Submissão

Submissão

Não há palavra que gere mais aversão ao homem natural do que esta – submissão.

A razão disso reside no fato de que o homem é rebelde por natureza em seu estado pecaminoso, cuja raiz é a rebelião, que foi a causa principal da queda do próprio satanás e dos anjos que perderam o estado de glória original que possuíam no céu.

Esta rebelião se caracteriza pela rejeição e resistência a qualquer forma de governo, ainda que seja de Deus, ou daqueles aos quais Ele tem dado o poder de governar, sendo autoridades instituídas por Ele para manter a ordem e a justiça na Terra.

A natureza terrena do homem decaída no pecado possui o pendor de fazer e impor a própria vontade, e não atender e fazer com prazer a vontade de outros. Todavia, sem submissão não pode haver ordem, quer no universo material, quer no moral e espiritual.

Há uma lei natural de governo e obediência que rege não somente a criatura, como também podemos vê-la na própria Trindade Divina, onde Jesus é submisso a Deus Pai, e o Espírito Santo submisso a ambos. Todavia, tanto Jesus quanto o Espírito Santo são da mesma natureza e essência de Deus Pai.

A submissão de coração real a quem é de fato devida é uma grande bênção para o que é submisso, porque está na condição de espírito que é do agrado de Deus, e lhe confere mansidão, paz e alegria.

A obediência de coração faz bem não somente a Deus, como para o que obedece, e também para aquele ou aqueles que são alvo da mesma.

Lares em que a submissão ordenada por Deus é praticada são lares abençoados por Ele, nos quais Sua paz reina; a esposa em relação ao marido e os filhos em relação aos pais. Onde não há conflito e resistência o resultado somente pode ser o de paz e segurança.

Não é, portanto sem razão que somos ordenados a negarmos a nós mesmos e a carregar diariamente a nossa cruz, para a crucificação do nosso ego, que é dado naturalmente a se elevar e a não se submeter à vontade de Deus, e à daqueles que são líderes por Ele designados, que lideram em conformidade com a Sua Palavra e vontade.

O hábito da submissão deve ser formado em nós, e quando aprendido, quão felizes ficamos com o resultado disso em nossas próprias vidas. Quão diferentes ficamos! Mais semelhantes a Cristo, mais sábios, razoáveis, temperantes, pacientes; enfim, adornados com todas as virtudes que acompanham a submissão de espírito.

Uma cerviz endurecida é um grande perigo, porque Deus a abaterá, mas um coração quebrantado e contrito é agradável a Deus, e será por Ele exaltado e alegrado.

Sem submissão não pode haver unidade e comunhão.

Devemos lembrar sempre, que fomos criados para viver em unidade amorosa com Deus e uns com os outros, conforme podemos ver na oração sacerdotal de Jesus em João 17.

A submissão não é um princípio que foi ativado por Deus por causa da entrada do pecado no mundo, ou da rebelião de satanás no Céu. Ela é um princípio eterno que emana da Sua própria autoridade imanente, e se distribui por Suas criaturas conforme Sua exclusiva determinação e vontade.

Quão belo e perfeito é o Seu governo, em sua forma instituída com base na submissão! Pois onde estaria o marido arrogante e dito “machão chauvinista”, se todos os homens fossem submissos de coração a Jesus Cristo e à Sua Palavra?

Onde estaria a esposa contenciosa e autoritária, se todas as mulheres fossem submissas de coração aos seus próprios maridos, como se estivessem sendo ao próprio Cristo?

E o filho rebelde e contradizente, se todos os filhos fossem obedientes de coração e honrassem a seus pais?

E isto pode ser estendido aos empregados, em relação aos seus empregadores; aos alunos em relação a seus professores; aos cidadãos em relação aos policiais, aos governantes, aos magistrados e a todos aqueles que se encontram em posição de autoridade.

Toda submissão verdadeira e aprovada por Deus é aquela que é direcionada à justiça e à verdade. Não deve haver submissão àquilo que contraria a vontade revelada e expressa de Deus, pois importa antes obedecer a Deus do que aos homens.

Você pode ler os versículos bíblicos contendo destacadas as palavras:

1 – hupotage (grego) – submissão, subordinação, sujeição;

2 – hupotasso (grego) – submisso, sujeito, obediente;

3 – hupakoe (grego) – obediente; 

 

Por: Silvio Dutra
Igreja Orgânica de Jesus na Abolição - Rio de Janeiro - RJ
25dutra@gmail.com