Index
Estudos
EBD
Discipulado
Mapas
Igreja
Ervália
Corinhos
Figuras1
Figuras2
Vídeos
Fotos
 
LIÇÃO 5 - A SANTÍSSIMA TRINDADE – UMA VERDADE INCONTESTÁVEL
Lições Bíblicas do 4º Trimestre de 2006 - CPAD - Jovens e Adultos
TEMA – As Verdades Centrais da Fé Cristã
Comentários da revista da CPAD: Pr. Claudionor Correia de Andrade
Consultor Doutrinário e Teológico da CPAD: Pr. Antonio Gilberto
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
 
 
Lição 5 - A SANTÍSSIMA TRINDADE – UMA VERDADE INCONTESTÁVEL
 
 
TEXTO ÁUREO:
“A graça do Senhor JESUS CRISTO, e o amor de DEUS, e a comunhão do ESPÍRITO SANTO sejam com vós todos. Amém!” (2 Co 13.13).
 
 
 
VERDADE PRÁTICA:
 A doutrina da Santíssima Trindade é uma verdade bíblica fundamental e não pode ser ignorada nem desprezada por aqueles que aceitaram a CRISTO como Salvador.
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE : MATEUS 3.13-17
 13 Então, veio JESUS da Galiléia ter com João junto do Jordão, para ser batizado por ele.
 14 Mas João opunha-se-lhe, dizendo: Eu careço de ser batizado por ti, e vens tu a mim?
 15 JESUS, porém, respondendo, disse-lhe: Deixa por agora, porque assim nos convém cumprir toda a justiça. Então, ele o permitiu.
 16 E, sendo JESUS batizado, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o ESPÍRITO de DEUS descendo como pomba e vindo sobre ele.
 17 E eis que uma voz dos céus dizia: Este é o meu FILHO amado, em quem me comprazo.
 
3.13 O BATISMO DE JESUS. JESUS foi batizado por João pelas seguintes razões:
(1) Para cumprir toda a justiça (v. 15; cf. Lv 16.4; Gl 4.4,5). CRISTO, mediante o batismo, consagrou-se publicamente a DEUS, e assim cumpriu a justa exigência de DEUS.
(2) Para identificar-se com os pecadores embora o próprio JESUS não precisasse de arrependimento de pecado (2 Co 5.21; 1 Pe 2.24).
(3) Para associar-se com o novo movimento da parte de DEUS, pelo qual Ele chamava todos ao arrependimento. Este movimento teve início com João Batista como o precursor do Messias (Jo l.23,32,33).
3.16 O ESPÍRITO DE DEUS DESCENDO... SOBRE ELE. Tudo quanto JESUS fez sua pregação, seu sofrimento, sua vitória sobre o pecado Ele o fez pelo poder do ESPÍRITO SANTO. Se JESUS nada podia fazer sem a operação do ESPÍRITO SANTO, quanto precisa o povo de DEUS da capacitação do ESPÍRITO SANTO! (cf. Lc 4.1,14, 18; Jo 3.34; At 1.2; 10.38). O ESPÍRITO veio sobre JESUS para dotá-lo de poder para efetuar a obra da redenção (ver Lc 3.22). O próprio JESUS posteriormente iria batizar seus seguidores com o ESPÍRITO SANTO a fim de que eles também tivessem a capacitação do ESPÍRITO (ver 3.11; At 1.5,8; 2.4).
3.17 ESTE É O MEU FILHO AMADO. O batismo de JESUS é uma grandiosa manifestação da realidade da Trindade.
(1) JESUS CRISTO, declarado igual a DEUS (Jo 10.30), é batizado no Jordão.
(2) O ESPÍRITO SANTO, que também é igual ao PAI (At 5.3,4), desce sobre JESUS em forma de pomba.
(3) O PAI declara que se compraz em JESUS. Temos, portanto, neste ato três pessoas divinas iguais. Contraria a integridade das Escrituras explanar este evento de qualquer outra maneira. A doutrina da Trindade mostra que as três pessoas divinas subsistem em tal unidade que constituem o DEUS uno (ver Mc 1.11, sobre a Trindade; cf. Mt 28.19; Jo 15.26; 1 Co 12.4-6; Ef 2.18; 1 Pe 1.2).
 
VOZ:
Isaías 40.3 Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do SENHOR; endireitai no ermo vereda a nosso DEUS.
 Marcos 1.3 Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas.
 Lucas 3.4 segundo o que está escrito no livro das palavras do profeta Isaías, que diz: Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor; endireitai as suas veredas.
 João 1.23 Disse: Eu sou a voz do que clama no deserto:  Endireitai o caminho do Senhor, como disse o profeta Isaías.
 Lucas 1.76 E tu, ó menino, serás chamado profeta do Altíssimo, porque hás de ir ante a face do Senhor, a preparar os seus caminhos,
 
ESPÍRITO:
Isaías 4.4 Quando o Senhor lavar a imundícia das filhas de Sião e limpar o sangue de Jerusalém do meio dela, com o espírito de justiça e com o espírito de ardor,
 Isaías 44.3 Porque derramarei água sobre o sedento e rios, sobre a terra seca; derramarei o meu ESPÍRITO sobre a tua posteridade e a minha bênção, sobre os teus descendentes.
 Malaquias 3.2 Mas quem suportará o dia da sua vinda? E quem subsistirá, quando ele aparecer? Porque ele será como o fogo do ourives e como o sabão dos lavandeiros.
 Atos dos Apóstolos 2.3 E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles.
   4 E todos foram cheios do ESPÍRITO SANTO e começaram a falar em outras línguas, conforme o ESPÍRITO SANTO lhes concedia que falassem.
 1 Coríntios 12.13 Pois todos nós fomos batizados em um ESPÍRITO, formando um corpo, quer Judeus, quer gregos, quer servos, quer livres, e todos temos bebido de um ESPÍRITO.
 
A TRINDADE (Willian W.Menzies e Stanley M.Horton - Doutrinas Bíblicas - CPAD - 1995 - RJ)
Um grande mistério está à nossa espreita: há somente um DEUS, e uma só Trindade (ou "triunidade"). Para desvendar tal mistério, não dispomos de analogias ou comparações adequadas. Mas a realidade da Palavra de DEUS aí está: o Supremo Ser subsiste numa unidade de três pessoas igualmente divinas e distintas.
 
Por mais difícil que nos seja compreender toda essa verdade, temos aí, não obstante, uma doutrina vital e urgente. A história eclesiástica traz dramáticos relatos de grupos cristãos que teimaram em não fazer caso da Trindade.
 
A oração familiar e cotidiana dos judeus, extraída de Deuteronômio 6.4, enfatiza a suprema grandeza da unidade divina: "Ouve, Israel, o Senhor nosso DEUS é o único Senhor". A palavra "único", aqui usada, corresponde ao hebraico, "echad", que pode representar uma unidade composta ou complexa. Embora o hebraico possua uma palavra que signifique "somente um" ou "o único", "yachid", esta jamais é usada em relação a DEUS.
 
Paralelamente a unidade de DEUS, deparamo-nos com o conceito de sua personalidade. A personalidade envolve o conhecimento (ou inteligência), os sentimentos (ou afetos) e a vontade. O PAI, o FILHO e o ESPÍRITO SANTO, cada um de per si, revelam tais características à sua própria maneira.
 
O ESPÍRITO SANTO, por exemplo, faz coisas que o mostram realmente como uma pessoa distinta, e não como mero poder impessoal (At 8.29; 11.12; 13.2,4; 16.6,7; Rm 8.27; 15.30; 1Co 2.11; 12.11). A personalidade também requer comunhão. Todavia, antes da existência do Universo, onde estava a possibilidade de comunhão? A resposta jaz no complexo arranjo dentro da deidade.
 
A unidade de DEUS não exclui a possibilidade de nela haver personalidades compostas. Há três personalidades distintas, cada qual inteiramente divina, mas encontram-se tão harmonicamente inter-relacionadas que resultam numa única essência. Como se vê, seria totalmente errado afirmar que na Trindade haja três deuses e Uma maneira de se desvendar as distinções das pessoas, na divindade, consiste em se observar as funções atribuídas especificamente a cada uma delas.
 
Exemplificando: DEUS PAI é relacionado à obra da criação; DEUS FILHO é o principal agente da obra de redenção da humanidade; e DEUS ESPÍRITO SANTO é a garantia de nossa herança futura. Esta tríplice distinção é esboçada no primeiro capítulo de Efésios.
 
Contudo, não devemos pressionar tais distinções, pois há abundante testemunho bíblico quanto à cooperação do FILHO e do ESPÍRITO SANTO na obra da criação: o PAI criou através do FILHO (Jo 1.3); o ESPÍRITO SANTO pairava gentilmente sobre a terra, preparando-a para os seis dias da criação (Gn 1.2). O PAI enviou o FILHO ao mundo para efetuar a redenção (Jo 3.16), e o próprio FILHO, em seu ministério, veio "no poder do ESPÍRITO" (Lc4.14).
 
O PAI e o FILHO, de igual modo, tomam parte no ministério do ESPÍRITO SANTO, que consiste em santificar o crente. A Trindade é uma comunhão harmoniosa dentro da deidade. Essa comunhão é amorosa, porque DEUS é amor. Mas esse amor é expansivo, e não auto-centralizado.
 
Ele requeria que, antes da criação, houvesse mais de uma Pessoa dentro do Divino Ser. Um importante vocábulo para se guardar, no tocante à doutrina da Trindade, é "subordinação". Há uma espécie de subordinação na ordem das relações das pessoas da Trindade, mas sem qualquer implicação quanto à natureza de cada uma delas.
 
O FILHO e o ESPÍRITO são declarados como "procedentes" do PAI. É uma subordinação, pois, quanto às relações, mas não quanto à essência. O ESPÍRITO, por sua vez, é declarado procedente do PAI e do FILHO. Esta é a declaração ortodoxa da Igreja Ocidental, adotada por ocasião do Concílio de Nicéia, em 325 d.C, e incorporada em diversos credos.
 
Duas notórias heresias opuseram-se à Igreja quanto à doutrina da Trindade: sabelianismo e arianismo.
 
Por volta do século III, Sabélio, numa tentativa de evitar a possibilidade de que se ensinasse a existência de três deuses, promoveu a idéia de que há apenas um DEUS. Embora, segundo ele, possua o Ser Supremo uma única personalidade, manifesta-se de três diferentes modos. Primeiramente, há o DEUS PAI, o Criador. que, posteriormente, manifestou-se como o FILHO, o Redentor. E, finalmente, veio Ele a se revelar como o ESPÍRITO SANTO. Para Sabélio, DEUS estava apenas exibindo-se sob três "máscaras" diferentes. Uma modalidade dessa heresia irrompeu nos círculos pentecostais por volta de 1915, assumindo o epíteto de "JESUS Somente" ou de "Unidade". Usualmente apontam eles para o fato de que a palavra "nome", em Mateus 28.19, é singular, e arrematam, dizendo que esse "nome" é JESUS. Entretanto, nos tempos bíblicos, o substantivo "nome" incluía tanto os nomes pessoais como os títulos (Lc6.13), e somente era usado no singular quando dado a uma pessoa - como em Rute 1.2, onde "nome" aparece no singular hebraico. Notemos ainda que, em Mateus 28.19, o mandamento foi, literalmente, batizar os convertidos "no nome", que era a maneira de se referir à adoração e serviço do PAI, do FILHO e do ESPÍRITO SANTO. Todavia, em Atos 2.38, há uma forma diferente usada no original grego, e que significa "no nome de JESUS": era a maneira de se realçar a expressão "sob a autoridade de JESUS"; autoridade esta expressa em Mateus 28.19. Lucas usou igual terminologia para distinguir o batismo de CRISTO do batismo de João Batista. Essa espécie de unitarismo simplifica demasiadamente a Trindade.
 
Os defensores dessa posição usam a seguinte ilustração: O Dr. William Jones é tratado por seu título, Dr. Jones, em seu consultório. No bairro, os amigos chamam-no por seu nome pessoal, William. Em casa, seus filhos chamam-no de pai ou papai. O problema com tal ilustração é que William Jones, numa reunião na sede comunitária de seu bairro, não irá ao telefone falar com o pai Jones, em casa, ou para com o Dr. Jones, em seu consultório. E, no entanto, JESUS orou ao PAI, e o PAI declarou: "Tu és o meu FILHO amado, em ti me comprazo" (Lc 3.22).
 
A simplificação unitarista, pois, arrasta DEUS para o nível humano. Ora, no nível humano só há uma pessoa para cada ser. Sem importar qual seja a parte de uma pessoa (vontade, emoções etc) que esteja agindo, ela deverá dizer: "Eu fiz isso". No nível divino, porém, há três pessoas para um só Ser. A maioria dos que seguem a doutrina do "JESUS Somente", ensinam que só pode considerar-se salvo o que é batizado no ESPÍRITO SANTO, e fala línguas estranhas. Tal confusão deriva-se de sua falha em não distinguir entre a redenção operada por CRISTO e a unção que nos proporciona o ESPÍRITO SANTO.
 
Outra heresia que tem afligido periodicamente certos segmentos da Igreja é o arianismo.
Em 325 d.C., Ario descambou para um outro extremo. Ele enfatizou de tal forma a distinção entre as pessoas da divindade, que acabou por dividi-la em três essências distintas. E o resultado foi a subordinação não só entre as relações pessoais, mas também quanto à natureza do FILHO e do ESPÍRITO SANTO. Semelhante arremedo doutrinário esvaziou a divindade tanto de CRISTO quanto do ESPÍRITO SANTO. Ario negava a eterna filiação de CRISTO, sugerindo ter Ele começado a existir nalgum ponto do tempo após o PAI. Além disso, declarou que o ESPÍRITO SANTO teria vindo à existência através da operação do PAI e do FILHO, tornando-lhe a deidade inferior à deidade do FILHO. Há vários grupos hoje que negam igualmente a divindade do FILHO e do ESPÍRITO SANTO. Tais grupos consideram,se herdeiros espirituais de Ário.
 
Eis algumas passagens que refutam a tal subordinação: Jo 15.26; 16.13; 17.1,18,23; 1 Co12.4,6; Ef 4.1,6 e Hb 10.7,17.
 
VEJA ESTES EXEMPLOS:
Jo 15.26 Mas, quando vier o Consolador, que eu da parte do Pai vos hei de enviar, aquele Espírito de verdade, que procede do Pai, ele testificará de mim.
1 Co 12.4 Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo.5 E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo.6 E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos.
Ef 4.1 ROGO-VOS, pois, eu, o preso do Senhor, que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados, 2 Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor, 3 Procurando guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz. 4 Há um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação; 5 Um só Senhor, uma só fé, um só batismo; 6 Um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos e em todos vós.
 
Embora o termo "trindade" não seja encontrado em nenhum lugar da Bíblia, há numerosas passagens que lhe fazem alusão. Um vívido exemplo é visto de maneira clara nos eventos que cercam o batismo de JESUS no rio Jordão: -Batizado JESUS, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o ESPÍRITO de DEUS descendo como pomba, vindo sobre ele. E eis uma voz dos céus, que dizia: Este é meu FILHO amado, em quem me comprazo" (Mt 3.16,17).
 
Admitimos ser a Trindade um mistério; um mistério mui profundo: não pode ser compreendido pela mente humana. Mas o ESPÍRITO da Verdade ajuda-nos em nossa fraqueza e incapacidade (1 Co 2.13-16). Adoramos o PAI, o FILHO e o ESPÍRITO SANTO.Reconhecemos-Ihes suas respectivas personalidades por suas atuações descritas pela Bíblia. Por conseguinte, humildemente reconhecemos serem Eles Um em comunhão, propósito e substância.
 
LEITURA DIÁRIA
Segunda
Gn 1.2
A Trindade na criação do Universo.
Terça
 Gn 1.26
A Trindade na criação do homem.
Quarta
2 Co 13.13
A Trindade na bênção apostólica.
Quinta
Mt 3.13-17
A Trindade no batismo de CRISTO.
Sexta
Jo 1.32-34
A Trindade no testemunho de João Batista.
Sábado
Jo 14.16,26
A Trindade testemunhada pelo próprio CRISTO.
 
 
OBJETIVOS:  Após esta aula, seu aluno deverá estar apto a:
Definir o termo Trindade.
Descrever a Trindade no Antigo e Novo Testamento.
Defender a doutrina da Trindade.
 
 PONTO DE CONTATO
Professor, o termo “trindade” foi empregado por Teófilo de Antioquia, no século II d.C.  Entretanto, é possível que essa expressão tenha sido usada pelos cristãos nos primórdios da igreja. Esse vocábulo era usado para designar o mistério de uma só divindade coexistindo em três Pessoas absolutamente distintas e co-iguais. Todavia, o estabelecimento do termo é atribuído ao apologista cristão, Tertuliano de Cartago. Coube ao bispo de Alexandria, Atanásio, a elaboração do credo que sedimentou a ortodoxia trinitária.
Nesta lição, evite tropeçar em questões básicas a respeito dessa doutrina. Não se precipite nas questões cujas respostas você não tenha firmeza. Sobre esse tema, portemo-nos como o salmista: “Tal ciência é para mim maravilhosíssima, tão alta que não posso atingir” (Sl 139.6).
 
 SÍNTESE TEXTUAL
Entendemos, mediante a Doutrina da Trindade, que a divindade subsiste eterna e plenamente em três pessoas: o PAI, o FILHO e o ESPÍRITO SANTO. Não são três Deuses como falsamente afirmam os hereges, mas um só DEUS. Uma é a pessoa do PAI, outra, a do FILHO, e outra, a do ESPÍRITO SANTO. O PAI não é maior do que o FILHO. O FILHO não é maior do que o ESPÍRITO SANTO, e assim respectivamente. O PAI não é o FILHO. O FILHO não é o ESPÍRITO SANTO. E o ESPÍRITO SANTO não é nenhuma das Pessoas anteriores. Todavia, a divindade pertence a cada uma das três pessoas, constituindo um só DEUS. Conforme afirmou Atanásio de Alexandria: “Adoramos um só DEUS na Trindade, a Trindade na Unidade, sem confusão de pessoas, e sem separação de substância”.
 
ORIENTAÇÃO DIDÁTICA:
 Prezado professor, a doutrina da Santíssima Trindade é uma verdade incontestável. As Sagradas Escrituras, tanto no Antigo quanto em o Novo Testamento, atestam a veracidade desse ensinamento. No estudo desta semana, devemos evitar dois erros:
1) o erro do modalismo – afirma que o PAI, o FILHO e o ESPÍRITO SANTO são a manifestação da mesma pessoa;
2) o erro do subordinacionismo – afirma que o PAI é maior do que o FILHO e o ESPÍRITO SANTO, e que tanto o FILHO quanto o ESPÍRITO SANTO, estão subordinados ao PAI. Todavia, sabemos que a Trindade é Una, pois só há uma deidade; e Trina, pois são três distintas pessoas que participam da mesma deidade.
O triângulo eqüilátero é uma excelente figura para facilitar a compreensão da Trindade. Reproduza-o conforme os recursos disponíveis.
 
 
COMENTÁRIO RESUMO DA REVISTA DA CPAD - COMENTARISTA Pr.Claudionor):
INTRODUÇÃO
 
Nesta lição, estudaremos um dos capítulos mais importantes da teologia. Se para constatar a existência de DEUS, é-nos suficiente a fé e a razão; para compreender a Trindade, carecemos, conjuntamente, da revelação divina que só encontramos na Bíblia Sagrada. Não é algo que se aprende através da luz natural da razão; e, sim, da iluminação espiritual que nos proporciona o ESPÍRITO SANTO na Palavra de DEUS.
 
 
 
I.  O QUE É A SANTÍSSIMA TRINDADE
1. Definição. Doutrina segundo a qual a Divindade, embora una em sua essência, subsiste eternamente nas pessoas do PAI, do FILHO e do ESPÍRITO SANTO.
2. A origem do termo.
3. O Credo Atanasiano. “Adoramos um DEUS em trindade, e a trindade em unidade, sem confundir as pessoas, sem separar a substância”.
 
 
II. A SANTÍSSIMA TRINDADE NO ANTIGO TESTAMENTO
 A Trindade é claramente apresentada tanto na criação do Universo, como na expectativa messiânica da alma hebréia e em cada episódio da História Sagrada.
1. A Trindade na criação do Universo. Se levarmos em conta que a palavra hebraica ’ĕlōhîm(Gn 1.1) é um substantivo plural, concluiremos: a Santíssima Trindade encontrava-se ativa na criação do Universo.
2. A Trindade na expectativa messiânica da alma hebréia.
Um trecho que mostra, de maneira explícita e clara, a presença da Santíssima Trindade no Antigo Testamento é Daniel 7.13-14.
 
 
 
III. A SANTÍSSIMA TRINDADE NO NOVO TESTAMENTO
 É no Novo Testamento que encontramos as mais claras e explícitas manifestações da Santíssima Trindade: no batismo de JESUS, em seu ministério e em sua ressurreição e ascensão e, de forma abundante, na vida da Igreja Primitiva.
1. No batismo de JESUS(Mt 3.16,17).
2. No ministério de JESUS(Lc 4.18,19).
3. Na ressurreição e na ascensão de JESUS.
4. Na vida da Igreja Primitiva.
 
CONCLUSÃO
 
 A doutrina da Santíssima Trindade não é um mero exercício intelectual; é uma verdade consoladora: ensina-nos diversas coisas vitais para a nossa vida cristã. Em primeiro lugar, com a ascensão de Nosso Senhor, não fomos deixados órfãos. Ele rogou ao PAI que, amorosa e prontamente, enviou-nos o Consolador. E este, com inexprimíveis gemidos, intercede por nós e testifica que somos filhos de DEUS através dos méritos de Nosso Senhor JESUS CRISTO.
Quão consoladora é a doutrina da Santíssima Trindade. 
 
AUXÍLIOS SUPLEMENTARES:
 Subsídio Teológico
 
“A Santíssima Trindade
1. Doutrina revelada. A doutrina da Santíssima Trindade é verdade revelada para o coração. Falando sobre isso declarou Anselmo: ‘O amor e a fé estão em seu ambiente no ministério da Divindade. Que a razão se ajoelhe, reverente, do lado de fora’.
Uma crença popular entre os cristãos divide a obra de DEUS entre as três pessoas, dando uma tarefa específica a cada uma delas; como por exemplo, a criação ao PAI, a redenção ao FILHO e a regeneração ao ESPÍRITO SANTO. Isto, porém, é parcialmente verdade, mas não de todo, pois DEUS não pode dividir-se de forma que apenas uma pessoa trabalhe isolada, enquanto às outras, JESUS e o ESPÍRITO SANTO, permanecem inativas.
2. O argumento em si. As Escrituras mostram as três pessoas da Divindade agindo em perfeita unidade, em todas as obras poderosas operadas no Universo e na redenção humana. Nas Escrituras Sagradas a obra da criação é atribuída ao PAI (Gn 1.1), ao FILHO (Cl 1.16), e ao ESPÍRITO SANTO ( 26.13; Sl 104.30). A encarnação é mostrada como tendo sido realizada pelas três pessoas (Lc 1.35), embora apenas o FILHO tenha se tornado carne e habitado entre nós. No batismo de JESUS, o FILHO saiu da água, o ESPÍRITO pairou sobre Ele e a voz do PAI falou do Céu (Mt 3.16,17).”
(SILVA, S.Pedro da. A doutrina de DEUS. 5.ed., Rio de Janeiro: CPAD, 2002, p.109-10.)
 
QUESTIONÁRIO DA LIÇÃO 5 - A SANTÍSSIMA TRINDADE – UMA VERDADE INCONTESTÁVEL
 
TEXTO ÁUREO:
1- Complete:
“A graça do ________________ JESUS CRISTO, e o amor de_______________, e a ___________________ do ESPÍRITO SANTO, sejam com vós todos. Amém!” (2 Co 13.13).
 
VERDADE PRÁTICA:
2- Complete:
 A doutrina da Santíssima __________________ é uma __________________bíblica fundamental e não pode ser ignorada nem desprezada por aqueles que ______________________ a CRISTO como Salvador.
 
INTRODUÇÃO
3- De que carecemos para compreender a Doutrina da Trindade? Coloque "v" para Verdadeiro e "F" para Falso:
(  ) De nosso grau de estudo teológico.
(  ) Da revelação divina que só encontramos na Bíblia Sagrada. 
(  ) Do profundo estudo da filosofia.
 
I.  O QUE É A SANTÍSSIMA TRINDADE
 
4- Ligue a primeira coluna de acordo com a segunda:
 
 
 
As três Pessoas são iguais na substância e nos atributos absolutos e morais. 
 
A origem do termo SANTÍSSIMA TRINDADE
 
Apesar de o termo não se encontrar nas Sagradas Escrituras, as evidências que atestam a doutrina são, tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, incontestáveis.
 
 
 
Com toda a razão, Atanásio é considerado o pai da ortodoxia, em virtude de seu redobrado zelo em prol da pureza doutrinária das Sagradas Escrituras. 
 
Definição de SANTÍSSIMA TRINDADE
 
“Adoramos um DEUS em trindade, e a trindade em unidade, sem confundir as pessoas, sem separar a substância”.
 
 
 
A palavra Trindade foi usada pela primeira vez, em sua forma grega, por Teófilo; e, em sua forma latina, porTertuliano.
 
O Credo Atanasiano.
 
Doutrina segundo a qual a Divindade, embora una em sua essência, subsiste eternamente nas pessoas do PAI, do FILHO e do ESPÍRITO SANTO
 
 
 
 
II. A SANTÍSSIMA TRINDADE NO ANTIGO TESTAMENTO
 
5- Por que os Judeus rejeitam a doutrina da Santíssima Trindade? Coloque "v" para Verdadeiro e "F" para Falso:
(  ) Cegueira espiritual.
(  ) Dureza de coração.
(  ) Porque não lhes foi anunciada.
 
6- Que tipo de palavra hebraica é ’ĕlōhîm (Gn 1.1)? Coloque "v" para Verdadeiro e "F" para Falso:
(  ) É um verbo que indica singular força.
(  ) É um substantivo plural.
(  ) É um substantivo singular.
 
7- Cite algumas passagens do Antigo Testamento sobre a Trindade na expectativa messiânica da alma hebréia.
Dn 7._________________  e Is 6.____; 7.________; 9._____.
 
I
II. A SANTÍSSIMA TRINDADE NO NOVO TESTAMENTO
8- Onde no Novo Testamento há manifestações claríssimas da Santíssima Trindade?Coloque "v" para Verdadeiro e "F" para Falso:
(  ) No batismo de JESUS.
(  ) No ministério de JESUS..
(  ) Na ressurreição e ascensão de JESUS..
(  ) De forma abundante, na vida da Igreja Primitiva.
 
9- Ligue a primeira coluna de acordo com a segunda:
 
a. No batismo de JESUS(Mt 3.16,17).
 
Já prestes a ser assunto ao céu, o Senhor JESUS CRISTO, ao dar últimas instruções aos discípulos, declarou: “Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do PAI, e do FILHO, e do ESPÍRITO SANTO” (Mt 28.19). 
b. No ministério de JESUS(Lc 4.18,19).
 
Nos Atos dos Apóstolos, a Santíssima Trindade aparece operando ativamente, desde os primeiros versículos (At1.1,2). Nesse livro, encontramos a Trindade na proclamação do Evangelho (At5.32; At 10.38); no testemunho eficaz da fé cristã (At 7.55); no chamamento de obreiros (At9.17); no Concílio de Jerusalém (At 15.1-35).
c. Na ressurreição e na ascensão de JESUS.
 
Nessa clássica manifestação da Trindade, vemos a Segunda Pessoa (o FILHO) submeter-se ao batismo, a Terceira Pessoa (o ESPÍRITO SANTO) descer como pomba sobre a Segunda Pessoa e a Primeira Pessoa declarar o seu amor à Segunda Pessoa.
d. Na vida da Igreja Primitiva. 
 
 Nesta passagem de Isaías (61.1), é impossível não ver a manifestação da Santíssima Trindade.
 
 
 
 
 
CONCLUSÃO
10- Complete:
 A doutrina da Santíssima Trindade não é um mero ___________________ntelectual; é uma verdade consoladora: ensina-nos diversas coisas vitais para a nossa vida cristã. Em primeiro lugar, com a ascensão de Nosso Senhor, não fomos deixados ______________. Ele rogou ao PAI que, amorosa e prontamente, enviou-nos o __________________________. E este, com inexprimíveis gemidos, intercede por nós e testifica que somos filhos de DEUS através dos méritos de Nosso Senhor JESUS CRISTO.  Quão consoladora é a doutrina da Santíssima Trindade. 
 
 
Ajuda www.cpad.com.br - Bíblias, Livros e revistas
Bíblia em CD - Ilúmina - http://www.iluminabrasil.com.br/home/index.htm 
Colaboração do Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva.
 
 
Index
Estudos
EBD
Discipulado
Mapas
Igreja
Ervália
Corinhos
Figuras1
Figuras2
Vídeos
Fotos