Home
Estudos
EBD
Discipulado
Mapas
Igreja
Ervália
Corinhos
Figuras1
Figuras2
Vídeos
Fotos
 
Lição 6 - O Ministério de Apóstolo 
LIÇÕES BÍBLICAS - 2º Trimestre de 2014 - CPAD - Para jovens e adultos
Tema: Dons Espirituais e Ministeriais - Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário
Comentário: Pr. Elinaldo Renovato de Lima
Complementos, ilustrações, questionários e vídeos: Ev. Luiz Henrique de Almeida Silva
Questionário
NÃO DEIXE DE ASSISTIR AOS VÍDEOS DA LIÇÃO ONDE TEMOS MAPAS, FIGURAS, IMAGENS E EXPLICAÇÕES DETALHADAS DA LIÇÃO
http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
Veja - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/donsdoespiritosanto.htm
 
 
TEXTO ÁUREO
E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores ( Ef 4.11).
 
 
VERDADE PRÁTICA
O dom do apostolado foi concedido por DEUS a Igreja com o propósito de expandir o evangelho de CRISTO.
 
LEITURA DIÁRIA
Segunda - Hb 3.1Jesus, o apóstolo por excelência
Terça - 2 Co 12.12Sinais do apostolado
Quarta - At 2.42A doutrina dos apóstolos
Quinta - 1 Tm 1.1Paulo, apóstolo de JESUS CRISTO
Sexta - 1 Co 4.9Apóstolo, uma missão sacrifical
Sábado - Lc 6.12-16Os doze apóstolos de CRISTO
 
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE - Efésios 4-7-16
7 - Mas a graça foi dada a cada um de nós segundo a medida do dom de CRISTO. 8 - Pelo que diz: Subindo ao alto, levou cativo o cativeiro e deu dons aos homens. 9 - Ora, isto — ele subiu — que é, senão que também, antes, tinha descido às partes mais baixas da terra? 10 - Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para cumprir todas as coisas. 11 - E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, 12 - querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de CRISTO, 13 - até que todos cheguemos à unidade da fé e ao conhecimento do Filho de DEUS, a varão perfeito, à medida da estatura completa de CRISTO, 14 - para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo vento de doutrina, pelo engano dos homens que, com astúcia, enganam fraudulosamente. I5 - Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, CRISTO. 16 - do qual todo o corpo, bem ajustado e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, faz o aumento do corpo, para sua edificação em amor.
 
INTERAÇÃO
Prezado professor, já estudamos nas lições anteriores os dons espirituais de poder, de elocução e de revelação. A partir da lição desta semana você terá a oportunidade ímpar de estudar e ensinar a respeito dos dons ministeriais. Estes dons se encontram relacionados em Efésios 4.11. Estas dádivas divinas são igualmente importantes e necessárias para que a igreja cumpra a sua missão neste mundo e os crentes cresçam "na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador, JESUS CRISTO” (2 Pe 3.18). Sabemos que o ministério apostólico, segundo os moldes do colégio dos doze, não existe mais, todavia os dons ministeriais descritos em Efésios 4.11 continuam em plena vigência. Por isso, precisamos orar para que DEUS levante apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres.
 
OBJETIVOS - Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
Analisar biblicamente o colégio apostólico.
Descrever o ministério apostólico de Paulo.
Conscientizar-se a respeito da apostolicidade atual.
 
PALAVRA CHAVE - Apóstolo: Do gr. apostolos, enviado.
 
Resumo da Lição 6 - O Ministério de Apóstolo
1 - O COLÉGIO APOSTÓLICO
1. O termo “apóstolo”.
2. O colégio apostólico.
3. A singularidade dos doze.
II - O APÓSTOLO PAULO
1. Saulo e sua conversão.
2. Um homem preparado para servir.
3. “O menor dos apóstolos”.
III - APOSTOLICIDADE ATUAL (Ef 4.11)
1. Ainda há apóstolos?
2. Apóstolos fora dos doze.
3. O ministério apostólico atual.
 
SINOPSE DO TÓPICO (1) - O verdadeiro apostolado é centrado única e exclusivamente em JESUS CRISTO, pois Ele é o Apóstolo enviado pelo Pai.
SINOPSE DO TÓPICO (2) - Paulo viu o CRISTO ressurreto. Esta era a sua credencial apostólica.
SINOPSE DO TÓPICO (3) - Segundo Efésios 4.11 o dom ministerial de apóstolo está em plena vigência na igreja atuai.
 
BIBLIOGRAFIA SUGERIDA
HORTON, Stanley M. A Doutrina do ESPÍRITO SANTO no Antigo e Novo Testamento. 12. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 201 2.
HORTON, Stanley M (Ed). Teologia Sistemática: Uma Perspectiva Pentecostal. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1996.
 
Revista Ensinador Cristão CPAD, n°58. p.39.
Estudamos a respeito dos dons espirituais de locução, poder e revelação nas primeiras cinco lições. A partir desta, trataremos dos dons ministeriais relacionados em Efésios 4.11: apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e doutores. O primeiro dom listado por Paulo é o de apóstolo, vamos começar nosso estudo por ele. A primeira indagação que, em geral, fazemos quando estudamos a respeito deste dom ministerial é: "Ainda existem apóstolos?" Primeiro precisamos da definição do vocábulo que significa literalmente enviado. De certa forma, todos os crentes são enviados a pregar as Boas-Novas.
O colégio apostólico foi único. Ele foi formado por JESUS no momento da escolha dos Doze que receberam o nome de enviados. Como homem perfeito, JESUS tinha consciência de que não poderia realizar sua missão sozinho.
Para ser apóstolo, um dos requisitos era ter estado pessoalmente com CRISTO. Atualmente, de certa forma, todos que creem em JESUS e já tiveram um encontro com Ele são apóstolos, pois CRISTO, antes de ascender aos céus, declarou a todos os seus discípulos: "Ide por todo o mundo" (Mc 16.15). A Igreja de JESUS tem uma missão apostólica. O apóstolo é alguém enviado por JESUS CRISTO com uma mensagem especial, servos de DEUS separados para uma missão específica, diferente dos mestres, profetas e evangelistas. Estes receberam o dom ministerial, descrito em Efésios 4.11. Podemos afirmar que os missionários são os apóstolos da atualidade. O apostolado não é um título pomposo, especial, também não é um cargo hierárquico. Ser apóstolo é ter uma missão específica a cumprir no Reino de DEUS.
O apóstolo Paulo - Paulo teve sérios problemas com os crentes de Corinto, pois alguns não reconheciam o seu apostolado. Por isso, ele inicia a primeira carta aos Coríntios, declarando-se apóstolo de JESUS CRISTO (1 Co 1.1). Paulo enfatiza que seu chamado se deu "pela vontade de DEUS". Os orgulhosos crentes de Corinto não aceitavam o apostolado de Paulo pelo fato dele não ter feito parte do colégio apostólico. Todavia, Paulo teve um encontro pessoal com CRISTO no caminho de Damasco (At 9). Este encontro mudou seu ser. A missão confiada a Paulo foi dada pelo próprio Senhor JESUS At 9.15. Os próprios coríntios eram a marca do apostolado de Paulo. Ele declara isso em 1 Coríntios 9.2.
Apóstolo e sevo - Aprendemos com Paulo que ser apóstolo é ser um servo, um cooperador de DEUS no ministério da reconciliação (2Co 6.1). Quem deseja o dom ministerial de apóstolo deve seguir os passos de JESUS, estando sempre pronto para servir e não buscar ser servido.
 
Meus comentários - Ev. Henrique
Efésios 4.11, lemos: “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de CRISTO” (Ef 4.11,12).
 
JESUS deu homens à igreja. Ministérios são funções específicas de liderança para servir e não para serem servidos.
 
 
Assim como o corpo humano possui 5 sentidos e para funcionar bem, de acordo com o plano de DEUS para ele, devem esses 5 sentidos estarem em pleno funcionamento e em concordância com o restante do corpo; assim também a igreja, o corpo de CRISTO na terra, possui 5 ministérios que deverão estar em pleno funcionamento e em concordância com o restante do corpo para produzirem de acordo com o plano de DEUS, fazendo a obra de DEUS com poder e com excelentes resultados - Almas para CRISTO.
 
Primeiros apóstolos formavam o colégio apostólico - Fundamento da igreja. deram início à igreja de CRISTO na Terra logo após serem batizados no ESPÍRITO SANTO.
Outros apóstolos - ministérios - pessoas dadas à igreja já formada pelos apóstolos do colégio apostólicos.
 
O apóstolo é um enviado por JESUS CRISTO que prega o Evangelho em áreas ainda não alcançadas, é um desbravador que vai abrir o trabalho em local ainda não evangelizado. Evidente é que nas modernas metrópoles há espaço para apóstolos devido à falta de penetração do evangelho por parte de nossas tradicionais igrejas. O apóstolo Paulo gostava de permanecer mais tempo em cidades grandes, como Filipos, Éfeso e Corinto, por exemplo. Creio que a maioria dos apóstolos modernos que surgiram no Brasil, são apóstolos mesmo no sentido correto do ministério, a maioria tem exercido seu ministério apostólico através da mídia, o meio mais eficaz de se pregar o evangelho nos dias atuais. DEUS os abençoe pelos milhões de salvos que esta nação tem ganho para JESUS.
 
Existe 13º apóstolo? Paulo foi esse 13º apóstolo?
Não existe 13º apóstolo no colégio apostólico. A discussão é em torno de se admitir Paulo ao invés de Matias no colégio apostólico. Uns acham que a escolha dos apóstolos foi errada e não estava de acordo com a vontade de DEUS. Muitos acham que tirar sortes não indicaria a pessoa certa. muitos acham que Paulo é o 12º apóstolo porque teve um encontro pessoal com JESUS, aprendeu muito do próprio JESUS e testificou da ressurreição de JESUS. Eu vejo que Paulo teve especial tratamento por parte de DEUS, é o homem mais importante da bíblia para mim, depois de JESUS, mas, para mim, ele foi um apóstolo à parte, de um ministério totalmente diferente dos outros apóstolos. Se os apóstolos foram escolhidos como representantes de Israel na Nova Aliança, Paulo foi escolhido como apóstolo dos gentios, de um ministério voltado para todos os povos que se arrependem de seus pecados e são salvos pela graça de DEUS. Paulo, como precursor desse apostolado aos gentios tinha mesmo que ser especial em todos os sentidos.
 
Para mim "o que desligares na terra será desligado no céu" Os próprios apóstolos escolheram já que agora tinham autoridade para isso, dada pelo próprio CRISTO, assim como depois tomaram várias decisões sobre o andamento da igreja e até mesmo sobre o que deveria ser proibido aos gentios, no primeiro concílio da igreja (Atos 15). Matias tinha as credenciais necessárias e tinha a autoridade dada pelos apóstolos que agora eram os representantes legais de CRISTO na terra. Paulo era o mais importante e mais credenciado para o novo ministério apostólico aos gentios e assim ficou como o primeiro desse novo apostolado e não do colégio apostólico.
 
Se nós aceitarmos que Paulo é o 12º apóstolo vamos ter que aceitar que hoje existem apóstolos do colégio apostólico, pois muitos que se autodenominam apóstolos hoje alegam terem se encontrado com CRISTO e terem recebido revelações Dele. Sendo que os católicos apostólicos romanos querem dizer que o papa é substituto de Pedro e de seu apostolado. Vamos concordar com eles? Creio que não. Seria o mesmo que concordar com a reencarnação, doutrina totalmente antibiblica.
 
Se JESUS sabia que Judas o trairia e que os discípulos colocariam Matias em seu lugar, é evidente que se isso não tivesse apoio de DEUS, JESUS já teria deixado uma ordem para os discípulos para substituírem Judas por Paulo, por exemplo, ou por alguém, no caso, que eles conheceriam depois. Chance para isso ELE teve logo após ressuscitar e passar 40 dias aparecendo aos discípulos. Não, ELE não deu instruções sobre isso a nenhum apóstolo de seu colégio apostólico. Matias era escolha de DEUS confirmada pelo apóstolos, mesmo sendo com a ajuda de um artifício de sortes, no momento, o único que conheciam e que confiavam que DEUS estava no controle. O importante ai não é o meio que usaram, pois poderiam escolher tanto José como Matias, ambos com qualificações para exercer a função. Usaram o método de tirar sortes apenas para saber qual dos dois e não para saberem se era para escolher outro no lugar de Judas. Isso já estava escrito na bíblia. creio que quem inspirou Pedro a fazer foi o ESPÍRITO SANTO que estava nele desde o dia em que JESUS assoprou sobre eles e disse: "Recebei o ESPÍRITO SANTO" (João 20:22). Portanto, já tinham o ESPÍRITO SANTO a lhes guiar.
Paulo ao escrever 1corintios cap. 15 e vers. 5 diz: e foi visto por Cefas e depois pelos DOZE, e no versículo 8 Paulo diz que Jesus apareceu a ele próprio por último(fazendo distinção dos 12), indicando que Jesus apareceu primeiro aos 12 no verso 5.
A quem Paulo se referiu em respeito aos 12?
Paulo aparece no verso 8 como distinto dos 12, então a resposta é obvia, não era Judas Iscariotes pois ele não viu o Cristo ressurreto e se perdeu, portanto Matias viu, e quando Paulo fala que os 12 viram, já havia feito a substituição de Judas por Matias, pelo motivo de se referir aos 12 e não aos 11, e Paulo reconheceu ser Matias dos 12.
 
Atualmente percebemos que o ESPÍRITO SANTO continua a distribuir, os “dons espirituais”, “repartindo particularmente a cada um como quer” - 1 Co 12.11, e também JESUS continua concedendo diversos ministérios à igreja, através de homens que ELE mesmo escolheu - Ef 4.11.
 
Um dos maiores equívocos, cometidos por muitos líderes de igrejas, nos dias presentes, é o de entender que o título de “Apóstolo” lhes confere posição hierárquica superior ao de pastor, evangelista, profeta ou mestre. Já são conhecidos exemplos diversos de obreiros, que eram detentores do título de “pastor”, devidamente ordenados por seus ministérios ou convenções, os quais arrogaram para si o título de “apóstolo”, com o objetivo de se colocarem em posição ministerial “superior”. Procedimento totalmente fora de propósito ou de fundamento escriturístico. Esquecem-se tais “apóstolos”, que a maior função, no ministério de CRISTO, é o de “servo fiel” (Nm 12.7; Hb 3.5; Mt 25.21-23). Também lembremo-nos de que Pastor não é maior que apóstolo, nem que evangelista, nem que profeta, nem que mestre.
 
Colégio Apostólico:
PRIMEIRO GRUPO
Simão Pedro------------------------------------O homem de pedra
André----------------------------------------------Irmão de Pedro
Tiago e João------------------------------------Filhos de Zebedeu, e filhos do trovão
SEGUNDO GRUPO
Filipe----------------------------------------------O inquiridor sincero
Bartolomeu ou Natanael-------------------O israelita em quem não havia dolo
Tomé---------------------------------------------O melancólico
Mateus-------------------------------------------O publicano (assim chamado apenas por si mesmo)
TERCEIRO GRUPO
Tiago (filho) de Alfeu--------------------------(Marcos 15.40?)
Lebeu. ou Tadeu, ou Judas de Tiago-----O discípulo que tinha três nomes
Simão----------------------------------------------O zelote
Judas, o homem de Queriote--------------O traidor - Substituído por Matias.
 
Note que mesmo João estando vivo na época de Paulo, muitos foram chamados de apóstolos, os apóstolos do colégio apostólico nunca os desautorizou e nem os condenou por isso, Paulo até foi reconhecido por eles. Claro que foram aceitos como apóstolos de ministério e não como os doze do colégio apostólico, incluindo ai Matias.
 
Fim de Meus comentários - Ev. Henrique
 
COMENTÁRIOS - diversos autores:
INTRODUÇÃO
A partir deste capítulo, estudaremos acerca dos dons ministeriais, que identificam uma diversidade enorme de funções, ofícios e atividades, de homens, chamados por DEUS, e designados pela igreja local, para exercerem a operacionalidade de serviços ou ministérios.
Os dons ministeriais são indispensáveis ao “o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de CRISTO” (Ef 4.12). Neste estudo, o texto básico para referência é o capítulo 4, da epístola de Paulo aos efésios.
Se alguém é chamado para ser evangelista, ele mesmo é um “dom”, assim como sua função de evangelizar. É DEUS (JESUS, no caso – obs. Minha, Ev. Henrique) que concede os que podem ser chamados de “homens-dons” à igreja. Por isso, o apóstolo Paulo diz “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores” (Ef 4.11). A expressão “ele mesmo deu” indica que o dom precede o ofício. Diz Donald Gee: “Se ‘Ele concedeu, está fora de dúvida náo poder haver ministério divinamente ordenado sem o Seu dom”.
O primeiro dom ministerial que estudaremos é o de apóstolo. Há uma controvérsia que atravessa séculos acerca da atualidade do ministério de apóstolo. Há uma corrente de estudiosos da Bíblia, que podemos chamar de “cessacionista”, a exemplo do que ocorre com a atualidade dos dons espirituais, que também entende que o ministério apostólico “cessou” com os primeiros discípulos de CRISTO. Outros entendem que ainda existem apóstolos, hoje, ainda que numa conotação um tanto diferente dos primeiros doze apóstolos de CRISTO.
Além dos 12 apóstolos de CRISTO, que integraram o chamado “Colégio Apostólico”, vemos, no Novo Testamento, que outros apóstolos foram levantados por DEUS, sem que nenhum se considerasse sucessor de outro. Paulo e Barnabé não pertenciam ao “grupo dos 12”; mas eram apóstolos, credenciados por DEUS para realizar a missão que lhes foi confiada (1 Co 1.1; Cl 1.1; At 13.46); Tiago, “irmão do Senhor”, também recebia a qualificação de apóstolo (Gl 1.19).
 
(obs. Minha, Ev. Henrique - Atualmente percebemos que o ESPÍRITO SANTO continua a distribuir, os “dons espirituais”, “repartindo particularmente a cada um como quer” - 1 Co 12.11, e também JESUS continua concedendo diversos ministérios à igreja, através de homens que ELE mesmo escolheu - Ef 4.11).
 
Um dos maiores equívocos, cometidos por muitos líderes de igrejas, nos dias presentes, é o de entender que o título de “Apóstolo” lhes confere posição hierárquica superior ao de pastor, evangelista, bispo ou presbítero. Já são conhecidos exemplos diversos de obreiros, que eram detentores do título de “pastor”, devidamente ordenados por seus ministérios ou convenções, os quais arrogaram para si o título de “apóstolo”, com o objetivo de se colocarem em posição ministerial “superior”. Procedimento totalmente fora de propósito ou de fundamento escriturístico. Esquecem-se tais “apóstolos”, que a maior função, no ministério de CRISTO, é o de “servo fiel” (Nm 12.7; Hb 3.5; Mt 25.21-23).
 
(obs. Minha, Ev. Henrique – Complementando – Pastor não é maior que apóstolo, nem que evangelista, nem que profeta, nem que mestre).
 
Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. Pag. 70-72.
 
Ef 4.11 O mesmo que levou cativos os poderes também concedeu dons à sua igreja: “os apóstolos, os profetas, os evangelistas, os pastores e mestres”. Diferentemente do v. 7, onde se falava da distribuição de dons individuais para todos os membros da igreja, Paulo aqui designa determinadas pessoas como dom de CRISTO. Em vista da proximidade do presente trecho com Ef 1.20-23 é preciso chamar atenção para o fato de que em Ef 1.22 o CRISTO exaltado foi “concedido” como cabeça sobre a igreja toda. Logo CRISTO é a “dádiva principal” para sua igreja, no seio da qual ele próprio “concede” determinadas pessoas.
De modo diverso da listagem análoga em 1Co 12.28-30, Paulo emprega aqui o artigo definido para cada uma das pessoas. Isso permitiria concluir que na carta aos Efésios não se trata da tarefa em geral, mas do grupo claramente delimitado de representantes incumbidos do serviço específico. Essa diferença também é constatável em relação a Rm 12.6s, onde são arroladas não as respectivas pessoas, mas cada uma das atividades: profecia, diaconia, exortação, etc.
No mesmo sentido Paulo havia falado também em Ef 2.20 do “fundamento dos apóstolos e profetas” e em Ef 3.5 de “seus santos apóstolos e profetas”. Diante das demais considerações em Ef 4.12ss, parece que essa ênfase refere-se especificamente às tarefas de proclamação, direção e ensino. Por isso não são mencionados aqui outros dons da graça que aparecem em Rm 12 e 1Co 12.
Não se deve esquecer que também na primeira carta aos Coríntios os dons e as pessoas agraciadas com eles aparecem no começo das respectivas listas, de modo que o tratamento do conflito causado por fenômenos entusiastas é marcado por uma clara premissa: isso diz respeito em 1Co 12.8 à palavra da sabedoria e à palavra do conhecimento, dadas pelo ESPÍRITO, e em 1Co 12.28 “primeiramente a apóstolos, em segundo lugar a profetas, e em terceiro lugar, a mestres”. A combinação de “profetas e mestres” ocorre em At 13.1. Em 1Tm 2.7 (também em 2Tm 1.11) Paulo relaciona consigo mesmo o serviço de “pregador” (cf. “evangelista”), apóstolo e mestre (dos gentios). É digno de nota que também esse trecho está visivelmente próximo de Ef 4.4ss: a confissão do único DEUS e do único Mediador entre DEUS e os humanos, que se “deu” como pagamento de resgate, é seguida pela transição para a investidura de Paulo como “arauto” desse evento de salvação.
Segundo esse pensamento CRISTO presenteou sua igreja com dons, i. é, com pessoas incumbidas e capacitadas que possuem uma relevância fundamental para a construção e o crescimento da igreja. Trata-se aqui daqueles que proclamaram e explicaram o evangelho da salvação em JESUS CRISTO de acordo com a situação atual dos ouvintes, bem como firmaram, exortaram e encorajaram as incipientes igrejas através dessa palavra.
Nesse contexto duas coisas são irrenunciáveis: a importância das referidas pessoas como “detentores de cargo” não vem delas mesmas. Pelo contrário, são presentes do Senhor à igreja dele. Elas, por sua vez, receberam seus dons daquele que é o verdadeiro presente para a igreja (Ef 1.23). Possuem importância fundamental para a constituição da igreja, motivo pelo qual de forma alguma podem ser arbitrariamente substituídos.
Ef 4.13 A edificação, o crescimento do corpo de CRISTO, estão direcionados para um alvo que é indicado neste versículo. A expressão “chegar” pode significar literalmente alcançar um lugar (diversas vezes em At: p. ex., At 16.1; 18.19; etc.), mas também pode ser usada em sentido figurado (o fim dos tempos chegou: 1Co 10.11). Assim como aqui, em Fp 3.11 ela implica a atenta orientação rumo ao alvo visado, quando Paulo afirma de si: “para alcançar a ressurreição dentre os mortos”.
Pode parecer estranho que desde já a igreja seja a “plenitude de CRISTO”, concidadã crente dos santos, família de DEUS, pedra no templo santo, e que apesar disso ainda se diga que haverá um crescimento, um vir-a-ser. A mesma duplicação já chamara atenção no contexto da herança colocada à disposição: os direitos já foram transferidos, mas ainda não se tomou posse dela (Ef 1.18; 2.7). Consequentemente a plenitude de CRISTO é ponto de partida e alvo de todo o crescimento.
Agora isso passa a ser relacionado a uma situação concreta: na realidade pode haver na igreja uma só fé, visto que esta só pode ser fé em um só Senhor JESUS CRISTO (Ef 4.5). Na realidade a “unidade do ESPÍRITO” é algo dado, porque o ESPÍRITO SANTO é um só (Ef 4.3). Não obstante cabe “segurar” essa unidade, ou “chegar” a ela. A força motriz de todos os esforços nessa direção não é a utopia de uma igreja unificada, mas a realidade do único corpo de CRISTO.
A unidade da fé está estreitamente ligada à “unidade do conhecimento”, que por sua vez se concentra no “Filho de DEUS”. Em Ef 1.17-19 Paulo já suplicara pelo ESPÍRITO da sabedoria, para que os leitores reconheçam a esperança e a força resultante da ressurreição de CRISTO. De maneira semelhante Cl 2.2 interliga o esforço para que “os corações sejam unidos em amor” e o “conhecimento do mistério de DEUS: CRISTO”. Por isso uma fé aumentada e um conhecimento aprofundado do Filho de DEUS caracterizam o crescimento da unidade eclesial.
À unidade corresponde a perfeição. A igreja, “todos nós”, devemos nos tornar “seres humanos perfeitos”: “unidade e perfeição constituem o alvo da igreja, e o CRISTO concede participação a cada um nessa unidade e perfeição; ao procurar „chegar‟, impelido pela palavra de DEUS, o indivíduo cresce em direção ao alvo da totalidade.”
Discordando de tentativas equivocadas de derivação de concepções gnósticas, o “ser humano perfeito” deve ser entendido como a pessoa amadurecida, adulta. Isso é elucidado pela segunda expressão: “para a medida cheia da plenitude de CRISTO”. “Medida plena” é a tradução literal para “medida da idade da vida” ou também “medida da estatura”. Trata-se da “idade adulta” ou da “medida cheia da figura”. O trabalho dos encarregados edifica o corpo de CRISTO. Terá alcançado seu tamanho completo “quando todos que são destinados à igreja segundo o plano divino de salvação pertencerem à igreja… A igreja, que é o corpo do CRISTO, constitui na estatura completa o pleroma de CRISTO.”
Eberhard Hahn. Comentário Esperança Efésios. Editora Evangélica Esperança.
 
A Classificação dos Dons (Ef 4.11)
Nesta passagem, Paulo está interessado em apresentar os ofícios necessários para a expansão e sustento da igreja. CRISTO deu à igreja os apóstolos: (Obs. Minha – Ev. Henrique - Plantadores de igrejas - Os apóstolos eram os dirigentes. CRISTO os investiu com dons extraordinários, poder para operar milagres e uma infalibilidade para anunciar sua verdade. Sendo eles colocados para darem testemunho do CRISTO vivo através dos seus milagres e doutrina, Ele os enviou a espalhar o evangelho e a implantar e governar igrejas; Os profetas têm posição proximal à dos apóstolos, e o seu dom especial era o de ministério inspirado (Palavra de sabedoria - revelação do futuro - Atos 11.28 e 21.11 - e de conhecimento – revelação de fatos que ocorriam sem o conhecimento geral; Os evangelistas eram pregadores itinerantes, que iam de lugar em lugar para ganhar os incrédulos (cf. 2 Tm 4.5), de modo muito semelhante como se faz hoje e eram tremendamente usados em curas e expulsão de demônios, milagres e dom da fé; Pastores de um rebanho de comunicantes; a palavra grega (poimen) empregada aqui significa, literalmente, “pastor de ovelhas”. A tarefa dos pastores é alimentar o rebanho e protegê-lo dos perigos espirituais – eram conselheiros e organizadores do trabalho da igreja – neles operava muito o dom de discernimento de espíritos para julgarem as profecias e descobrirem falsos mestres e falsos profetas o meio da igreja; doutores representam uma classe de responsabilidade grande na área do ensino da igreja – Neles operava a profecia, as línguas e interpretação de línguas.
Os cinco ministérios são concedidos pelo ESPÍRITO e dados por CRISTO à sua igreja.
Estes dons ministeriais são dados para promover maturidade. Uma vez mais, Paulo usa três frases, cada uma iniciada com a preposição grega eis: 1) à unidade da fé; 2) a varão perfeito; 3) à medida da estatura completa de CRISTO. Estas não são idéias paralelas. A primeira fala do meio da maturidade, a segunda fala da realidade da maturidade e a terceira fala da medida da maturidade. Uma tradução melhor do versículo seria esta: “Assim, todos finalmente atingiremos a unidade inerente em nossa fé e em nosso conhecimento do Filho de DEUS, e chegaremos à maturidade, medida por nada menos que a estatura completa de CRISTO” (NEB).32
A unidade da fé e do conhecimento do Filho de DEUS constitui o meio do amadurecimento (cf. RA).
A varão perfeito refere-se ao nível de maturidade coletiva e individual na igreja, no qual o poder de DEUS se manifesta inteiramente em santidade e justiça. Tal estado será atingido em seu significado máximo futuramente, quando possuirmos a graça de CRISTO na perfeição da ressurreição (cf. Fp 3.7-16).34
Willard H. Taylor. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 9. pag.160-162. E algumas adaptações, mudanças e alguns acréscimo meus - Ev. Henrique.
 
a) A Igreja unificada tem muitas funções e diferentes dons (12.28).
1) Apóstolos. Estes foram homens convocados e comissionados diretamente por CRISTO para serem suas testemunhas.
2) Profetas. Os profetas eram aqueles convocados para predizer o curso da história redentora, para proclamar a mensagem de DEUS e para exortar.
3) Doutores. Os doutores eram considerados extremamente essenciais e necessários ao bem-estar da Igreja Primitiva. Em uma época em que os livros eram raros, os doutores significavam uma peça fundamental para apresentar e interpretar os ensinos do AT e as doutrinas da igreja.
4) Milagres. Paulo passa de “pessoas dotadas a dons abstratos”.50 Aparentemente, DEUS concedeu a algumas pessoas poderes especiais para realizar feitos que seriam impossíveis do ponto de vista da capacidade humana (cf. v. 10).
5) Dons de curar. A Igreja Primitiva foi testemunha de curas dramáticas e de eventos de instantânea recuperação da saúde (At 3.1-11; 9.32-42).
6) Socorros. Alguns membros da igreja mostravam um cuidado especial, compaixão e capacidade para socorrer os necessitados. A referência também pode estar mencionando pessoas que agiam como secretários da igreja, tesoureiros ou pastores assistentes.
7) Governos. A palavra governos (kyberneseis) “denota a atividade do timoneiro de um navio, do homem que pilota o barco através de perigosos bancos de areia e o conduz com segurança até o porto”.51 Portanto, ele provavelmente está se referindo “aos administradores do governo da igreja, como os presbíteros”.
8) Variedades de línguas. Em relação a este dom, Clarke escreve: “E o poder de falar, em todas as ocasiões necessárias, línguas que eles não tinham aprendido”.53 Alguns estudiosos acreditam que esse dom carismático inclua o dom das línguas inteligíveis do Pentecostes, assim como as da pneumatika de 14.2ss. Outros afirmam que os dons (charismata) são diferentes da pneumatika.
b) A realidade da diversidade na igreja (12.29-30). Agora Paulo faz uma série de perguntas retóricas. São todos apóstolos? São todos profetas? Estas perguntas, em grego, foram introduzidas com a partícula me, o que indica que ele esperava uma resposta negativa. A atitude cristã é aceitar a diversidade na igreja e honrar e respeitar todos os seus membros por serem importantes e essenciais.
Donald S. Metz. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 8. pag. 311-312.
 
1 - O COLÉGIO APOSTÓLICO
1. O termo “apóstolo”.
Na língua grega, em que foi escrito o Novo Testamento, a palavra apóstolo tem o significado de um enviado, um mensageiro ou um delegado. “Apóstolos. Um delegado; especialmente um embaixador do evangelho; oficialmente, uma pessoa comissionada por CRISTO [um apóstolo’] (com poderes miraculosos): — apóstolo, mensageiro, aquele que é enviado”.
2. Essa é a conceituação de apóstolo, em seu sentido original. Apóstolo não é qualquer pessoa que “vai” ou que é mandada por alguém, numa visão humana. “O apóstolo é enviado por CRISTO do mesmo modo pelo qual foi Ele enviado pelo Pai; e pelo menos com algo quanto de tudo implica autoridade e poder, e graça e amor”.
Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 72.
 
2- O colégio apostólico.
Entende-se por “Colégio apostólico” o grupo dos 12 primeiros discípulos de JESUS, que foram convidados por Ele para dar início ao seu ministério terreno. Primeiramente, Ele os fez discípulos ou seguidores. JESUS foi o Apóstolo Líder do Grupo dos Doze. Ele foi enviado pelo Pai (Jo 20.21). Foram três anos aproximadamente, em que eles aprenderam as verdades de DEUS com o maior Mestre da História. Após o seu discipulado, aos pés de CRISTO, e o recebimento do batismo com o ESPÍRITO SANTO (Lc 24.49; At 1.8), aqueles 12 foram enviados para proclamar o evangelho, ou as Boas-Novas de salvação (Lc 6.13). Eles constituíram a base ministerial para o crescimento, o desenvolvimento e a expansão do Reino de DEUS e da Igreja de CRISTO, por todo o mundo.
Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 72-73.
A escolha que JESUS fez dos doze discípulos que gradualmente se reuniram ao seu redor é uma importante referência na história do evangelho.
Tal ato divide o ministério do nosso Senhor em duas partes provavelmente muito semelhantes quanto à duração, mas diferentes quanto à extensão e a importância do trabalho realizado em cada uma. No período inicial JESUS trabalhou sozinho; suas obras milagrosas estavam confinadas a uma área limitada, e seu ensino era, em sua maior parte, de caráter elementar. Mas na ocasião em que os doze foram escolhidos, a obra do reino "assumiu dimensões que requeriam organização e divisão de trabalho. O ensino de JESUS estava começando a ser de natureza mais profunda e elaborada, e suas atividades beneficentes estavam crescendo muito.
E provável que a escolha de um número limitado de discípulos para ser seus companheiros íntimos e constantes tenha se tornado uma necessidade para CRISTO, em conseqüência de seu próprio sucesso ao fazer discípulos. Seus seguidores eram tão numerosos a ponto de serem um impedimento aos seus movimentos, especialmente nas longas jornadas que marcam a parte posterior de seu ministério. Era impossível que todos os que criam pudessem então continuar a segui-lo de modo literal, para onde quer que Ele fosse: o grande número de pessoas agora poderia ser apenas de seguidores ocasionais. Mas era seu desejo que alguns homens escolhidos estivessem consigo em todos os momentos e em todos os lugares — seus companheiros de viagem em todas as suas jornadas, testemunhando toda a sua obra e ministrando às suas necessidades diárias. E assim, nas palavras singulares de Marcos: “E subiu ao monte e chamou para si os que ele quis; e vieram a ele. E nomeou doze para que estivessem com ele...”.
Estes doze, contudo, como sabemos, deveriam ser mais que meros companheiros de viagem ou servos comuns do Senhor JESUS CRISTO. Eles deveriam ser, então, aprendizes da doutrina cristã, e ocasionais cooperadores das obras do reino, e mais tarde agentes treinados, escolhidos por CRISTO para propagar a fé depois que Ele deixasse a terra. A partir do momento em que foram escolhidos, de fato, os doze iniciaram um aprendizado regular para o grande ofício do apostolado, no curso do qual deveriam aprender, na privacidade de um relacionamento íntimo diário com seu Mestre, como deveriam ser, agir, crer, e ensinar como suas testemunhas e seus embaixadores no mundo. Doravante o treinamento desses homens deveria ser uma parte constante e proeminente da obra pessoal de CRISTO. Ele os orientava à noite a respeito do que deveriam falar de dia, e falava aos seus ouvidos o que nos anos posteriores anunciariam publicamente.
A ocasião em que ocorreu essa eleição (embora não se conheça tal data com precisão) é fixa em relação a certos eventos-chave da história do evangelho. João se refere aos doze como uma companhia organizada na ocasião em que o Senhor realizou o milagre de alimentar mais de cinco mil pessoas, e do discurso sobre o Pão da vida na sinagoga de Cafarnaum, proferido pouco tempo após aquele milagre. Desse fato aprendemos que os doze foram escolhidos pelo menos um ano antes da crucificação; pois o milagre da multiplicação dos alimentos ocorreu, de acordo com o quarto evangelista, logo após a festa da Páscoa. A partir das palavras ditas por JESUS aos homens que havia escolhido, transmitindo a sua pergunta em relação à fidelidade devida a ele depois da multidão tê-lo abandonado: “Não vos escolhi a vós os doze? E um de vós é um diabo”, concluímos que a escolha não era tão recente. Os doze haviam estado juntos durante tempo suficiente para dar ao falso discípulo a oportunidade de mostrar o seu verdadeiro caráter.
Voltando agora aos evangelistas sinópticos, encontramo-los tentando estabelecer a posição da eleição em referência a dois outros eventos ainda mais importantes. Mateus fala pela primeira vez dos doze como um corpo distinto em relação à sua missão na Galiléia. Ele não diz, contudo, que foram escolhidos imediatamente antes e com referência direta a tal missão. Antes, fala como se a fraternidade apostólica já existisse anteriormente, sendo estas as suas palavras: “E, chamando os seus doze discípulos...”
Lucas, por outro lado, faz um relato formal da eleição, como um prefácio de seu relatório do Sermão da Montanha, dando a impressão de que um evento ocorreu logo após o outro. Finalmente, a narrativa de Marcos confirma o ponto de vista sugerido por essas observações de Mateus e Lucas, isto é, os doze foram chamados pouco antes da realização do Sermão da Montanha, e um tempo considerável antes de terem sido enviados em missão para pregar e curar. Está escrito: “E subiu ao monte e chamou para si os que ele quis” — a subida obviamente se refere à ocasião em que JESUS subiu antes de pregar seu grande discurso. Marcos continua: “E nomeou doze para que estivessem com ele e os mandasse a pregar e para que tivessem o poder de curar as enfermidades e expulsar os demônios”. Aqui há uma alusão feita a uma intenção da parte de CRISTO de enviar seus discípulos em uma missão, mas a intenção não é representada e imediatamente executada. Nem pode ser dito que a execução imediata esteja implícita, embora não tenha sido expressa; o evangelista faz um relato da missão como consta em vários capítulos seguintes em seu Evangelho, iniciando com estas palavras: “Chamou a si os doze, e começou a enviá-los de dois a dois...”.
Deve ser considerado, então, como toleravelmente certo, que o chamado dos doze tenha sido um prelúdio à pregação do grande sermão sobre o reino, em cuja fundação eles teriam, posteriormente, uma participação ainda mais distinta. Não podemos determinar com exatidão em que período do ministério de nosso Senhor o sermão em si deve ser precisamente alocado. Nossa opinião, contudo, é que o Sermão da Montanha foi proferido próximo ao primeiro ministério prolongado de CRISTO na Galiléia, durante o tempo passado entre as duas visitas a Jerusalém em ocasiões de festas mencionadas no segundo e no quinto capítulo do Evangelho de João.
O número da companhia apostólica é significativo e, sem dúvida, uma questão de escolha, assim como a composição daquele grupo seleto. Um número maior de homens elegíveis poderia ser facilmente encontrado no círculo de discípulos que, mais tarde, não se tornou menor que setenta auxiliares na obra evangelística; e um número menor pode ter servido a todos os propósitos presentes ou futuros do apostolado. O número doze foi recomendado por óbvias razões simbólicas. Expressava de uma forma feliz e figurada o que JESUS reivindicava ser e o que veio fazer e, deste modo, fornecia apoio à fé e estímulo à devoção de seus seguidores. Isto sugeriu de forma significativa que JESUS era o divino Rei messiânico de Israel, que veio para estabelecer o reino cujo advento fora anteriormente previsto pelos profetas em linguagem fervorosa, sugerida pelos dias de felicidade da história de Israel, quando a comunidade teocrática existia em sua integridade, e todas as tribos da nação escolhida eram unidas sob a casa real de Davi. Sabemos que o número doze estava designado a conter tal significado espiritual através das próprias palavras de CRISTO aos apóstolos em uma ocasião posterior, quando, ao descrever as recompensas que os esperavam no reino pelos serviços e sacrifícios prestados, Ele disse: “Em verdade vos digo que vós, que me seguistes, quando, na regeneração, o Filho do Homem se assentar no trono da sua glória, também vos assentareis sobre doze tronos, para julgar as doze tribos de Israel”.
É possível que os apóstolos conhecessem muito bem a importância espiritual do seu número, e tenham encontrado nele o encorajamento para a terna e ilusória esperança de que a vinda do reino não deveria ser apenas um cumprimento espiritual das promessas, mas uma restauração literal de Israel em relação à sua independência e integridade política. O risco de tal equívoco era um dos obstáculos relacionados ao número doze em particular, mas não foi considerado por JESUS como uma razão suficiente para estabelecer outro. Seu método de procedimento nesse caso, como em todas as coisas, era continuar o que era verdadeiro e certo, e então corrigir os equívocos à medida que surgissem. Do número do grupo apostólico passamos para as pessoas que o compõem. Sete dos doze — os primeiros sete na lista de Marcos e Lucas, presumindo que Bartolomeu seja Natanael — são pessoas já conhecidas por nós. Dois dos cinco restantes — o primeiro e o último — conheceremos bem à medida que avançarmos na história.Tomé, chamado Dídimo ou o Gêmeo, aparece como um homem de coração terno, mas de temperamento melancólico, pronto para morrer por seu Senhor, mas lento para crer em sua ressurreição. Judas Iscariotes é conhecido em todo o mundo como o Traidor. Ele aparece pela primeira vez nessa lista de apóstolos com o título infame marcado em sua testa: “Judas Iscariotes, aquele que o traiu”. A presença de um homem capaz de trair entre os discípulos eleitos é um mistério no qual não devemos tentar penetrar. Meramente fazemos aqui uma observação histórica sobre Judas — ele parece ter sido o único não galileu entre os doze. Seu sobrenome veio aparentemente de seu lugar de origem, Queriote; e no livro de Josué podemos constatar que existia uma cidade com tal nome na fronteira do sul da tribo de Judá.
Os três nomes que restam são extremamente obscuros. Tiago, filho de Alfeu. O próximo na lista de Mateus e Marcos é apontado por muitos como sendo o irmão deste Tiago. Lebeu e Tadeu dos dois primeiros Evangelhos, encontrarmos na lista de Lucas o nome Judas “... de Tiago”. A elipse nesta designação foi preenchida pela palavra irmão, e presume-se que o Tiago aludido seja Tiago, filho de Alfeu. Independentemente de quão tentador esses resultados possam ser, não podemos considerá-los como apurados, e devemos nos satisfazer com a idéia de que em meio aos doze havia um segundo Tiago, além do irmão de João e filho de Zebedeu, e também um segundo Judas, que novamente aparece como um interlocutor na conversa de despedida entre JESUS e seus discípulos na noite anterior à crucificação, cuidadosamente distinguido do traidor, pelo evangelista, através da anotação parentética: “não o Iscariotes”. Este Judas, que é o próprio Lebeu ou Tadeu, foi chamado de discípulo de três nomes.
O discípulo a quem reservamos o último lugar, como aquele que fica no topo de todas as listas, é Simão. Este segundo Simão é desconhecido, enquanto o primeiro é notório, porque não é mencionado na história do evangelho, exceto nas listas dos apóstolos; e assim, pouco se sabe a respeito dele, o apelido anexado ao seu nome leva a uma informação curiosa e interessante. Ele é chamado de kananita (não de cananita), o que é uma designação política e não geográfica, como consta no termo grego que Lucas usou para substituir o termo hebraico, chamando o discípulo do qual falamos de Simão, o zelote. Este apelido, zelote, relaciona Simão indiscutivelmente ao famoso partido que surgiu da rebelião sob a coordenação de Judas nos dias da taxação, aproximadamente vinte anos antes do início do ministério de CRISTO, quando a Judéia e Samaria ficaram sob o comando direto do governo de Roma, e o censo populacional foi feito com a intenção de se impor uma tributação subseqüente.
Que fenômeno singular foi a presença desse ex-zelote entre os discípulos de JESUS! Dois homens não poderiam diferir mais em relação ao seu espírito, metas, e pretensões do que Judas (o líder dos zelotes) e JESUS de Nazaré. Um era um político descontente; o outro, completamente vencedor, daria a César o que era de César. O primeiro desejava a restauração do reino de Israel, adotando como lema: “Nós não temos um Senhor ou Mestre, exceto DEUS”; o segundo desejava a fundação do reino que não era nacional, e sim universal; não deste mundo, e sim “puramente espiritual”. Os métodos empregados pelos dois eram tão diferentes quanto os seus objetivos e fins. Um havia recorrido às armas carnais de guerra, a espada e o punhal; o outro confiava apenas na força bondosa e amável, porém onipotente, da verdade.
Não sabemos o que levou Simão a deixar Judas (o líder dos zelotes) para seguir JESUS; mas ele fez uma troca feliz para si, pois anos depois o partido que ele abandonou atraiu a ruína para si e seu país devido a seu patriotismo fanático, inconseqüente e inútil. Embora a insurreição de Judas fosse subjugada, o fogo do descontentamento ainda queimava no peito dos seus adeptos; e com o tempo, eclodiu na fogueira de uma nova rebelião, que fez surgir uma luta mortal contra o poder gigantesco de Roma, e terminou na destruição da capital do judaísmo, e na dispersão do povo judeu.
A escolha desse discípulo para ser um apóstolo fornece uma outra ilustração do desprezo de CRISTO pela sabedoria humana. Não era seguro transformar um ex-zelote em um apóstolo, porque ele poderia ser o meio de transformar JESUS e os seus seguidores em objetos de suspeitas políticas. Mas o Autor da nossa fé estava disposto a correr este risco. Ele desejava ganhar tanto discípulos das classes perigosas como das classes desprezadas, e queria que também estivessem representados entre os doze.
É uma surpresa agradável pensar que Simão, o zelote, e Mateus, o publicano, homens de posições opostas, estivessem juntos e em comunhão naquele pequeno grupo de doze pessoas. Na pessoa desses dois discípulos os extremos se tocam — o ex-coletor de impostos e aquele que odiava os impostos: o judeu que não era patriota, que havia se degradado ao se tornar um servo do governante estrangeiro, e o judeu patriota, que se irritava com o domínio estrangeiro, e suspirava pela emancipação.
Esta união dos opostos não era acidental, mas havia sido designada por JESUS como uma profecia daquilo que aconteceria no futuro. Ele desejava que os doze fossem a igreja em miniatura ou como o seu embrião; e assim, Ele os escolheu para que a distinção entre publicanos e zelotes não existisse, e então na igreja do futuro não deveria haver nem gregos nem judeus, circuncisão ou incircuncisão, escravos ou livres, mas somente CRISTO — Ele é tudo em todos e todos estão nele. Estes eram os nomes dos doze conforme consta nas listas dos evangelistas. Quanto à ordem são apresentados, examinando-se cautelosamente as listas, podemos observar que elas contêm três grupos de quatro pessoas, e em cada um deles os mesmos nomes são sempre encontrados, embora a ordem não seja a mesma. O primeiro grupo inclui aqueles que são mais conhecidos, o segundo inclui aqueles que são pouco menos conhecidos, e o terceiro inclui aqueles que são os menos conhecidos de todos, exceto no caso do traidor, que ficou muito bem conhecido. Pedro, a figura mais proeminente entre os doze, está no topo de todas as listas, e Judas Iscariotes no rodapé, cuidadosamente designado, conforme já foi observado, como o traidor. O rol apostólico, a partir da ordem fornecida em Mateus, e empregando os cognomes característicos da história do evangelho como um todo, é o seguinte: 
 
PRIMEIRO GRUPO
Simão Pedro------------------------------------O homem de pedra
André----------------------------------------------Irmão de Pedro
Tiago e João------------------------------------Filhos de Zebedeu, e filhos do trovão
SEGUNDO GRUPO
Filipe----------------------------------------------O inquiridor sincero
Bartolomeu ou Natanael---------------------O israelita em quem não havia dolo
Tomé---------------------------------------------O melancólico
Mateus-------------------------------------------O publicano (assim chamado apenas por si mesmo)
TERCEIRO GRUPO
Tiago (filho) de Alfeu--------------------------(Marcos 15.40?)
Lebeu.Tadeu, Judas de Tiago--------------O discípulo que tinha três nomes
Simão--------------------------------------------O zelote
Judas, o homem de Queriote--------------O traidor
 
Estes foram os homens que JESUS escolheu para o acompanharem enquanto estivesse nesta terra, e para dar continuidade à sua obra depois de sua partida. Estes são os homens que a igreja celebra como “a companhia gloriosa dos apóstolos”. O louvor é merecido; mas a glória dos doze não era deste mundo. Sob um ponto de vista mundano, alguns podem considerá-los, de fato, uma companhia insignificante — um grupo de pobres e iletrados galileus provincianos, totalmente desprezados, privados das características sociais mais elevadas, com mínimas chances de serem escolhidos por alguém que valorizasse as considerações da prudência.
Por que JESUS escolheu tais homens? Teria Ele sido levado por sentimentos de antagonismo por aqueles que possuíam vantagens sociais, ou uma predileção por homens de sua própria classe? Não; sua escolha foi feita com base na verdadeira sabedoria. Se Ele escolheu principalmente os galileus, não foi por preconceito provincial contra aqueles do sul; se, como algumas pessoas pensam, Ele escolheu dois ou mesmo quatro de seu próprio parentesco, não foi por nepotismo; se Ele escolheu homens rudes, ignorantes, humildes, não foi movido pela inveja do conhecimento, da cultura, ou da boa origem. Se qualquer mestre, homem rico, ou governante estivesse disposto a se entregar sem reservas ao serviço do reino, nenhuma objeção teria sido feita a ele em virtude de suas habilidades, posses ou títulos. O caso de Saulo de Tarso, o pupilo de Gamaliel, prova a verdade dessa afirmação. Nem mesmo o próprio Gamaliel poderia ter impedido que Paulo se tornasse um discípulo do Nazareno. Mas sim! Nem ele nem nenhuma de suas ordens chegariam tão longe. Por esta razão o desprezado Senhor não teve nenhuma oportunidade de mostrar sua disposição de aceitá-los como díscípulos e escolhê-los como apóstolos.
A verdade é que JESUS quis se contentar com pescadores, publicanos, e antigos zelotes como apóstolos. Eles eram o melhor que se poderia obter. Aqueles que se consideravam melhores, eram também muito orgulhosos para se tornarem discípulos, e por isso se excluíram do que o mundo considera agora como a honra de serem os príncipes escolhidos do reino. A aristocracia civil e religiosa se gabava de sua descrença. Os cidadãos de Jerusalém se sentiram, por um momento, interessados no jovem entusiasta que havia purificado o templo com um chicote de correias curtas; mas a fé deles era superficial e sua atitude era defensiva, e por isso JESUS não se entregou a eles, porque sabia o que havia no interior de cada um deles. Alguns poucos eram simpatizantes sinceros, mas não estavam decididos quanto ao seu ingresso na eleição para o apostolado. Nicodemos mal era capaz de dizer uma tímida palavra apologética a favor de CRISTO, e José de Arimatéia foi um discípulo “secretamente”, por medo dos judeus. Estes dificilmente seriam os homens certos para ser enviados como missionários da cruz — homens tão presos aos laços sociais e conexões partidárias, e tão escravizados pelo medo dos homens. Os apóstolos do cristianismo devem ser feitos de material rígido.
E assim JESUS preferiu optar pelos homens da Galiléia: rústicos, porém simples, sinceros e motivados. E Ele ficou bastante satisfeito com sua escolha, e devotadamente agradeceu a seu Pai por ter-lhe concedido homens como esses. JESUS não desprezaria a erudição, a posição, a riqueza, o requinte, voluntariamente deixados em razão de seu serviço; mas preferia homens devotos que não tivessem nenhuma dessas vantagens a homens não devotos que tivessem todas elas. E com uma forte razão; isso importava muito pouco, exceto aos olhos do preconceito contemporâneo, para o qual a posição social ou mesmo a história prévia dos doze teria algum significado. O importante é que eram espiritualmente qualificados para o trabalho que foram chamados a fazer. Ou seja, o que importa não é o exterior do homem, mas o seu interior. João Bunyan foi um homem de origem simples, de posição inferior, e até à sua conversão tinha hábitos pouco louváveis; mas era por natureza um homem capacitado e, pela graça, um homem de DEUS. Ele teria se tornado — como de fato foi — um dos apóstolos mais eficientes.
A. B. BRUCE. O Treinamento dos Doze. Editora CPAD. pag. 44-54.
“Até que do alto sejais revestidos de poder”. Esta expressão tem um som místico, e o seu sentido parece difícil de definir; contudo, o sentido geral é, certamente, simples o bastante. Ela significou não total ou principalmente um poder para operar milagres, mas justamente o que JESUS tinha dito em seu discurso de despedida, antes de sua morte. Este poder que vem do alto significa tudo o que os apóstolos receberiam através da missão do Consolador — esclarecimento da mente, dilatação do coração, santificação de suas faculdades e transformação de caráter, para torná-los espadas afiadas e flechas polidas para subjugar o mundo à verdade; essas qualidades, ou o efeito combinado delas, constituíram o poder que JESUS direcionou os onze a esperar. O poder, portanto, era espiritual, não mágico; uma inspiração, não uma possessão; um poder que não agiria como uma força fanática cega, mas que se manifestaria como um espírito de amor e de uma consciência sã. Depois que o poder desceu, os apóstolos não se tornaram menos racionais, porém mais racionais; não loucos, mas sóbrios; não meros entusiastas inflamados e vazios, mas entusiastas equilibrados, claros e dignos expositores da verdade divina, tal como o relato de Lucas sobre o seu ministério. Em resumo, estavam prestes a ser diferentes daquilo que foram no passado, e mais parecidos com o seu Mestre: e não mais ignorantes, infantis, fracos, carnais, mas iniciados nos mistérios do Reino, e habitualmente sob a direção do ESPÍRITO de graça e santidade.
Tal poder prometido era evidentemente indispensável para que fossem bem-sucedidos. Os títulos oficiais não seriam o mais importante, e sob certos aspectos poderiam ser vãos — apóstolos, evangelistas, pastores, professores, governantes; as vestes clericais seriam vãs se a alma dos onze não fosse vestida com esta peça de roupa do poder divino. Vãos, então, e igualmente vãos agora. O mundo está prestes a ser evangelizado, não pelos homens investidos com dignidades eclesiásticas e com peças de roupas parcialmente coloridas, mas por homens que têm experimentado o batismo no ESPÍRITO SANTO, e que estão visivelmente imbuídos do poder divino da sabedoria, amor e zelo. O poder prometido era indispensável, e também era, em sua natureza, algo a ser simplesmente esperado. Os discípulos foram instruídos a esperar até que viesse. Não deveriam tentar fazer nada sem ele, nem tentar alcançá-lo. E foram sábios o suficiente para seguir as instruções. Entenderam completamente que o poder era necessário, e que não poderia ser alcançado, mas que deveria vir sobre eles. Nem todos são igualmente sábios. Muitos virtualmente assumem que o poder do qual CRISTO falou pode ser dispensado, e que, de fato, não é uma realidade, mas uma quimera. Outros, mais devotados, acreditam no poder, mas não na impotência do homem de investir-se dele por si mesmo. Estes tentam ganhar o poder por meio de seu próprio trabalho, ou assumem para si e para outros uma situação de frenesi e entusiasmo. O fracasso, mais cedo ou mais tarde, convence essas pessoas de seus erros, mostrando que os resultados espirituais são produzidos por algo mais do que eloqüência, intelecto, dinheiro e organização; mostra, também, que o verdadeiro poder espiritual não pode ser produzido, como faíscas elétricas, por fricção ou estímulo, mas deve, soberana e graciosamente, vir do alto.
A. B. BRUCE. O Treinamento dos Doze. Editora CPAD. pag. 573-574.
Atos 1. 20. «...encargo...» Do termo grego aqui traduzido assim é que se deriva o nosso moderno vocábulo «episcopado». Algumas traduções dizem «bispado». O sentido básico é o de «supervisor» (no grego, se deriva de «epí» e «skopeo»—literalmente, «ver de cima»). Pode ser apropriadamente traduzido por «ofício», conforme se vê em I Ped. 2:12. O sentido eclesiástico em que esse vocábulo pode ser usado é encontrado em I Tim. 3:1: «Fiel é a palavra: Se alguém aspira ao episcopado, excelente obra almeja». Nesse capítulo da primeira epístola a Timóteo são descritos os deveres e as qualificações dos anciãos e dos diáconos, aqueles que são os líderes das igrejas cristãs locais. O ofício mais formal de «bispo», no sentido moderno, como alguém que supervisiona.
 
Sobre Judas Iscariotes
Ao invés de um destino sem-par, com CRISTO, em glória exaltada, Judas Iscariotes desceu ao seu lugar exclusivo de punição. A expressão «...seu próprio lugar...» tem deixado perplexos a muitos intérpretes, razão pela qual muitos sentidos diversos têm sido vinculados à mesma.
Cada indivíduo merece a sua própria recompensa ou retribuição, e esse galardão ou castigo é distintivo para cada pessoa. Assim sendo, foi dito acerca de Judas Iscariotes que ele foi para aquele lugar de castigo distintivamente seu, o «seu próprio lugar».
 
Sobre Matias
Atos 1.26. O método de «lançar sortes» consistia em colocar pedras ou tabuinhas, com nomes escritos, em um vaso, o qual era sacudido até que um deles caísse. Aquele cujo nome estivesse nessa pedra ou tabuinha, era considerado como a pessoa escolhida por DEUS, porquanto pensava-se que de algum modo o Senhor DEUS é quem causara aquela ação particular.
(E.H. Plumptre, in loc.).
«...recair sobre Matias...» Sem importar qual método de lançamento de sortes foi usado, o resultado é que Matias foi considerado apóstolo por escolha divina, porquanto se aceitou o fato de que DEUS havia dirigido o salto da sorte para fora do vaso ou urna. Desse modo Matias tomou lugar, junto com os outros onze apóstolos, no ofício apostólico.
Com base nessa circunstância, ficamos sabendo da grande fé dos apóstolos na providência divina, e que eles não criam que as coisas acontecessem por acaso.
CHAMPLIN, Russell Norman, O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Candeias. Vol. 3. pag. 38; 40-41.
Atos 21/22 Pedro constata inicialmente as exigências imprescindíveis a um “apóstolo”. Um “apóstolo” é acima de tudo uma “testemunha da ressurreição de JESUS”. A ressurreição de JESUS é – obviamente mediante ligação indissolúvel com sua cruz – o evento decisivo que realmente faz do evangelho um evangelho. Sem o acontecimento do dia da Páscoa, o “cristianismo” jamais teria surgido no mundo. Não teria significado extremo para nós e para o mundo todo o fato de que o ser humano JESUS de Nazaré viveu, ensinou, curou, amou e sofreu, se esse JESUS não tivesse sido despertado por DEUS e transformado em seu “Senhor e CRISTO” (cf. At 2.32-36; 3.13-15; 4.10-12; 13.38s; 17.30s). JESUS foi “designado Filho de DEUS com poder, segundo o espírito de santidade pela ressurreição dos mortos” (Rm 1.4). Essa ressurreição dentre os mortos, contudo, constitui ao mesmo tempo o “impossível”, o humanamente inconcebível e por isso escandaloso, irritante e ridículo (At 17.32). Por isso o testemunho originário do apostolado, fundador da igreja, somente pode ser prestado nesse mundo alienado de DEUS por aquela pessoa que presenciou pessoalmente o fato inaudito da ressurreição de JESUS e que experimentou sua verdade. Essa ressurreição, porém, não é um evento isolado em si. JESUS, e unicamente JESUS, é aquele que ressuscitou dentre os mortos! E precisamente JESUS é, como o Ressuscitado, de fato o Salvador glorioso de que os pecadores precisam. Por isso a testemunha de sua ressurreição igualmente precisa ter conhecido bem a JESUS pessoalmente. No entanto, ele não é “apóstolo” como pessoa isolada e solitária, mas – já falávamos disso – unicamente como membro do grupo de apóstolos. Por isso precisa ter estado em contado desde o início com esse grupo a que deverá pertencer integralmente. Ele deve exercer o ministério “conosco”.
Atos 25 Expõem diante dele a necessidade de suas preces. É o que podemos fazer na oração. Judas se demitiu da “vaga neste ministério e envio”, para ir “para seu próprio lugar”, i. é, para a perdição. O lugar vazio precisa ser preenchido e assumido por outro.
Atos 26 O Senhor deve decidir agora através do sorteio. O texto não deixa inequivocamente claro se eles “lançam sortes por eles” (assim traduz A. Schlatter) ou se fazem que os dois tirem a sorte. Seja como for, o sorteio indicou Matias como aquele que foi eleito pelo Senhor, e “foi acrescentado aos onze apóstolos” [NVI].
Portanto, tão vivos e múltiplos eram os acontecimentos no começo da igreja! Pedro age a partir de si com sua própria autoridade. Na igreja existem homens que a lideram. Mas então ele convoca a própria igreja para agir, depois que lhe mostrou sobre o que deve dirigir sua atenção. E em oração a igreja entrega a última decisão na mão do Senhor, recorrendo uma vez, aqui no começo, ao método do sorteio. Não se implanta nenhum princípio, nem “episcopal”, nem “democrático”, nem tampouco se estabelece um direito de gozar constantemente da maravilhosa direção através do Senhor. De forma livre fez-se justiça a tudo, conforme a respectiva situação demandava.
Às vezes se afirmou que apesar disso a igreja agiu com precipitação. O décimo segundo apóstolo preparado pelo Senhor seria Paulo, por cuja vocação a igreja deveria ter esperado. Porém, será que a igreja podia esperar durante anos por algo incerto? Para isso ela teria necessidade de uma instrução clara do Senhor. Sobretudo, porém, Paulo nunca se considerou entre os “Doze”, aos quais diferencia expressamente de si em 1Co 15.5 como sendo um grupo especial. Em sua característica numérica, os Doze se dirigiam a Israel. Quem desejasse pertencer a eles de fato precisava ter vivenciado, como Pedro está demandando aqui, a história especial de DEUS no âmbito de Israel desde o movimento de arrependimento desencadeado por João até o último desfecho na ascensão de JESUS. Nesse sentido, Paulo não podia ser um apóstolo. Em vista disso, Paulo se considerou pessoalmente uma exceção muito peculiar: 1Co 15.8-10. Ele tinha consciência de ser um “apóstolo das nações”, embora, nessa tarefa, fosse plena e integralmente um “apóstolo” – Paulo lutou com todas as forças pelo reconhecimento de seu envio e autoridade apostólicos – mas não como um dos “Doze”, que juntos exerciam seu ministério em Jerusalém, sobretudo em prol de Israel.
Werner de Boor. Comentário Esperança Atos. Editora Evangélica Esperança.
O escolhido para assumir o lugar de Judas deve ser alguém que tenha estado associado com JESUS, desde o seu batismo por João até a sua ascensão. A principal função do apóstolo é ser testemunha da ressurreição.
Matias (“presente de Jeová”) assumiu o seu lugar com os onze apóstolos. Depois do Pentecostes, não se lê mais que os discípulos tenham lançado sortes. O ESPÍRITO SANTO, que passou a habitar em cada um, guiava-os.
Ralph Earle. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 8. pag. 213.
 
Lc 24. 49. O JESUS ressurreto tem o poder para enviar o ESPÍRITO. Sua autoridade não é limitada como era durante os dias do Seu ministério terrestre. A promessa de meu Pai é uma designação incomum do ESPÍRITO SANTO, e ressalta o lugar da promessa divina na Sua vinda. Os discípulos não devem tentar a tarefa da evangelização com seus próprios parcos recursos, mas, sim, devem aguardar a vinda do ESPÍRITO. O equipamento que Ele forneceria é descrito de forma pitoresca em termos de os discípulos serem revestidos de poder do alto. A nota de poder é significante, e do alto lembrava a eles (e nos lembra também) qual é a fonte de todo o verdadeiro poder para a evangelização.
I. Howard Marshall. Atos. Introdução e Comentário. Editora Vida Nova. pag. 322.
 
3. A singularidade dos doze.
A característica fundamental do apóstolo é ser alguém que tem uma missão a cumprir, enviado por quem tem autoridade espiritual para fazê-lo. Em seu discipulado, os doze apóstolos foram preparados para o cumprimento da missão mais importante que um mortal poderia receber. Serem embaixadores do Reino de DEUS. Não poderiam ser pessoas desprovidas de qualificações especiais. Eram homens comuns, humanamente detentores de virtudes e defeitos, mas tiveram um treinamento aos pés do Mestre dos mestres. E demonstraram possuir algumas qualidades especiais.
 
1) Foram chamados por JESUS
Em seu ministério, JESUS teve muitos discípulos (Mt 8.21; 9.57-62). Mas, para cumprir a grande missão, JESUS selecionou apenas 12, e lhes deu credenciais e poder para se tornarem apóstolos. “E, chamando a si os seus doze discípulos...” (Mt 10.1a). Lucas anotou a eleição dos 12 dentre muitos outros. Após passar uma noite inteira em oração a DEUS, “chamou a si os seus discípulos, e escolheu doze deles a quem deu nome de apóstolos” (Lc 6.12 — grifo nosso).
 
2) Receberam autoridade espiritual
JESUS “deu-lhes autoridade sobre os espíritos imundos, para expulsarem, e para curarem toda sorte de doenças e enfermidades” (Mt 10.1; Mc 3.15). Inicialmente, essa autoridade foi concedida aos doze. E, na Grande Comissão, além de mandar que seus discípulos pregassem o evangelho por todo o mundo, a toda a criatura, disse que os sinais e maravilhas haveriam de seguir a todos os que nEle cressem. Não apenas aos doze, mas “aos que crerem”, ou seja, a todos os seus discípulos (Mc 16.17, 18). E importante destacar que os doze receberam dons sobrenaturais, antes que o ESPÍRITO SANTO os colocasse à disposição da Igreja.
 
3) Tinham delegação de CRISTO
Os 12 apóstolos não foram apenas “enviados”, mas tiveram um mandato especial. JESUS lhes disse; “Disse-lhes, pois, JESUS outra vez: Paz seja convosco; assim como o Pai me enviou, também eu vos envio a vós. E, havendo dito isto, assoprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o ESPÍRITO SANTO.
A autoridade delegada aos apóstolos foi tão grande, que eles tinham poder para perdoar pecados ou retê-los. JESUS os enviou, do mesmo modo como Ele fora enviado pelo Pai (Jo 20.21-23).
Podemos imaginar o que os doze sentiram, ao ouvir aquelas palavras! Serem enviados por CRISTO, e como CRISTO o fora por seu Pai! Os que entenderam bem a missão devem ter sentido o grande peso de sua responsabilidade. Os que haviam sido pescadores, antes, podiam guardar as redes e suspender a pescaria. Mas, uma vez feitos “pescadores de homens” (Mt 4.19; Mc 1.17), não poderiam suspender a missão. Os que outrora tinham outras atividades não tinham como voltar atrás. O mundo nunca mais foi o mesmo depois de CRISTO, e depois que seus apóstolos começaram a cumprir a Grande Comissão (Mc 16.15).
Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 73-74.
 
Eles foram convocados pessoalmente pelo Senhor.
Quem foram aqueles que CRISTO ordenou para ser seus apóstolos ou embaixadores; eram seus discípulos (v. 1). Ele os tinha chamado, havia algum tempo, para que fossem discípulos, seus seguidores imediatos e ajudantes constantes, e naquela ocasião Ele lhes disse que eles deveriam ser pescadores de homens, promessa que Ele agora cumpria. CRISTO normalmente concede honras e graças em estágios; a luz de ambas, como a luz da manhã, brilha cada vez mais. Durante todo o tempo, CRISTO manteve esses doze:
1. Em uma situação de experiência. Embora conheça o ser humano, e soubesse desde o início o que havia neles (Jo 6.70), ainda assim Ele usou este método para dar um exemplo à sua igreja. Observe que sendo o ministério uma grande responsabilidade, era conveniente que os homens fossem testados durante algum tempo, antes que ele lhes fosse confiado. “E também estes sejam primeiro provados” (1 Tm 3,10). Portanto, “a ninguém imponhas precipitadamente as mãos” (1 Tm 5.22), mas deixai que esta pessoa seja, primeiramente, observada como um candidato em experiência, porque os pecados de alguns homens vão adiante, e outros os seguem.
2. Em uma condição de preparação. Todo o tempo JESUS esteve preparando-os para esta grande obra. Observe que aqueles que CRISTO designa e chama para qualquer serviço, Ele primeiramente, de certa maneira, os prepara e qualifica, para tanto. Ele os preparou:
(1) Levando-os para estar com Ele. Observe que o melhor preparativo para a obra do ministério é o conhecimento e a comunhão com JESUS CRISTO. Aqueles que o servem devem estar com Ele (Jo 12.26). Paulo teve CRISTO revelado, não somente para ele, mas nele, antes que fosse pregá-lo entre os gentios (GI 1.16). Pelos atos vivos de fé e pela prática frequente de orações e meditações, esta comunhão com CRISTO deve ser mantida e preservada, e essa é uma qualificação essencial para a obra do ministério.
(2) Ensinando-os. Eles estavam com Ele como alunos, e Ele os ensinava em particular, além do benefício que eles obtinham com a sua pregação pública. Ele lhes abriu as Escrituras e ampliou sua compreensão para entenderem as Escrituras. Foi-lhes permitido conhecer os mistérios do Reino dos céus e para eles estes mistérios foram esclarecidos. Aqueles que são designados para serem professores devem, antes, serem aprendizes; eles devem receber, antes que possam dar; eles devem ser capazes de ensinar outros (2 Tm 2.2). As verdades do Evangelho devem ser entregues a eles, antes que sejam encarregados de ser ministros do Evangelho. Dar a autoridade de ensinar a homens que não têm capacidade para isto não é nada mais que uma zombaria a DEUS e à igreja; é mandar mensagens pelas mãos de um tolo (Pv 26.6). CRISTO ensinou os seus discípulos antes de enviá-los (cap. 5.2), e depois, quando ampliou a missão deles, deu-lhes instruções mais amplas (At 1.3).
Qual foi a comissão que Ele lhes deu.
1. Ele os chamou para que viessem até Ele (v. 1).
Ele os tinha chamado antes, para que o seguissem; agora Ele os chama para que venham até Ele, admitindo-os a uma familiaridade maior, e não mais os conservando a uma certa distância, de onde eles tinham observado até então. Aqueles que se humilharem, serão exaltados. Dizia-se que os sacerdotes, sob a lei, aproximavam-se de DEUS mais que as outras pessoas; a mesma coisa pode ser dita sobre os ministros do Evangelho; eles são cha mados a se aproximarem de CRISTO, o que, assim como é uma honra, também deve lhes provocar um certo respeito e temor. Lembremo-nos de que CRISTO será santificado naqueles que se aproximam dele. Percebe-se que quando os discípulos iam receber instruções, eles se aproximavam de JESUS por sua própria vontade (cap, 5.1). Mas agora que eles seriam ordenados, Ele os chamou.
Convém aos discípulos de CRISTO que se predisponham mais a aprender do que a ensinar. No sentido da nossa própria ignorância, devemos procurar oportunidades de sermos ensinados, e da mesma maneira nós devemos esperar por um chamado, um chamado claro, antes de assumir a responsabilidade de ensinar aos outros; pois nenhum homem deve apropriar-se dessa honra,
2. Ele lhes deu poder, exousian, autoridade no seu nome, para convocar os homens à obediência, e para a confirmação daquela autoridade que também coloca os demônios sob sujeição. Toda a autoridade legítima deriva de JESUS CRISTO. Todo o poder é dado a Ele, sem limites, e os poderes subordinados são ordenados por Ele.
Ele coloca sobre os seus ministros um pouco da sua honra, assim como Moisés colocou um pouco da sua honra sobre Josué. Note que é uma prova inegável da plenitude do poder que CRISTO usava como Mediador o fato de que Ele pudesse distribuir o seu poder àqueles a quem Ele usava, e os capacitasse a realizar, em seu nome, os mesmos milagres que Ele realizava. Ele lhes deu poder sobre os espíritos imundos, e sobre todos os tipos de enfermidades.
Observe que o desígnio do Evangelho é vencer o mal e curar o mundo. Estes pregadores foram enviados, destituídos de todas as vantagens externas que os pudessem recomendar. Eles não tinham riqueza, nem aprendizado, nem títulos honoríficos, e eram muito poucos; portanto, era essencial que eles tivessem algum poder extraordinário que os colocasse acima dos escribas.
(1 ) Ele lhes deu poder contra os espíritos imundos, para expulsá-los. Observe que o poder entregue aos ministros de CRISTO está diretamente apontado contra o diabo e o seu reino. O diabo, sendo um espírito imundo, trabalha tanto em erros doutrinários (Ap 16.13) como em concupiscências (2 Pe 2.10); e, nos dois casos, os ministros têm uma acusação contra ele. CRISTO lhes deu o poder de expulsá-lo dos corpos das pessoas; mas isto deveria significar a destruição do reino espiritual do diabo, como também de todas as suas obras; para este propósito, o Filho de DEUS se manifestou.
(2) Ele lhes deu poder para curar todos os tipos de enfermidades. Ele os autorizou a realizar milagres para a confirmação da sua doutrina, para provar que ela era de DEUS; e eles deviam realizar milagres úteis para exemplificá-la, para provar que ela não apenas era confiável, mas digna de toda a aceitação; que o desígnio do Evangelho é curar e salvar. Os milagres de Moisés eram, muitos deles, para a destruição. Os milagres que CRISTO realizou, e designou aos seus apóstolos que realizassem, eram todos para a edificação, e evidenciavam que Ele era não apenas o grande Professor e Governante, mas também o grande Redentor do mundo. Observe que a ênfase é colocada sobre a extensão do seu poder, sobre toda enfermidade, e todo mal, sem a exceção nem mesmo daqueles que são reconhecidamente incuráveis, e com a censura dos médicos. Na graça do Evangelho, existe uma pomada para cada ferida, um remédio para cada doença. Não existe doença espiritual tão maligna, tão inveterada, mas existe suficiência de poder em CRISTO para a sua cura. Que ninguém, portanto, diga que não existe esperança, ou que a brecha é tão grande quanto o mar a ponto de não poder ser curada.
 
Pedro é nomeado em primeiro lugar, porque ele foi o primeiro a ser chamado ou porque ele era o mais entusiasmado deles, e em todas as ocasiões ele se fazia a voz dos demais, e além disso ele seria o apóstolo da circuncisão.
Mas isso não lhe deu nenhum poder sobre os demais apóstolos, nem existe a menor marca de que qualquer supremacia lhe tenha sido dada, ou mesmo reivindicada por ele, neste grupo sagrado.
HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento MATEUS A JOÃO Edição completa. Editora CPAD. pag. 118-120.
 
Marcos (3.13-19) e Lucas (6.12-16) declaram que JESUS os escolheu ou nomeou depois de uma noite de oração e desceu com eles a certo lugar plano do monte para entregar o Sermão do Monte (Lc 6.17).
A. T. ROBERTSON. Comentário Mateus & Marcos. À Luz do Novo Testamento Grego. Editora CPAD. pag. 115-116.
 
O número “doze” tem um sentido profundo. A aliança antiga estava alicerçada sobre as doze tribos de Israel. A nova aliança deveria ser construída sobre os doze apóstolos. – Do mesmo modo como o sumo sacerdote trazia sobre o peito de sua vestimenta litúrgica os nomes das doze tribos, assim JESUS, o novo e verdadeiro sumo sacerdote, carrega no coração os nomes dos doze apóstolos. – O Apocalipse de João fala das doze portas da nova Jerusalém, sobre as quais estão inscritos os nomes das doze tribos. Entre cada par de portas encontra-se uma imponente pedra retangular como fundamento do muro da cidade, e sobre cada uma dessas pedras está escrito com letras luminosas o nome de cada um dos apóstolos (Ap. 21.12ss). Desse modo está assegurada a unidade da Antiga e da Nova Aliança. Na vocação dos doze, essa unidade ficou documentada (ao convocar os doze, JESUS estabelece sua reivindicação sobre todo o povo de Israel!).
No contexto judaico, a máxima demonstração de poder é realizar milagres. É com isso, pois, que inicia a incumbência do Senhor JESUS aos apóstolos.
Fritz Rienecker. Comentário Esperança Evangelho de Mateus. Editora Evangélica Esperança.
 
Homem nenhum havia sido tão privilegiado como estes, e ainda assim um deles tinha um demônio, e demonstrou ser um traidor (v. 16). Apesar disso, quando o escolheu, CRISTO não se enganou a respeito dele.
HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento MATEUS A JOÃO Edição completa. Editora CPAD. pag. 563.
 
Lc 6.13. JESUS passou a noite nas montanhas, vigiando em oração. Mais de uma vez Lucas salientou essa necessidade íntima que o Redentor tinha de orar, que com freqüência impelia JESUS a lugares ermos (Lc 4.42; 5.16). Contudo os termos aqui utilizados contêm uma ênfase muito especial. A palavra “vigiar por toda a noite” ocorre unicamente aqui.
A escolha dessa expressão incomum, bem como a forma verbal analítica (imperfeito e particípio), destacam a persistência determinada e incessante dessa vigília noturna. A expressão proseuché tou theou, literalmente “oração de DEUS”, é também única no Novo Testamento. Essa formulação não designa nenhum pedido peculiar, mas um estado da mais profunda devoção na presença santa e direta de DEUS, uma invocação que transita para a mais íntima comunhão com DEUS. Durante essa noite JESUS apresentou a DEUS sua obra no estágio decisivo em que ingressara naquele momento, aconselhando-se com ele. Durante essa longa luta de oração, por toda a noite, JESUS provavelmente havia apresentado todos os seus discípulos individualmente a seu Pai, para que o Pai designasse aqueles que o Filho deveria tornar emissários da salvação. O que será que os discípulos, que haviam se ajuntado em grande número em torno de JESUS, sentiram quando JESUS, como um general, chamou um por um do meio deles, até que ficasse completo o número dos doze?
“Simão”, começou ele. Com quanta expectativa cada novo nome era aguardado! Com que estremecimento cada um ouvia, então, o chamado do próprio nome. Dentre o grupo de discípulos “ele escolheu os doze”, “aos quais também chamou de apóstolos”. Isso é significativo. Os demais discípulos tiveram de tolerar que esses doze obtivessem uma posição especial do Senhor. O Redentor os havia escolhido em virtude de ordem divina. DEUS é soberano.
Os discípulos não têm outra opção a não ser obedecer a esse Senhor extraordinário. “Chamou-os a si”. Mas, se desejou aqueles que o Pai lhe concedeu, de agora em diante sabemos a quem recorrer quando desejamos chegar ao Pai. Porque ele os “ordenou” para duas finalidades.
1) Primeiramente, devem estar junto dele. Devem perseverar com ele em suas tentações até chegarem ao Getsêmani; afinal, devem tornar-se testemunhas dele até os confins do mundo (At 1.8). Precisavam conhecer suas “horas silenciosas”, conviver com ele no dia-a-dia, observar seu trabalho, obter uma visão dos mistérios de sua sabedoria de educador, e até mesmo familiarizar-se com os objetivos de sua ação.
2) O segundo aspecto é que eles partilharão de sua autoridade. Dessa maneira ele providencia, de certo modo, pernas e pés, línguas e lábios que levem adiante sua obra.
Mateus relata a convocação e o credenciamento dos apóstolos em uma ocasião (Mt 10.1ss), e Lucas o faz em dois trechos, mais precisamente como segue: de acordo com Lucas, o primeiro passo de JESUS foi nomeá-los, provavelmente para que passassem a ser seus alunos de modo especial. Isso aconteceu aqui em Lc 6.12-16. A capacitação é relatada em Lc 9.1-6, onde JESUS lhes confere a autoridade para servir como apóstolos. O relato mais preciso indica que esse deve ter sido o processo. Mateus reúne em uma só ocasião as duas ações de JESUS. Isso tem a ver com sua característica de enfatizar tão-somente o aspecto doutrinário e fundamental.
Dessa forma o Redentor obteve, portanto, um grupo de auxiliares para sua obra. Ele, o maravilhoso canal da poderosa benignidade de DEUS, fora multiplicado por doze. Mas de antemão os doze não obtiveram nem poder nem incumbência para a ação espiritual propriamente dita.
Essas passagens não devem levar à conclusão que a tarefa dos apóstolos consistia tão somente em ser testemunhas de JESUS. O próprio nome expressa mais, cf. 2Co 5.20: “Somos mensageiros de CRISTO… e rogamos que vos reconcilieis com DEUS.”
Com a escolha dos doze estava organizada a obra de JESUS. Passou do estágio de fenômeno local e isolado para o estágio de instituição que abrange e cuja intenção arrebata povos e épocas. A obra do Senhor obteve um solo histórico firme e uma perspectiva clara para o futuro, com todas as suas esperanças e todos os seus perigos.
Fritz Rienecker. Comentário Esperança Evangelho de Lucas. Editora Evangélica Esperança.
Lc 6.13.
Um discípulo era um aprendiz, um estudante. No século I, o estudante não estudava simplesmente uma matéria; estudava com um mestre. Há um elemento de ligação pessoal no “discípulo” que falta no “estudante.” Deste grupo maior de aderentes, JESUS escolheu doze. JESUS nunca estabeleceu uma organização. Estes doze homens representam a totalidade da Sua máquina administrativa. Alguns deles eram claramente homens de destaque, mas, de modo geral, parecem ter sido nada mais do que medianos. A maioria deles deixou pouquíssimas marcas na história da igreja. JESUS preferia operar, naqueles tempos como também agora, através de pessoas perfeitamente comuns.
A estes doze JESUS deu o nome de apóstolos. O termo é derivado do verbo “enviar" e significa “uma pessoa enviada ” “um mensageiro.” Lucas emprega a palavra seis vezes (com mais vinte e oito em Atos), ao passo que cada um dos demais Evangelistas a emprega uma só vez (é possível que Marcos a tenha duas vezes, dependendo da solução de um problema textual).
Nos Evangelhos, o grupo usualmente é referido simplesmente como “os doze.” Marcos explica que JESUS os escolheu “para estarem com ele e para os enviar a pregar, e a exercer a autoridade de expelir demônios” (Mc 3:14-15). Esta expressão ressalta a noção de missão e a centralidade da pregação na sua função.
Leon L. Morris. Lucas. Introdução e Comentário. Editora Vida Nova. pag. 118-119.
 
Receberam autoridade do Senhor.
O poder de que eles deveriam estar revestidos, para a confirmação da doutrina que deveriam pregar (v. 17): “E estes sinais seguirão aos que crerem”.
Alguns sinais em especial são mencionados. (1) Eles expulsarão demônios; este poder era mais comum entre os cristãos do que entre outras pessoas, e durava mais tempo, como podemos deduzir pelos testemunhos de Justino Mártir, Orígenes, Irineu, Tertuliano, Minúcio Félix, e outros, citados por Grotius a respeito dessa passagem. (2) Eles “falarão novas línguas”, que nunca tinham aprendido, ou conhecido.
(3) Eles “pegarão nas serpentes”. Esta promessa se cumpriu na vida de Paulo, que não foi ferido pela víbora que lhe acometeu a mão, o que foi reconhecido pelos bárbaros como um grande milagre (At 28.5,6).
(4) “Se beberem alguma coisa mortífera” - por imposição dos seus perseguidores - “não lhes fará dano algum”: muitos exemplos deste milagre são encontrados na história da igreja cristã.
(5) Eles não serão somente protegidos contra ferimentos, mas também serão capacitados a fazer o bem aos outros; “imporão as mãos sobre os enfermos e os curarão”, como tinha acontecido com as multidões pelo toque curativo do seu Mestre.
HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento MATEUS A JOÃO Edição completa. Editora CPAD. pag. 505.
A boa nova de JESUS precisa ser confirmada (16.17,18). Adolf Pohl corretamente afirma que os sinais não estão vinculados a cargos, mas em primeiro lugar à fé que deixa DEUS ser DEUS (5.36; 9.23; 11.22). Em segundo lugar, eles fazem parte do contexto missionário, pois o fato de eles “acompanharem” pressupõe que os discípulos estão a caminho para difundir o evangelho.
Paul Beasley-Murray diz que o que temos aqui é descritivo e não prescritivo. O que temos aqui é um sumário da vida da Igreja primitiva. Os cristãos primitivos expulsaram demônios em nome de JESUS (3.15; 6.7,13; At 8.7,16,18; 19.12). Eles falaram em línguas (At 2.4; 10.46; 19.6; 1Co 12.10,28; 14.2-40). Paulo foi picado por uma víbora sem sofrer o dano de seu veneno letal (At 28.3-6). Eles impuseram as mãos sobre os enfermos para curá-los (At 28.8). Não há, porém, nenhuma alusão no Novo Testamento sobre a ingestão de veneno. O único registro que temos na história é de Eusébio, historiador da Igreja, que fala sobre Justus Barsabas, um cristão que, forçado a beber veneno, pela graça de DEUS não morreu.
Warren Wiersbe diz que alguns sinais descritos em Marcos 16.17,18 ocorreram durante o período apostólico descrito no livro de Atos. Eles foram as credenciais dos apóstolos (Hb 2.1-4; Rm 15.19; 2Co 12.12).
Cremos que DEUS pode e tem dado seus dons de sinais onde e quando quer, a quem quer, livre e soberanamente, segundo o seu beneplácito, para o louvor da sua própria glória, para a salvação dos eleitos e a edificação dos santos. A grande ênfase de Marcos é que quando a Igreja proclama a mensagem de DEUS, o próprio DEUS confirma essa mensagem com a manifestação do seu poder (1Co 2.4; 1Ts 1.5), transformando vidas, atraindo as pessoas irresistivelmente pelo seu poder sobrenatural. A Igreja é chamada para ser um sinal do CRISTO vivo e ressurreto no mundo. William Barclay conclui o seu comentário de Marcos afirmando que a vida cristã é a vida vivida na presença e no poder daquele que foi crucificado e ressuscitou.
LOPES. Hernandes Dias. MARCOS, O evangelho dos milagres. Editora Hagnos.
 
II - O APÓSTOLO PAULO
1. Saulo e sua conversão.
Chamado por DEUS
“Paulo (chamado apóstolo de JESUS CRISTO, pela vontade de DEUS), e o irmão Sóstenes (1 Co 1.1; 2 Co 1.1; Gl 1.1). O chamado de Paulo foi bem diferente. A caminho de Damasco, com ordens dos sacerdotes para prender os cristãos, foi interrompido por JESUS, de maneira sobrenatural e impactante.
No chão, Paulo teve o chamado de DEUS de forma tão dramática, que caiu, ouvindo a potente voz do Senhor, que o abatera em seu orgulho e presunção, quando julgava estar fazendo a vontade de DEUS no zelo do judaísmo (At 9.4; 22.7; At 9.10-19). DEUS tem seus caminhos e suas maneiras de agir, às vezes muito estranhas (cf. Is 28.21). Diante de um chamado tão singular e diferente dos demais apóstolos, Paulo tinha razão em dizer que era chamado pela vontade de DEUS e não dos homens. Até seu nome foi mudado, de Saulo (hb. Sha'ul, o que foi pedido) para Paulo (gr. Paulus, baixo, pequeno, humilde), após ser convocado pelo ESPÍRITO SANTO para ser enviado para a missão (At 13.8).
Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 75.
 
Da Terra das Tendas Negras
Paulo dava sua aprovação à medida que cada testemunha apanhava uma pedra, erguia-a acima da cabeça e a atirava para ferir e aleijar o homem lá embaixo. Então Paulo ouviu a voz de Estêvão. Em dor, mas com clareza, ele falava como se a alguém invisível, mas próximo: "Senhor JESUS, recebe o meu espírito".
Tentando dominar a dor, ele se ajoelhou em oração. Paulo não podia deixar de ouvir as palavras que saíam com volume espantoso de alguém a morrer: "Senhor, não lhes imputes este pecado."
A próxima pedra tombou-o ao chão. O mártir perdera a consciência. A multidão continuou a apedrejá-lo.
Paulo nasceu numa cidade situada entre as montanhas e o mar. É provável que o ano tenha sido 1 d.C, mas os detalhes originais do local do seu nascimento são escassos. A indicá-lo, temos a reivindicação do próprio apóstolo: "Eu sou judeu de Tarso, cidade não insignificante da Cilicia... Da linhagem de Israel, da tribo de Benjamim, hebreu de hebreus".
Tarso era a principal cidade da fértil planície da Cilicia, no extremo Sudoeste da Ásia Menor.
Antíoco IV, por volta de 170 a.C, introduziu na cidade uma colônia de judeus. Estes, além de direitos e privilégios. É provável que os ancestrais de Paulo estivessem entre esses judeus que, por sua vez, devem ter saído da obscura cidade de Giscala, na Galileia.
É possível que o pai de Paulo tenha sido um mestre na arte de fabricar tendas. O pano era tecido dos longos pelos de bodes pretos que pastavam, como ainda hoje o fazem, nas encostas do Tauro.
Da mãe de Paulo nada se sabe. Ele tinha pelo menos uma irmã. A família detinha a cobiçada posição de cidadania romana.
O terceiro nome, chamado cognomen, era Paulus. Por ocasião do ritual da circuncisão, no oitavo dia de vida, ele também havia recebido um nome judaico: "Saulo". Este foi escolhido ou por causa do seu significado, "pedido", ou em honra do benjamita mais famoso de toda a história, o rei Saul.
Saulo era o nome usado em casa, ressaltando que a herança judaica lhe era a coisa mais importante nos seus primeiros anos. Paulo, desde a infância, aprendeu grego, a língua franca de então, latim, a língua dos dominadores romanos e em casa a família falava o aramaico, a língua da Judeia, derivada do hebraico.
A escola anexa à sinagoga de Tarso não ensinava nada mais que o texto hebraico da sagrada lei. Paulo aprendeu a escrever os caracteres hebraicos em papiro e, desta forma, pouco a pouco formou seus próprios rolos das Escrituras. Aos treze anos de idade, Paulo já havia dominado a história judaica, a poesia dos salmos e a majestosa literatura dos profetas. Ele estava preparado para a escola superior.
É provável que no ano em que Augusto morreu, 14 d.C, Paulo, ainda adolescente, tenha sido enviado, por mar, à Palestina, e tenha subido os montes na direção de Jerusalém.
Durante os seguintes seis anos ele se sentou aos pés de Gamaliel, neto do mestre supremo Hillel que, alguns anos antes, falecera com mais de cem anos de idade. Sob o frágil e gentil Gamaliel, em contraste com os líderes da escola rival de Shamai, Paulo aprendeu a dissecar um texto até revelar dezenas de possíveis significados. Aprendeu também a fazer uma exposição, pois o rabi, além de advogado de acusação ou de defesa dos que quebravam a lei sagrada, era também pregador. Paulo excedeu a seus contemporâneos. Sua mente poderosa poderia levá-lo a ocupar um lugar no Sinédrio, no Corredor das Pedras Polidas, e torná-lo um "governador dos judeus". Por ser o estado judaico uma teocracia em que as mesmas pessoas exerciam funções religiosas e civis, os setenta e um membros do Sinédrio eram igualmente juízes, senadores e mestres espirituais. O tribunal tomava decisões supremas em todos os assuntos religiosos e dentro da pequena liberdade de se governarem a si mesmos permitida pelo romanos. Alguns dos membros do tribunal procediam do sacerdócio hereditário. Outros eram advogados e rabis.
Tivesse Paulo permanecido aí durante o ministério de JESUS de Nazaré, certamente teria argumentado com ele, à semelhança dos outros fariseus. Nos anos posteriores ele se referiu com frequência à morte de JESUS por crucificação, mas jamais confessou-se sua testemunha ocular.
Uma de suas cartas sugere que ele tinha forte inclinação missionária. Onde quer que os judeus adoravam, os simpatizantes gentios eram admitidos como "tementes a DEUS". Fariseus como Paulo instavam a que os tementes a DEUS se fizessem prosélitos, judeus completos: deviam submeter-se ao simples mas doloroso ritual da circuncisão, e então honrar as exigências cerimoniais e pessoais da lei em todo o seu rigor. O fardo podia ser pesado, mas a recompensa era grande, pois ganhariam o favor de DEUS.
Logo depois de seu trigésimo aniversário Paulo voltou a Jerusalém.
Em Jerusalém, podiam desincumbir-se das obrigações mais complicadas e mais dignas da lei, e demonstrar zelo onde este seria notado. Paulo também podia combater o movimento lançado por JESUS de Nazaré. Tarso deve ter recebido ecos dos ensinos e das reivindicações do novo profeta e dos estranhos relatos de milagres, e até mesmo da notícia de que ele havia ressurgido dentre os mortos.
Segundo se acredita, Paulo era baixo; seu porte, porém, era tal que ele sobressaía em qualquer multidão. Possuía rosto um tanto oval e sobrancelhas cerradas. Por causa da boa vida que levava, talvez fosse gordo. Ele devia usar barbas, já que os judeus desprezavam o costume romano de se barbear. E sua barba preta juntamente com seu vestuário de bainha azul, mais o talismã preso a um turbante, mostravam seu orgulho de ser fariseu. Ao andar pelos pátios do Templo ele revelava a arrogância inevitável de um homem cujos ancestrais e ações o tornaram importante. Ele praticava fielmente o interminável ciclo de purificações rituais de pratos e xícaras e de sua própria pessoa. Ele guardava os jejuns semanais — entre o nascer e o pôr do sol — e repetia as orações diárias na progressão e número exatos. Ele sabia o que lhe era devido: saudações respeitosas, grande precedência, lugar proeminente na sinagoga.
Paulo teria apoiado o fariseu que, vendo JESUS permitir que uma prostituta lhe lavasse os pés com as lágrimas e os ungisse com bálsamo, achava ser isto prova de que o homem não podia ser profeta. O quadro imortal que JESUS pintou do fariseu e do publicano (coletor de impostos) orando no Templo, ter-se-ia ajustado a Paulo. Como aquele fariseu, Paulo estava seguro de merecer o favor de DEUS.
Nos dois anos seguintes à execução de JESUS, a cidade santa se enchera daqueles que acreditavam que JESUS ressurgira dentre os mortos.
Não foi por acaso que as testemunhas lançaram suas vestes "aos pés de um jovem chamado Saulo". Conheciam a responsabilidade dele. Ele, porém, não atirou uma única pedra. Ele observava e aprovava — e ouviu Estêvão clamar: "Senhor JESUS, recebe o meu espírito!" "Senhor, não lhes imputes este pecado." E a ágil mente de Paulo viu e repudiou a essência dessa oração. "Senhor, não lhes imputes este pecado", significava, no ensino de Estêvão: "Senhor, tomaste sobre ti mesmo o pecado deles. Que eles creiam em ti, que te conheçam e que te amem."
Durante o restante do verão em que Estêvão foi morto (provavelmente 31 d.C.) e por todo o inverno seguinte as autoridades judaicas, tendo Paulo como principal agente, deram início a uma repressão sistemática.
Ele atacou como um animal, rasgando sua presa. Não era a triste eficiência de um oficial obedecendo a ordens desagradáveis. Seu coração, bem como sua mente, estavam engajados com a precisão de um inquisidor que desmascara a traição. Seu ímpeto chegou ao ponto de reduzir uma comunidade vigorosa de âmbito urbano à impotência e pôr seus líderes em fuga ou em esconderijos. Ele foi de casa em casa. Então realizou interrogatórios nas sinagogas durante as reuniões. Todo suspeito, homem ou mulher, tinha de se pôr de pé na presença dos anciãos enquanto Paulo, como representante do sumo sacerdote, lhes ordenava que amaldiçoassem a JESUS. Se se recusassem, seriam formalmente acusados, mas tinham o direito antigo de usar em sua defesa a fórmula: "Tenho algo a argumentar em favor de minha absolvição."
Assim, Paulo ouviu as histórias e as crenças de muitos daqueles que chamavam a JESUS de "Senhor". Muitos haviam estado com JESUS em Jerusalém ou tinham ido à Galileia a fim de encontrá-lo, e estes repetiam as suas palavras. Repetidamente, as mesmas frases, as mesmas parábolas eram apresentadas ao tribunal da sinagoga. Paulo não se surpreendia com a exatidão dessas histórias, uma vez que todos os rabis insistiam em que seus discípulos aprendessem os seus ditos com perfeição, até mesmo reproduzindo a tonalidade de sua voz. E os ditos, quer Paulo desejasse quer não, foram imediatamente armazenados na biblioteca em expansão de seu arguto cérebro.
Alguns dos nazarenos defendiam sua devoção relatando a influência de JESUS sobre seus corpos, como o cego de nascença a quem o Senhor curara, que teria respondido a Paulo de modo tão insolente quanto respondera aos indignados fariseus depois do milagre. Alguns tinham visto JESUS cambalear na direção do Gólgota e tinham-no observado morrer. Muitos insistiam tê-lo visto vivo depois de morto, não como fantasma, mas real — a despeito da surra que lhe havia arrancado a pele e desnudado as costas, e o choque, a exaustão e a exposição à crucificação romana com seu término inevitável por sufocação, se a morte não chegasse primeiro. A maioria dos acusados, contudo, não reivindicava ser testemunhas oculares, mas convertidos daqueles que o eram, particularmente de Simão chamado Pedro ou "Pedra".
Vez após vez, um discípulo tímido e sem grande influência, de educação medíocre e sem graças sociais, era atirado na presença do tribunal. Depois de algumas frases o homem se transformava: começava a falar claramente, com firme convicção. Era quase como se alguém lhe estivesse dizendo o que falar.
Atirou-os nos calabouços. Um ou dois talvez tenham sido apedrejados. Paulo parece sugerir tal coisa ("Quando eram mortos, eu dava o meu voto contra eles"), mas os romanos limitavam estritamente os direitos judaicos à pena capital. A maioria era punida por meio de espancamento público, as "quarenta chicotadas menos uma" que não eram nada agradáveis para os de estômago fraco.
Ele permanecia impassível enquanto homens e mulheres saíam cambaleando com as costas inchadas e ensanguentadas.
Para o final do inverno chegaram notícias de que os seguidores de JESUS fugidos de Jerusalém não se deixaram intimidar, mas propagavam as suas doutrinas aonde quer que fossem — em Samaria, com êxito impressionante, e no Norte, na direção de Damasco. Paulo foi furioso à presença do sumo sacerdote. "Respirando ainda ameaças e morte" como descreve o seu primeiro biógrafo, ele pediu cartas para as sinagogas, autorizando-o a prender homens e mulheres que seguissem o "caminho" e trazê-los amarrados para Jerusalém. Como primeiro objetivo, ele sugeriu Damasco. Embora a disciplina do Sinédrio se estendesse aos judeus de todos os lugares, os romanos não gostavam de perturbações. Mas Damasco, embora cidade romana, possuía duas grandes comunidades que contavam com certa medida de autogoverno: os árabes leais ao rei Nabateu que vivia em sua capital de rocha em Petra, e os judeus. É provável que Paulo pretendesse perseguir e castigar os cristãos da Fenícia e depois os de Antioquia, a grande capital romana da Síria. Ele tinha toda uma vida pela frente.
Ele partiu na primavera, assim que as viagens tiveram início, à primeira luz da manhã, sob a forte luminosidade dos montes da Judeia. Deve ter ido de jumento. Teriam passado perto do local em que Estêvão fora assassinado. Se tomaram a estrada que atravessava Samaria, passaram por montes pedregosos acarpetados de variegadas flores primaveris, e no segundo dia tiveram um breve vislumbre das neves distantes do monte Hermom que domina a estrada para Damasco. No quarto ou no quinto dia chegaram ao mar da Galileia. Paulo teria encontrado aqui mais pessoas do que em Jerusalém as quais juravam ter visto a JESUS vivo de novo, com cicatrizes nas mãos e nos pés.
Paulo atravessou o Jordão usando a ponte romana e subiu as escarpas desnudas. Agora ele tinha conhecimento do que JESUS havia feito e dito, até mesmo da tonalidade da sua voz, da sua aparência e caráter, este homem que era quase da mesma idade de Paulo.
Paulo jamais sugere que à medida que a sua pequena caravana avistou o monte Hermom ele tenha pesado os fatores a favor e contra JESUS. Este fora um impostor blasfemo e estava morto.
A Estrada de Damasco
O último dia da viagem deixava para trás o Hermom, cujos cumes, ainda sob a neve, erguiam-se acima dos montes marrons recobertos de flores brancas. Mas a montanha já não parecia particularmente alta porque eles estavam perto demais para ver o pico, e o planalto de Damasco encontra-se a uma altitude de mais de 600 metros.
Estavam encorajados a prosseguir adiante até ao fim da jornada, em vez de pararem, como em outras ocasiões, antes do meio-dia. O meio-dia primaveril não causaria insolação. Paulo e seu grupo continuaram a caminhar. Um homem, na retaguarda, conduzia os burros ligados por uma corda. A estrada estava vazia.
O céu estava claro e azul. A memória de Paulo enfatiza que não havia nem tempestade nem vento forte, como sugerem os que buscam uma explicação natural para o acontecimento. Ele não estava perto de um colapso nervoso nem prestes a sofrer um ataque epiléptico; ele nem mesmo tinha pressa.
"Quase ao meio-dia, repentinamente grande luz do céu brilhou ao redor de mim... uma luz mais brilhante do que o sol, brilhando ao meu redor e ao redor de meus companheiros de viagem."
Todos eles caíram por terra, apavorados com o fenômeno.
Não se tratava de apenas um relâmpago, mas de luz terrível e inexplicável. Parece que Paulo permaneceu prostrado, enquanto seus companheiros se levantaram cambaleando. Para ele somente, a intensidade da luz aumentou.
Paulo ouviu uma voz, ao mesmo tempo calma e autoritária, dizer-lhe em aramaico: "Saulo, Saulo, por que me persegues?"
Ele levantou os olhos. No centro da luz que o impedia de ver ao derredor, ele encarou um homem de mais ou menos a sua idade. Paulo não podia acreditar no que ouvia e via. Todas as suas convicções, intelecto, treinamento, reputação e autoestima exigiam que JESUS não estivesse vivo novamente. Assim, procurando ganhar tempo, ele replicou: "Quem és, Senhor?" A expressão de tratamento podia não significar nada mais que "Excelência".
"Eu sou JESUS, a quem tu persegues; mas, levanta-te, e entra na cidade, onde te dirão o que te convém fazer."
Então ele soube. Em um segundo, que mais pareceu uma eternidade, Paulo viu as feridas nas mãos e nos pés de JESUS, viu-lhe o rosto e compreendeu que estava vendo ao Senhor, vivo, como Estêvão e outros haviam dito, e que JESUS amava não apenas aos que Paulo perseguia, mas também ao próprio Paulo: "Dura coisa é recalcitrares contra os aguilhões." Nem uma palavra de reprovação.
Paulo jamais admitira a si mesmo sentir as pontadas de um aguilhão ao enfurecer-se contra Estêvão e seus discípulos. Mas agora, instantaneamente, se conscientizava de que estivera lutando contra JESUS. E lutando contra si mesmo, contra sua consciência, sua falta de poder, contra as trevas e o caos de sua alma. DEUS pairou sobre este caos e o levou ao momento de nova criação. Só faltava o consentimento de Paulo.
Paulo se quebrou.
Ele tremia e não estava em condições de pesar os prós e os contras para a mudança de ideias. Sabia apenas ter ouvido uma voz e visto o Senhor, e que nada mais importava a não ser descobrir a sua vontade e obedecer a ela.
"Que farei, Senhor?"
Aqui ele usa o mesmo tratamento de antes, mas toda a obediência e adoração, e todo o amor no céu e na terra entraram nessa única palavra "Senhor". Naquele momento ele se sentia totalmente perdoado, totalmente amado. Em suas próprias palavras: "Porque DEUS que disse: Das trevas resplandecerá luz — ele mesmo resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de DEUS na face de CRISTO."
"Levanta-te", ouviu ele, "e entra na cidade, onde te dirão o que te convém fazer." Ele havia confiado. Agora tinha de obedecer — a uma primeira ordem humilhante, quase trivial.
Ao se pôr de pé, estava cego. Estendeu a mão aos companheiros, agora ainda mais espantados ouvindo Paulo responder ao inaudível, os quais o conduziram. Os animais de carga e de montaria alcançaram a pequena caravana que se dirigia a Damasco em maravilhado silêncio.
Paulo entrou cegamente no desconhecido. Mas ele não se encontrava em trevas, e sim em luz. "Não podia ver por causa do brilho dessa luz." Embora o azul do céu, a poeira vermelha da estrada e o verde do oásis desaparecessem, pouca falta faziam. A luz lhe infundia os olhos cegos e a mente. Andando, em obediência a esse primeiro mandamento de seu novo Mestre, Paulo fez a primeira grande descoberta: JESUS permanecia a seu lado, não na forma de um corpo crucificado e ressurreto, mas como alguém invisível, contudo presente.
Passaram pelo mau cheiro do caravançarai, calmo no início da tarde, e entraram na cidade pela Rua Direita, espaçosa e cheia de colunas, que dividia a cidade ao meio. Esta rua também estava relativamente calma, pois as lojas e estandes ainda estavam fechados para a sesta do meio-dia, e as janelas das casas, por causa do sol, permaneciam cerradas. Chegaram à casa de um damasceno chamado Judas, provavelmente um rico mercador judeu, hospedeiro digno de um representante do Sinédrio. Os anciãos da sinagoga deviam estar à espera de Paulo, pois até os nazarenos sabiam que ele estava a caminho a fim de persegui-los. Ambos os grupos o perderam de vista. A escolta o entregou e desapareceu. Ele não pediu nada a Judas, a não ser o quarto de hóspede — recusando até mesmo a comida — e estar a sós.
O tempo perdeu o significado. Ele ouviu a trombeta vespertina, o cantar dos galos na manhã seguinte e o ruído de carroças no calçamento. Ouviu os gritos dos comerciantes anunciando seus produtos, percebeu o murmúrio distante de barganha-dores, e o relinchar ocasional de um burro. Então, a calma do meio-dia. Paulo passou o tempo deitado, totalmente desperto, a não ser por uma ou duas horas de sono, ou ajoelhado ao lado da cama. Ele não queria companhia humana, mas desejava estar a sós com o Senhor JESUS, como agora o chamava. Logo ele se esqueceu da fome e da sede. Sua personalidade toda estava em mudança. Ao permitir que a luz de CRISTO iluminasse os recessos de sua alma, ele estava sendo virado do avesso.
"Saulo, Saulo, por que me persegues?" Agora ele podia responder a essa pergunta com as palavras do Salmo de Davi: "Tem misericórdia de mim, ó DEUS, segundo a tua benignidade: segundo a multidão das tuas misericórdias, apaga as minhas transgressões... Contra ti, contra ti somente pequei."
Paulo se sentia imundo e nojento. Ele poderia ter usado as palavras das Confissões de Agostinho: "Tu me colocaste perante o meu rosto para que eu pudesse ver quão vil era, quão distorcido e impuro e manchado e cheio de úlceras. Vi a mim mesmo e fiquei horrorizado." O assassínio sempre é absoluto à consciência despertada do assassino. Nem foi somente assassínio e crueldade. Ele havia blasfemado, insultado e perseguido ao Senhor, cuja resposta fora procurá-lo e mostrar-lhe o amor que ultrapassava tudo o que Paulo antes conhecia. Quanto mais ele, em cegueira, se banhava nesse amor, à medida que as horas passavam velozes, tanto mais ele se quebrava ante a enormidade de seus feitos.
Ele supunha que estivesse servindo a DEUS, que estivesse caindo na graça divina. Ele havia disposto seus padrões de bondade, tinha-se comparado com os outros e visto que era bom. Mas agora, em contraste com JESUS cujo ESPÍRITO lhe invadia, ele sabia que sua pureza não passava de contrafação do inexpressivamente Puro, suas boas ações nada mais eram que uma paródia da Bondade. Ele havia sido mental e espiritualmente hostil a DEUS, embora o tivesse honrado com os lábios. Ele se ocupara do mal, embora praticasse seus ritos religiosos. Ele se isolara totalmente, arrastando-se para tão longe quanto pudesse da luz cegante que era DEUS.
Contudo, JESUS o havia apanhado. Paulo, desse dia em diante, citaria esse fato entre as provas indiscutíveis da ressurreição, não importando o quanto os homens pudessem zombar dele ou chamá-lo de mentiroso. DEUS, de maneira incrível, havia levantado do sepulcro o corpo amassado de JESUS de modo que ele estava vivo e aparecera a Paulo, não com o propósito de o humilhar ou destruir, ou vingar o sangue dos perseguidos, mas para salvar o perseguidor e sobrepujá-lo com amor e perdão. Paulo sabia, do fundo do coração, que JESUS era o Messias, o CRISTO, o Salvador do mundo. Esta não era uma conclusão tirada da lógica fria, embora essa um dia haveria de chegar. Ia além do intelecto. Ele sabia porque conhecia a JESUS.
E, conhecendo a JESUS, ele compreendia o que tinha acontecido na cruz.
Paulo, em seu orgulho e conhecimento, tinha rejeitado a JESUS porque homem algum poderia ser pendurado no madeiro a menos que tivesse sido amaldiçoado. Agora, à medida que enfrentava o seu pecado, ele via, com uma intuição irresistível, que JESUS deveras sofrera uma maldição sobre a cruz, mas não a dele; era a maldição de Paulo e de todos os homens. Cada hora passada em cegueira na casa de Judas, cada dia do restante de sua vida, revelaria um pouco mais da largura, do comprimento, da altura e da profundidade das boas novas, mas o coração estava seguro delas, agora e para sempre: o amor de CRISTO, "o Filho de DEUS que me amou e a si mesmo se deu por mim". Paulo podia, instantaneamente, ser tratado como alguém que jamais pecou, ser recebido com amor e confiança. Quanto mais ele olhava com olhos cegos para o brilho da luz, tanto mais distinto se apresentava o fato revelado naquele instante na estrada de Damasco: o perdão era uma dádiva, inteira e perfeita, porque era o próprio CRISTO. Não podia ser merecido. Mérito humano algum podia superar o pecado humano; mas, ao possuir a CRISTO, Paulo tinha tudo.
Na casa de Judas, ele podia ter gritado o que escreveria no futuro: "Enviou DEUS aos nossos corações o ESPÍRITO de seu Filho". "O mistério que estivera oculto dos séculos e das gerações; agora, todavia, se manifestou. . . CRISTO em vós". "Para mim, o viver é CRISTO!" Ele já sentia o impulso de orar. Não apenas as orações formais da gloriosa liturgia judaica, mas a conversação de um filho com seu Pai. Ao falar com JESUS, ele falava com o Pai, ao adorar o Pai, ele conversava com o Filho. Ele contou ao Senhor tudo o que lhe ia no coração. Ele intercedeu com urgência por aqueles que havia perseguido, especialmente pelos que forçara a blasfemar; pelos nazarenos de Damasco que o aguardavam com temor; por seus amigos judeus e por seus superiores.
Com a oração, veio a fome das palavras de JESUS. Como uma ovelha recém-nascida que, mesmo antes de conseguir pôr-se de pé procura instintivamente o peito da mãe, Paulo tinha fome do conhecimento de tudo o que JESUS havia dito e feito. Até à sua conversão ele havia sido indiferente às palavras de CRISTO. Desde o instante em que disse: "Que farei, Senhor?" ele aceitou a sua autoridade, e agora era de importância transcendental saber o que JESUS tinha ordenado, prometido, prevenido e predito; conhecer a atitude do Mestre para com aqueles que o odiavam e para com os que o amavam, saber tudo o que ele ensinou a respeito do Pai e de si mesmo, seus veredictos em todos os assuntos do comportamento e destino humanos.
Paulo possuía ainda outro anseio: espalhar esta grande descoberta. Contudo, ele tinha de esperar. O mandamento do Mestre fora: "Entra na cidade, onde te dirão o que te convém fazer." Esperando, ele ouviu a trombeta vespertina, o cantar dos galos e o ruído de carroças e novamente a trombeta vespertina. Finalmente, na calma da terceira aurora, enquanto orava, recebeu a revelação do que viria a seguir.
No quarto de uma pequena casa da rua chamada Direita um judeu de meia-idade estava deitado entre dormindo e acordado.
Ananias, honrado membro da comunidade judaica de Damasco e também seguidor de JESUS CRISTO, não se surpreendeu nem hesitou ao ouviu uma voz chamar o seu nome: "Ananias!"
"Eis-me aqui, Senhor."
"Dispõe-te, e vai à rua que se chama Direita e, na casa de Judas, procura por Saulo, apelidado de Tarso; pois ele está orando, e viu entrar um homem, chamado Ananias, e impor-lhe as mãos, para que recuperasse a vista."
Ananias ficou espantado. Seu Senhor devia ter-se enganado. É provável que Ananias tenha assistido a pequenas reuniões dos nazarenos que, com a notícia de que Saulo, o Perseguidor, se aproximava, oraram pedindo que o Senhor os livrasse, aparentemente, sem esperar que sua oração fosse atendida.
"Senhor", respondeu Ananias, "de muitos tenho ouvido a respeito desse homem, quantos males tem feito aos teus santos em Jerusalém; e para aqui trouxe autorização dos principais sacerdotes para prender a todos os que invocam o teu nome."
Disse a voz: "Vai, porque este é para mim um instrumento escolhido". O Senhor, a seguir, confirmou e ampliou o seu mandamento.
Com isso, Ananias levantou-se e foi.
Caminhando apressado pela viela e desviando-se dos carregadores de água que voltavam do rio, no momento em que o sol despontava nos penhascos do norte, ele quase gritava: "Aleluia!" Então o braço do Senhor não se encolhera. Ele o havia estendido para curar, e o lobo se deitaria com o cordeiro como na antiga profecia. E ele, o obscuro Ananias, de quem jamais se ouviu falar nem antes nem depois, fora escolhido para batizar a Saulo, o primeiro exemplo de um padrão histórico, segundo o qual os grandes embaixadores de CRISTO, por mais preparados que sejam de outros modos, são levados à sua vocação por intermédio de insignificantes agentes.
Ananias, levado imediatamente à presença de Paulo, permaneceu em pé ao lado da cama.
Ele via um rosto que passara de profundo sofrimento à paz. A pele se enrugava onde a boa vida de fariseu tinha sido esgotada pelo jejum; podiam-se ainda perceber as rugas feitas pela crueldade; a barba era irregular e os olhos fixos. Contudo, era um rosto descontraído, como se Paulo tivesse visto o pior e já não o temesse, tivesse olhado o melhor e soubesse que estava sendo reconstruído em seu molde.
Ananias pôs as mãos na cabeça de Paulo.
"Saulo, irmão", começou ele (e engoliu em seco ao chamar o assassino dos seus amigos de "irmão", mas a alegria tragou a hesitação), "o Senhor me enviou, a saber, o próprio JESUS que te apareceu no caminho por onde vinhas, para que recuperes a vista e fiques cheio do ESPÍRITO SANTO."
Naquele instante umas como que escamas caíram dos olhos de Paulo. Ele viu Ananias. E o viu claramente. Paulo recuperou a vista instantânea e completamente.
Ananias desincumbiu-se do restante das suas ordens: "O DEUS de nossos pais de antemão te escolheu para conheceres a sua vontade, ver o Justo e ouvir uma voz da sua própria boca, porque terás de ser sua testemunha diante de todos os homens, das coisas que tens visto e ouvido." Paulo ouviria mais, disse ele, diretamente do Senhor JESUS, que lhe daria um vislumbre da dureza e da dor à medida que se aventurassem juntos, não só aos filhos de Israel, grandes e pequenos, escravos e reis — mas também a "todos os homens", a quem o fariseu Saulo desprezara e rejeitara.
A seguir, Ananias proferiu mais palavras, entregues como se da parte do próprio JESUS: "Envio-te para lhes abrir os olhos e convertê-los das trevas para a luz, e da potestade de Satanás para DEUS, a fim de que recebam eles remissão de pecados e herança entre os que são santificados pela fé em mim."
O alcance e a implicação dessa comissão deixou Paulo sem fala.
Disse mais Ananias: "Por que te demoras? Levanta-te, recebe o batismo e lava os teus pecados, invocando o nome dele."
Ananias ajudou-o a deixar a cama. Normalmente os seguidores do Caminho, como João Batista, batizavam por imersão num rio ou numa corrente de águas, mas Paulo estava fraco depois de seu prolongado jejum. É provável que se tenham encaminhado para o atrium, o jardim do pátio da casa de Judas onde havia uma fonte; ou Paulo, com sua vontade férrea, pode ter insistido em caminhar, apoiado em Ananias, os oitenta metros até o rio Abana, fora do muro norte da cidade.
Paulo, embora advertido de que viriam tempestades, nessa ocasião podia tornar suas as palavras do Salmo 19: "Os céus proclamam a glória de DEUS... o sol... se regozija como herói, a percorrer o seu caminho."
Paulo sentia bem-estar, descontração de toda a tensão, agudeza de percepção e paz mental. Andando pela rua Direita, que, como todas as ruas orientais era uma miscelânea de cores, barulhos e movimentos, ou entrando no bazar de especiarias ou na rua dos trabalhadores em metal, ele estava apaixonado com a humanidade toda. Damasco, por ser uma cidade de fronteira, atraía tipos variados: árabes, judeus, partos com seus chapéus cônicos, e soldados romanos. Paulo sabia ter sido enviado a todos — e a seu próprio povo, os judeus, porque até mesmo eles, com exceção dos que tinham visto a JESUS, possuíam somente um vislumbre da aparência de DEUS.
Naquela noite, em companhia de Ananias, Paulo ficou conhecendo o pequeno grupo de nazarenos. Se alguns fugitivos de Jerusalém estavam entre eles — o que é possível — foi um momento de grande emoção quando os que haviam sido chicoteados sob as ordens de Paulo lhe deram o beijo da paz e, como prova de sua união uns com os outros e com JESUS, partilharam com ele o pão e o vinho, símbolos do corpo e do sangue do Senhor, como o próprio Senhor ensinara na noite em que foi traído.
Um incidente ainda mais extraordinário ocorreu no sábado seguinte na sinagoga mais importante de Damasco. Os anciãos e a congregação não faziam ideia da conversão de Paulo. Ele não a revelara nem mesmo a Judas. Os nazarenos, contudo, que sabiam que as coisas correriam de modo diferente, estavam orando enquanto acompanhava Paulo, ainda vestido como fariseu e trajando uma veste de barras azuis, tendo no turbante um talismã de couro, até à plataforma e lhe entregava o rolo da Lei.
Ele leu a passagem designada e devolveu o rolo. No instante de pausa, antes de começar a falar, ele se maravilhou da estratégia divina mediante a qual, nos séculos passados, levantaram-se sinagogas em incontáveis cidades gentias — prontas para o dia em que, sob a sua liderança, se transformariam nos baluartes de uma grande cruzada para JESUS CRISTO! Como ele tinha visto a verdade, certamente que eles também a veriam. Ele e eles haviam sido separados para espalhar as boas novas de JESUS CRISTO entre os gentios. E começariam em Damasco.
Então ele proclamou: "JESUS é o Filho de DEUS." Paulo atacou com a mesma veemência e paixão que caracterizaram sua perseguição. As palavras tropeçavam uma nas outras enquanto ele contava como o Senhor lhe aparecera, que o Senhor estava vivo e que os amava. E a reação não foi nada parecida com a que ele esperava. Os adoradores ficaram espantados e horrorizados. Longe de se convencerem, ficaram com raiva. Esse vira-casaca, recebido como representante do sumo sacerdote, se declarava representante de JESUS.
Paulo se surpreendeu. Nos dias que se seguiram ele se sentiu como Moisés que "pensou que seus patrícios compreenderiam que DEUS lhes estava oferecendo libertação por seu intermédio, mas não compreenderam." Ainda mais, sua impaciência com os nazarenos aumentou. Ele se reunia com eles todas as noites, mas poucos tinham recordações de JESUS. Possuíam vários dos seus ditos, os quais haviam sido repetidos por aqueles que o tinham conhecido, mas isso não satisfazia a Paulo. Ele tinha fome de evidência de primeira mão. Contudo, não podia voltar a Jerusalém. Ainda que os apóstolos, que haviam conhecido a JESUS melhor do que ninguém, confiassem nele imediatamente, Paulo não devia arriscar-se a cair nas garras de um sumo sacerdote enfurecido, que se encarregaria de fazê-lo desaparecer mediante o estrangulamento ou prisão perpétua.
De noite, na casa de Judas ou talvez agora na casa de Ananias, ele se revirava na cama, frustrado. E a glória dos dias de cegueira estava a desvanecer. Finalmente, ele disse ao Senhor que deixaria tudo nas suas mãos. A paz voltou. Nenhuma voz ou luz revelou o próximo passo, somente a convicção crescente de que devia sair sozinho, não levando nada a não ser os rolos das Escrituras. Não era dos apóstolos que Paulo necessitava, mas de JESUS somente; não de uma cidade, mas do deserto.
O passo seguinte foi fácil. Damasco era o ponto final de uma das grandes rotas de especiarias que vinham do país da mirra e do incenso, ao sul da Arábia, e da Ponta da África. As caravanas de camelos voltavam trazendo moedas e mercadorias do mundo romano. O filho de um importante comerciante não teve dificuldade alguma em conseguir passagem.
JOHN POLLOCK. O Apóstolo. Editora Vida.
 
2. Um homem preparado para servir.
Paulo teve experiências com DEUS
Um verdadeiro apóstolo é homem que deve ter comunhão e experiência com DEUS. Paulo, não obstante não ter convivido com JESUS como os demais apóstolos, teve experiências espirituais que os outros não tiveram. E essas experiências fortaleceram sua vida espiritual e solidificaram o seu relacionamento com CRISTO. Ele diz que teve “visões e revelações do Senhor” (1 Co 12.1); com bastante modéstia, falando na terceira pessoa, diz que “foi arrebatado ao terceiro céu”... “e ouviu palavras inefáveis, que ao homem não é lícito falar” (1 Co 12.2,4). Que palavras foram essas, só DEUS e Paulo sabem.
Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 75.
 
O prazer com que ele olha para a vida que tinha vivido (v. 7): Combati o bom combate, acabei a carreira etc. Ele não temia a morte, porque tinha o testemunho da sua consciência de que pela graça de DEUS ele tinha, em alguma medida, correspondido às expectativas do propósito da vida. Como cristão, como ministro, ele tinha combatido o bom combate. Ele tinha realizado o serviço, passado pelas dificuldades da sua batalha e tinha sido um instrumento ao levar avante as gloriosas vitórias do Redentor exaltado sobre os poderes das trevas.
Sua vida foi uma carreira, e ele a tinha concluído. Como sua batalha tinha sido cumprida, assim sua corrida tinha acabado. “Guardei a fé. Guardei as doutrinas do evangelho e nunca neguei nenhuma delas”. Note que, em primeiro lugar, a vida de um cristão, mas especialmente de um ministro, é um combate e uma corrida, às vezes comparada a um ou ao outro nas Escrituras. Em segundo lugar, esse é um bom combate, uma boa milícia. A causa é boa, e a vitória é certa, se continuarmos fiéis e corajosos. Em terceiro lugar, devemos combater esse bom combate, devemos concluí-lo e terminar nossa carreira. Não devemos parar até que sejamos mais do que vencedores por aquele que nos amou (Rm 8.37). Em quarto lugar, é um grande consolo para um santo moribundo quando ele pode olhar para trás e dizer como nosso apóstolo: “Combati etc. Guardei a fé, a doutrina da fé e a graça da fé”.
Se pudermos falar da mesma maneira, ao nos aproximar do final dos nossos dias, sentiremos um consolo inexprimível.
Portanto, precisamos continuar nos esforçando, contando com a graça de DEUS, para que possamos terminar nossa carreira com alegria (At 20.24).
[3] O prazer com que ele olha para a vida futura (v. 8): Desde agora, a coroa da justiça me está guardada etc. Ele havia sofrido perda por CRISTO, mas estava certo de que ganharia a CRISTO (Fp 3.8). Que isso possa servir de ânimo para Timóteo para suportar as dificuldades como um bom soldado de JESUS CRISTO, que há uma coroa da vida para ele, a glória e a alegria que abundantemente compensarão todas as dificuldades e privações do combate presente. Observe: Ela é chamada de coroa da justiça, porque será a recompensa dos nossos serviços, que o Senhor não esquecerá, porque não é injusto para esquecer, e porque a nossa santidade e justiça serão aperfeiçoadas e serão a nossa coroa. DEUS a dará como justo juiz. Essa coroa da justiça não era somente para Paulo, como se pertencesse somente aos apóstolos, aos ministros famosos e aos mártires, mas para todos os que amarem a sua vinda. Observe: A natureza de todos os santos é amar a vinda de JESUS CRISTO: eles amaram a sua primeira vinda, quando Ele apareceu para tirar o pecado pelo sacrifício de si mesmo (Hb 9.26). Eles têm prazer em refletir a respeito dela. Eles aguardam ansiosos pela segunda vinda de CRISTO naquele grande Dia. Eles a amam e a aguardam com ansiedade. Em relação àqueles que amam a vinda de JESUS CRISTO, Ele virá para a alegria deles.
Existe uma coroa de justiça reservada para eles, que na segunda vinda de JESUS CRISTO será dada a eles (Hb 9.28).
Amém! Ora, vem, Senhor JESUS! (veja Ap 22.20).
HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento ATOS A APOCALIPSE Edição completa. Editora CPAD. pag. 719-720.
 
I Tm 4.7 Combati o bom combate. Aquilo para o que Timóteo foi convocado (1Tm 6.12) foi cumprido pessoalmente pelo apóstolo e suportado até o vitorioso fim. Ele “proclamou o evangelho de DEUS mediante grande luta”. Agora acabou a luta, esgotou-se a luta da vida, o bom combate chegou a bom fim. Ele lutou contra poderes sombrios da maldade, contra Satanás, contra vícios judaicos, cristãos e gentílicos, hipocrisia, violência, conflitos e imoralidades em Corinto, fanáticos e desleixados em Tessalônica, gnósticos helenistas judeus em Éfeso e Colossos, e não por último – no poder do ESPÍRITO SANTO – o velho ser humano dentro de si mesmo, tribulações externas e temores internos. Acima de tudo e em tudo, porém, lutou em prol do evangelho, a grande luta de sua vida, seu bom combate.
Completei a corrida. A imagem do atleta competidor que alcançou a meta e por quem espera a coroa da vitória. Nada pôde deter sua trajetória, por nada ele foi interrompido significativamente. Agora tampouco poderes mundanos destruirão sua vida de forma autocrática, ele é “prisioneiro do Senhor”. O que ele anunciou aos anciãos de Éfeso na despedida se cumpriu agora: “Todavia, não me importo, nem considero a minha vida de valor algum para mim mesmo, se tão-somente puder terminar a corrida e completar o ministério que o Senhor JESUS me confiou, de testemunhar o evangelho da graça de DEUS.”
Guardei a fé. Será que se deve traduzir aqui com a frase que se tornou linguajar corrente “Guardei a fidelidade”? Sem dúvida tem-se em vista “a fidelidade até a morte”; é intencional a ligação com 2Tm 2.11-13; também a fidelidade do administrador, do qual se demanda prestação de contas no juízo; a aprovação do colaborador e sua paciência até o fim no trabalho penoso, quando os frutos estão maduros. Tudo está englobado, mas antes de tudo e em tudo vale uma só coisa: “Aqui se trata da perseverança dos santos, os que guardam fielmente os mandamentos de DEUS e a fé em JESUS.” “Guardei a fé”, isso é o alfa e o ômega, origem e alvo daquele que por ocasião do primeiro aprisionamento confessou: CRISTO é minha vida e morrer para mim é lucro. Poder crer até o fim, ser sustentado na fé em JESUS, receber constantemente essa fé renovada e aprofundada: essa é a graça máxima, dádiva imerecida, exaltação da fidelidade de DEUS.
O soldado, o corredor, o administrador (agricultor) – todas as três metáforas que Paulo lançou a Timóteo para encorajá-lo, todas direcionadas para o fim dos tempos, cumpriram-se em Paulo. Essas declarações não são marcadas pelo enaltecimento próprio, mas pela gratidão e adoração àquele que o tornou forte na luta, que o conduziu à perfeição, que o presenteou com a fé e o preservou.
Hans Bürki. Comentário Esperança Cartas aos I Timóteo.. Editora Evangélica Esperança.
 
Em sua aplicação, isso indica:
1. Esforçar-se legitimamente, como autêntico ministro de CRISTO, em obediência às suas ordens, trabalhando sob a sua autoridade.
2. Confiar na mensagem cristã, sem adições e nem corrupções.
3. Defender a fé (a doutrina e a prática paulinas ortodoxas) contra os assédios da heresia.
4. Propagar a «fé» aos perdidos.
5. Ensinar a fé em toda a sua pureza, aos novos convertidos. A fé, neste caso, é a «fé objetiva», ou seja, o «ensinamento cristão ortodoxo, interpretado por Paulo», conforme é comum nestas «epístolas pastorais». (Ver I Tim. 1:2. Ver Heb. 11:1 quanto à «fé subjetiva», que consiste da outorga da alma aos cuidados de CRISTO).
6. Em tudo isso está envolvida a «fidelidade» pessoal para com o Senhor. É como se Paulo tivesse dito: «Tenho sido fiel às minhas promessas e ao meu compromisso com ele; tenho feito o seu trabalho e tenho sido seu servo fiel. Tenho transmitido a sua mensagem aos homens, em sua forma original e pura».
«Aqui está a perseverança dos santos, os que guardam os mandamentos de DEUS e a fé em JESUS» (Apo. 14:12). A alusão que temos aqui é à dificuldade de guardar a fé, em oposição contra o anticristo, durante o negro período da Grande Tribulação.
CHAMPLIN, Russell Norman, O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Candeias. Vol. 5. pag. 401-402.
 
3. “O menor dos apóstolos”.
Paulo era um homem de grande cultura
Desmistificando a crença ou “doutrina” de que DEUS só usa pessoas de pouca instrução, o exemplo de Paulo é bem marcante. Era homem de alto conhecimento bíblico e teológico, discípulo de Gamaliel, um dos mestres do judaísmo (At 22.3).
Paulo era um intelectual poliglota. Falava hebraico, por ser judeu e fariseu (At 22.2); por ser cidadão romano (At 22.25), falava latim; suas epístolas foram escritas em grego, o que dá a entender que, sendo um homem culto de sua época, falava a língua helênica; e, como judeu zeloso, certamente, falava o aramaico, que era língua usual, nos meios intelectuais de sua época. Em sua soberania, e segundo seus propósitos divinos, JESUS resolveu contrariar a lógica humana, e chamar um perseguidor do evangelho para ser salvo e fazer dele um apóstolo dos mais destacados entre os que quis escolher.
Enquanto alguns de seus primeiros discípulos, do grupo dos Doze, eram humildes pescadores, de menor grau de instrução, Paulo era um homem intelectual, que haveria de levar o evangelho aos gentios, ou gentes de todas as nações, fora de Israel, inclusive aos “reis” ou governantes de povos estrangeiros. Além dessa característica marcante, em seu ministério, Paulo foi o grande teólogo e intérprete dos evangelhos de CRISTO. Dos 27 livros do Novo Testamento, 13 foram escritos por ele. E ainda resta dúvida se a epístola aos hebreus também foi de sua autoria.
Não foi por acaso que Paulo foi o primeiro apóstolo a levar o evangelho de CRISTO à Europa. Ele foi o grande evangelizador do Império Romano (Rm 15.24,28). Em suas viagens missionárias, levou o evangelho de CRISTO a cidades de Israel, passou pela Turquia, pela Ásia Menor; pregou na Macedônia, na Acaia, na Grécia, centro cultural da Europa, à época; e, em sua última viagem missionária, reviu discípulos nas igrejas que fundara, e terminou em Roma, para onde foi levado preso, e pregou na capital do Império mundial da época. Concluiu sua extraordinária missão, declarando solenemente: “Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé” (2 Tm 4.7).
Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 75-76.
 
«.. .Paulo.. foi como que lançado para fora do ventre, nem bem recebera a fagulha vital...ora, esse seu nascimento prematuro toma a graça de DEUS ainda mais ilustre em Paulo do que se tudo tivesse acontecido pouco a pouco, mediante passos sucessivos, até chegar ele à maturidade em CRISTO». (Calvino, in loc.).
Paulo quis salientar diversas coisas através desse símbolo: Seu aparecimento súbito e aparentemente fora de tempo entre as fileiras apostólicas; sua «imaturidade» por ocasião de seu aparecimento; sua «inferioridade» natural diante dos outros apóstolos, exceto a graça de DEUS; e, no entanto, quão grande é a graça de DEUS que tal pessoa veio a tomar-se, por assim dizer, o principal dentre todos os apóstolos. E foi assim que Paulo completou a lista de testemunhas da ressurreição de CRISTO, aludindo a si mesmo. JESUS foi visto após sua morte, e estava vivo. E isso constitui um fato histórico digno de confiança. Conforme disse Sir William Barrett: «O que quer que os mais humildes homens afirmem, com base em sua própria experiência, isso é digno de ser ouvido; porém, aquilo que até mesmo os homens mais habilidosos negam, em sua ignorância, jamais merece um momento sequer de atenção».
Paulo se considerava bem pouca coisa. As palavras «...o menor dos apóstolos...»nada têm a ver com sua estatura física, ou seu poder espiritual ou suas realizações; porquanto, nessas coisas, ele foi realmente o maior de todos. Por igual modo, isso não se pode referir à sua dedicação, ao seu propósito e à sua espiritualidade genuína, pois, uma vez mais, nessas coisas, ele foi o maior de todos os apóstolos. Mas temos aqui a estimativa humilde em que Paulo tinha a si mesmo, no que concerne ao seu «valor pessoal», que ele poderia ter a fim de merecer tão elevado ofício. Em si mesmo, dificilmente ele era digno de ser ao menos um crente comum e possuir a vida eterna, em JESUS CRISTO, porquanto perseguira miseravelmente à igreja de DEUS. A dor de consciência se mostra clara aqui. Ele aprisionara e assassinara a mulheres e crianças inocentes, entre suas outras vítimas. Não admira, pois, que ele visse a si mesmo como o menor dos apóstolos e que se não fora a graça divina, nem ao menos era digno de ser chamado «apóstolo». (Comparar essa autodepreciação de Paulo com os trechos de Efé. 3:8 e I Tim. 1:15. Quanto às suas perseguições anteriores contra os cristãos, ver as passagens de Atos 8:3; Gál. 1:13 e Fil. 3:6).
Paulo havia dito que era ele qual um «aborto» entre os apóstolos; e essa era outra razão para ter-se em tão pouca conta. Ele empregou aqui o termo grego «ikanos», que é traduzido aqui por «digno». Mas essa não é a mesma palavra grega «aksios», a palavra grega ordinariamente traduzida por «digno». Antes, o termo aqui usado significa «competente», «adequado»
(comparar com II Cor. 2:16). Ele não via qualquer mérito em si mesmo, como explicação de por que DEUS lhe outorgara tão estupenda graça. Contudo, a graça não lhe fora dada em vão, conforme sucede quando o livre arbítrio de um homem teimoso interfere com os planos divinos. Pelo contrário, a vontade de Paulo correspondia aos impulsos divinos; e isso era tudo que o Senhor requeria da parte dele. Seu «aborto» violento, para fora do judaísmo, fora uma necessidade; porque ele fora um destruidor; e, através desse processo, normalmente jamais teria vindo aos pés de CRISTO, e muito menos poderia ter assumido a posição de sua mais importante testemunha.
Todavia, a grande mancha de culpa de sua vida jamais foi olvidada pelo apóstolo Paulo (ver Gál. 1:3; I Tim. 1:12-14 e Atos 26:9). Por igual modo,
não foi eliminado o princípio da colheita segundo a semeadura; porquanto existe uma lei que dita que tudo quanto um homem semear, isso também terá de colher. É o mesmo caso de Davi, o qual, mesmo depois de haver-se arrependido de seus pecados e de ter sido perdoado, teve de sofrer as conseqüências. Paulo ainda teria de pagar pelos erros cometidos. Ele, o grande perseguidor, tornou-se o grande perseguido. Aquele que havia encarcerado a outros, agora era freqüentemente encarcerado. Aquele que havia assassinado a outros, finalmente foi morto. Essa é uma grande lei, que não admite qualquer exceção, até mesmo quando o perdão entra em operação. (Ver Gál. 6:7,8).
«Houve ocasiões em que esse fato terrível (o de ter perseguido a igreja) confrontava a Paulo como um pesadelo. E quem não compreende essa forma de contribuição?» (Robertson, in loc.).
«Embora DEUS o tivesse perdoado, o próprio Paulo dificilmente se perdoaria por seu pecado passado». (Faucett, in loc.).
O trecho de Efé. 3:8 apresenta Paulo a dizer algo ainda mais depreciativo a seu respeito. Lá ele aparece como «...o menor de todos os santos...».
CHAMPLIN, Russell Norman, O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Candeias. Vol. 4. pag. 239-241.
 
I Cor 9.2 Ademais, não falta o ―selo à sua incumbência apostólica: ―Porque o selo de meu apostolado sois vós no Senhor. Como os coríntios podem duvidar da autenticidade de sua incumbência? Nesse caso também deveriam colocar em dúvida a autenticidade de sua condição cristã e sua existência como igreja de JESUS. “Se não sou apóstolo para outros, certamente o sou (pelo menos) para vós” [tradução do autor]. Essa é a sucinta e contundente ―defesa de seu apostolado contra os que se posicionam como juízes contra ele em Corinto.
Werner de Boor. Comentário Esperança Cartas aos I Corinto. Editora Evangélica Esperança.
 
I Cor 9.2 Paulo enfatiza a prova de seu apostolado, dada no primeiro versículo deste capítulo, onde diz que os próprios crentes de Corinto eram uma prova de seu ministério. Quanto a outros, que tão-somente tinham ouvido falar sobre Paulo, mas nunca tinham contemplado o seu poderoso ministério em primeira mão, era possível que se desculpassem por não reconhecer nele o grande homem de DEUS, de fé e poder como ele era. Mas os crentes de Corinto não podiam apresentar essa mesma desculpa. Acima de outros, tinham de reconhecer como CRISTO operava por intermédio dele. Paulo estivera entre aqueles coríntios por nada menos de dezoito meses, isto é, por mais tempo do que estivera entre qualquer outro grupo de pessoas, excetuando Efeso.
«...selo...» Essa era a marca da autenticação, nas culturas antiga e moderna. O «selo» ou «caminho» da autoridade, impresso sobre um documento, é necessário para dar-lhe legalidade. Ora, os labores tão bem sucedidos de Paulo serviam-lhe de selo, de autenticação. Entre esses labores havia o estabelecimento do evangelho na cidade de Corinto. Paulo não poderia ter conseguido tal coisa, a menos que tivesse sido preparado para tanto pelo ESPÍRITO de DEUS. Através do dons espirituais, que resultavam em poderosos sinais e grandes maravilhas, além de uma pregação eloquente e convincente, homens e mulheres ficavam convictos do poder de CRISTO, atuante nesse apóstolo. Nisso consistia o selo autenticador de Paulo.
 
«...mediante os sinais e portentos que ele operara entre eles, como diz Crisóstomo, alicerçado em II Cor. 12:11-13...a conversão era a grande prova». (Alford, in loc.).
De que maneiras eram utilizados esses selos?
1. Servia de sinal de autenticidade e autoridade, como o selo que José recebeu, na qualidade de representante de Faraó.
2. Servia para testificar e confirmar a autenticidade de documentos. (Ver Jer. 32:11-14; Nee. 9:38 e Dan. 9:24).
3. Servia para impedir a leitura de um documento ou livro. Simbolicamente, pois, esse tipo de selo representa algo oculto ou ainda não revelado.
Neste texto, o selo de que Paulo fala servia essencialmente como «autenticação» de seu ministério, como uma «testemunha», como uma confirmação do mesmo.
CHAMPLIN, Russell Norman, O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Candeias. Vol. 4. pag. 131.
 
III - APOSTOLICIDADE ATUAL (Ef 4.11)
1. Ainda há apóstolos?
Aplicamos este termo ao que já vimos no item 1.1, ao “Colégio Apostólico”, ou aos Doze discípulos que foram selecionados por JESUS, e enviados como apóstolos para dar início à Grande Comissão (Mc 16.15). Apóstolos como eles, não existem mais. Eles eram apóstolos no sentido estrito da palavra, e nas circunstâncias em que foram chamados e enviados por JESUS.
1) Estiveram com CRISTO, durante todo o seu ministério terreno.
Os Doze (Observação minha - Ev. Henrique - talvez eram 13 nesta ocasião já que os apóstolos disseram que José e Matias tinham acompanhado o mesmo que eles do ministério de JESUS) aprenderam aos pés de JESUS, o Mestre dos mestres, no mais perfeito curso de evangelização e discipulado que alguém poderia realizar. Próximo à sua morte, JESUS lhes disse: “E vós sois os que tendes permanecido comigo nas minhas tentações” (Lc 22.28). O fato de ter visto a CRISTO não é condição exclusiva, pois Paulo também o viu (1 Co 9.1,2). Mas o terem aceito seu chamado diretamente de sua parte; de terem caminhado durante cerca de três anos, ao seu lado, ouvindo sua palavra, e vendo seus milagres; de terem comido e dormido ao seu lado, muitas vezes sem ter “onde reclinar a cabeça” (Mt 8.20); só os Doze compartilharam momentos tão expressivos da humanidade, bem como da divindade de CRISTO.
2) Eles estiveram com JESUS, após a sua ressurreição
Outros discípulos também estiveram com JESUS, como os do Caminho de Emaús (Lc 24.13-31). Mas os que compartilharam da companhia do Senhor, de modo privado e especial, foram os 11, visto que Judas traiu o Mestre e foi para o seu destino trágico (Observação minha - Ev. Henrique - talvez eram 13 nesta ocasião já que os apóstolos disseram que José e Matias tinham acompanhado o mesmo que eles do ministério de JESUS). “Chegada, pois, a tarde daquele dia, o primeiro da semana, e cerradas as portas onde os discípulos, com medo dos judeus, se tinham ajuntado, chegou JESUS, e pôs-se no meio, e disse-lhes: Paz seja convosco! E, dizendo isso, mostrou-lhes as mãos e o lado. De sorte que os discípulos se alegraram, vendo o Senhor. Disse-lhes, pois, JESUS outra vez: Paz seja convosco! Assim como o Pai me enviou, também eu vos envio a vós” (Jo 20.19-21).
3) Receberam a Grande Comissão
O mandato para evangelizar o mundo é destinado a todos os crentes em JESUS, a toda a Igreja do Senhor. Mas os Doze (Observação minha - Ev. Henrique - talvez eram 13 nesta ocasião já que os apóstolos disseram que José e Matias tinham acompanhado o mesmo que eles do ministério de JESUS) receberam a ordem missionária, diretamente da boca de JESUS (Mc 16.15). JESUS não disse aos Doze que eles fizessem apóstolos, mas sim, discípulos em todas as nações (Mt 28.18-20).
4) Os Doze terão seus nomes nos fundamentos da Nova Jerusalém (Observação minha - Ev. Henrique - Aqui Matias e não Judas)
Esse importante detalhe, registrado no Apocalipse, certamente, constitui argumento mais que suficiente para se entender, que o apostolado especial dos Doze, que constituíam o Colégio Apostólico, não é repetido em nenhuma fase da História da Igreja. João viu esse singular privilégio, concedido unicamente aos que seguiram JESUS, durante o seu ministério terreno (Ap 21.12-14).
Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 77-78.
 
ERA APOSTÓLICA, A época que tem início a partir do Pentecostes (aprox. 30 d.C.) até a morte do apóstolo João (aprox. 100 d.C.) é aquela em que os apóstolos estavam exercendo a sua influência entre as igrejas. Esta era prontamente se divide nos períodos pré-paulino (aprox. 30-40 d.C), paulino (aprox. 40-67 d.C.) e pós-paulino (aprox. 67-100 d.C). Durante o primeiro período, o cristianismo esteve grandemente confinado a Jerusalém e ao povo judeu. Não houve nenhuma tentativa de fazer um rompimento definitivo com o judaísmo até então. A vida da igreja foi marcada pela simplicidade, pureza e poder. No período paulino ocorreu uma transição de uma igreja judaica para gentio-judaica com uma expansão correspondente ao tamanho do império. Vários problemas começaram a tomar forma, tais como a perversão judaística na Galácia, irregularidades em Corinto e a heresia em Colossos. A principal figura do período pós-paulino foi o apóstolo João, cuja morte trouxe o final da Era Apostólica (Observação minha - Ev. Henrique - dos doze). Nesta época, o cristianismo havia sido firmemente plantado em todas as terras de Jerusalém a Roma (Observação minha - Ev. Henrique - agora com os apóstolos do ministério referidos por Paulo em Ef 4.11).
PFEIFFER .Charles F. Dicionário Bíblico Wycliffe. Editora CPAD. pag. 161.
 
Obs. Minha – Luiz Henrique – Note que mesmo João estando vivo na época de Paulo, muitos foram chamados de apóstolos, claro que apóstolos como ministério e não como os doze.
 
Temos aqui as promessas de CRISTO aos discípulos e a todos aqueles que trilham nos caminhos da fé e da obediência.
(1) Para seus seguidores imediatos (v. 28). o Senhor promete não apenas tesouros, mas glória no céu; e aqui eles têm uma concessão ou privilégio sobre isso, daquele que é a fonte da glória naquele reino: “Vós, que me seguistes... na regeneração... vos assentareis sobre doze tronos”. Observe:
[1] Os discípulos haviam seguido a CRISTO quando a igreja ainda estava no estágio embrionário, quando o templo do Evangelho não tinha mais do que colunas, quando tinham mais do trabalho e ocupação de apóstolos do que da dignidade e do poder que pertenciam ao seu cargo.
[2] O dia de sua honra, que define a hora inicial. Não imediatamente após aqueles dias. Não. Eles devem permanecer por algum tempo na obscuridade, como estavam. Mas quando “o Filho do Homem se assentar no trono da sua glória”; e a isso alguns se referem como: “ na regeneração” - A segunda vinda de CRISTO será uma regeneração, pois haverá novos céus e uma nova terra, bem como a restauração de todas as coisas. Todos aqueles que tiverem parte na regeneração e na graça (Jo 3.3) terão parte na regeneração que ocorrerá em glória; pois assim como a graça é a primeira ressurreição (Ap 20.6), a glória é a segunda regeneração.
[3] A própria glória aqui assegurada: “Vos assentareis sobre doze tronos, para julgar as doze tribos de Israel”.
A glória e o poder que lhes são conferidos podem ser explicados através de Jeremias 1.10: “Ponho-te neste dia sobre as nações e sobre os reinos”; Ezequiel 20.4: “Julgá-los-ias tu”?; Daniel 7.18: “Os santos receberão o reino”; e Apocalipse 12.1, onde a doutrina de CRISTO é chamada de “uma coroa de doze estrelas”.
O propósito geral dessa promessa é mostrar a glória e a dignidade que estão reservadas aos santos no céu, o que será uma abundante recompensa pela desonra que sofreram aqui pela causa de CRISTO.
[4] A ratificação desse privilégio. Ele é permanente, é inviolável e imutavelmente garantido, pois CRISTO disse, em outras palavras: “Em verdade vos digo: Eu sou ‘o Amém, a testemunha fiel e verdadeira’, que tem o poder de dar este privilégio; Eu o disse, e isto não pode ser revogado”.
HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento MATEUS A JOÃO Edição completa. Editora CPAD. pag. 250-251.
 
Mt 19.28 — Os apóstolos jamais se esqueceram da promessa de JESUS sobre o lugar que ocupariam no Seu Reino; isso era algo que ainda estava muito vivo na mente deles em Atos 1.15-26.
EarI D. Radmacher: Ronald B. Allen: H. Wayne House. O Novo Comentário Bíblico Novo Testamento com recursos adicionais. Editora Central Gospel. pag. 58-59.
 
2. Apóstolos fora dos doze.
Já ressaltamos o envio dos “setenta” discípulos, que, sendo enviados, de dois em dois, cumpriram o papel de apóstolos. Mas, além deles, o Novo Testamento também cita outros exemplos de apóstolos, como Paulo, que se considerou a si mesmo “o menor dos apóstolos” por ter perseguido “a igreja de DEUS” (1 Co.15.9; Rm 1.1; 2 Co 1.1); ele viu a JESUS CRISTO (1 Co 9.1). Barnabé também foi reconhecido como apóstolo (At 14.14). Havia “outros apóstolos”, a que Paulo se referia em sua carta aos romanos (Rm 16.7) e em outras epístolas (G1 1.19; 1 Ts 2.6,7).
(Observação minha - Ev. Henrique - Podemos incluir aqui Timóteo, Tito, Marcos, Epafrodito, Silvano, Júnias, Andrônico, Apolo e Filipe).
 
1) A liderança dos apóstolos
Segundo o comentário da Bíblia de Estudo Pentecostal, os apóstolos “Eram homens de reconhecida e destacada liderança espiritual, ungidos com poder para defrontar-se com os poderes das trevas e confirmar o Evangelho com milagres. Cuidavam do estabelecimento de igrejas, segundo a verdade e pureza apostólicas”. Eles tinham a mensagem “original” de CRISTO.
 
2) A itinerância dos apóstolos
Diz, ainda, a Bíblia de Estudo Pentecostal que os apóstolos “Eram servos itinerantes que arriscavam suas vidas em favor do nome de nosso Senhor JESUS CRISTO e da propagação do evangelho (At 11.21-26; 13.50; 14.19-22; 15;25,26).São “presidentes” de igrejas, radicados e estabelecidos em domínios eclesiásticos bem característicos. Um verdadeiro apóstolo de CRISTO deve ser, antes de tudo, um servo ou um servidor e não alguém em grau de superioridade.
 
3) A ordem de fazer discípulos
A expressão “ensinai todas as nações”, no texto bíblico original (Mt 28.19), escrito em grego, tem o sentido de fazer discípulos. A tradução mais aproximada seria “ide, fazei discípulos em todas as nações”. “O propósito da Grande Comissão é fazer discípulos que observarão os mandamentos de CRISTO. Este é o único imperativo direto no texto original deste versículo”. De modo mais didático e direto, lemos, na Bíblia de Estudo Palavras-Chave sobre o versículo de Mt 28.19: “3.100 (mathêteuo), intransitivo, tornar-se um aluno, transitivo, ser discípulo, i.e., inscrever-se como estudante:  ser discípulo, instruir, ensinar. O termo correlato, mathetês (3101), “discípulo. Ser discípulo de alguém (Mt 27.57); treinar como discípulo, ensinar, instruir; por exemplo, a Grande Comissão (Mt 28.19). Também Mateus 13.52; Atos 14.21”.5 (grifos nossos).
Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 78-80.
 
também um sentido não-técnico, secundário, da palavra «apóstolo». Trata-se de uma significação mais lata, em que o termo foi aplicado a muitas outras pessoas, nas páginas do N.T. Esse sentido secundário dá a entender essencialmente «missionários», enviados dotados de poder e autoridade especiais. Foi assim que Barnabé é aqui incluído como um «apóstolo», juntamente com Paulo. A palavra «apóstolo» significa enviado, pelo que também pode ter grande gama de aplicações, enquanto não é utilizada em algum sentido técnico, para indicar o ofício especial do apostolado, conforme foi instituído pelo Senhor JESUS. O apóstolo Paulo aplica essa palavra a Tiago, irmão do Senhor (ver Gál. 1:19), a Epafrodito (ver Fil. 2:25), por ser mensageiro da igreja em Filipos, a Silvano e a Timóteo (ver I Tes. 2:6 e Atos 18:5), e, possivelmente também a Apolo (I Cor. 4:9), a Andrônico e a Júnias (ver Rom. 16:6). Os próprios «judaizantes» foram chamados «falsos apóstolos», pelo mesmo Paulo, o que demonstra a grande flexibilidade desse vocábulo, quando usado em seu sentido mais amplo (ver II Cor. 11:13).
CHAMPLIN, Russell Norman, O Novo Testamento Interpretado versículo por versículo. Editora Candeias. Vol. 3. pag. 288.
 
Lucas introduz a palavra apóstolos. Um estudo de Atos revela que Lucas emprega o termo consistentemente em relação aos doze apóstolos e somente duas vezes (vs. 4,14) em referência a Paulo e Barnabé. Os Doze, tendo Pedro como seu cabeça, são portadores e guardiães do evangelho de CRISTO em Jerusalém (8.1,14). Os próximos na ordem a reclamar o título são Paulo e Barnabé, que foram comissionados pela igreja em Antioquia para proclamar o evangelho aos gentios (13.1-3).
E por fim, num sentido mais abrangente, Paulo menciona Andrônico e Júnias, que são pregadores do evangelho e reconhecidos pelas igrejas como apóstolos (Rm 16.7).
Embora em Atos, Lucas duas vezes designe Paulo como apóstolo, ele registra três vezes o seu chamado e comissionamento para ser apóstolo aos gentios (9.1-19; 22.1-21; 26.2-18). E mais, JESUS diz que Paulo é seu instrumento escolhido para levar seu nome perante os gentios e reis (9.15). JESUS o envia como apóstolo (22.21; 26.16,17; a palavra deriva do verbo grego [eu envio].
Apesar de Paulo não ter seguido JESUS desde o tempo de João Batista até a ascensão de CRISTO, os Doze o aceitaram como um apóstolo. Como Lucas retrata Paulo?
“O quadro pintado por Atos não é o de que Paulo não fosse um apóstolo, porém que ele era um apóstolo singular, o que está de acordo com o relato do próprio Paulo (1Co 9.1-3; 15.5-9; Gl 1.12-17).” E por fim, Paulo indiretamente, chama Barnabé de apóstolo (1Co 9.6; Gl 2.9,10).
William Hendriksen. Comentário do Novo Testamento. Editora Cultura Cristã. pag. 18-19.
 
3. O ministério apostólico atual.
Como demonstrado, o ministério dos Doze, ou do colégio apostólico, não se repete. Nenhum dos Setenta, nem qualquer dos apóstolos da Igreja Primitiva; ou dos tempos antigos, modernos, atuais, ou futuros, jamais terá seu nome nos fundamentos da Nova Jerusalém. Aqueles Doze foram únicos. Não há sucessão apostólica, como entende a Igreja Católica. Referindo-se aos apóstolos de JESUS, no sentido especial, a Bíblia de Estudo Pentecostal diz: “O ministério de apóstolo nesse sentido restrito é exclusivo, e dele não há repetição. Os apóstolos originais do Novo Testamento não têm sucessores”.
Atualmente, o que podemos ver como ministério de caráter apostólico, é o trabalho dos missionários, quando são enviados para desbravar campos, em países de povos não alcançados pelo evangelho de CRISTO.
Paulo ensina que JESUS, depois de subir ao alto e levar “cativo o cativeiro”, “deu dons aos homens”. Observando o texto bíblico, de Efésios 4.11, lemos: “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de CRISTO” (Ef 4.11,12). Esses “homens-dons”, concedidos por DEUS e seus ofícios ou ministérios, têm por finalidade alcançar a “unidade do ESPÍRITO” (Ef 4.3), visando “o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério” e a “edificação do corpo de CRISTO”.
O ministério de caráter apostólico deve ser desenvolvido, na atualidade, ao lado dos demais ministérios, indispensáveis à unidade e à edificação do corpo de CRISTO.
Homens como John Wesley, William Carey, cognominado “pai das missões modernas”; Adoniran Judson, Hudson Taylor, D. L. Moody, Jorge Müller, Smith Wigglesworth, Gunnar Vingren, Daniel Berg, Richard Wurmbrand, e tantos outros, em tempos mais recentes, podem ser considerados verdadeiros apóstolos de JESUS. São homens que expuseram suas vidas para levar a mensagem do evangelho aos mais longínquos lugares do mundo.
Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 80-81. 
 
Questionário da Lição 6 - O Ministério de Apóstolo
Responda conforme a revista da CPAD do 2º Trimestre de 2014 - Para jovens e adultos
Tema: Dons Espirituais e Ministeriais - Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário
Complete os espaços vazios e marque com "V "as respostas verdadeiras e com "F "as falsas
 
TEXTO ÁUREO
1- Complete:
"E ele mesmo deu uns para __________________________, e outros para __________________________, e outros para evangelistas, e outros para pastores e __________________________" (Ef 4.11).
 
VERDADE PRÁTICA
2- Complete:
O dom do __________________________ foi concedido por DEUS à __________________________ com o propósito de __________________________ o Evangelho de CRISTO.
 
INTRODUÇÃO
3- Qual o objetivo de JESUS ao dar à igreja os ministérios?
(    ) Desenvolver o caráter cristão da comunidade dos santos, tornando-o semelhante ao de Paulo.
(    ) Desenvolver o caráter cristão da comunidade dos santos, tornando-o semelhante ao de Pedro.
(    ) Desenvolver o caráter cristão da comunidade dos santos, tornando-o semelhante ao de CRISTO.
 
I. O COLÉGIO APOSTÓLICO
4- Qual o significado do termo "apóstolo"?
(    ) O Dicionário Bíblico Wycliffe informa que o termo grego apostolos origina-se do verbo apostellein, que significa "enviar", "remeter".
(    ) O Dicionário Bíblico Wycliffe informa que o termo grego apostolos origina-se do verbo apostellein, que significa "viajar", "visitar".
(    ) A palavra apóstolo significa "aquele que é enviado", "mensageiro", "oficialmente comissionado por CRISTO".
(    ) Ao longo do Novo Testamento, o verdadeiro apóstolo é enviado por CRISTO igualmente como o Filho foi enviado pelo Pai com a missão de salvar o pecador com autoridade, poder, graça e amor.
(    ) O verdadeiro apostolado baseia-se na pessoa e obra de JESUS, o Apóstolo por excelência.
 
5- O que se entende por colégio apostólico?
(    ) Entende-se por colégio apostólico o grupo dos doze primeiros discípulos de JESUS, sendo Paulo o décimo segundo, convidados por Ele a auxiliarem o seu ministério terreno. O Salvador os separou e nomeou.
(    ) Entende-se por colégio apostólico o grupo dos doze primeiros discípulos de JESUS convidados por Ele a auxiliarem o seu ministério terreno. O Salvador os separou e nomeou.
(    ) Os primeiros escolhidos não eram homens perfeitos, mas foram vocacionados a levar a mensagem do Evangelho a todo o mundo.
(    ) De acordo com Stanley Horton, eles foram habilitados a exercer "o ministério quando do estabelecimento da Igreja".
(    ) Os doze apóstolos constituíram a base ministerial para o desenvolvimento e a expansão da Igreja no mundo.
(    ) Antes, como nos mostra a Palavra de DEUS, receberam o batismo com o ESPÍRITO SANTO.
 
6- Sobre a singularidade dos doze, é importante ressaltar que o apostolado dos doze tem uma conotação bem singular em relação aos demais encontrados em Atos e também nas epístolas paulinas. Complete:
a) Eles foram convocados __________________________ pelo Senhor.
Multidões seguiam JESUS por onde Ele passava (Mt 4.25), e muitos se tornavam __________________________ do Mestre. Mas para iniciar o trabalho da Grande Comissão, apenas __________________________ foram convocados pessoalmente por Ele (Mt 10.1; Lc 6.13).
b) __________________________ com JESUS durante todo o seu __________________________. Desde o __________________________ do Senhor até a crucificação, os doze andaram com o Mestre, aprenderam e conviveram com Ele (Mc 6.7; Jo 6.66-71; At 1.21-23).
c) Receberam __________________________ do Senhor (Jo 20.21-23). Os doze receberam de JESUS um mandato especial para prosseguirem com a obra de __________________________. Eles foram revestidos de __________________________ de DEUS para expulsar os demônios, curar os enfermos e pregar o Evangelho à humanidade (Mc 16.17,18; cf. At 2.4). 
 
II. O APÓSTOLO PAULO
7- Como foi o chamado de Saulo e sua conversão?
(    ) Saulo foi um judeu de cidadania romana, educado "aos pés de Hillel", e também um importante mestre do judaísmo.
(    ) Saulo foi um judeu de cidadania romana, educado "aos pés de Gamaliel", e também um importante mestre do judaísmo.
(    ) Ele era intelectual, fariseu e foi perseguidor dos cristãos.
(    ) A caminho de Damasco, em busca dos cristãos que haviam fugido devido à perseguição em Jerusalém, e com carta de autorização para prendê-los, Saulo teve uma experiência com o CRISTO ressurreto.
(    ) A sua vida foi inteiramente transformada a partir desse encontro pessoal com JESUS.
(    ) De perseguidor, passou a perseguido; de Saulo, o fariseu, a Paulo, o apóstolo dos gentios.
 
8- Qual o legado de Paulo à igreja de CRISTO?
(    ) Dos vinte sete livros do Novo Testamento, Doze foram escritos pelo apóstolo Paulo.
(    ) Dos vinte sete livros do Novo Testamento, treze foram escritos pelo apóstolo Paulo.
(    ) Quão grande tratado teológico encontramos em sua Epístola aos Romanos!
(    ) Para além da intelectualidade teológica, o apóstolo dos gentios levou uma vida de sofrimento por causa da pregação do CRISTO ressurreto.
(    ) Eis a declaração apostólica que denota tal verdade: "Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé" (2 Tm 4.7).
 
9- Qual a prova do ministério apostólico do “menor dos apóstolos"?
(    ) O apóstolo Paulo pertencia ao colégio dos doze.
(    ) O apóstolo Paulo não pertencia ao colégio dos doze.
(    ) O apóstolo Paulo não andou com JESUS em seu ministério terreno nem testemunhou a ressurreição do Senhor - requisitos indispensáveis para o grupo dos doze (At 1.21-23).
(    ) Humildemente, o apóstolo Paulo reconheceu que não merecia ser assim chamado, pois considerava-se um "abortivo", como que nascido fora de tempo, o menor de todos (1 Co 15.8,9).
(    ) O Senhor se revelou a ele ressurreto (At 9.4,5) e ensinou-lhe todas as coisas.
(    ) O apóstolo recebeu o Evangelho diretamente do Senhor (Gl 1.6-24; 1 Co 11.23).
(    ) Embora o colégio apostólico tenha reconhecido o apostolado paulino (Gl 2.6-10; 2 Pe 3.14-16), as igrejas plantadas por ele eram o selo do seu ministério apostólico (1 Co 9.2).
 
III. APOSTOLICIDADE ATUAL (Ef 4.11)
10- Ainda há apóstolos como os primeiros escolhidos por CRISTO, em pessoa?
(    ) No sentido estrito do termo, e de acordo com a sua singularidade, apóstolos como os doze ainda podem existir.
(    ) No sentido estrito do termo, e de acordo com a sua singularidade, apóstolos como os doze não mais existem.
(    ) A Palavra de DEUS diz que durante o milênio, os doze se assentarão sobre tronos para julgar as doze tribos de Israel (Mt 19.28).
(    ) Os seus nomes também estarão registrados nos doze fundamentos da cidade santa (Ap 21.12-14).
(    ) O colégio apostólico foi formado por um grupo limitado de discípulos, não havendo, portanto, uma sucessão apostólica.  
 
11- Ainda existem apóstolos fora dos doze que foram escolhidos pessoalmente por JESUS?
(    ) A carta aos Efésios apresenta a caduquez (não existência mais) do ministério de apóstolo.
(    ) A carta aos Efésios apresenta a vigência do dom ministerial de apóstolo.
(    ) O teólogo Stanley Horton informa-nos que "o Novo Testamento indica que havia outros apóstolos que também haviam sido dados como dons à Igreja.
(    ) Entre os apóstolos que não foram chamados por JESUS em pessoa se achavam Paulo e Barnabé (At 14.4,14), bem como os parentes de Paulo, Andrônico e Júnia (Rm 16.7)".
(    ) Ao longo do Novo Testamento, e no primeiro século da Igreja, o termo apóstolo recebeu um significado mais amplo, de um dom ministerial distribuído à igreja local (Dicionário Vine).  
 
12- Complete segundo o ministério apostólico atual:
(    ) Não há sucessão apostólica como a que JESUS em pessoa fundou.
(    ) O ministério dos doze é atual.
(    ) O ministério dos doze não se repete mais.
(    ) Atualmente, missionários enviados para evangelizar povos não alcançados pelo Evangelho são dignos de serem reconhecidos como verdadeiros apóstolos de CRISTO.
(    ) Homens como John Wesley, William Carey (cognominado "pai das missões modernas"), Hudson Taylor,  D. L. Moody, Gunnar Vingren, Daniel Berg, "irmão André" e tantos outros, em tempos recentes, foram verdadeiros desbravadores apostólicos.
(    ) Cidades e até países foram impactados pela instrumentalidade desses servos de DEUS.
 
CONCLUSÃO
13- Complete:
Nos moldes do __________________________ dos doze, o ministério apostólico não existe atualmente. Entretanto, o dom ministerial de __________________________ citado por Paulo em Efésios 4.11 está em plena vigência. Pastores experimentados, evangelistas e missionários que __________________________ os rincões do nosso país ou em países inimigos do Evangelho, são pessoas portadoras desse __________________________ ministerial. São os verdadeiros apóstolos da Igreja de CRISTO hoje.
 
RESPOSTAS DO QUESTIONÁRIO EM http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm 
 
Referências Bibliográficas
BERGSTÉN, Eurico. Introdução à Teologia Sistemática. Rio de Janeiro: CPAD, 1999.
Bíblia de estudo - Aplicação Pessoal.
Bíblia de Estudo Almeida. Revista e Atualizada. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2006.
Bíblia de Estudo Palavras-Chave Hebraico e Grego. Texto bíblico Almeida Revista e Corrigida.
Bíblia de Estudo Pentecostal. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida, com referências e algumas variantes. Revista e Corrigida, Edição de 1995, Flórida- EUA: CPAD, 1999.
BÍBLIA ILUMINA EM CD - BÍBLIA de Estudo NVI EM CD - BÍBLIA Thompson EM CD.
CHAMPLIN, R.N. O Novo e o Antigo Testamento Interpretado versículo por Versículo. (CPAD)
CHOWN, Gordon. Os dons do ESPÍRITO SANTO. São Paulo: Vida, 2002.
CONDE, Emílio. Pentecoste para todos. 6ª ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1985.
Corrigida, 4ª ed., 2009. Rio de Janeiro: CPAD, 2011.
CPAD - http://www.cpad.com.br/ - Bíblias, CD'S, DVD'S, Livros e Revistas. BEP - Bíblia de Estudos Pentecostal.
DAVIDSON. F. Novo Comentário da Bíblia. Êxodo. pag. 2.
Dicionário Bíblico Wycliffe - Charles F. Pfeiffer, Howard F. Vos, João Rea - CPAD.
Dicionário Vine antigo e novo testamentos - CPAD.
Donald S. Metz. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 8. pag. 267.
Eberhard Hahn. Comentário Esperança Efésios. Editora Evangélica Esperança.
Elinaldo Renovato. Dons espirituais & Ministeriais Servindo a DEUS e aos homens com poder extraordinário. Editora CPAD. pag. 30-31.
Ênio R. Mueller. I Pedro. Introdução e Comentário. Editora Vida Nova. pag. 238-243.
Francis Foulkes. Efésios. Introdução e Comentário. Editora Vida Nova. pag. 72-73.
GEE, Donald. Acerca dos dons espirituais. 5ª ed. Pindamonhangaba, SP: IBAD, 1985.
GILBERTO, Antonio. Verdades pentecostais. Rio de Janeiro: CPAD, 2006.
HENRY. Matthew. Comentário Matthew Henry Novo Testamento ATOS A APOCALIPSE Edição completa. Editora CPAD. pag. 585.
HORTON, Stanley M. A Doutrina do ESPÍRITO SANTO no Antigo e Novo Testamento. 12. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2012.
HORTON, Stanley M. O que a Bíblia diz sobre o ESPÍRITO SANTO. 5ª ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1999.
James, por Hendrickson Publishers - Edição Contemporânea, da Editora Vida, Traduzido pelo Rev. Oswaldo Ramos.
KRETZMANN. Paul E. Comentário Popular da Bíblia Novo Testamento Editora Concordia Publishing House.
Leo G. Cox. Comentário Bíblico Beacon. Editora CPAD. Vol. 1. pag. 141.
Novo Testamento Interlinear grego-português. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2004.
O NOVO DICIONÁRIO DA BÍBLIA – Edições Vida Nova – J. D. Douglas
Pequena Enciclopédia Bíblica - Orlando Boyer - CPAD
SILVA, Severino Pedro. A Existência e a pessoa do ESPÍRITO SANTO. Rio de Janeiro: CPAD, 1996.
SOUZA, Estevam Ângelo de. Nos domínios do ESPÍRITO. 4ª ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1998.
STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD
Uwe Holmer. Comentário Esperança Cartas aos I Pedro. Editora Evangélica Esperança.
VÍDEOS da EBD na TV, DE LIÇÃO INCLUSIVE - http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/videosebdnatv.htm
www.ebdweb.com.br
www.escoladominical.net
www.gospelbook.net
www.portalebd.org.br/
http://estudaalicaoebd.blogspot.com.br/ - Pb Alessandro Silva
 
 
Home
Estudos
EBD
Discipulado
Mapas
Igreja
Ervália
Corinhos
Figuras1
Figuras2
Vídeos
Fotos