A natureza Ativa da Nova Criatura

A natureza Ativa da Nova Criatura

Citações extraídas do tratado de Stephen Charnock sobre a natureza da Regeneração, traduzidas e adaptadas pelo Pr Silvio Dutra. 

(Nota do tradutor: Alguém disse com propriedade que a vida cristã é pró-ativa, e de fato o é, em razão da natureza da nova natureza espiritual e celestial que recebemos pela fé em Cristo, a qual é sempre ativa e não passiva, e, portanto se reflete em toda uma dinâmica quanto às nossas transformações pessoais bem como quanto à toda nossa nova forma de pensar e de agir. Todavia, esta atividade espiritual promovida e operada pelo Espírito Santo não deve ser confundida com o mero ativismo que geralmente está fundado nas volições de nossa antiga natureza terrena, a qual é decaída no pecado. Assim, os tratados e sermões escritos por Stephen Charnock sobre a regeneração pelo Espírito Santo, muito nos ajudam a compreender todos os detalhes que abrangem o referido assunto.) 

“Portanto, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.” (2 Coríntios 5.17) 

A Nova Criatura em Cristo está sempre em atividade de movimento. Uma vez que é uma vida infundida por atividade infinita, uma vez que é um hábito que carrega a impressão de Deus, e mantido por uma união com ele, é impossível que ela possa ser sonolenta e sem brilho de uma forma constante. Toda vida tem movimento próprio para o princípio que a rege: a vida racional é atendida com ações racionais; a vida sensível, com os atos apropriados aos sentidos. É tão impossível, então, que uma vida espiritual deveria existir sem atuar consoante a isto, assim como que o sol deveria aparecer no firmamento sem lançar adiante seus raios de luz. 

Toda vida é acompanhada de calor natural, para que o corpo seja ativado por um movimento vigoroso. A nova criatura não é uma estátua de mármore ou uma peça de cristal transparente, que tem pureza, mas não a vida. Isto é um espírito vivo e, portanto, ativo; um espírito puro, e, portanto, puramente ativo, de acordo com o grau desta pureza. 

Isto é o mesmo hábito, em parte renovado, que Adão tinha pela criação, o qual não era um princípio lento e pesado; e deveria, portanto, ter uma atividade, e não poderia mais ser um princípio adequado para conflitar com o princípio contrário, o qual é ativo como o mar, expulsando lama e sujeira. Desde que o velho Adão transmitiu um princípio tão vigoroso de corrupção, o novo Adão – Cristo – transmite-nos um princípio muito mais vigoroso para exterminar a corrupção e gerar santidade. A graça abunda em seu vigor, assim como o pecado abundou no seu gênero, Romanos 5.20. Após a chamada de Cristo, Mateus deixou seu antigo costume; os outros apóstolos as suas redes - movimento sempre segue uma chamada vivificante de Deus. É primeiro um hábito, em seguida, um ato; primeiro um "espírito de graça e de súplicas", então um “olhar para aquele, a quem traspassaram", por um ato de sua compreensão. Primeiro, uma "santificação do espírito", em seguida, uma "crença na verdade," para a obtenção de glória, 2 Tessalonicenses 2.13.

O princípio que rege a nova criatura é naturalmente ativo. Todos os movimentos vitais são naturais ao tipo de natureza que corresponde aos mesmos. É tão natural para este novo hábito produzir novas ações, como para qualquer coisa para gerar de acordo com sua própria imagem e espécie, como para uma árvore viva dar folhas e frutos. Um homem renovado, cuja semente está dentro de si mesmo, produz fruto segundo a sua espécie, bem como as ervas e as árvores, Gênesis 1.12. O espinheiro, não mais naturalmente produzirá espinhos, do que um hábito do pecado produzirá ações pecaminosas.

Por que deveria a obra de Deus ser mais inapta para o seu fim adequado, do que a mão de obra do diabo, uma vez que as boas obras são o fim da nossa nova criação por Deus, para que andássemos nelas? Andar é um movimento natural: Efésios 2.10. “Nós somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras." Uma videira não mais naturalmente produz uvas, do que uma alma enraizada em Cristo produz os frutos do espírito; nem o sol mais naturalmente ilumina o mundo com os seus raios de luz, do que a nova criatura aponta seus desejos e afetos para Deus; uma vez que este hábito deve tender para ele, uma vez que é plantado por ele.

Os serviços da nova criatura são a sua comida e bebida, não a sua obra; isto é tão natural para ele fazê-lo, como para uma criatura desejar e tomar seu próprio alimento.

A nova criatura, por possuir uma natureza reta, não pode deixar de fazer as coisas justas; nada pode agir contra a sua natureza, enquanto a natureza é ordenada, e não perturbada por alguma doença ou frenesi. Como Deus, cuja imagem um homem regenerado carrega, não pode deixar de fazer o bem, porque a sua natureza é bondade: Romanos 5.2"Como pode você que está morto para o pecado, ainda viver nele?" Ele não pode mais naturalmente fazer isso do que um homem morto pode andar. Não, mas existem alguns erros, por vezes, que não procedem da natureza, mas de algum temperamento obstrutor. A natureza não erra em seu curso correto, a menos que seja impedida por algum adversário; os erros de homens renovados estão sujeitos a prosseguir não do princípio da regeneração em si, mas a partir daqueles resquícios de corrupção que por graus são enfraquecidos por outro, e, finalmente, totalmente removidos.

O princípio que opera na nova natureza é voluntariamente ativo. Há uma espécie de necessidade natural de movimento de vida e hábito, mas também uma escolha voluntária, é um poder que constrange e inclina a vontade: Salmo 110.8. O apóstolo nos diz que havia uma "necessidade colocada sobre ele para pregar o Evangelho," 1 Coríntios 9.16, e isto não era uma compulsão, mas um ato voluntário, após sua vontade ter sido transformada. A nova criatura não é restringida de fora, mas flui livremente, não é forçada; o principal trabalho é sobre a vontade, o efeito adequado de qualquer trabalho sobre a vontade é voluntariedade. O Espírito trabalha para torná-lo disposto; seu mover, então, não é por obrigação: há uma necessidade doce da nova natureza, e uma escolha graciosa de vontade, que se encontram e se beijam; isto é uma necessidade natural, e não coercitiva. Quão livremente a alma, voando com graça, move-se para Deus e por Deus, como um pássaro no ar! Com que espírito livre e pronto nova criatura vai para a oração, leitura e audição da Palavra! Quão livremente ela respira o ar do céu, assim como o nosso corpo respira o ar atmosférico! 

Assim que é muito difícil para a alma, tendo este espírito real, omitir as coisas adequadas a este quadro, como é para um legalista o praticá-las. Portanto onde há omissões frequentes de dever, ou um embotamento constante nele, isto mostra a ausência deste quadro real em consequência de não sermos lavados de nossos pecados no sangue de Cristo. Há tal natureza e tal escolha, que, é como diz o apóstolo, 2 Coríntios 13.8: “Não podemos fazer nada contra a verdade, senão a favor da verdade.” Assim, a nova criatura não pode deixar de fazer as coisas que são santas, justas e boas.

A nova natureza é também fervorosamente ativa. Quanto mais espiritual a qualidade, mais vigoroso é o efeito. Tanto a espiritualidade do princípio, a excelência do objeto, e o afeto dirigido ao fim, conspiram juntos para aumentar esta atividade. O princípio é espiritualmente vital; por conseguinte, a operação é vigorosa: o objeto é Deus como amável; então o zelo é o mais fervoroso, e os atos são movidos por se amar a Deus e confiar nele e depender dele, promovendo o seu reino no coração, agindo para o fim da glória de Deus. 

Há um princípio inato em tudo para preservar a sua própria felicidade; isto é tão natural como a própria vida. Há na nova criatura um impulso e vigor instalados na alma para fazer o bem. 

Isto é um batismo de fogo e com água. O Espírito é primeiro como a água, lavando-nos de nossa imundície; em seguida, como o fogo, vivificando-nos com graça: "Eu vos batizo com água, ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo".

A Nova Criatura é chamada espírito: João 3.6, "O que é nascido do Espírito é espírito”.

A nova criatura não é limitada – ela não conhece limites. Ela não é limitada em seus afetos por Deus, assim como Ele não é limitado em Seu afeto por ela. Os desejos desta nova criatura são tão grandes quanto a sua natureza. A atividade natural da alma transborda, como um rio transborda em todas as suas margens, uma vez que é possuída por um hábito espiritual. 

A nova criatura resiste às tentações da carne e do mundo, para fazer do seu caminho para o seio de Deus, o centro de seu descanso, e as margens sem limites de sua alma. 

A nova natureza é poderosamente ativa. Não existe apenas uma afeição sem limites, mas há um poder inerente a este hábito para permitir que a alma atue em todos os hábitos de santidade. Por isso é chamado de “fortalecido no homem interior",Efésios 3.16; e um "espírito de poder”, 2 Timóteo 1.7. O poder em relação à nova natureza é implantado por uma causa maior do que todos os hábitos morais, pelo próprio Espírito de Deus, para que seja capaz de fazer mais do que qualquer natureza moral seja capaz de fazer; e sendo mais excelente do que a natureza moral, deve produzir mais excelentes operações. Jesus Cristo foi designado para ser um Espírito vivificador, para transmitir uma vida poderosa, para nos permitir viver para Deus. "O reino de Deus” no coração, bem como no mundo, "não consiste em palavras, mas em poder", 2 Coríntios 1.20.

Por natureza somos "sem força", Romanos 5.6, pela falta da vida celestial e espiritual, Efésios 2.1. Mas na renovação há força transmitida em conjunto com a vida, uma capacidade de andar nos estatutos de Deus; a fraqueza da alma é feita forte; e a graça interior, em concordância com as fontes do Espírito, é suficiente para isso. 

A nova natureza possui uma atividade permanente. Há nela uma fonte de movimento perpétuo. O princípio é permanente, por uma unção operante, I João 2.27, que é apoiada e assegurada pelo penhor do Espírito no coração, onde este habita.

É uma fonte de água viva que salta para a vida eterna, João 4.14; é perpetuamente ativa até que seja absorvida na glória, como os rios no mar. 

 

Por: Silvio Dutra
Igreja Orgânica de Jesus na Abolição - Rio de Janeiro - RJ
25dutra@gmail.com