sendo JESUS CRISTO que sempre foi e sempre será DEUS.
O esquema da palavra grega também é freqüentemente traduzido como "forma", mas o significado é bem diferente daquela de morphe. Morphe é a forma essencial que nunca se altera, o esquema (forma) é a forma exterior que muda de tempos em tempos e de circunstância para circunstância. Por exemplo, o morphe essencial de qualquer ser humano é a humanidade e isso nunca muda, mas o seu esquema (ou forma) está continuamente mudando. Um bebê, uma criança, um menino, um jovem, um homem de meia idade, um velho sempre tem a morphe da humanidade, mas as mudanças exteriores (esquema ou forma) mudam  o tempo todo. (Filipenses, 35-36)
Aos Colossenses, Paulo expressa a verdade da divindade de CRISTO com estas palavras: "Ele [JESUS CRISTO] é a imagem do DEUS invisível, o primogênito de toda a criação" (Colossenses 1:15). Falando de CRISTO, João abriu seu evangelho com a declaração: "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com DEUS, e o Verbo era DEUS. Ele estava no princípio com DEUS .... E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai, cheio de graça e verdade "(João 1:1-2, 14). JESUS disse de Si mesmo: "Em verdade, em verdade vos digo: antes que Abraão existisse, eu sou" (João 8:58), e depois orou: "Agora, Pai, glorifica-me junto de ti mesmo, com aquela glória que eu tinha contigo antes que o mundo fosse feito.... Pai, quero que eles também, aqueles que me destes, estejam comigo onde eu estou, para que vejam a minha glória que me deste, porque tu me amaste antes da fundação do mundo "(17:5, 24). O escritor de Hebreus nos lembra que DEUS "nestes últimos dias falou-nos pelo seu Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o mundo. E Ele é o resplendor da Sua glória e a expressão exata de sua natureza, e sustenta todas as coisas pela palavra do seu poder "(Hb 1:2-3). Para ele mudar de qualquer forma ou em qualquer grau, ainda que temporariamente, por decreto divino de Seu Pai, a descida era necessária. Por definição, abandonar a perfeição requer assumir algum tipo de imperfeição. No entanto, Ele nem abandonou qualquer forma diminuindo Sua divindade perfeita ou sua santidade absoluta, de uma forma que é muito além da compreensão humana, o Criador assumiu a forma de um servo. O Infinito tornou-se finito, o Inocente tomou sobre Si o pecado. O coração do evangelho da redenção é que o Pai "fez Aquele que não conheceu pecado, o pecado em nosso lugar, para que nos tornássemos justiça de DEUS nele" (2 Coríntios. 5:21). Apesar de que a verdade do evangelho é infinitamente maravilhosa e maravilhosa é impossível entender sob o conhecimento humano normal, é preciso acreditar, ter fé.
O exemplo para aqueles que têm fé salvadora em CRISTO é claro. Por causa de sua relação com CRISTO, eles têm uma posição especial e privilégio diante de DEUS. Através de CRISTO, eles são filhos de DEUS. "A todos quantos o receberam, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de DEUS, para aqueles que crêem no Seu nome" (João 1:12), e porque eles são seus filhos ", quando ele se manifestar, [eles] vão ser semelhantes a Ele, porque [eles] vão vê-lo como Ele é "(1 João 3:2). Embora eles sejam sempre os Seus servos, Ele se digna a chamá-los de seus amigos: "tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho dado a conhecer" (João 15:15). Os crentes são habitados por JESUS CRISTO (Ef 3:17) e pelo ESPÍRITO SANTO (João 14:17; Rm 8:9, 11;.. 2 Tm 1:14). Enquanto na terra, eles são os templos vivos de DEUS (1 Cor. 6:19) e "embaixadores de CRISTO" (2 Coríntios. 5:20). Eles foram divinamente "bem-aventurados ... com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em CRISTO," escolhido "nele antes da fundação do mundo," predestinados "para filhos de adoção por JESUS CRISTO, para si mesmo" (Efésios 1:3 -5). Ele "os predestinou para serem conformes à imagem de Seu Filho" (Rom. 8:29), "chamados segundo o seu propósito, ... justificados", e um dia será glorificado (8:28, 30). Eles são "pedras vivas, ... edificados casa espiritual para um sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a DEUS por JESUS CRISTO ... uma raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de DEUS" (1 Pedro 2:5, 9;. cf Ap 1:06, 5:10, 20:6).
Mas os cristãos são filhos de DEUS apenas por adoção (Rm 8:15;. Gal 4:5;. Ef 1:5), não por direito inerente. Toda bênção maravilhosa é um privilégio que temos e é totalmente por causa da graça divina, por causa de nossa união com o Filho único e verdadeiro DEUS eterno, JESUS CRISTO. Portanto, se o Filho eterno de DEUS humilhou-se de uma forma tão incomparavelmente sacrificial, quanto mais deveríamos como filhos adotivos de DEUS sermos determinados a viver com humildade e sacrifício? O Senhor JESUS CRISTO, muitas vezes não tinha "onde reclinar a cabeça" (Mt 8:20; cf. Jo 7.: 53-8:1) e ordena a Seus seguidores para "tomar o meu jugo sobre vós e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração" (Mt 11:29). Não é por acaso que a primeira bem-aventurança diz: "Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o reino dos céus" (Mt 5:3).

PRIMEIRO PASSO
não considerou que o ser igual a DEUS era algo a que devia apegar-se, (2:6b)
De sua posição exaltada como DEUS, o primeiro passo de CRISTO não era considerar a igualdade com DEUS uma coisa que devia ser aproveitada. Embora continuasse a existir plenamente como DEUS, durante a Sua encarnação Ele se recusou a se prender aos seus direitos e prerrogativas divinas.
Paulo enfatiza a sua realidade absoluta e incontestável. É interessante que isos (igualdade) é de uma forma plural (ISA, "igualdades"), sugerindo que Paulo pode estar se referindo a todos os aspectos da divindade de JESUS. O termo refere-se a equivalência exata. Um triângulo isósceles tem dois lados iguais. Isômeros são substâncias químicas que diferem em determinadas propriedades e estrutura, mas são idênticos em peso atômico. Ao se tornar um homem, JESUS não fez de forma alguma perder ou diminuir sua igualdade absoluta com DEUS.
Durante Seu ministério terreno, JESUS nunca negou ou minimizou sua divindade. Ele foi inequívoco ao reconhecer sua filiação divina e unidade com o Pai (João 5:17-18; 10:30, 38; 14:9; 17:1, 21-22; 20:28). No entanto, ele nunca usou seu poder ou autoridade para proveito pessoal, porque tais prerrogativas de sua divindade não deviam ser aproveitadas. Essa foi a escolha que definiu a Encarnação em movimento. Ele voluntariamente sofreu a humilhação pior possível, e não demanda a honra, o privilégio e a glória que era justamente dele. Ele também não usou os poderes de sua divindade para opor-se à finalidade de seu Pai, porque o preço era demasiado elevado. Ele tinha todos os direitos e privilégios de DEUS, que Ele nunca poderia perder. No entanto, Ele se recusou a egoisticamente se apegar a sua posição privilegiada como o divino Filho de DEUS, nem vê-lo como um bem valioso para ser usado para si mesmo. Em qualquer momento Ele poderia ter apelado ao Pai e ao mesmo tempo receber a ajuda de "mais de doze legiões de anjos" para vir em sua defesa (Mt 26:53). Mas isso teria frustrado o plano de Seu Pai, com o qual Ele concordou plenamente, e Ele não faria isso. Embora Ele estivesse, sem dúvida terrivelmente com fome depois de jejuar por quarenta dias no deserto, Ele recusou-se a transformar pedras em pão para alimentar a si mesmo (Mt 4:3-4). No entanto, Ele graciosamente multiplicou os pães e peixes para a multidão faminta poder ser alimentada (Marcos 6:3844; 8:1-9).
Essa atitude de doação altruísta de si mesmo e de suas posses, poder e privilégios devem caracterizar todos os que pertencem a CRISTO. Os cristãos são separados do mundo como filhos de DEUS e co-herdeiros com JESUS CRISTO. No entanto, eles não devem agarrarem-se aos privilégios e bênçãos. Em vez disso, como o seu Senhor ensinou, devem mantê-los livremente e estar disposto a usá-los todos para o benefício dos outros.

PASSO DOIS
mas esvaziou-se a si mesmo (2:7a)
Na próxima etapa, em sua humilhação, JESUS continuou a não se apegar a suas prerrogativas divinas. Em vez disso, Ele esvaziou-se. A conjunção grega alla (mas) significa "não este, mas que," indicando um claro contraste de idéias.
Embora fosse absolutamente "cheio" da divindade, por assim dizer, Ele esvaziou-se de todas as suas prerrogativas. Esvaziado é de kenoo, o que significa esvaziar completamente (não de sua divinadade). É traduzido como "anulada" em Romanos 4:14 e "feito vazio" em 1 Coríntios 1:17. JESUS CRISTO se esvaziou completamente de qualquer vestígio de vantagem e privilégio, recusando-se a se valer de qualquer direito divino em seu próprio nome. Aquele que criou tudo e abandonou toda propriedade .
Deve ser mantido sempre em mente que JESUS esvaziou-se apenas de certos aspectos das suas prerrogativas de divindade, não de sua própria divindade. Todos os quatro Evangelhos deixam claro que ele não abandonou o seu divino poder de fazer milagres, de perdoar pecados, ou de conhecer as mentes e os corações das pessoas. "Mesmo no meio de sua morte, ele tinha que ser o DEUS poderoso com poder sobre sua morte para conquistar a morte". 
Tudo o que se entende por "fez-se anular" [esvaziou-se], eauton ekenosen, que descreve sua encarnação aqui, jamais seria coisa que podesse significar a "kenosis" magoando ou distorcendo a sua aptidão absoluta para guiar e abençoar quem Ele veio para salvar. Isso [o esvaziamento] o colocou de fato no nível da criatura em relação a realidade da experiência humana de crescimento, e capacidade humana para o sofrimento. Mas nem por um momento, poderiam, torná-lo diferente do Mestre absoluto e infalível e Guia de Seus remidos.

O Filho de DEUS se esvaziou de cinco direitos divinos.
Em Primeiro lugar, ele temporariamente despojou-se de sua glória divina. Pouco antes de ser preso,
Jesus falou assim e, levantando seus olhos ao céu, e disse: Pai, é chegada a hora; glorifica a teu Filho, para que também o teu Filho te glorifique a ti;
João 17:1
Jesus falou assim e, levantando seus olhos ao céu, e disse: "Pai, é chegada a hora; glorifica a teu Filho, para que também o teu Filho te glorifique a ti;"(João 17:1, 5;. cf v. 24). O Filho de DEUS deixou de receber  o culto dos anjos no céu para se submeter a mal-entendidos, desmentidos, a incredulidade, acusações falsas e todo tipo de injúria e perseguição por homens pecadores. Ele deixou todo o resplendor do céu para sofrer uma morte agonizante e ignominiosa na cruz.
Não é que ele perdeu sua glória divina, mas sim que ela foi velada, escondida em sua humanidade (João 7:5, 24;.. Cf 2 Cor 4:4-6) do ponto de vista dos homens. Vislumbres dela foram vistos em seus muitos milagres, em Suas palavras cheias de graça, na atitude humilde que Paulo aqui chama Seus seguidores para emular, e certamente em seu último sacrifício pelo pecado na cruz. Foi brevemente e parcialmente manifestado a Pedro, Tiago e João no Monte da Transfiguração (Lucas 9:31-32;. Cf 2 Pedro 1:16-18). Mas não foi testemunhado novamente até sua ressurreição e ascensão, e em seguida apenas por aqueles que lhe pertencia.
Em segundo lugar, JESUS esvaziou-se da autoridade divina independente. A operação da Trindade é, naturalmente, um grande mistério. Dentro da Divindade existe perfeita harmonia e concordância de toda forma possível e para todos os graus possíveis. JESUS afirmou de forma inequívoca sua plena igualdade com o Pai, quando declarou: "Eu e o Pai somos um" (João 10:30;. Cf 17:11, 21). No entanto, ele tão claramente declarou durante sua encarnação que "não posso fazer nada por mim mesmo. Como ouço, assim julgo; e o meu juízo é justo, porque não busco a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou "(João 5:30), e" Eu desci do céu não para fazer Minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou "(João 6:38). Enquanto ensinava no templo, JESUS disse: "Vocês dois me conhecem e sabem de onde eu sou, e eu não vim de mim mesmo, mas aquele que me enviou é verdadeiro, a quem você não conhece. Eu o conheço, porque eu sou Dele, e Ele me enviou "(João 7:28-29). No Jardim do Getsêmani, na noite de Sua traição e prisão, ele confessou três vezes: "
E, indo um pouco mais para diante, prostrou-se sobre o seu rosto, orando e dizendo: Meu Pai, se é possível, passe de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres.
E, voltando para os seus discípulos, achou-os adormecidos; e disse a Pedro: Então nem uma hora pudeste velar comigo?
Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca.
E, indo segunda vez, orou, dizendo: Pai meu, se este cálice não pode passar de mim sem eu o beber, faça-se a tua vontade.
E, voltando, achou-os outra vez adormecidos; porque os seus olhos estavam pesados.
E, deixando-os de novo, foi orar pela terceira vez, dizendo as mesmas palavras.

Mateus 26:39-44
E, indo um pouco mais para diante, prostrou-se sobre o seu rosto, orando e dizendo: Meu Pai, se é possível, passe de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres.
E, voltando para os seus discípulos, achou-os adormecidos; e disse a Pedro: Então nem uma hora pudeste velar comigo? Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca. E, indo segunda vez, orou, dizendo: Pai meu, se este cálice não pode passar de mim sem eu o beber, faça-se a tua vontade. E, voltando, achou-os outra vez adormecidos; porque os seus olhos estavam pesados. E, deixando-os de novo, foi orar pela terceira vez, dizendo as mesmas palavras.
"(Mateus 26:39-44). O escritor de Hebreus observa que, "embora fosse um filho, ele aprendeu a obediência pelas coisas que sofreu" (Hb 5:8).
Em terceiro lugar, JESUS esvaziou-se do exercício voluntário de alguns de seus atributos divinos, embora não da essência de Sua divindade. Ele não deixou de ser onisciente, onipotente, onipresente, ou imutável, Ele optou por não exercer o limite total desses atributos durante Sua vida terrena e ministério. Ele, no entanto, exerceu alguns deles seletivamente e parcialmente. Sem tê-lo encontrado, JESUS sabia pela sua onisciência que Natanael era "um verdadeiro israelita, em quem não havia dolo, porque ... Ele não precisa de ninguém para testemunhar, quanto ao homem, pois ele mesmo sabia o que havia no homem" (João 1:47; 2:25). Através de Sua onipresença, Ele sabia onde Natanael estava antes mesmo de vê-lo (Jo 1:48). Ele confessou ainda que, quanto ao momento exato do seu retorno, "Daquele dia e hora ninguém sabe, nem mesmo os anjos do céu, nem o Filho, mas somente o Pai" (Mateus 24:36).
Em quarto lugar, JESUS esvaziou-se de suas riquezas eternas. "Por amor de ti se fez pobre", explica Paulo, "para que pela Sua pobreza nos tornássemos ricos" (2 Coríntios. 8:9). Embora muitos analistas tenham interpretado sua "pobreza" como uma referência à sua condição terrena econômica, não tem nada a ver com isso. A questão não é riquezas da terra, mas que Ele deixou as riquezas do céu. Como já mencionado, Ele abandonou a adoração, adoração e serviço dos anjos no Céu, porque "o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos" (Mt. 20:28).
Em Quinto lugar, Ele esvaziou-se temporariamente de seu intimo relacionamento com o Pai celestial, mesmo ao ponto de ser abandonado por ele na cruz. Para cumprir o plano divino de redenção, o Pai "fez Aquele que não conheceu pecado, o pecado em nosso lugar, para que nos tornássemos justiça de DEUS nele" (2 Coríntios. 5:21). Essa foi a vontade do Pai, que JESUS veio para cumprir e orou para que fosse cumprida. No entanto, mesmo a separação breve de Seu Pai causada por Sua substituição do homem na cruz O fez chorar "com grande voz, dizendo: Eli, Eli, lamá sabactâni?" Que é, 'Meu DEUS, meu DEUS, por que me desamparaste? "(Mt 27:46). Foi a perspectiva incrivelmente horrível de ser alienado de Seu Pai por força do pecado do homem que estava sobre Ele e que lhe tinha causado antes suar gotas de sangue em grande agonia, estar "profundamente entristecido, ao ponto da morte" (Lucas 22:44; Matt 26.:38).
Nós os Cristãos, obviamente, não podemos esvaziar-nos na medida em que o Senhor se esvaziou, porque Ele é do alto e nós cristãos somos de baixo. Os crentes são exortados a seguirem o exemplo de seu Senhor, esvaziando-se de tudo o que pode dificultar a sua obediência e serviço a ele. Assim como JESUS não deixou  de ser DEUS quando esvaziou-se, os cristãos não deixam de ser filhos de DEUS quando esvaziam-se como Ele fez (cf. Ef. 5:1-2). Assim como a obediência de JESUS agradou ao Pai (Mt 3:17), assim a obediência dos crentes torna-os agradáveis a Ele (25:21, 23). O crente humilde é consciente de seus direitos e privilégios como filho de DEUS, mas se recusa a se agarrar a eles. Ele esvazia-se de todas as alegações de quaisquer benefícios terrenos que esses direitos e privilégios podem parecer merecer.

PASSO TRÊS
vindo a ser servo, (2:7b)
Na próxima declaração de sua descendência, como Ele esvaziou-se ainda mais, JESUS abandonou os plenos direitos de senhorio, tomando a forma de um servo, um escravo. Embora tivesse o inerente morphe (forma) de DEUS (v. 6), Ele voluntariamente tomou sobre Si a forma (morfe), a própria essência e natureza, de um servo. Assim como certamente e completamente como Ele "subsistindo em forma [morphe] de DEUS", Ele agora existia na forma de um servo. Ele não se limitou a colocar a roupa de um escravo, por assim dizer, Ele realmente se tornou um escravo no sentido mais amplo.
A doulos (servo) não lhe permitia nem mesmo roupas finas. Tudo o que ele tinha, inclusive sua vida, pertencia a seu mestre. JESUS fez Suas próprias roupas, Ele não possuía terreno ou casa e nem ouro ou jóias. Não era dono de nenhuma empresa, nenhum barco, e nenhum cavalo. Ele teve que pedir emprestado um burro quando Ele entrou em Jerusalém no Domingo de Ramos, pedir um aposento emprestado para celebrar a Última Ceia, e até mesmo foi enterrado em um túmulo emprestado. Ele recusou qualquer propriedade, quaisquer vantagens, qualquer serviço especial para si. Relativo à Sua glória, o Rei dos reis e Senhor dos senhores de boa vontade tornou-se o servo de servos. Aquele que "estava no princípio com DEUS" e através de quem "todas as coisas vieram a existir" (João 1:2-3) estava pobre como os que havia criado. Entre outras coisas, um servo era obrigado a carregar fardos de outras pessoas. Como servo supremo, JESUS carregou o fardo que nenhum outro homem poderia carregar, o pecado que era o fardo pesado que estava em todos os que crêem. Como Isaías revelou: "O Senhor fez com que a iniqüidade de todos caísse sobre Ele" (Isaías 53:6).
JESUS veio para fazer a vontade do Pai e para servir as necessidades de seu povo em nome de seu pai. Ele renunciou completamente seus direitos como o Filho de DEUS e tornou-se um servo, também alegando que não tinha direitos como o Filho do Homem. Como Ele mesmo testemunhou ao se dirigir a Jerusalém pela última vez: "O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos" (Mateus 20:28). Poucos dias depois, durante a Última Ceia, Ele perguntou aos discípulos retoricamente: "Quem é o maior, aquele que se assenta à cabeceira da mesa ou aquele que serve? Não aquele que se assenta à cabeceira da mesa? Mas eu estou entre vocês como quem serve "(Lucas 22:27).
Através de Sua oferta de salvação, JESUS serviu a todos mais completamente do que qualquer outro servo ou escravo que já viveu. Mas ele também era um exemplo de servidão para os seus discípulos. Ele lembrou que "um discípulo não está acima do seu mestre, nem um escravo acima do seu senhor" (Mt 10:24) e que, "
Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou.Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros.Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também.Na verdade, na verdade vos digo que não é o servo maior do que o seu senhor, nem o enviado maior do que aquele que o enviou.Se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as fizerdes." (Mt 23:11). No entanto, depois de terem feito fielmente "Assim também vós, quando fizerdes tudo o que vos for mandado, dizei: Somos servos inúteis, porque fizemos somente o que devíamos fazer." (Lucas 17:10).

QUARTO PASSO
tornando-se semelhante aos homens. (2:7c)
Continuando a sua humilhação, JESUS foi feito à semelhança dos homens. DEUS o fez assim, por Sua concepção milagrosa e o nascimento virginal (Lucas 1:30-35). Homoioma (semelhança) refere-se ao que é feito para ser como qualquer outra coisa, não apenas na aparência (v. 7), mas na realidade. JESUS não era um clone, um alienígena disfarçado, ou apenas uma cópia xerocada de um homem. Ele tornou-se exatamente como todos os outros seres humanos, tendo todos os atributos da humanidade, um homem genuíno entre os homens. Ele era tão obviamente semelhante aos outros seres humanos que mesmo a sua família e os discípulos não teriam descoberto sua divindade se não tivessem sido lhes revelado pelos anjos (Mateus 1:20-21, Lucas 1:26-35, 2:9-11), por DEUS Pai (Mt 3:17; 17:5), e pelo próprio JESUS (João 8:58; 14:1-4; 16:13-15; 17:1-26). E apesar de seus inúmeros milagres, Seus inimigos rejeitaram a idéia de Sua divindade. Aos olhos de seus inimigos, Ele não só era meramente humano, mas a menor espécie de humano, um blasfemador (João 5:18; 10:33).
É importante entender que JESUS não se tornou o segundo, ou último Adão (1 Cor. 15:45), no sentido de ser como homem na pré-queda da humanidade. Pelo contrário, na Encarnação, Ele tomou sobre Si todas as fraquezas, limitações, problemas e sofrimentos que eram a herança da Queda, suportando todas as terríveis conseqüências terrenas.
Sem um pai humano, JESUS foi "nascido de mulher" (Gal. 4:4) em um "corpo carnal" (Colossenses 1:22) e, como qualquer criança humana, Ele precisava de atenção e cuidados de pais amorosos ( Lucas 2:40-51). Exceto em pecado, Ele cresceu e se desenvolveu como as outras crianças ", crescendo em sabedoria, em estatura e em graça diante de DEUS e dos homens" (v. 52). Ele teve fome e sede, sofreu a dor, e sentiu tristeza. Como os outros homens, Ele teve sono, se cansou, se sentiu fraco e necessitado de alimento. "
E, visto como os filhos participam da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisas, ...; (Hb 2:14), e embora nunca tivesse pecado, Ele, no entanto, foi "tentado em todas as coisas como nós somos" (Hb . 4:15;.. cf Mt 4:1-11). Como o escritor havia explicado anteriormente, foi porque "Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados." (Hb 2:18).
Porque JESUS foi "em semelhança da carne do pecado" (Rm 8:3), Ele estava sujeito à morte física. Na verdade, foi apenas através de sua morte que Ele podia cumprir Seu propósito divino da redenção. Novamente, como o escritor aos Hebreus explica, JESUS "tinha que ser feito como seus irmãos em todas as coisas, para que pudesse se tornar um sumo sacerdote misericordioso e fiel nas coisas concernentes a DEUS, para fazer propiciação pelos pecados do povo" (2 : 17). Ele veio para morrer. Embora JESUS perdoou os pecados (Mt 9:2, 6; Lucas 7:47) e reconheceu Sua divindade sendo adorado como o Filho de DEUS (Mt 28:17, João 9:38), Ele não pediu ou aceitou qualquer privilégio especial ou honra como homem. Na maior humildade concebível, Ele viveu e atuou não apenas como um homem entre os homens, mas como um servo dos servos. Ele tomou o seu lugar entre as pessoas comuns (cf. 1 Cor. 1:26-29).

Q
UINTO PASSO
E, sendo encontrado em forma humana (2:8a)
A humilhação continuou com JESUS, sendo encontrado em forma de homem, avançando na verdade que ele foi feito "em semelhança de homens." Tendo sido feito um verdadeiro ser humano pelo poder divino através da concepção virginal, CRISTO foi encontrada ou reconhecido, como um homem por quem viu e observou-o durante a sua encarnação. Esquema (forma - aparência) tem como fonte a palavra "esquema" em Inglês . Ao contrário morphe ("forma", vv. 6-7) e homoioma ("semelhança", v. 7), que se referem à natureza essencial e básica, esquema refere-se a forma exterior ou forma, não mostrando a realidade, mas a aparência. JESUS sofreu e ainda sofre, a humilhação adicional de ser considerado um mero homem. Paulo usou a palavra ao falar de "forma (esquema) deste mundo [que] está passando" (1 Cor. 7:31). Tanto Paulo quanto Pedro usou uma forma composta negativa (suschematizo) nos crentes quando os alerta para "não vos conformeis com este mundo" (Romanos 12:2) e "não vos conformeis às concupiscências que antes havia em vós no tempo de vossa ignorância" (1 Pedro 1:14).
Como Isaías havia previsto setecentos anos antes, o Messias "foi desprezado e abandonado pelos homens, um homem de dores e experimentado no sofrimento, e como um de quem os homens escondiam o rosto era desprezado, e não fizemos dele caso algum" ( Isa. 53:3). E como João escreveu: "Ele estava no mundo, e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o conheceu. Ele veio para os Seus, e aqueles que eram os seus não o receberam "(João 1:10-11). Eles disseram: "Não é este JESUS, o filho de José, cujo pai e mãe nós conhecemos? Como é que ele agora diz: "Eu desci do céu '?" (João 6:42). Infelizmente, "nem mesmo seus irmãos criam nele" (João 7:5). Alguns dos judeus religiosos, mas descrentes declararam: "Nós sabemos de onde este homem vem, mas quando o CRISTO vier, ninguém sabe de onde ele virá" (João 7:27), e "Deveríamos apedrejá-lo pela blasfêmia, porque, sendo tu homem, se apresenta como DEUS "(João 10:33). Outros ainda o acusaram de ter um demônio (João 7:20; 8:48).

SEXTO PASSO
humilhou-se a si mesmo (2:8b)
Dando continuidade a essa descrição profunda da descida de CRISTO, Paulo diz que JESUS se humilhou. A ênfase aqui se move com a natureza e a forma de JESUS para que a sua atitude pessoal. Ele não foi apenas humilhado pela natureza e as circunstâncias de sua encarnação. Humilhou traduz tapeinoo, que tem a idéia de ficar por baixo. JESUS se humilhou não só em relação a DEUS, mas também a outros homens.
O momento mais dramático e comovente da 'auto-humilhação de JESUS foi durante a prisão, crucificação, onde experimentou a ridicularização, acusado falsamente, cuspido, espancado com socos, açoitado, e teve parte de sua barba dolorosamente arrancados. No entanto, Ele nunca se defendeu, nunca se amargurou, nunca exigiu nada, nunca acusou a ninguém. Ele se recusou a fazer valer os seus direitos como DEUS, e até mesmo como um ser humano.
Vendo as implicações éticas desta humilhação, Paulo perceptivamente escreveu:
Olhe para Ele, JESUS é incrível! Ele está ajudando José a fazer um jugo (uma canga) na loja de seu pai humano que é carpinteiro em Nazaré. Este é o único que, além de Seu auto-esvaziamento, poderia muito mais facilmente fazer um sistema solar ou uma galáxia de sistemas.
Olhe para ele de novo! Vestido como um escravo, com toalha e bacia de doméstico, Ele está lavando os pés de alguns amigos dele, os apóstolos .... "Ele humilhou-se! '" Não se esqueça disso ", grita Paulo para estes queridos amigos da igreja em Filipos. "Não se esqueça disso quando o menor impulso surgir para se tornar auto-afirmativo e auto-suficiente e, assim, quebrar o vínculo da sua comunhão com o outro!" (The Man adequada: Paulo em Filipenses [Westwood, NJ: Revell, 1954], 45-46).

SÉTIMO PASSO
e foi obediente até à morte (2:8c)
Em Sua pisar para baixo, JESUS estava disposto a sofrer humilhação e degradação, mesmo a tornar-se obediente até a morte. Sua obediência e seu impacto sobre a redenção é o tema de Romanos 5:12-19, onde o pensamento chave é "pela obediência de um muitos serão feitos justos" (v.19). Ralph Martin observa com perspicácia que Sua obediência é um sinal certo de Sua divindade e autoridade, para ... apenas um ser divino pode aceitar a morte como a obediência, para os homens comuns, é uma necessidade. Ele sozinho como o Filho obediente do Pai poderia escolher a morte como seu destino, e Ele fez isso por causa do Seu amor, um amor que foi dirigido tanto ao propósito redentor de Seu Pai e igualmente para o mundo em que Ele veio. "Eu venho para fazer a tua vontade" (Hb 10:07 ss.) Foi o lema de texto de sua vida inteira. (A Epístola de Paulo aos Filipenses Tyndale New Testament Commentaries [Grand Rapids: Eerdmans, 1975].., 102 itálico no original).
Alguém poderia pensar que em algum lugar aquém do que o sacrifício final Ele teria dito: "É o suficiente!" Mas Sua perfeita submissão levou-o até a morte, porque essa era a vontade do Pai. Mesmo em agonia, como Ele implorou a DEUS no jardim, "Meu Pai, se for possível, deixe este cálice de mim", ele reconheceu que, para evitar a crucificação não era possível dentro da Sua vontade do Pai como Ele continuou a orar, "ainda não como eu quero, mas como tu queres "(Mateus 26:39). Compromisso com a vontade de DEUS era a Sua vontade.
Falando de que o tempo de cortar o coração, o escritor aos Hebreus diz do Senhor: "Nos dias de Sua carne, Ele ofereceu a ambos os orações e súplicas, com choro alto e lágrimas Àquele capaz de salvá-lo da morte, e Ele foi ouvido por causa da Sua piedade. "No entanto, como ele passa a explicar," embora Ele era Filho, aprendeu a obediência pelas coisas que sofreu. E tendo sido aperfeiçoado, tornou-se a todos aqueles que Lhe obedecem fonte de salvação eterna "(Heb. 5:7-9;. Cf 10:7).
Muito antes de sua prisão JESUS havia declarado: "Por isso o Pai me ama, porque dou a minha vida para que eu possa levá-lo de novo" (João 10:17). Pedro opôs-se veementemente JESUS previsão clara de sua morte iminente e necessária e foi fortemente repreendido: "Pedro o levou à parte e começou a repreendê-lo, dizendo: 'DEUS não permita isto, Senhor! Isso nunca te acontecerá. "Mas Ele se virou e disse a Pedro:" Arreda, Satanás! Você é uma pedra de tropeço para mim, porque você não está definindo a sua opinião sobre os interesses de DEUS, mas do homem "(Mt 16:22-23). Porque a mente de JESUS foi criado inteiramente em interesses de DEUS, não do homem ou Sua, de bom grado e com alegria tornando-se obediente até à morte. "Enquanto ainda éramos fracos, no momento em que CRISTO morreu pelos ímpios" (Rm 5:6).
O Pai não forçar a morte sobre o Filho. Era a vontade do Pai, mas era o Filho de sempre para obedecer ao Pai perfeitamente. Ele tinha uma escolha livre. Se não tivesse uma escolha, Ele não poderia ter sido obediente. "Ninguém tomou [Minha vida] longe de mim," ele disse, "mas eu a dou por mim mesmo. Tenho autoridade para a dar, e tenho autoridade para retomá-la. Este mandamento recebi de meu Pai "(João 10:18). Ele foi ordenado pelo Pai, mas não obrigado. Como o amor encarnado, Ele se tornou o exemplo perfeito da verdade que Ele mesmo havia declarado: "tem maior amor do que ninguém que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos" (João 15:13).

OITAVO PASSO
e morte de cruz (2:8d)
No recurso final de sua descida e degradação, JESUS apresentou ainda [a] e morte de cruz. Havia muitas maneiras pelas quais Ele poderia ter sido morto. Ele poderia ter sido decapitado, como João Batista foi, ou apedrejado ou enforcado. Mas Ele estava destinado não apenas para qualquer tipo de morte, mas para a morte na cruz. A crucificação é talvez a forma mais cruel, extremamente doloroso e vergonhoso de execução jamais concebida. Ele foi originalmente desenvolvido por antigos persas ou fenícios e mais tarde aperfeiçoado pelos romanos. Foi reservada para os escravos, o mais baixo dos criminosos e inimigos do Estado. Nenhum cidadão romano poderia ser crucificado, não importa o quão notório o seu crime. Em seu livro A Vida de CRISTO, Frederick Farrar descreve a crucificação como segue:
A morte por crucificação parece incluir toda essa dor e podem incluir cãibras e tonturas horríveis, sede, fome, falta de sono, febre traumática, a vergonha da publicidade vergonhosa, horas de tormento, horror de antecipação, a mortificação inclui todas essas dores e o alívio só poderia vir com a inconsciência .... A posição não natural causava cada movimento doloroso; as veias laceradas e tendões esmagados pulsavam com a angústia incessante. (Vol. 2 [New York: E. P. Dutton, 1877], 403-4)
Os judeus consideravam a crucificação como uma forma de suspensão, e aqueles que estavam penduradas para ser amaldiçoado por DEUS. A lei exigia que o cadáver de um homem "não deve ficar a noite toda na árvore, mas você certamente enterrá-lo no mesmo dia (para aquele que é pendurado é maldito de DEUS), de modo que você não contamina sua terra que o Senhor teu DEUS te dá por herança "(Dt 21:23). Por essa razão, a idéia de um Messias crucificado era um bloco intransponível escândalo para os judeus incrédulos (1 Coríntios. 1:23). Como Pedro, eles não podiam sequer conceber o Messias ser condenado à morte, muito menos ser condenado à morte por um ignominioso, horrível, humilhante e maldita morte de cruz. A maldição de Deuteronômio 21:23 significava estar fora da aliança de DEUS, banido do Seu povo e Sua bênção. Mas JESUS suportou a maldição para os fiéis para trazê-los para DEUS e para a glória.
Mas no plano perfeito de DEUS, a crucificação de Seu Filho não só era aceitável, mas obrigatórios. "CRISTO nos resgatou da maldição da lei", explica Paulo ", tendo-se maldição por nós, porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro" (Gl 3:13). Enquanto Pedro declara: "Ele mesmo levou os nossos pecados em Seu corpo na cruz, para que possamos morrer para o pecado e viver para a justiça; por suas chagas fostes sarados" (1 Pedro 2:24). Na infinita sabedoria de DEUS, e morte de cruz era a única forma de redenção para a humanidade caída, pecaminosa, e condenado. A crucificação era sangrenta, assim como os sacrifícios do Antigo Testamento que prefiguravam-lo. Sacerdotes no serviço do templo eram açougueiros, sangue respingado em seu dever. O Cordeiro de DEUS também morrer uma morte sangrenta.
Depois de refletir sobre o plano divino de salvação para os primeiros onze capítulos de Romanos, Paulo declarou em espanto e admiração: "Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria como do conhecimento de DEUS! Quão insondáveis são os seus juízos e inescrutáveis os seus caminhos! "(Rom. 11:33).
 

A Exaltação de CRISTO (Filipenses 2:9-11)
Por isso DEUS o exaltou à mais alta posição e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de JESUS se dobre todo joelho, no céu, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que JESUS CRISTO é O Senhor, para a glória de DEUS Pai. (2:9–11) Quando um muçulmano, com quem ele estava falando de CRISTO desprezado, do século XIX, missionário Henry Martyn declarou que ele não podia suportar a existência, se JESUS fosse sempre desonrado (Constance E. Padwick, Henry Martyn [Chicago: Moody, 1980], 225-26 ). Sua atitude é uma reminiscência de Davi, quando ele declarou que "as afrontas dos que te afrontam caíram sobre mim" (Sl 69:9). Quando o Senhor é vilipendiado e desonrado, aqueles que O amam sentir a dor do que injúria e desonra.
Nada mais na história poderia coincidir com o desprezo e difamação que caídos, pecadores, homens rebeldes infligidas sobre o Filho de DEUS durante Sua encarnação (2:6-8). Mas nos próximos três versos, que compõem o segundo semestre deste hino de celebração, o apóstolo descreve brevemente a exaltação magnífico e inigualável que o Pai deu à do Filho. Nenhuma passagem da Escritura mais bela retrata a profundidade da condescendência e da altura de exaltação vivido por JESUS CRISTO do que Filipenses 2:5-11. A mensagem do evangelho não está completo para além destas realidades monumentais.
Foi por causa de "o gozo que lhe" que CRISTO "suportou a cruz, desprezando a ignomínia, e está assentado à destra do trono de DEUS" (Hb 12:2). Como explica Pedro, o tema dominante dos profetas do Antigo Testamento era o sofrimento do Messias e Sua glória subseqüente. Eles buscaram intensamente "para saber que pessoa ou tempo o ESPÍRITO de CRISTO [Messias] dentro deles estava indicando como Ele predisse os sofrimentos de CRISTO e as glórias a seguir" (1 Pedro 1:11).
Em 2:1-4, Paulo estabelece que o resultado prático de crentes seguindo o exemplo do Senhor da humildade é a unidade na igreja. Se há alguma exortação em CRISTO, se houver alguma consolação de amor, se há alguma comunhão no ESPÍRITO, se qualquer afeição e compaixão, completem a minha alegria por ser da mesma opinião, mantendo o mesmo amor, unidos em espírito , com a intenção de um propósito. Não fazer nada de vaidade ou egoísmo vazio, mas com humildade de respeito mente um do outro como mais importante do que a si mesmos, não apenas olhar para seus próprios interesses pessoais, mas também para os interesses dos outros.
A humildade é a chave para a unidade na igreja para a qual o apóstolo está tão fortemente atraente. É a chave para os crentes para ser verdadeiramente um em JESUS CRISTO como Ele é um com o Pai (João 7:21).
Neste dia de vaidoso orgulho, amor-próprio e auto-promoção, mesmo entre muitos cristãos professos, é importante entender que "quem se exalta será humilhado" (Mt 23:12). O fariseu hipócrita que orou: "DEUS, eu te agradeço porque não sou como outras pessoas: vigaristas, injustos e adúlteros, nem ainda como este publicano. Jejuo duas vezes por semana; eu pago o dízimo de tudo que eu recebo ", foi meramente" orando ... para si mesmo, não "a DEUS (Lucas 18:11-12). Porque ele se exaltou, DEUS iria humilhá-lo (v. 14). Tão certo como DEUS "dá graça aos humildes", Ele "se opõe ao orgulhoso" (1 Pedro 5:5).
Mas para aqueles que seguem o exemplo do Senhor da humildade, que "têm essa atitude em [-se] que houve também em CRISTO JESUS" (Filipenses 2:5), há promessa de grande recompensa. Como seu Mestre, que será exaltado por seu Pai celestial. Como JESUS prometeu: "Quem se exaltar será humilhado, e quem se humilha será exaltado" (Mateus 23:12; cf Lucas 14:11; 18:14.). Repetindo esse princípio, James disse: "Humilhai-vos na presença do Senhor, e Ele vos exaltará" (Tiago 4:10), e Pedro escreveu: "Humilhai-vos sob a poderosa mão de DEUS, que Ele vos exalte no o bom tempo "(1 Pedro 5:6). Filipenses 2:5-11 não é simplesmente um retrato da humilhação e exaltação do Filho de DEUS. É também uma ilustração profunda de um princípio divino que traz a bênção imensurável para servos obedientes e humilde de DEUS. Pela graça incomparável de DEUS, assim como eles são humilhados com CRISTO, eles também serão glorificados com ele. "A glória que me conferiste," JESUS disse: "Eu dei a eles, que eles sejam um, como Nós somos um" (João 17:22).
A verdade central deste hino, como nesta epístola e todo o Novo Testamento, é o senhorio de CRISTO exaltado soberano. Paulo começa Filipenses, proclamando a si mesmo e Timóteo a ser "servos de ... o Senhor JESUS CRISTO" (1:1-2), e ele termina a passagem ao declarar que um dia "toda língua confesse que JESUS CRISTO é o Senhor" (2:11). Essa verdade fundamental do evangelho será desenvolvido mais adiante neste capítulo. A exaltação de JESUS CRISTO é nada mais do que belamente retratada no primeiro capítulo de Hebreus.
Nestes últimos dias [de DEUS] falou-nos no seu Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o mundo. E Ele é o resplendor da Sua glória e a expressão exata de sua natureza, e sustenta todas as coisas pela palavra do Seu poder. Quando Ele ter realizado a purificação dos pecados, sentou-se à direita da Majestade no alto .... E quando Ele traz o Primogênito no mundo, Ele diz: "E todos os anjos de DEUS o adorem." ... Mas do Filho diz: "O teu trono, ó DEUS, é para sempre e sempre, e o cetro justo é o cetro do seu reino. '" (Hb 1:2-3, 6, 8,. cf v. 13) Nos últimos dias, só o Filho de DEUS exaltado, JESUS CRISTO, será digno de receber o livro da mão direita de Seu Pai e abri-lo (Apocalipse 5:1-7). Este deslocamento, que pode ser chamado de escritura para o universo, delineia legítima herança de CRISTO de toda a criação, o que Ele fez e sobre a qual Ele reinará por toda a eternidade (cf. Ap 11:15). Não admira que Paulo exultava: "Porque Dele e por Ele e para Ele são todas as coisas. A ele seja a glória para sempre. Amém "(Rom. 11:36).
O humilde, Salvador encarnado tem sido exaltado como o todo-poderoso e soberano Senhor. Por isso, os crentes têm a garantia de que seu resgate é certo e que o seu lugar no céu está garantido para sempre. Ele também é para ser obedecida como divino Senhor, e honrado e adorado por todo o tempo e a eternidade.
No segundo semestre deste hino, Paulo apresenta quatro aspectos da exaltação do Pai do Filho: a fonte (2:9 a), o título (2:9 b), a resposta (2:1011a), e da finalidade ( 2:11 b).

A FONTE DA EXALTAÇÃO DE CRISTO
Também por esta razão, DEUS o exaltou soberanamente, (2:9 a)
Por esta razão remete à humilhação de JESUS descrita nos versos 6-8. Sua exaltação foi "o conjunto de alegria diante dele" para que ele voluntariamente suportou a cruz, desprezou a ignomínia, sofreu a hostilidade dos pecadores, e foi assentado "à destra do trono de DEUS" (Hb 12:2-3 ). O caminho para a exaltação é sempre através de humilhação. Se esse princípio era verdadeiro para o Filho de DEUS, quanto mais é verdade para os seus
seguidores?
Traduz exaltou o composto verbo huperupsoo, composto por huper (mais) e hupsoo (para levantar, ou elevar-se). DEUS levantou Seu Filho amado da forma mais magnífica possível. Tratava-se de quatro passos para cima: Sua ressurreição, Sua ascensão, Sua coroação, e sua intercessão.
Em primeiro lugar, JESUS ressuscitou dentre os mortos. Quando as mulheres foram ao sepulcro onde JESUS tinha sido sepultado, o anjo disse-lhes: "Não vos assusteis; que você está procurando JESUS, o Nazareno, que foi crucificado. Ele ressuscitou, Ele não está aqui, eis que aqui é o lugar onde o puseram "(Marcos 16:6). Peter explicou aos seus ouvintes no Pentecostes que "este JESUS DEUS ressuscitou novamente, para que todos nós somos testemunhas" (Atos 2:32,. Cf. Rom 1:4). Mais tarde, depois de ser libertado da prisão em Jerusalém, Pedro e outros apóstolos com ele testemunhou perante o Sinédrio: "O DEUS de nossos pais ressuscitou a JESUS, a quem vós matastes, pendurando-o numa cruz" (Atos 5:30 ;. cf 13:33-39). Muitos anos mais tarde, Paulo escreveu que DEUS o Pai, "levantou [JESUS] dentre os mortos e fazendo-o sentar à Sua direita nos lugares celestiais." (Ef. 1:20)
O segundo aspecto da exaltação do Pai de JESUS foi Sua ascensão. Quando o Senhor apareceu a Maria Madalena após a Sua ressurreição Ele ", disse a ela: 'Pare de agarrar a mim, pois eu ainda não subi para o Pai, mas vai a meus irmãos e dize-lhes:" Subo para meu Pai e vosso Pai, para meu DEUS e vosso DEUS "" (João 20:17). Mais tarde, depois de ter dado instruções para os últimos 11 no Monte das Oliveiras, "Ele foi levantado, enquanto eles estavam olhando, e uma nuvem o encobriu dos seus olhos" (Atos 1:9, cf João 14:2. ; 16:7; Hb 4:14).. Como Paulo explicou a Timóteo, JESUS foi "exaltado na glória" (1 Tm. 3:16).
O terceiro aspecto da exaltação de JESUS foi sua coroação. Ao dar a Grande Comissão, JESUS proclamou: "Toda a autoridade foi-me dada no céu e na terra" (Mateus 28:18). Tendo ascendido, JESUS "está à direita de DEUS, tendo subido ao céu" (1 Pedro 3:22). Pedro e os outros testemunharam o Sinédrio que "[JESUS] é aquele a quem DEUS o exaltou à Sua mão direita como Príncipe e Salvador, para conceder a Israel o arrependimento e o perdão dos pecados" (Atos 5:31). Como Stephen estava prestes a morrer ", estando cheio do ESPÍRITO SANTO, fitando os olhos no céu e viu a glória de DEUS, e JESUS em pé à mão direita de DEUS, e ele disse: 'Eis que vejo os céus abertos e o Filho do homem em pé à mão direita de DEUS "(Atos 7:55-56;.. cf Hb 2:9; 10:12).
Do céu, o Senhor JESUS CRISTO para sempre reina "muito acima de todo governo e autoridade, poder e domínio, e de todo nome que se nomeia, não só neste século, mas também no vindouro", porque o Pai "colocar todas as coisas em sujeitou debaixo de seus pés "(Ef 1:21-22;. cf 4:10; PSS. 2:8; 89:27, 1 Pedro 3:22 e Judas 25). Por causa de Sua autoridade e poder, JESUS vai para sempre "ser Senhor tanto de mortos como de vivos", porque era "a esse fim que CRISTO morreu e tornou a viver" (Rm 14:9). Como as "miríades de miríades" de fiéis ao redor do trono celestial, um dia, declarar: "Digno é o Cordeiro que foi morto de receber poder, e riqueza e sabedoria e poder, glória e honra e bênção .... O reino do mundo tornou-se o reino de nosso Senhor e do Seu CRISTO, e Ele reinará para todo o sempre "(Ap 5:11-12; 11:15). Virá o fim ", quando ele entregar o reino ao DEUS e Pai, quando houver destruído todo domínio, e toda autoridade e poder" (1 Cor. 15:24).
O quarto aspecto e final de exaltação de JESUS é a Sua posição de honra do Sumo Sacerdote, do qual Ele continuamente intercede pelos crentes. CRISTO, que morreu e ressuscitou por nós e "quem está à mão direita de DEUS ... também intercede por nós" (Rm 8:34;. Cf v. 26). Como sacerdote dos crentes grande alta: "Ele também é capaz de salvar para sempre aqueles que se aproximam de DEUS por meio dele, pois vive sempre para interceder por eles. Porque convinha ", o escritor de Hebreus passa a dizer", para que tenhamos tal sumo sacerdote, santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores e elevado acima dos céus "(Hebreus 7:25-26; cf . 4:14; 5:1-6; 6:20; 7:21, 8:1-6; 9:24).
Para a maior parte, a exaltação de JESUS envolveu a restauração do que Ele eternamente possuía antes de sua encarnação. Em Sua oração sacerdotal, Ele implorou: "Agora, Pai, glorifica-me junto de ti mesmo, com a glória que tinha contigo antes que o mundo existisse" (João 17:5). No entanto, a partir das passagens apenas citados, bem como de muitos outros, parece claro que em alguns aspectos que JESUS recebeu ainda mais em sua exaltação do que Ele havia se rendido em sua encarnação. Ele não era, naturalmente, mais divina ou perfeito. Não foi possível para ele ser mais elevada de qualquer forma, tanto quanto a sua natureza essencial e ser são em causa. Mas por causa de Sua obra perfeita de redenção, o Pai concedeu ao Filho até mais direitos, privilégios, honras e as responsabilidades do que tinha antes. A exaltação foi, portanto, mais do que simplesmente uma inversão da Encarnação. Foi o Pai está dando a honra Filho e tributo Ele poderia receber somente após Seu sacrifício redentor, que Ele fez em obediência à vontade do Pai. Incluído na autoridade de JESUS e o poder é a de ser o juiz final. "Para não a ninguém Pai, mesmo juízes", explicou JESUS, "mas deu todo o julgamento ao Filho, para que todos honrem o Filho como honram o Pai" (João 5:22-23). Pedro declarou ao Cornelius recém-convertido e sua família que DEUS "nos mandou pregar ao povo, e solenemente para testemunhar que este é o único que foi nomeado por DEUS como juiz dos vivos e dos mortos" (Atos 10:42 ;. cf Rm 2:16;.. 2 Tm 4:1). Todo ser humano que já viveu vai estar diante de JESUS CRISTO, o Juiz: Para não a ninguém Pai, mesmo juízes, mas deu todo o julgamento ao Filho .... verdade, em verdade vos digo que, uma hora está chegando e agora é, quando os mortos ouvirão a voz do Filho de DEUS, e aqueles que a ouvirem viverão. Pois, assim como o Pai tem vida em si mesmo, mesmo assim ele deu ao Filho também ter vida em si mesmo, e deu-lhe autoridade para julgar, porque Ele é o Filho do Homem. Não vos maravilheis disto, porque vem a hora, em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz e sairão: os que fizeram as boas ações para a ressurreição da vida, aqueles que fizeram o mal para um ressurreição do juízo. (João 5:22, 25-29).
Todo crente irá "comparecer perante o tribunal de CRISTO, para que cada um pode ser recompensado por suas obras no corpo, de acordo com o que ele fez, seja bom ou mau" (2 Coríntios. 5:10).
De uma maneira completamente incompreensível à mente humana, JESUS CRISTO não apenas se tornou o homem-DEUS na encarnação, mas também irá para sempre continuar a ser isso. Como Sumo Sacerdote, Ele continuamente intercede por todos aqueles que Ele salva. Como um sacerdote deve representar tanto a DEUS e os homens, Ele não poderia ter sido Priest crentes alta à parte do Seu se dignar a se tornar um homem. Se Ele nunca havia sido tocado com os sentimentos de suas enfermidades, incluindo a ser tentado em todos os sentidos como elas são, Ele não poderia ter plenamente identificado com eles e, assim, foi capaz de incentivar, fortalecer e encorajá-los em suas tentações (Hb 2 : 18, 4:15, 9:28, 1 Pedro 2:24).
William Hendriksen convincentemente descreve coroação de JESUS no seguinte comentário: Aquele que ficou condenado em relação à lei divina (por causa do pecado do mundo que repousava sobre ele) trocou neste penal para a relação justa com a lei. Aquele que foi pobres tornou-se rico. Aquele que foi rejeitado
foi aceite (Rev. 12:5, 10). Aquele que aprendeu a obediência entrou para a administração real do poder e autoridade a ele.
Como rei, tendo a sua morte, ressurreição e ascensão alcançada e exibido seu triunfo sobre seus inimigos, ele agora detém em suas mãos as rédeas do universo, e governa todas as coisas no interesse de sua igreja (Ef 1:22, 23). Como profeta, ele através de seu ESPÍRITO conduz a sua própria em toda a verdade. E como sacerdote (padre de alta de acordo com a ordem de Melquisedeque), ele, com base em sua expiação realizado, não apenas intercede, mas na verdade vive para sempre para interceder por aqueles que se aproximam de DEUS por meio dele (Hb 7:25) . (Comentário do Novo Testamento: Exposição de Filipenses [Grand Rapids: Baker, 1962].., 114 itálico no original)

O TÍTULO DA EXALTAÇÃO DE CRISTO
e lhe deu o nome que está acima de todo nome, (2:9b)
Outorgado é de charizomai, que transmite a idéia de dar livre e generosamente. O Pai confere ao Filho o nome que está acima de todo nome com o amor mais divinamente perfeito. JESUS tão completamente satisfeito o Pai no cumprimento do trabalho de sua encarnação, na prestação de redenção para os eleitos, que Ele generosamente lhe concedeu o título desta exaltado. "Tendo-se tornado tão superior aos anjos," o escritor de Hebreus explica: "Ele herdou mais excelente nome do que eles" (Hebreus 1:4). Este nome foi dado a Ele para enfatizar a sua posição acima de todos os outros seres. Isso reflete não só a essência divina e sua natureza, mas também os novos privilégios e único acima mencionado que o Pai Lhe deu em resposta a Sua obra redentora. Este nome é incomparável, o superlativo de superlativos. Paulo não revelar o nome supremo, o nome que está acima de todo nome, até o versículo 11, onde ele declara que "toda língua confesse que JESUS CRISTO é o Senhor" (grifo nosso). Senhor é o título de majestade, autoridade, soberania, honra e. Um dia esse nome exaltado será expandido para "Rei dos reis e Senhor dos senhores" (Ap 19:16). Obviamente, Senhor, usada no sentido de autoridade soberana e definitiva de comando, ocupa mais de todos os outros nomes. Quem é o Senhor está sobre todos os outros e que é precisamente o ponto, na titulação do Salvador tem supremacia absoluta e o direito de ser obedecido como Mestre divino.
Na maravilhosa graça de DEUS, os crentes não só vai ser co-herdeiros com JESUS CRISTO, mas também vão compartilhar seus nomes. Através do apóstolo João, DEUS promete: "O que vencer", isto é, todo o crente verdadeiro (1 João 5:4-5): "Eu o farei coluna no templo do meu DEUS, e ele não vai sair de mais; e eu escreverei sobre ele o nome do meu DEUS, e o nome da cidade do meu DEUS, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu DEUS, e o meu novo nome "(Apocalipse 3: 12; cf 2:17).. Quando eles são glorificados, todos os crentes serão carimbados com o nome de DEUS Pai ("Meu DEUS"), com o nome do céu ("a cidade do meu DEUS, a Nova Jerusalém"), e com o título de CRISTO suprema do Senhor ("Meu nome novo"). Esses nomes vão marcá-los para fora, a marcá-los, por assim dizer, como pertencente a DEUS e se identificando com Ele na forma mais completa e mais íntimo.

A RESPOSTA PARA EXALTAÇÃO DE CRISTO
para que ao nome de JESUS se dobre todo joelho, no céu, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que JESUS CRISTO é o Senhor (2:10-11a)
Quando a palavra grega hina (para que) é usado com um verbo subjuntivo (como kampse, se dobrará e exomologesetai, vou confessar) que introduz uma cláusula de propósito. Paulo é, portanto, dizendo: "JESUS é dado o nome que está acima de todo nome para o propósito que, ou com o resultado que, todo joelho se dobrará, daqueles que estão no céu e na terra e debaixo da terra, e toda língua confessará o nome supremo de JESUS CRISTO, que é o Senhor. "É fundamental compreender que esta resposta não será o nome de JESUS. Uma forma de Josué (que significa "Jeová, ou Javé salva"),JESUS era um nome comum nos tempos do Novo Testamento. É, obviamente, não poderia ser o único, muito menos supremo nome, querida por DEUS comoum título de exaltação. É, antes, ao nome de JESUS, isto é, em outro nome (Senhor) dado a JESUS CRISTO em sua exaltação pelo Pai, que todo joelho se dobrará e toda língua confessará.
Havia sido indicações de que seu nome seria supremo. Kurios ("senhor") era um termo comum de respeito nos tempos do Novo Testamento, semelhante ao senhor palavra Inglês, mas carregando um grau muito maior de respeito (cf. Mt 10:24-25;. 18:27-34; Lucas 12 :42-47). Durante Seu ministério terreno, JESUS foi, por vezes, respeitosamente abordados dessa maneira. Parece provável que alguns daqueles que chamou de "senhor" não fez, pelo menos quando se encontrou pela primeira vez dele, o considero mais do que um grande professor (cf. João 8:11; 9:35-38). Mesmo Doze de compreensão de sua verdadeira identidade foi gradual e muitas vezes hesitante. E, como o próprio JESUS deixou claro, mesmo chamando-lhe senhor como um reconhecimento de sua divindade não é necessariamente evidência de uma relação salvadora com ele.
Nem todo mundo que me diz: "Senhor, Senhor", entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus vai entrar. Muitos me dirão naquele dia: "Senhor, Senhor, não profetizamos em teu nome, e em teu nome não expulsamos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres?" E então eu lhes direi: "Eu nunca sabia que você; Afasta de mim, você que praticais a iniqüidade "(Mateus 7:21-23).
Porque os judeus consideravam o nome de DEUS sagrado demais para proferir, substituíram o Senhor título no lugar de seu nome pessoal aliança, Javé (ou Jeová), quando teria sido falado. (A maioria das traduções inglesas modernas do Antigo Testamento, portanto, tornar o hebraico YHWH [Yahweh] como Senhor.) Por conseguinte, DEUS foi chamado tanto Adonai ("Senhor"), um título de autoridade divina, e YHWH ("Senhor"), referindo-seSeu nome aliança, que tem o significado básico de "eu sou" (cf. Êx. 3:13-15). Quando a Escritura foi lido, apenas um conhecimento do texto hebraico permitiria um ouvinte para conhecer qual o termo estava envolvido. Em conversa pregação, ensino, ou ordinário, um ouvinte pode julgar apenas pelo contexto.
No presente texto, Senhor, obviamente, refere-se a divindade de JESUS e da autoridade soberana, exaltada no mais alto sentido. Ela representa o título divino e nome, bem como todos os direitos divinos, honras e prerrogativas. Em última análise, seja por escolha ou pela força, toda a criatura, humana e angelical, vai apresentar a JESUS CRISTO como o Senhor divino e exaltado.
No primeiro ato de homenagem, todo joelho se dobrará, assim como Isaías profetizou cerca de sete centenas de anos antes. Através dele o Senhor declarou: "Olhai para mim e sejam salvos, todos os confins da terra, porque eu sou DEUS, e não há outro. Jurei por mim mesmo, a palavra saiu de minha boca na justiça e não vai voltar, que a mim todo joelho se dobrará "(Isaías 45:22-23). JESUS CRISTO é o divino Salvador e Senhor, para quem todo joelho se dobrará.
Aqueles que se submetem à autoridade suprema de JESUS CRISTO será composta por três grupos. Primeiro serão aqueles que estão no céu, que incluirá os santos anjos e os santos, os crentes remidos de todas as idades. Esse grupo celeste, é claro, há muito tempo adorando a JESUS CRISTO como Senhor (cf. Hb 1:6;. 12:23; Rev. 4:8-11; 5:8-14).
O segundo grupo serão aqueles que estão na terra, ambos resgatados e não resgatados. Os remidos continuarão sua adoração a Ele que começou quando eles foram salvos. "Quando Ele vier para ser glorificado nos seus santos nesse dia," Ele "ser admirado em todos os que creram" (2 Ts. 1:10). Ao mesmo tempo, no entanto, embora a contragosto e em terror, o impenitente também será forçado a dobrar os joelhos diante dele. Ele irá "[acordo] com a retribuição àqueles que não conhecem a DEUS e àqueles que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor JESUS, [que então] vai pagar a pena de destruição eterna, longe da presença do Senhor e da a glória do seu poder "(vv. 8-9).
O terceiro grupo que vai adorar o Senhor exaltado serão aqueles que estão debaixo da terra, os anjos caídos e não resgatados mortos que estão aguardando o julgamento final e a punição eterna. Apocalipse 20:11-13, talvez a passagem mais assustador de toda a Escritura, mostra o destino final do impenitente:
Então vi um grande trono branco, e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu de distância, e não se achou lugar para eles. E vi os mortos, grandes e pequenos, em pé diante do trono, e livros foram abertos e outro livro foi aberto, que é o livro da vida, e os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. E deu o mar os mortos que nele havia, e a morte e o Hades entregaram os mortos que neles havia; e foram julgados, cada um deles segundo as suas obras.
Este terceiro grupo irá também incluir "os espíritos agora na prisão", os demônios já está ligado no abismo a quem JESUS "foi e pregou" entre Sua morte e ressurreição, por que Ele triunfou sobre eles (1 Pedro 3:19; cf . Col. 2:14-15).
Como Isaías predisse (Isaías 45:23), na segunda etapa deste culto universal do Filho de DEUS exaltado, toda língua confesse que JESUS CRISTO é o Senhor. Glossa (língua) é frequentemente utilizado, como aqui, para representar um idioma. Não importa o que sua língua, cada ser humano e angelical irá declarar o senhorio de JESUS. Os santos anjos, os santos remidos no céu e na terra, e todos os inimigos de DEUS na terra e no inferno, para sempre confinado pelo seu poder indestrutível que os mantém na punição eterna, vai dobrar os joelhos diante de Sua autoridade soberana. Até os demônios malditos, incluindo Satanás, não terá outra escolha senão concordar com a realidade e confessar que JESUS CRISTO é o Senhor.
Exomologeo (confessar) é uma forma intensiva de homologeo (a confessar, de acordo com) e refere-se a uma declaração aberta e pública. Na época sobre a qual Paulo está falando aqui, no entanto, tal confissão não vai levar a salvação, porque essa bênção suprema já terão sido recebidas ou perdidas para sempre. Antes da morte ou o retorno do Senhor, a promessa é que "se você confessar com sua boca JESUS como Senhor, e em teu coração creres que DEUS o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo" (Rm 10:9). Mas como o apóstolo deixa claro mais tarde na mesma carta, no dia do juízo, que a confissão não irá alterar o estado espiritual das pessoas que faz isso. Citando Isaías, ele diz: "Porque está escrito:" Como eu vivo, diz o Senhor, todo joelho se dobrará a mim, e toda língua louvará a DEUS "(Rm 14:11;.. Cf Is 45 : 23). Nos lábios daqueles que pertencem a DEUS, esta será uma declaração, querendo continuar, e amando de fidelidade e de adoração. Para aqueles que O rejeitaram, a confissão não vão querer, mas irresistível, um reconhecimento forçado de JESUS CRISTO como o Senhor soberano do universo por aqueles sob seu julgamento imutável.
JESUS já possui seu título completo divino e autoridade, mas ainda não é tempo do Pai para que a autoridade deve ser plenamente manifestada. JESUS já se senta à direita do Pai no seu trono celeste, mas nem tudo foi ainda posto em sujeição a Ele (cf. 1 Cor. 15:27-28). Enquanto há tempo, o Salvador continua a chamar homens e mulheres a Si mesmo na fé salvadora, para anunciar e recebê-Lo como Senhor de bom grado. Paulo regozijou-se que ele tinha "encontrado misericórdia, para que em mim, o principal [dos pecadores], JESUS CRISTO pudesse demonstrar sua paciência perfeito como um exemplo para aqueles que crêem nEle para a vida eterna" (1 Tm. 1:16) .
No nascimento de JESUS, o anjo anunciou aos pastores que "hoje na cidade de Davi nasceu para vocês um Salvador, que é o CRISTO Senhor" (Lucas 2:11). JESUS disse aos discípulos: "Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou" (João 13:13), e depois da ressurreição Thomas confessou como (20:28 "Meu Senhor e meu DEUS!" ). No Pentecostes, Pedro proclamou: "Portanto, que toda a casa de Israel saiba com certeza que DEUS o fez Senhor e CRISTO, este JESUS que vós crucificastes" (Atos 2:36; cf. 10:36). Paulo disse aos Romanos: "Se você confessar com sua boca JESUS como Senhor, e em teu coração creres que DEUS o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo" (Rm 10:9; cf v. 12.). Mais tarde na mesma carta, ele disse: "Pois para isto CRISTO morreu e tornou a viver, para que pudesse ser Senhor tanto de mortos como de vivos" (14:9;. Cf v. 11). Ele lembrou aos Coríntios que "há um só DEUS, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem nós vivemos; e um só Senhor, JESUS CRISTO, pelo qual são todas as coisas, e nós existimos por ele." (1 Cor 8 : 6; cf 12:3; 15:57)..
Ao contrário do ensino popular muito e pregação, a Escritura em nenhum lugar fala de uma pessoa que faz Senhor JESUS. Embora muitas pessoas que usam essa frase é apenas uma referência a "submissão obediente a JESUS" crentes autoridade soberana, tais expressões são seriamente enganosa e confusa. O problema é especialmente grave porque alguns evangélicos afirmam que confessando JESUS como Senhor não é uma parte integrante da fé salvadora. Eles mal ver isso como um opcional, embora desejável passo, que os crentes devem levar algum tempo depois de serem salvos. A idéia é que é possível ser salvo, confessando JESUS como Salvador, mas não como comandar, governar Senhor. Mas, como acabamos de citar, foi DEUS o Pai, que "o fez Senhor e CRISTO" (Atos 2:36), e, a fim de ser salvo é necessário para uma pessoa para "confessar ... JESUS como Senhor e crer em [seu] coração que DEUS o ressuscitou dentre os mortos "(Rm 10:9), uma verdade repetida alguns versos depois:" Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo "(v. 13). Reconhecendo a JESUS como Senhor deve incluir submissão e obediência, porque, por definição, o título de Senhor assume.
A centralidade do evangelho do senhorio de JESUS CRISTO é claro. No Novo Testamento, Ele é chamado de Senhor algumas vezes 747. No livro de Atos, Ele é chamado de Salvador apenas duas vezes, mas como Senhor 92 vezes. O credo primeiro conhecido da igreja primitiva foi "JESUS é o Senhor!" O senhorio de JESUS CRISTO é a própria essência do cristianismo e da confissão necessária de quem quer ser salvo. JESUS freqüentemente reiterou a necessidade de obediência como um elemento da fé salvadora (Mt 7:22-27; 19:21-22, Lucas 14:25-33, João 8:31; 14:23-24; 15:14) .
JESUS é o Salvador para que Ele possa ser o Senhor, e Ele não vai salvar aqueles por quem Ele não pode ser o Senhor. Como mencionado acima, até mesmo verbalmente professando-Lo como Senhor sem que Ele seja Senhor é desprezível. No início de Seu ministério, Ele declarou: Nem todo mundo que me diz: "Senhor, Senhor", entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus vai entrar. Muitos me dirão naquele dia: "Senhor, Senhor, não profetizamos em teu nome, e em teu nome não expulsamos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres?" E então eu lhes direi: "Eu nunca sabia que você; Afasta de mim, você que praticais a iniqüidade "(Mateus 7:21-23;. cf Lc 6:46-49).
JESUS não era, naturalmente, o ensino obras de justiça que a salvação vem por meio da obediência, mas que uma profissão de fé que não produz a verdadeira obediência ao Seu senhorio é inútil.
O argumento de que o Senhor título refere-se apenas ao fato da divindade de JESUS é falsa ao extremo, roubando o termo de seu significado essencial. Por definição, Senhor denota um mestre, uma autoridade suprema, um soberano. Não só isso, mas a realidade da própria divindade inerentemente carrega esses mesmos significados. A noção de alguns críticos de "salvação senhorio", que confessando JESUS como Salvador é um ato de fé, enquanto que confessando-o como Senhor é uma forma de retidão de obras, é um absurdo. Ambas as confissões de poupança são possíveis apenas através da provisão graciosa e poder de DEUS (Ef 2:8;. 1 Coríntios 12:3).
Eu comentei sobre esse requisito muito importante e, muitas vezes criticado de o senhorio de JESUS em meu livro O Evangelho Segundo JESUS:
Quando chegamos a JESUS para a salvação, chegamos àquele que é Senhor de tudo. Qualquer mensagem que omite esta verdade não pode ser chamado de evangelho. É uma mensagem defeituosa que apresenta um salvador que não é o Senhor, um redentor que não demonstrar autoridade sobre o pecado, um messias, enfraquecido doente que não pode comandar aqueles que ele resgata.
O evangelho segundo JESUS é nada disso. Ela representa JESUS CRISTO como Senhor e Salvador e exige que aqueles que recebê-lo levá-lo por quem ele é. Nas palavras do puritano John Flavel, "A oferta evangelho de CRISTO inclui todos os seus escritórios, e fé evangélica só para recebê-lo, para submeter a ele, bem como a ser resgatado por ele, a imitá-lo na santidade de sua vida, bem como para colher as compras e frutos de sua morte. Deve ser um recebimento total do Senhor JESUS CRISTO. "
AW Tozer escreveu na mesma linha, "Instar os homens e mulheres a acreditar em um CRISTO dividido é mau ensino, pois ninguém pode receber metade de CRISTO, ou um terço de CRISTO, ou um quarto da Pessoa de CRISTO!
Nós não somos salvos por crer em um escritório nem em uma obra. " Ele é o Senhor, e aqueles que se recusam-No como Senhor não pode usá-lo como Salvador. Todo aquele que o recebe deve render-se a sua autoridade, para dizer que recebemos de CRISTO, quando na verdade nós rejeitamos o seu direito de reinar sobre nós é absurdo total. É uma tentativa fútil de agarrar o pecado com uma mão e tirar com a outra JESUS. Que tipo de salvação é se ficamos na escravidão do pecado? (Rev. ed [Grand Rapids: Zondervan, 1994]., 235-36) RA Torrey, segundo presidente da Moody Bible Institute, reitor do Instituto Bíblico de Los Angeles, e um evangelista proeminente, aconselhou aqueles que testemunha de CRISTO: "Chumbo [incrédulo] tão diretamente como você pode aceitar JESUS CRISTO como Salvador pessoal , e entregar a Ele como seu Senhor e Mestre "(Como Trabalhar para CRISTO [Old Tappan, NJ: Revell, nd], 32). WH Griffith Thomas, co-fundador da Dallas Theological Seminary, escreveu: Nossa relação com CRISTO se baseia na Sua morte e ressurreição, e isso significa que Sua Senhoria. Na verdade, o Senhorio de CRISTO sobre as vidas de seu povo foi o propósito para o qual Ele morreu e ressuscitou. Temos de reconhecer CRISTO como nosso Senhor. Pecado é rebelião, e é apenas como nos entregamos a Ele como Senhor que recebemos o nosso perdão d'Ele como nosso Salvador. Nós temos que admiti-lo para reinar no trono do coração, e é somente quando ele é glorificado em nossos corações como o rei que o ESPÍRITO SANTO entra e permanece. (Epístola de São Paulo aos Romanos [Grand Rapids: Eerdmans, sd], 371)

O PROPÓSITO DA EXALTAÇÃO DE CRISTO
para a glória de DEUS Pai (2:11b)
Finalmente, como para tudo na saga de redenção, a finalidade da exaltação de JESUS é a glória de DEUS Pai. Para proclamar o senhorio soberano de Seu Filho é a maior glória que pode ser dado a DEUS Pai. Reconhecimento universal de CRISTO como Senhor não faz o Pai ciumento. Em vez disso, que é o objetivo supremo e cumprimento da vontade divina do Pai como Ele demonstra Seu amor perfeito para o Filho. Aqui, é claro, é um grande mistério, um mistério que confunde todo mundo que se atreve a entender completamente a Trindade. As três Pessoas são um só DEUS, totalmente unido e indivisível. Eles nunca competir, discordar, ou diferem uns com os outros em menor grau. Homens, portanto, não são chamados para adorar a DEUS através de JESUS, mas para adorar a JESUS como DEUS. JESUS explicou que "O Filho do Homem [é] glorificado, e DEUS é glorificado nele, se DEUS é glorificado nele, também DEUS o glorificará em si mesmo" (João 13:31-32;. Cf 14:13; Rom . 9:5, 11:36; 16:27). Ele é do Pai e do prazer supremo do Filho para glorificar o outro. Em Sua oração sacerdotal, JESUS disse: "Pai, chegou a hora: Glorifica teu Filho, que o Filho glorifique Você .... Eu te glorifiquei na terra, tendo consumado a obra que me deste para fazer. Agora, Pai, glorifica-me junto de ti mesmo, com a glória que tinha contigo antes que o mundo existisse "(João 17:1, 4-5). Aquele que respeita as honras o Filho do Pai, e quem despreza os desonra o Filho do Pai (João 5:23). Por toda a eternidade, o Pai irá continuar a dizer do exaltado Senhor JESUS CRISTO: "Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo" (Mt 3:17; cf 17:5.).
DEUS Trabalha em Você
 
Parte-1:
Papel do Crente na Santificação (Filipenses 2:12)
Assim, meus amados, como sempre vocês obedeceram, não apenas em minha presença, porém muito mais agora na minha ausência, ponham em ação a salvação de vocês com temor e tremor (2:12)
Desde os primeiros dias da igreja, a relação entre o poder de DEUS e a responsabilidade dos crentes em viver a vida cristã tem sido debatido. É a vida cristã, essencialmente, uma questão de confiança passiva ou de obediência ativa? É tudo o que DEUS está fazendo, todo o crente está fazendo, ou uma combinação de ambos? Esta não é uma pergunta incomum quando se trata de verdade espiritual, na verdade, a mesma questão se coloca sobre a própria salvação. É tudo o que DEUS está fazendo, ou há uma exigência, por parte do homem em resposta ao comando de crer no evangelho? A Escritura deixa claro que envolve tanto a soberania de DEUS e a resposta humana. Paulo lembrou aos Efésios: "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé, e isto não vem de vós, é dom de DEUS, não como resultado de obras, para que ninguém se glorie" (Ef 2:8 -9). Em João 6:44 JESUS declarou: "Ninguém pode vir a Mim se o Pai que me enviou não o dele"; ainda Atos 16:31 comandos: "Crê no Senhor JESUS e serás salvo." A salvação não é por obras humanas, mas é sempre através da fé pessoal. Outras doutrinas também envolver paradoxos aparentes. Por exemplo, JESUS CRISTO é plenamente DEUS e plenamente homem, e enquanto a Escritura foi escrita por autores humanos, cada palavra foi inspirada por DEUS. O evangelho é oferecido a todo o mundo, mas aplicada somente aos eleitos. DEUS eternamente assegura a salvação dos crentes, mas eles são ordenados a perseverar.
Cristãos que tentam conciliar toda doutrina de uma forma humanamente racional são inevitavelmente atraídos para extremos. Para alcançar seu objetivo de compreensão plena, sem mistério ou paradoxo aparente, eles enfatizam uma verdade ou aspecto da Palavra de DEUS à custa de outros, que, para a mente finita, parecem contradizê-la. No que diz respeito à santificação, a visão que enfatiza o papel de DEUS ao virtualmente eliminar o envolvimento do crente é muitas vezes referida como quietismo. O extremo oposto é chamado de pietismo. O quietista vê crentes como passivo na santificação. Uma máxima comum é: "Deixe ir e deixar DEUS". Outra é: "Não posso,. DEUS pode" quietismo tende a ser mística e subjetiva, concentrando-se em sentimentos e experiências pessoais. Uma pessoa que está totalmente submetido e dependente de DEUS, dizem eles, será divinamente protegido do pecado e levado para uma vida fiel. Tentando lutar contra o pecado ou a disciplinar-se para produzir boas obras é considerada não só inútil, mas não espiritual e contraproducente.
Um expoente proeminente dessa visão de santificação foi o devoto Quaker Hannah Whithall Smith, cujo livro O Segredo Cristão duma Vida Feliz foi lido por milhões de pessoas. Nele, ela escreve: O que pode ser dito sobre a parte do homem nesta grande obra, mas que ele deve entregar-se continuamente e continuamente a confiança? Mas quando chegamos ao lado de DEUS sobre a questão, o que é que não pode ser dito como a multiplicidade de formas, em que Ele realiza o trabalho confiado a Ele? É aqui que o crescimento vem dentro do pedaço de barro nunca poderia crescer em um vaso bonito se ficasse no poço de argila por milhares de anos, mas quando ele é colocado nas mãos de um oleiro hábil que cresce rapidamente, sob a sua moldando, para dentro do vaso ele pretende que seja. E da mesma forma que a alma, abandonado para o funcionamento do Potter Celestial, é feita em um vaso para honra, santificado e idôneo para uso do Mestre. (Westwood, NJ:. Revell, 1952, 32 itálico no original).
Em resposta à pergunta sobre como um cristão pode cair em pecado, quietistas sustentam que uma pessoa obviamente não entende a questão de entrega total e leva-se para fora das mãos do Oleiro Celestial. Mas uma pergunta como se DEUS fosse completamente no controle, um crente poderia tomar-se fora das mãos do oleiro divino. Como não culpar a DEUS por sua deserção de rendição completa? Pietistas, por outro lado, são normalmente agressivos em sua busca de doutrina correta e pureza moral. Historicamente, este movimento se originou no século XVII na Alemanha como uma reação à ortodoxia morta de muitas igrejas protestantes. Para seu crédito, a maioria dos pietistas colocar forte ênfase na estudo da Bíblia, vida santa, a auto-disciplina, e cristianismo prático. Eles enfatizam passagens como "Vamos limpar-nos de toda imundície da carne e do espírito, aperfeiçoando a santificação no temor de DEUS" (2 Coríntios. 7:1) e "Assim também a fé, se não tiver obras, é morta em por si mesma "(Tiago 2:17). No entanto, eles sublinham freqüentemente auto-esforço para a virtual exclusão de dependência do poder divino. Como seria de esperar, o pietismo freqüentemente leva ao legalismo, o moralismo, hipocrisia, um espírito de julgamento, orgulho e hipocrisia.

Em Filipenses 2:12-13, Paulo apresenta a resolução adequada entre a parte do crente e da parte de DEUS para a santificação. No entanto, ele não faz nenhum esforço para harmonizar racionalmente os dois. Ele está contente com a incompreensibilidade e simplesmente afirma ambas as verdades, dizendo, com efeito, que, por um lado, a santificação é de crentes (v. 12) e, por outro lado, é de DEUS (v. 13).
A mesma ênfase dupla é encontrado em todo o Novo Testamento e uma análise dos textos pertinentes é útil. Pedro, em sua segunda carta, lembra aos crentes que DEUS poder divino concedeu a tudo o que nos diz respeito à vida e à piedade, pelo conhecimento daquele que nos chamou por sua própria glória e excelência. Por estes Ele nos deu Suas promessas preciosas e magníficas, para que por elas vos torneis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção que há no mundo pela luxúria. (2 Pedro 1:3-4)
Com base nessa disposição divina, Peter carrega crentes: Agora, para esta mesma razão, também, aplicar toda a diligência, na sua fé a excelência moral, e em sua moral excelência, conhecimento, e em seu conhecimento, auto-controle, e no seu auto-controle, perseverança e na sua perseverança, a piedade , e em sua piedade, a fraternidade, e em seu fraterno amor, bondade. Porque, se essas qualidades são suas e estão aumentando, eles nem torná-lo inútil, nem estéreis no conhecimento verdadeiro de nosso Senhor JESUS CRISTO. Para quem não tem estas qualidades é cego ou míope, ter-se esquecido da purificação dos seus antigos pecados. Portanto, irmãos, tudo o mais diligente para ter certeza sobre sua vocação e eleição; enquanto você praticar estas coisas, você nunca vai tropeçar. (Vv. 5-10)
Paulo escreveu aos Coríntios que "pela graça de DEUS sou o que sou, e sua graça para comigo não vão provar", e então passou a dizer: "mas tenho trabalhado mais do que todos eles, não eu , mas a graça de DEUS comigo "(1 Cor. 15:10). Nessa declaração inspirada, o apóstolo deixa claro que a graça divina e o poder de DEUS permeando o esforço fiel e obediente dos crentes. Sua declaração de que "Já estou crucificado com CRISTO; e já não sou eu quem vive, mas CRISTO vive em mim, e a vida que agora vivo na carne, vivo pela fé no Filho de DEUS, que me amou e si mesmo se entregou por mim "(Gl 2:20) é complementada pela declaração correspondente que" nós proclamamos, advertindo todo homem e ensinando a todo homem em toda a sabedoria, para que apresentemos todo homem perfeito em CRISTO. Para este efeito, também eu trabalho, lutando segundo a sua potência, que funciona dentro de mim poderosamente "(Colossenses 1:28-29). James primeiro advertiu: "Enviar, portanto, a DEUS", e, em seguida, "Resisti ao diabo e ele fugirá de vós" (Tiago 4:7). Santificação dos crentes exige seu esforço diligente. No entanto, é capacitado por DEUS, que, de acordo com seu poder soberano, trabalha a Sua vontade, para e em Seus filhos.
Essa sinergia divino-humana de trabalho dentro e através dos crentes sempre existiu e é exemplificado no Antigo Testamento. Quando o exército de Faraó ameaçado o povo de Israel, Moisés estava tão confiante no Senhor que ele gritou: "Não tenhas medo! Fique por e vede a salvação do Senhor, que Ele irá realizar para você hoje, porque aos egípcios que você viu hoje, você nunca vai vê-los outra vez para sempre. O Senhor vai lutar por você, enquanto você manter o silêncio "(Ex. 14:13-14). Mas os israelitas também tinham um papel a desempenhar: "O Senhor disse a Moisés: Por que vocês estão clamando a mim? Diga aos filhos de Israel para avançar. Quanto a você, levante o seu pessoal e estende a mão sobre o mar e dividi-lo, e os filhos de Israel passem pelo meio do mar em terra seca "(vv. 15-16). Não era a vontade do Senhor que o Seu povo simplesmente ficar em silêncio e ser passivo, mas que eles participem ativamente na realização de seu propósito. Seu propósito para eles, era para ser realizado por eles.
Esse princípio também pode ser visto na dedicação de Salomão do templo. Como o rei se pôs diante da assembléia de Israel, ele orou, Bendito seja o Senhor, que deu repouso ao seu povo Israel, conforme tudo o que Ele prometeu, nem uma só palavra falhou de todas as suas promessas bom, que Ele prometeu através de Moisés, seu servo. Que o Senhor nosso DEUS seja conosco, como foi com nossos pais; pode não deixará ou nos abandonará, para que ele incline os nossos corações, para si mesmo, para andar em todos os seus caminhos e guardar os Seus mandamentos e os seus estatutos e os seus ordenanças, o qual deu aos nossos pais. E que estas minhas palavras, com o qual fiz súplica diante do Senhor, estar próximo ao Senhor nosso DEUS dia e noite, para que Ele possa manter a causa do seu servo e a causa do seu povo Israel, a cada dia exige, para que todos os povos da terra saibam que o Senhor é DEUS, não há mais ninguém. Deixe seu coração, portanto, ser inteiramente dedicado ao Senhor, nosso DEUS, que andeis nos seus estatutos e guardar os Seus mandamentos, como se vê neste dia. (1 Reis 8:56-61)
Salomão percebeu que o próprio DEUS oferece a orientação e força para seu povo fiel obedecer aos Seus mandamentos e para servir e adorá-Lo. Conseqüentemente, nenhum crente tem uma desculpa para a desobediência ou falta de servir ao Senhor. Para confiar é obedecer.
Como explicou James muitos séculos mais tarde, "mesmo assim fé, se não tiver obras, é morta, sendo por si mesma" (Tiago 2:17). Não é, naturalmente, que o Senhor não realizar muitas coisas para o Seu povo para além de tudo o que fazem. Mas eles são ordenados a obedecer à Sua vontade. Para não fazer o que se sabe deve ser feito é o pecado: "Para quem sabe a coisa certa a fazer e não fazer isso, para ele é pecado" (Tiago 4:17).
O ponto de tudo isso recitação das Escrituras não é fornecer uma compreensão clara da "patologia espiritual" de santificação e de acabar com todo o mistério, mas para deixar claro que o aparente paradoxo é exatamente o que a Escritura ensina repetidamente. Assim como ele aborda o tema da santificação, Paulo se concentra primeiro em papel do crente na santificação. Alguns intérpretes equivocados completamente descaracterizou esta exortação, como se disse, "trabalhar para a sua salvação", "trabalho em sua salvação", ou "trabalhar até a sua salvação." Mas tanto no contexto imediato da presente carta e o contexto mais amplo da Novo Testamento, nenhuma dessas interpretações é correta. Paulo não está falando de alcançar a salvação pelo esforço humano ou bondade, mas de viver a transformação interior que DEUS graciosamente concedido.
Em Romanos, Paulo deixou claro que além da Lei a justiça de DEUS se manifestou, tendo o testemunho da Lei e os Profetas, mas a justiça de DEUS mediante a fé em JESUS CRISTO para todos aqueles que crêem, pois não há distinção, pois todos pecaram e ficam aquém da glória de DEUS, sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em CRISTO JESUS. (Rm 3:21-24)
Aos efésios ele escreveu, "Porque pela graça sois salvos, mediante a fé, e isto não vem de vós, é dom de DEUS, não como resultado de obras, para que ninguém se glorie" (Ef 2:8 -9).
Somente a fé sempre foi o caminho da salvação. Foi "pela fé [que] Abel ofereceu a DEUS um sacrifício melhor do que Caim, pelo qual alcançou testemunho de que era justo, dando DEUS testemunho sobre seus dons, e por meio da fé, que ele está morto, ele ainda fala" (Hb . 11:4), e foi "pela fé [que] Enoch foi levado para cima, para que ele não iria ver a morte, e ele não foi encontrado porque DEUS o levou, porque ele obteve o testemunho de que antes ele foi levado até ele era agradável a DEUS "(v. 5). Noé era um homem justo (Gn 6:9) pela fé (Hebreus 11:7). Abraão foi salvo pela graça de DEUS trabalhando através de sua fé pessoal: "Abraão creu em DEUS, e isso lhe foi creditado como justiça. Agora, para aquele que trabalha, o salário não é creditado como um favor, mas como o que é devido. Mas para quem não trabalha, mas crê naquele que justifica o ímpio, sua fé lhe é creditada como justiça "(Rm 4:3-5;.. Cf Hb 11:8-10). A lei dada por Moisés não alterou o caminho da salvação. Foi somente pela fé que o próprio Moisés, bem como todos os outros santos do Velho Testamento, foram salvos (Hebreus 11:2338).
Todos esses homens e mulheres crentes "obteve a aprovação por meio de sua fé" (v. 39), pelo qual DEUS concedeu-lhes a Sua justiça por conta da morte de Seu Filho iria morrer.
Como Paulo enfatiza no versículo 13 de Filipenses 2, a salvação é de DEUS. Mas no versículo 12, ele se concentra na responsabilidade dos crentes a viver vidas que são consistentes com o dom divino da salvação. Porque "nós vivemos pelo ESPÍRITO", isto é, ter a vida divina de CRISTO dentro de nós, devemos "caminhemos também segundo o ESPÍRITO" (Gl 5:25).
Tudo na vida exige energia. É preciso energia para andar e trabalhar.É preciso energia para pensar e meditar. É preciso energia para obedecer e adorar a DEUS. O ponto do versículo presente é que leva a energia espiritual para crescer como um cristão, viver uma vida que é santo, frutífero e agradável ao Senhor. O verbo principal neste versículo, katergazomai (trabalhar), chama especificamente para a energia constante e esforço necessário para concluir uma tarefa. Em 2:12, as palavras de Paulo sugerem cinco verdades que os crentes devem entender para sustentar a energia como:
o seu exemplo; seu ser amado, a sua obediência; suas responsabilidades pessoais e recursos, e as conseqüências do seu pecado.

OBJETIVOS - Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
Conhecer o estado eterno da pré-encarnação de CRISTO.
Apreender o que a Bíblia ensina sobre o estado temporal de CRISTO.
Compreender a exaltação final de CRISTO.

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA
Prezado professor, a lição a ser estudada nesta semana é bem teológica. As Escrituras apresentam uma doutrina robusta acerca da humanidade e divindade de JESUS CRISTO. A história da Igreja apresenta fundamentos sólidos à luz dos concílios ecumênicos que, ao longo do tempo, deram conta da evolução de toda a teologia cristã no Ocidente.
Para introduzir o assunto, reproduza o esquema abaixo. Faça uma rápida exposição da doutrina da união hipostática de JESUS. Para isso o prezado professor deverá munir-se de uma boa Teologia Sistemática e Bíblica.
 
UNIÃO HIPOSTÁTICA
"[Do gr. hypostasis] Doutrina que, exposta no Concílio de Calcedônia em 451, realça a perfeita e harmoniosa união entre as naturezas humana e divina de CRISTO. Acentua este ensinamento ser JESUS, de fato, verdadeiro homem e verdadeiro DEUS"
(Dicionário Teológico, p.352, CPAD).
Natureza Humana
"Embora o título 'Filho do Homem' apresente duas definições principais, são três as aplicações contextuais, no Novo Testamento. A primeira é o Filho do Homem no seu ministério terrestre. A segunda refere-se ao seu sofrimento futuro (como por Mc 13.24). Assim, atribuiu-se novo significado a uma terminologia existente dentro do Judaísmo. A terceira aplicação diz respeito ao Filho do Homem na sua glória futura (ver Mc 13.24, que aproveita diretamente toda a corrente profética que brotou do livro de Daniel). [...] Logo, JESUS é o Filho do Homem - passado, presente e futuro. [...] O fato de o Filho do Homem ser um homem literal é incomparável" (Teologia Sistemática: Uma Perspectiva Pentecostal, pp.312-13, CPAD).
Natureza Divina
"Os escritos joaninos dão bastante ênfase ao título 'Filho de DEUS'. João 20.31 afirma de forma explícita que o propósito do evangelho é 'para que creiais que JESUS é o CRISTO, o Filho de DEUS, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome'. Além do uso do próprio título, JESUS é chamado inúmeras vezes 'o Filho', sem acréscimo de outras qualificações. Há também mais de cem circunstâncias em que JESUS se dirige diretamente a DEUS ou se refere a Ele como 'Pai' [...].
As afirmações: 'Eu sou' são exclusivas do evangelho de João. Elas, como afirmações de JESUS na primeira pessoa, formam uma parte relevante da autorrevelação dEle ['Eu Sou' é a declaração da autorrevelação divina (cf. Êx 3.14)]" (Teologia do Novo Testamento, pp.203, 205, CPAD).


RESUMO DA
LIÇÃO 4 - JESUS, O MODELO IDEAL DE HUMILDADE
I. O FILHO DIVINO: O ESTADO ETERNO DA PRÉ-ENCARNAÇÃO (2.5,6)
1. Ele deu o maior exemplo de humildade.
2. Ele era igual a DEUS. "Que, sendo em forma de DEUS" (v.6).
3. Mas "não teve por usurpação ser igual a DEUS" (v.6).
II. - O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO (2.7,8)
1. "Aniquilou-se a si mesmo" (2.7).
2. Ele "humilhou-se a si mesmo" (2.8).
3. Ele foi "obediente até a morte e morte de cruz" (2.8).
III. A EXALTAÇÃO DE CRISTO (2.9-11)
1. "DEUS o exaltou soberanamente" (2.9).
2. Dobre-se todo joelho. Diante de JESUS,
3. "Toda língua confesse" (v.11).

SINOPSE DO TÓPICO (1) - CRISTO é por natureza DEUS, pois antes de fazer-se humano "subsistia em forma de DEUS".
SINOPSE DO TÓPICO (2) O crente como sal e luz do mundo, representante do reino divino, não pode permitir que atitudes mundanas destruam a família.
SINOPSE DO TÓPICO (3) - DEUS, o Pai, exaltou soberanamente o Filho fazendo-o Senhor e Rei. Haverá, pois, um dia que "todo joelho se dobrará" e "toda língua confessará" o senhorio de CRISTO.

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO I - Subsidio Teológico - “KENOSIS
[Do gr. kenós, vazio, oco, sem coisa alguma] Termo usado para explicar o esvaziamento da glória de CRISTO quando da sua encarnação. Ao fazer-se homem, renunciou Ele temporariamente a glória da divindade (Fp 2.1-6). O capítulo 53 de Isaías é a passagem que melhor retrata a kenósis de CRISTO. Segundo vaticina o profeta, em JESUS não havia beleza nem formosura. Nesta humilhação, porém, DEUS exaltou o homem às regiões celestes.
Quando se trata de Kenósis de CRISTO, há que se tomar muito cuidado. É contra o espírito do Novo Testamento, afirmar que o Senhor JESUS esvaziou-se de sua divindade. Ao encarnar-se, esvaziou-se Ele apenas da sua glória. Em todo o seu ministério terreno, agiu como verdadeiro homem e verdadeiro DEUS.
KENÓTICA, TEOLOGIA DA
Movimento surgido na Inglaterra no século 19, cujo objetivo era enfatizar a kenósis de CRISTO. Em torno do tema, muitas questões foram suscitadas: CRISTO, afinal, esvaziou-se de sua glória ou de sua divindade? Caso haja se esvaziado de sua divindade, sua morte teve alguma eficácia redentora?
Ora, como já dissemos no verbete anterior, a kenósis de CRISTO não implicou no esvaziamento de sua divindade, mas apenas no auto-esvaziamento de sua glória. Em todo o seu ministério, agiu Ele como verdadeiro homem e verdadeiro DEUS" (ANDRADE, Claudionor. Dicionário Teológico. 13.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2004, p.246).

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II - Subsidio Teológico - kurios
"O termo 'Senhor' representa o vocábulo grego kurios, bem como os vocábulos hebraicos Adonai (que significa 'meu Senhor, meu Mestre, aquEle a quem pertenço') e Yahweh (o nome pessoal de DEUS). Para as culturas do Oriente Próximo e do Oriente Médio antigos, 'Senhor' atribuía grande reverência quando aplicado aos governantes. As nações ao redor de Israel usavam o termo para indicar seus reis e deuses, pois a maioria dos reis pagãos afirmavam-se deuses. Esse termo, pois, representava adoração e obediência. Kurios podia ser usado no trato com pessoas comuns, como uma forma polida de tratamento. Entretanto, a Bíblia declara que o nome 'Senhor' foi dado a JESUS pelo Pai, identificando-o, assim, como divino Senhor (Fp 2.9-11). Os crentes adotaram facilmente esse termo, reconhecendo em JESUS o Senhor divino. Por meio de seu uso, indicavam completa submissão ao Ser Supremo. O título que Paulo preferia usar para referir-se a si mesmo era 'servo' (no grego, doulos, 'escravo', ou seja, um escravo por amor) de CRISTO JESUS (Rm 1.1; Fp 1.1). A rendição absoluta é apropriada a um Mestre absoluto. A significação prática desse termo é espantosa quanto às suas implicações na vida diária. A vida inteira deve estar sob a liderança de CRISTO. Ele deve ser o Mestre de cada momento da vida de todos quantos nasceram na família de DEUS.
Isso, contudo, não significa que CRISTO seja um tirano, pois Ele mesmo declarou: 'Os reis dos gentios dominam sobre eles, e os que têm autoridade sobre eles são chamados benfeitores. Mas não sereis vós assim; antes, o maior entre vós seja como o menor; e quem governa, com quem serve. Pois qual é maior: quem está à mesa ou quem serve? Porventura, não é quem está à mesa? Eu porém, entre vós, sou como aquele que serve' (Lc 22.25-27; ver também Mt 20.25-28). JESUS viveu e ensinou a liderança de servos" (MENZIES, William W.; HORTON, Stanley M. Doutrinas Bíblicas: Os Fundamentos da Nossa Fé. 5.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, pp.51-52).

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
ZUCK, Roy B. (Ed.). Teologia do Novo Testamento. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2008.
HORTON, Stanley (Ed.). Teologia Sistemática: Uma Perspectiva Pentecostal. 10.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007.
BLOMBERG, Craig L. Questões Cruciais do Novo Testamento. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2010.

SAIBA MAIS - Revista Ensinador Cristão - ;CPAD, nº 55 p.38.
 
QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 4 - JESUS, O MODELO IDEAL DE HUMILDADE
Responda conforme a revista da CPAD do 3º Trimestre de 2013 - FILIPENSES
Complete os espaços vazios e marque com "V" as respostas verdadeiras e com "F" as falsas
 
TEXTO ÁUREO
1- Complete:
De ____________________ que haja em vós o mesmo __________________________________ que houve também em _______________________________ JESUS" (Fp 2.5).

VERDADE PRÁTICA
2- Complete:
JESUS CRISTO é o nosso ___________________________ ideal de _________________________________, humildade e _________________________________.

COMENTÁRIO - INTRODUÇÃO
3- Quais são as duas naturezas inseparáveis de JESUS? Onde essa doutrina é apresentada por Paulo?
(    ) Humanidade e divindade
(    ) Eternidade e deidade
(    ) No segundo capítulo da Epístola aos Filipenses.
 
I. O FILHO DIVINO: O ESTADO ETERNO DA PRÉ-ENCARNAÇÃO (2.5,6)
4- De que maneira Ele nos deu o maior exemplo de humildade?
(    ) Na Epístola aos Filipenses, lemos: "De sorte que haja em vós o mesmo poder que houve também em CRISTO JESUS".
(    ) Na Epístola aos Filipenses, lemos: "De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em CRISTO JESUS".
(    ) Este texto reflete a humildade de CRISTO revelada antes da sua encarnação.
(    ) Certa feita, quando ensinava aos seus discípulos, o Mestre disse: "Aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração".
(    ) JESUS CRISTO é o modelo perfeito de humildade.
(    ) O apóstolo Paulo insta a que os filipenses tenham a mesma disposição demonstrada por JESUS.

5- JESUS, aqui na Terra era igual a DEUS?
(    ) Sim. "Que, sendo em forma de DEUS" (v.6).
(    ) A palavra forma sugere o objeto de uma configuração, uma igualdade.
(    ) A palavra forma sugere o objeto de uma configuração, uma semelhança.
(    ) Em relação a DEUS, o termo refere-se à forma essencial da divindade.
(    ) CRISTO é DEUS, igual com o Pai, pois ambos têm a mesma natureza, glória e essência.
(    ) A forma verbal da palavra sendo aparece em outras versões bíblicas como subsistindo ou existindo.
(    ) CRISTO é, por natureza, DEUS, pois antes de fazer-se humano "subsistia em forma de DEUS".
(    ) Os líderes de Jerusalém procuravam matar JESUS porque Ele dizia ser "igual a DEUS".
(    ) A Filipe, o Senhor afirmou ser semelhante ao Pai.
(    ) A Filipe, o Senhor afirmou ser igual ao Pai.
(    ) A divindade de CRISTO é fartamente corroborada ao longo da Bíblia.
(    ) Portanto, CRISTO, ao fazer-se homem, esvaziou-se não de sua divindade, mas de sua glória.

6- O que significa: Mas "não teve por usurpação ser igual a DEUS" (v.6)?
(    ) Voluntariamente, humilhou-se e assumiu a nossa fragilidade, em tudo, até mesmo no pecado.
(    ) Isto significa que o Senhor não se apegou aos seus "direitos divinos".
(    ) Ele não agiu egoisticamente, mas esvaziou- se da sua glória, para assumir a natureza humana e entregar-se em expiação por toda humanidade.
(    ) O que podemos destacar nesta atitude de JESUS é o seu amor pelo mundo.
(    ) Por amor a nós, CRISTO ocultou a sua glória sob a natureza terrena.
(    ) Voluntariamente, humilhou-se e assumiu a nossa fragilidade, com exceção do pecado.

II. - O FILHO DO HOMEM: O ESTADO TEMPORAL DE CRISTO (2.7,8)
7- O que significa: "Aniquilou-se a si mesmo" (2.7)?
(    ) O verbo aniquilar comunica melhor do que esvaziar a idéia da encarnação de JESUS.
(    ) Foi na sua encarnação que o Senhor JESUS deu a maior prova da sua humildade: Ele "aniquilou-se a si mesmo".
(    ) O termo grego usado pelo apóstolo é o verbo kenoô, que significa também esvaziar, ficar vazio.
(    ) Portanto, o verbo esvaziar comunica melhor do que aniquilar a idéia da encarnação de JESUS.
(    ) O verbo esvaziar destaca que Ele esvaziou-se a si mesmo, privou-se de sua glória e tomou a natureza humana.
(    ) Todavia, em momento algum veio a despojar-se da sua divindade.
(    ) JESUS não trocou a natureza divina pela humana.
(    ) Antes, voluntariamente, renunciou em parte às prerrogativas inerentes à divindade, para assumir a nossa humanidade.
(    ) Tornando-se verdadeiro homem, fez-se maldição por nós.
(    ) E levou sobre o seu corpo todos os nossos pecados.
(    ) Em Gálatas 4.4, Paulo escreveu que, na plenitude dos tempos, "DEUS enviou seu Filho, nascido de mulher".
(    ) Isto indica que JESUS é consubstancial com toda a humanidade nascida em Adão.
(    ) A diferença entre JESUS e os demais seres humanos está no fato de Ele ter sido gerado virginalmente pelo ESPÍRITO SANTO e nunca ter cometido qualquer pecado ou iniqüidade.
(    ) Por isso, o amado Mestre é "verdadeiramente homem e verdadeiramente DEUS".

8- O que significa: Ele "humilhou-se a si mesmo" (2.8)?
(    ) A auto-humilhação do Mestre foi infringida a JESUS pelos romanos a mando dos judeus.
(    ) JESUS encarnado rebaixou-se mais ainda ao permitir ser escarnecido e maltratado pelos incrédulos.
(    ) A auto-humilhação do Mestre foi espontânea.
(    ) Ele submeteu-se às maiores afrontas, porém jamais perdeu o foco da sua missão: cumprir toda a justiça de DEUS para salvar a humanidade.

9- O que significa: Ele foi "obediente até a morte e morte de cruz" (2.8)?
(    ) Quando enfrentou o Calvário, o Mestre desceu ao terceiro ponto mais baixo da sua humilhação.
(    ) O Mestre amado foi obediente à vontade do Pai até mesmo em sua agonia: "Não se faça a minha vontade, mas a tua".
(    ) No Getsêmani, antes de encarar o Calvário, JESUS enfrentou profunda angústia e submeteu-se totalmente a DEUS, acatando-lhe a vontade soberana.
(    ) Quando enfrentou o Calvário, o Mestre desceu ao ponto mais baixo da sua humilhação.
(    ) Ele se fez maldição por nós, passando pela morte e morte de cruz.
 
III. A EXALTAÇÃO DE CRISTO (2.9-11)
10- O que significa:"DEUS o exaltou soberanamente" (2.9)?
(    ) Após a sua vitória final sobre o pecado e a morte, JESUS é finalmente exaltado pelo Pai.
(    ) O caminho da exaltação passou pela humilhação, e Ele foi coroado de sofrimentos, tornando-se nosso herói.
(    ) O caminho da exaltação passou pela humilhação, mas Ele foi coroado de glória, tornando-se herdeiro de todas as coisas.

11- O que significa o nome JESUS? Qual o termo grego donde vem esse nome?
(    ) Usado pelo autor sagrado para designar especialmente JESUS, o termo grego "Cristos" revela a glorificação de CRISTO.
(    ) Usado pelo autor sagrado para designar especialmente JESUS, o termo grego "Kyrios" revela a glorificação de CRISTO.
(    ) O nome "JESUS" é equivalente a "Senhor", e, por decreto divino, Ele foi elevado acima de todo nome.
(    ) As Escrituras atestam que ante o seu nome "se dobre todo joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, e toda língua confesse que JESUS CRISTO é o Senhor [o Kyrios]".

12- O que quer dizer: "Dobre-se todo joelho"?
(    ) Ajoelhar-se implica reconhecer a inferioridade de alguém.
(    ) Diante de JESUS, todo joelho se dobrará.
(    ) Ajoelhar-se implica reconhecer a autoridade de alguém.
(    ) Logo, quando nos ajoelhamos diante de JESUS, deixamos bem claro que Ele é a autoridade suprema não só da Igreja, mas de todo o Universo.
(    ) Quando oramos em seu nome e cantamos-lhe louvores, reconhecemos-lhe a soberania.
(    ) Pois todas as coisas, animadas e inanimadas, estão sob a sua autoridade e não podem esquivar-se do seu senhorio.

13- O que quer dizer: "Toda língua confesse" (v.11)?
(    ) A confissão de que JESUS CRISTO é o Senhor é o ponto de discordante de toda a Igreja.
(    ) Além de ressaltar o reconhecimento do senhorio de JESUS, a expressão implica também a pregação do Evangelho em todo o mundo.
(    ) Cada crente deve proclamar o nome de JESUS.
(    ) O valor do Cristianismo está naquilo que se crê.
(    ) A confissão de que JESUS CRISTO é o Senhor é o ponto de convergência de toda a Igreja.
(    ) Nosso credo implica o reconhecimento público de JESUS CRISTO como o Senhor da Igreja.
(    ) A exaltação de CRISTO deve ser proclamada universalmente.
 
CONCLUSÃO
14- Complete:
O tema estudado hoje é altamente teológico. Vimos a humilhação e a __________________________ de JESUS. Estudamos a dinâmica da sua humanização e a sua conseqüente __________________________. Aprendemos também que o Senhor JESUS é o DEUS forte encarnado - verdadeiramente homem e verdadeiramente DEUS. E que Ele recebeu do Pai toda a autoridade nos céus e na terra. Ele é o _________________________, o Senhor Todo-Poderoso. O nome sob o qual, um dia, todo joelho se dobrará e toda língua confessará que JESUS CRISTO é o ____________________________. Proclamemos essa verdade _____________________________________.
 
RESPOSTAS DO QUESTIONÁRIO EM http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm 
 
AJUDA
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - Bíblia de Estudos Pentecostal.
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.
Peq.Enc.Bíb. - Orlando Boyer - CPAD
Bíblia de estudo - Aplicação Pessoal.
O Novo Dicionário da Bíblia - J.D.DOUGLAS.
Revista Ensinador Cristão - nº 55 - CPAD.
Comentário Bíblico Beacon, v.5 - CPAD.
GARNER, Paulo. Quem é quem na Bíblia Sagrada. VIDA
CHAMPLIN, R.N. O Novo e o Antigo Testamento Interpretado versículo por Versículo. 
STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD
AS GRANDES DEFESAS DO CRISTIANISMO - CPAD - Jéfferson Magno Costa
O NOVO DICIONÁRIO DA BÍBLIA – Edições Vida Nova – J. D. Douglas
Comentário Bíblico Expositivo - Novo Testamento - Volume I - Warren W . Wiersbe
Dicionário Bíblico Wycliffe - Charles F. Pfeiffer, Howard F. Vos, John Rea - CPAD.
Dicionário Vine antigo e novo testamentos - CPAD.
25 Maneiras de Valorizar as Pessoas - Autores: John C. Maxwell & Les Parrott, PH. D. - Editora: SEXTANTE
Perdoando Para Viver - Autor: Wilson de Souza- Editora: MK Editora
Filipenses - A Humildade de CRISTO Como Exemplo Para a Igreja - Elienai Cabral - Livro tema do trimestre
Filipenses - Introdução e comentário - Ralph P. Martin - Série Cultura Bíblica - Editora Vida
Filipenses_Hendriksen (1)
John Macarthur - Comentáio Filipenses - http://www.editoraculturacrista.com.br
Novo Comentário Bíblico Contemporâneo - Filipenses - F. F. Bruce - Série Cultura Bíblica - SOCIEDADE RELIGIOSA EDIÇÕES VIDA NOVA - São Paulo - SP - 12ª edição 2002
http://www.gospelbook.net
www.ebdweb.com.br
http://www.escoladominical.net
http://www.portalebd.org.br/
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/licao2-sca-2tr12-avisaodocristoglorificado.htm
 
 
Home
Estudos
EBD
Discipulado
Mapas
Igreja
Ervália
Corinhos
Figuras1
Figuras2
Vídeos
Fotos